1. Spirit Fanfics >
  2. Super Drags >
  3. Um Almoço Cheio de Surpresas

História Super Drags - Capítulo 20


Escrita por: Boogamer3

Notas do Autor


E por este fim de semana termino.
Espero que gostem.

Boa Leitura...

Capítulo 20 - Um Almoço Cheio de Surpresas


Izuku:On

Lado a lado com o Natsu, caminhávamos pela loja, até à praça de alimentação. Em parte, para nossa primeira saída e nossa primeira interação, até que nos demos muito bem.

Ele é mesmo como as meninas descreveram. Descolado, sarado, safado... Mas em parte, ele parece bem empenhado de estar comigo. Até me sinto mal de ter de lhe dar um fora no final disto tudo.

Em dado momento, chegamos na praça de alimentação. Estava perdido em pensamentos, até ouvir a voz dele, bem perto.

Natsu: A onde é que queres ir almoçar? - Olhei pra ele comum sorriso, vendo o mesmo acordar pra vida.

Izuku: Ah, bem... - Olhei em volta, reparando em cada um dos restaurantes e então acabei por escolher algo normal – Vamos naquele ali.

Natsu: Claro.

Seguimos rumo e chegando lá, ocupamos uma das mesas. O lugar hoje tá bem cheio. Parece que a loja vai ganhar uma boa quantia este mês.

Sentei-me numa das cadeiras, enquanto o Natsu se sentou na minha frente. Em dado momento, um empregado veio nos atender, mas em parte, só pedimos um café.

Assim que ele saiu, senti o olhar do rosado sobre mim. Encarava-o da mesma forma. Curioso, e nervoso. Mas deixava sempre a minha expressão com aquele semblante sereno. Já ele, não parava de sorrir por nada.

Natsu: E então? Do que te apetece falar?

Izuku: Pff... Haha... Bela maneira de começar uma conversa – O mesmo corou um pouco, coçando a cabeça. Mas voltou à sua postura não tarda.

Natsu: Bem, podemos começar por nos conhecer melhor, o que me diz?

Izuku: Vai na frente.

Natsu: Queres fazer pergunta e reposta, ou arranjamos outra maneira de conversar?

Izuku: Achas que isto é um jogo? - Inclinei-me um pouco, ficando bem perto dele.

Natsu: Depende queres que eu torne isto um jogo – Inclinei-me tal como ele, colocando os nossos rostos bem perto um do outro.

Izuku: Eh... - Num movimento apertei o seu nariz, fazendo o mesmo grunhir de dor.

Natsu: Au!

Sorri, me voltando pra trás, ficando de novo sentado na cadeira. Quando olhei pra ele, o mesmo parecia perdido com alguma coisa. À cara de paisagem que ele tinha, fiquei até com uma estranha sensação do que possa ter visto.

Izuku: Algum problema?

Natsu: Não. Nenhum. Bom... - Alonguei os braços, em seguida me deixando relaxar na cadeira, sem vergonha alguma – Vamos pela básico. Seu nome, sua idade, o que gosta... E por aí adiante.

Izuku: Tá certo... Natsu Dragneel.

Natsu: Uhh... Pelo visto, não preciso de te contar sobre meu nome. Não é, Izuku Midoriya?

Izuku: Pff, hahaha! Você é mesmo um bissexual descolado. Algo me diz que isto não vai durar muito.

Natsu: Ué? Já tá me dando um fora? Que maldade – Fiz beicinho o que fez o mesmo corar e sorrir – Adiante, sim sou um bissexual descolado. E você? Gay...

Izuku: Um gay, charmoso, divertido e muito bom na cama, se é que não saibas.

Natsu: Não duvido. E adoraria ver no que nós os dois poderíamos fazer numa só noite.

Izuku: Ui, ui... Algo me diz que você pediria por mais.

Natsu: Só se você não pedir primeiro pelo meu pau. Até que consigo imaginar você de quatro, gemendo o meu nome...

Izuku: Ai! Que tarado que você me saiu! - Gargalhei alto, em seguida ficando com uma expressão safada e provocadora – Adoro homens que saibam como me satisfazer.

Natsu: Haha... Vamos deixar isso pra mais arde – Pisquei o olho, sorrindo – Sabe... Talvez não devesse dizer isso, mas...

???: Eis os vossos pedidos.

Olhando pro lado, pude ver uma das minhas colegas de trabalho. Sandrão. Ela é um amor de pessoa. Às vezes intrometida, mas não deixa de ser um doce.

Peguei na minha xícara, agradecendo-lhe com um sorriso de orelha a orelha.

Izuku: Obrigada, Sandrão. Como vai o trabalho hoje?

Sandrão: Assim, assim... É melhor ir andando. Tenho mais pedidos pra entregar.

Izuku: Se cuida, miga.

Ela saiu e então voltei-me pro Natsu ainda sorrindo e o mesmo estava com uma mão segurando a cabeça, me olhando com uma expressão cheia de ternura.

Natsu: Conhece-la?

Izuku: Trabalha comigo aqui – Bebi um pouco do café, vendo o mesmo assentir com a voz.

Natsu: Adoro o seu sorriso. É muito bonito.

Izuku: Oh, bem... Ah, Deus! Assim me deixa sem reação - Me lembrei de um outro assunto que ficou pendente atrás - O que é que me ias dizer antes do Sandrão aparecer?

Natsu: Oh, ia dizer que... - Pensei um pouco na ideia de como ele reagiria, mas mesmo assim não desanimei – Que... Acho que gosto de você.

Izuku: Oh...

Pousei a xícara, sentindo o meu coraçãozinho acelerar a uma velocidade bastante rápida. Eu acho que nunca tive os batimentos assim. Sexo e amor são coisas diferentes... Mas porque eu ficaria assim com ele?

 

Natsu:On

Após a minha verdade ser dita, ele me encarava com uma expressão surpresa e até que confusa. Ah, merda, estraguei tudo. E agora o que é que eu faço? E se ele me odiar?

Izuku: Credo... - Suspirei bem fundo, fechando os olhos e abrindo-os - Ninguém me disse que você é tão direto assim.

Natsu: Ué. Se não fosse, achas que alguém me quereria?

Izuku: Sim. Sim, acho. Do jeito playboy, safado que é, qualquer um te quereria. E, no entanto... eu acho que isso não vai dar.

Auch! Mesmo em cheio no meu coração. Melhor dar logo o fora... Não, espera, nem sequer sei o porquê. Vamos prosseguir. Tenho se saber mais sobre ele.

Natsu: Magoou... Por que acha uma coisa dessas? Nem sequer teve comigo faz uma hora.

Izuku: Não é sobre como você é. É como eu me sinto em relação a isso.

Natsu: Mhmm... Parece uma situação difícil pra você. Quer desabafar? - Ele ficou apreensivo e meio aflito. Respirou fundo, respondendo com outra pergunta.

Izuku: Se eu te contar, promete não rir ou fazer troça de mim?

Natsu: Tens a minha palavra – Afirmei, colocando a mão no meu peito.

Izuku: ... – Respirei bem fundo, começando essa longa história – Eu, nem sempre tive esse corpo, sabe. Magro, curvado, esbelto... Não, em tempos, fui outra pessoa. Uma inútil.

Natsu: Porque diz isso?

Izuku: Quando eu era pequeno, eu era um garotinho obeso. As meninas e os meninos sempre vinham pra me humilhar. E eu sempre me fiz de forte e escondi toda a minha dor. Mas chegou um dia em que eu não pude mais. Desatei a chorar e contei tudo à minha mãe.

Natsu: Lamento imenso, Izuku.

Olhei pra mão dele acima da mesa e a mesma tremia. Levei a minha mão até à dele e segurei-a. Ele me olhou e pude ver algumas lágrimas de canto. Sorri como ponto de conforto e então prossegui.

Natsu: E então, como você de garoto humilhado, passou a um homem tão atraente e gostoso?

Izuku: Minha mãe tinha uma amiga que era uma personal trainer. Elas me puseram numa dieta e em num monte de exercícios. A dado tempo, eu fui mudando. E quando meu corpo ficou assim, minha mãe contatou um fotógrafo e tiramos algumas fotos sobre mim. Aquela que você viu, é uma delas.

Natsu: Estou a ver. Bem... Acho que se pode dizer que você se tornou alguém incrível apenas pelo seu esforço.

Izuku: Sim.

Natsu: Posso ver uma foto de você? Uma de como era antes desse treino todo.

Izuku: Ah, não... Não posso fazer...

Natsu: Eu prometi que não ria ou te julgava ou até criticava. Podes confiar em mim.

Ele suspirou e então soltando-se da minha mão, ele pegou no celular e remexeu no mesmo. Pude ver sus bochechas adquirirem um tom avermelhado. E em dado tempo, ele mostrou a tal foto.

Izuku: Aqui.

Olhei pra mesma e sinceramente, não intendo. No fundo estamos falando da mesma pessoa carinhosa e atraente com quem estou conversando, não é?

Na verdade, ver essa foto, me fez lembrar de uma coisa até que engraçada. E bem que chega a ser uma coincidência.

Natsu: Hehe...

Izuku: Ei! Você prometeu que não ria!

Natsu: Não, não! Não é disso que eu me tou rindo! Na verdade, acho que eu e tu temos mais em comum do que eu pensava.

Izuku: Como assim?

Sorrindo, peguei no meu celular do meu bolso e então fui na minha galeria. Ao encorar a foto que eu tanto queria, cliquei nela e em seguida mostrei-a ao Izuku.

Natsu: Veja.

Izuku: Oh... - Peguei no celular dele e vi a foto meio que pasmo. Olhei pra ele, vendo bebericar o café e então voltei pra foto - És você?

Natsu: Yap! Minha mãe dizia que eu era bem fofo assim redondinho. Mas com o tempo, fui perdendo peso e ficando com músculos de tanto trabalho. Depois disso, encontrei a minha paixão pelas fotos.

Izuku: Uau... Não fazia ideia... - Pousei o celular e o mesmo pegou nele ainda sorrindo.

Natsu: Parece que eu e tu temos muito em comum, mesmo. Achas que ainda não tenho hipótese de te conquistar, Izuku?

Izuku: Eh... – Sorri de lado, travesso e então falei com animação na voz – Ganhaste uma possibilidade de setenta por cento. Mas não fiquei achando que é muito.

Natsu: Pra mim é o bastante. Talvez consiga os trinta por cento com um beijo.

Izuku: Ah, não... É que nem pensar.

Natsu: Ué. Não quer experimentar essa minha boca. Algo me diz que vais adorar.

Izuku: É uma aposta, ou uma afirmação?

Natsu: O que tu quiseres. Anda lá, só um beijinho.

Ele sorriu e no mesmo instante se levantou e inclinou sobre a mesa. Fiquei meio que estático, pois não pensei que fosse ser assim tão rápido. A sem tempo, seu rosto ficou perto do meu. Pude sentir a respiração dele e...

???: Natsu!

Natsu: O que...

Ele se afastou e ao olhar em volta, encontrei a responsável por estragar o meu momento. O meu pior pesadelo. Nunca pensei que de tantas pessoas que poderia ter aparecido agora, fosse a vadia da minha ex.

 

Continua...


Notas Finais


Até à próxima. BYEEE!!


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...