História SuperCorp - Capítulo 206


Escrita por: ~

Postado
Categorias Supergirl
Personagens Kara Zor-El (Supergirl), Lena Luthor
Tags Supercorp
Visualizações 118
Palavras 2.436
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Comédia, Crossover, Famí­lia, Ficção Adolescente, Romance e Novela, Yuri (Lésbica)
Avisos: Bissexualidade, Intersexualidade (G!P), Sexo
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Capítulo 206 - Lena a Vampira Cap 7


 

 

Kara estava parada no banheiro, suspirando enquanto apoiava as mãos nos lados da pia.Ela olhou para si mesma no espelho, não satisfeita por sua tentativa fracassada de esquivar uma bala. Sua tia não era estúpida e, claro, era óbvio que Lena tentara mordê-la quando se encontraram. Não que ela tivesse alguma marca de mordida ou qualquer coisa para mostrar, mas nada disso era necessário quando as palavras de Lena e sua reação a elas haviam sido uma oferta morta.

Ela agarrou a bainha de seu suéter e ergueu-o sobre sua cabeça, descartando-o no cesto. A camisola azul que Samantha lhe dera para emprestar sentia quente e macia. Ela puxou o suéter azul no lugar antes de sair do banheiro, esperando que o resto do dia fosse sem soluços, embora, felizmente, sua tia não tivesse mostrado nenhuma raiva na revelação de Lena tentando mordê-la.

Dificilmente dois passos fora do banheiro, ela congelou no local. Lena estava no chão enquanto Ruby estava sentada em cima dela, sorrindo e fazendo cócegas enquanto Sirius estava tentando ajudar. Foi uma ótima visão, vendo todos sorrir e ouvir sua noiva rir enquanto ela suportava as cócegas. Ela não tinha certeza se Lena era realmente cócegas ou se ela estava apenas fingindo, embora soubesse que sentia tudo exatamente como fazia. Dado que ela estava um pouco cócegas, era possível que sua noiva fosse também.

"Você me pegou", Lena disse com um ar dramático, colocando a parte de trás de sua mão contra sua testa. "Essas cócegas são ... uma das minhas fraquezas", ela sussurrou, afastando a língua da boca quando Sirius fazia cócegas em seus lados.

Quando Lena fechou os olhos, Sirius sentou-se de joelhos e cutucou sua bochecha. "Ei, estamos apenas brincando", ele disse, franzindo o cenho enquanto ele balbuciava.

Kara bateu uma mão na frente de sua boca quando Sirius tentou abrir as pálpebras de Lena com seus dedos minúsculos. Ela riu quando sua noiva de repente abriu os olhos e atacou Sirius com cócegas, o que o fez gritar como um pequeno leitão. Ficou ainda melhor quando Lena começou a lançar um ataque de cócegas sobre Ruby também. Ela podia ver o quão gentil ela estava sendo, como ela mediu sua força.

"Tickle monster!" Ruby riu, se contorcendo sem o aperto de Lena.

"Este monstro está com fome", disse Lena, lambendo os lábios. "Ah, um rapaz jovem e gostoso", disse ela, soprando uma framboesa no estômago de Sirius, fazendo-o coo.

Kara não culpou sua tia por ter levantado uma sobrancelha. Realmente foi uma surpresa, ao ver a princesa vampira, que tinha mais de seis séculos de idade, sendo tão adorável sobre crianças. Ela não tinha dúvidas de que realmente amaria Lena algum dia porque sentiu que já estava caindo por ela.

"Lena é uma mulher maravilhosa", Samantha sussurrou na orelha de Kara.

Kara sorriu quando pegou o olho de Lena.Sussurrar nunca impediu a noiva de ouvir coisas. Ao contrário dela, não havia nenhum interruptor para Lena. Não que ela tivesse um literal ligado e desligado, mas ela conseguiu filtrar sons e não ouvir sussurros se ela não escolhesse ouvi-los. Samantha estava certa, Lena era uma mulher maravilhosa.

Astra observou Lena por um momento, seus olhos seguindo-a com curiosidade enquanto ela correu lentamente depois de Ruby e Sirius perseguí-los depois que eles ousaram que ela os pegasse se pudesse. "Eu aprovo dela. Ela deve ser uma esposa digna. Bom o suficiente para curar o herdeiro da casa de El ", ela sussurrou para Kara em Kryptonese.

Kara nunca poderia expressar o quanto significava para ela que sua tia aprovava Lena.A aprovação não era uma necessidade, embora ela se sentisse mais feliz ao ter."Posso perguntar-lhe algo pessoal?", Perguntou a Lena num sussurro quando Astra e Samantha se deixaram escassos na cozinha para buscar biscoitos para as crianças.

"Você pode pedir qualquer coisa", respondeu Lena em silêncio, sorrindo enquanto se sentava no sofá ao lado de Kara.

Kara se aproximou um pouco mais de Lena, até os joelhos tocarem. "Você já quis uma família? Como crianças ", ela sussurrou, curiosa após ter visto sua noiva interagir com Ruby e Sirius.

"Nos meus anos humanos, atravessou minha mente", Lena respondeu, apoiando a mão na perna de Kara. "Os vampiros não podem ter filhos. As crianças de vampiros são estritamente proibidas. Virar uma criança é contra a nossa lei, pois eles nunca podem controlar sua sede e nunca estarão satisfeitos. Uma criança vampira pode matar uma nação inteira ", ela explicou, esfregando pequenos círculos na perna de Kara. "As crianças mortais envelhecem e morrem. Não posso criar filhos apenas para vê-los morrer. "

Kara pensou em uma terceira opção, de Lena criando uma criança humana e transformando-os quando eles atingiram a idade, embora isso também não pareça ideal e pode ser um pouco estranho no longo prazo."Eu ainda sou jovem e não sei o que o futuro trará, mas não tenho certeza do que penso sobre crianças", ela respondeu, na cerca sobre isso. "Minha irmã definitivamente vai ter filhos algum dia e eu vou ser a tia legal, ou bem, nós dois seremos".

Sirius sorriu atrevido, segurando dois biscoitos em suas pequenas mãos gordas enquanto caminhava para o sofá. Ele entregou um deles para Kara e o outro para Lena. "Os cookies são gostosos", ele disse, seus cachos pretos sorriem diante de seus olhos azuis quando ele bateu a cabeça.

"Eu vou salvar esse deleite para mais tarde", disse Lena, sorrindo para Sirius enquanto tirava o biscoito. "Obrigado, pequeno cavalheiro", ela sussurrou, arruinando o cabelo.

Sirius se arrastou no topo do sofá e sentou-se no colo de Lena.

"Não é tão tímido mais, estamos?", Perguntou Lena, sorrindo enquanto ela rodeava Sirius.

"Sirius é muito sensível, uma vez que ele supera sua timidez", disse Samantha. "Nunca mais o vi aquecer com alguém tão rápido antes, você deve ser especial".

"Oh, Rao, ela é", disse Kara, em voz alta, por engano. Ela corou quando Lena a olhou. "O que posso dizer? Eu gosto de você ", ela sussurrou, sugando seus lábios na boca.

"Posso jogar flores no seu casamento?" Ruby perguntou a Kara e Lena. "Eu quero usar um vestido de princesa rosa".

"Você pode jogar todas as flores", respondeu Kara, sorrindo. "Com exceção do buquê, você pode deixar esse para nós", disse ela, rindo enquanto pensava em como se certificaria de que iria pousar diretamente nos braços de sua irmã. Se Alex não a ganhou para se casar primeiro, porque sua irmã pareceu realmente desligada em Maggie.

"O meu alfaiate pode fazer um vestido", disse Lena a Ruby.

"Você tem seu próprio alfaiate?", Perguntou Kara, levantando as sobrancelhas. "Oh, certo ... princesa ... não importa, faz sentido", disse ela, embora não tivesse pensado que um vampiro teria um alfaiate.

Sirius desceu do colo de Lena a favor de jogar com Ruby.

Kara agradeceu a Samantha quando ela lhe trouxe um novo copo de refrigerante, um que ela não iria derramar sobre suas roupas. Tudo estava indo bem. Lena estava sorvendo de seu copo de sangue enquanto conversava com Astra e Samantha. Ou pelo menos, foi bem até que Sirius pegou um papel cortado de um pedaço de papel que ele estava usando para fazer um desenho.

A mão de Lena apertou em torno de seu copo e começou a se quebrar devagar, sinalizando que estava prestes a quebrar seu aperto.

Kara estremeceu com o movimento, nem conseguiu imaginar quão forte o cheiro do sangue de Sirius deve ter sido para Lena. Ela lembrou-se de como sua noiva dizia que os seres humanos mais jovens experimentavam melhor, como era um desejo de beber de uma criança, um desejo que ela não poderia ter.

A mão de Lena estremeceu tão ligeiramente enquanto apressadamente colocava o copo na mesa. "Estou bem", ela sussurrou para Kara, apertando a mão muito mais do que o habitual.

Astra levantou Sirius e levou-o ao banheiro para cuidar do dedo.

A mão de Lena ainda se sentia muito tensa e seu aperto muito forte quando Sirius voltou do banheiro. Os olhos de Kara praticamente se abaixaram quando Sirius aproximou o dedo da boca de Lena, onde descansou uma pequena banda.

"Você pode beijar meu auwie melhor?", Perguntou Sirius, balbuciando.

"Sim", Lena respondeu, pressionando seus lábios para o dedo de Sirius. "Tudo melhor agora", ela sussurrou, sorrindo quando Sirius sorriu.

Kara queria perguntar a Lena se ela estava bem, mas Sirius a distraiu quando ele perguntou o mesmo que ele perguntou a Lena."Estou orgulhoso de você", ela sussurrou para a noiva quando seu primo fugiu para jogar de novo.

Saindo, Alex havia dito. Mas isso realmente não estava acontecendo para Kara.Kryptonians não pulou de um armário metafórico para dizer que gostaram de pessoas de seu próprio gênero. Para sua irmã, ela faria uma exceção, então ela não precisaria fazer isso sozinha. Ela sabia o quão assustado Alex era Eliza não aceitaria quem era. Pessoalmente, ela não estava preocupada. Tinha a sensação de que Eliza ia adorar e aceitá-los, quem quer que amasse.

Bem, se alguém não fosse um vampiro. Não que ela amasse Lena, mas estava bem no caminho. E talvez ela tenha amado Lena, embora ela ainda não estivesse apaixonada e sim, havia uma diferença. Ela não tinha idéia de como Eliza reagiria a ela namorando um vampiro ou como sua irmã reagiria. Isso era algo que ela não descobriria hoje, não. Um choque de cada vez foi suficiente.

Com a saída, ela mencionou que namorava com vinte e quatro anos e esperava o melhor.O pior que poderia acontecer era que Eliza poderia exigir que ela nunca mais visse Lena, mas isso parecia improvável. Ela era uma adulta e, na pior das hipóteses, o que quer que fosse, ela sempre poderia escolher viver com a Astra.

"Os pais de Maggie a expulsaram," Alex faleceu, as palmas suadas nas mãos de Kara.

"O quê?", Perguntou Kara, franzindo a testa.

Alex respirou fundo. "Maggie me disse que seus pais a expulsaram por ser gay quando tinha catorze anos", ela respondeu em um sussurro, mordendo o lábio. "E se ... e se a mãe me expulsar?"

"Ei, Alex, olhe para mim," Kara sussurrou, agarrando as bochechas da irmã. "Eliza não faria isso e, mesmo que sim, você sempre me terá e eu o levaria comigo para ir ao vivo com minha tia. Eu amo você do jeito que você é e estou orgulhoso de você que você vai sair ".

"Eu não seria capaz de fazer isso sem você, Kara", Alex fungou, sorrindo enquanto Kara apagava as lágrimas. "Você acha que sua tia também levaria Maggie?", Ela perguntou, tocando como se ela estivesse brincando."Porque seu colega de quarto, Winn, nem sequer pode cozinhar um ovo e sempre faz seu alarme de incêndio sair".

"Você está brincando comigo? Minha tia adotaria qualquer criança em que pudesse colocar as mãos ", respondeu Kara, sorrindo."Você provavelmente ficaria preso compartilhando uma cama comigo ou com Ruby".

"Eu amo crianças, acho que vou escolher Ruby", Alex respondeu, rindo quando Kara a empurrou. "Você não é mais uma criança, os mendigos não podem ser escolhidos".

"Oh, eu vejo como é, sou jovem demais para namorar uma mulher e, de repente, muito velho para compartilhar uma cama com você", Kara resmungou, sorrindo. "Você está perdendo os abraços incríveis".

"Tente esmagar os ossos", corrigiu Alex. "Eu gostaria de poder respirar enquanto eu dormi".

"Lena nunca se queixa de meus abraços", respondeu Kara, balançando a cabeça quando ela pensou o quão forte era Lena e como ela não precisava respirar de qualquer maneira.

"Vamos descer as escadas e falar com a mãe", disse Alex, levantando-se. "Antes de perder a coragem de fazê-lo e segurar a língua até eu estar à beira de me casar".

"Tudo vai ficar bem", disse Kara com tranquilidade, agarrando a mão da irmã. "Você é Alex Danvers, minha brava e grande irmã a quem eu olho".

Alex vacilou com isso. "Você olha para mim?", Ela perguntou, os lábios se separaram um pouco com admiração.

"Claro, você é minha grande irmã", respondeu Kara com um sorriso deslumbrante. "Você é esperto, você nunca deixa nada te assustar e você não me tratou como um alienígena quando eu cheguei pela primeira vez. Eu sei que você não gostou de mim imediatamente, mas você foi gentil comigo ".

Juntos, eles desciam as escadas para falar com Eliza, que estava sentada no sofá com um copo de vinho e uma caixa de chocolates.

"Mãe", disse Alex, limpando a garganta. "Há algo que precisamos lhe dizer".

Kara assentiu com a cabeça para continuar com a irmã.

"Eu uh ... Recentemente conheci alguém realmente, realmente gosto", disse Alex, apertando a mão de Kara tão forte que teria doído se fosse humana. "E o nome dela ... seu nome é ... Maggie", disse ela, mais calma enquanto evitava olhar para Eliza. "Eu percebi que não ... Eu não sou ... eu sou ..." Ela mordeu o lábio, lágrimas escaparam dela enquanto sacudia a cabeça. "Kara", ela sussurrou, olhando para Kara com desespero.

"Alex e eu conhecemos alguém", disse Kara, voz ligeiramente mais forte do que a da sua irmã, embora tingida de nervosismo mesmo assim. "Ela conheceu uma menina chamada Maggie e conheci uma jovem chamada Lena.Este é eu que sai como pansexual e confesso que estou namorando ".

"E eu sou gay", Alex entrou.

Eliza abaixou o copo. "Eu estava ciente de ambos", ela disse com um leve sorriso. "Alex, querida, eu sempre vou te amar, independentemente de quem você ama. Você é minha filha. Você nunca deve ter medo de compartilhar algo comigo ".

Alex chorou e abraçou Eliza. "Você sabia que eu sou gay e que estou namorando uma garota?" Ela perguntou, surpresa evidente em sua voz.

"Uma mãe sempre sabe", respondeu Eliza, acariciando as costas de Alex.

"A mulher que eu estou namorando é vinte e quatro", compartilhou Kara, mexendo com seus óculos. "Eu sei que há uma diferença de idade, mas eu não sou mais uma criança e Lena é especial".

"Você parece inflexível para me convencer," Eliza respondeu, suspirando. "Eu admitirei que é uma luta para mim aprovar meu filho de dezoito anos com uma idade de vinte e quatro anos. Você está na faculdade e algo assim pode colocar uma divisão entre vocês dois, considerando que ela é mais velha e madura ".

Kara se absteve de mencionar como Eliza não tinha idéia de quanta Lena mais velha e madura era precisamente. Não haveria nada que a afastasse de sua noiva, especialmente não um pequeno detalhe como a diferença de idade.

"Eu gostaria de conhecer essas duas mulheres", disse Eliza de forma decisiva. "Eu acho que ambos os mantiveram escondidos o tempo suficiente".

 



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...