1. Spirit Fanfics >
  2. Supernatural >
  3. Lobisomem

História Supernatural - Capítulo 1


Escrita por:


Notas do Autor


Olá, meus amores!
Para quem ainda não sabe decidi reescrever essa história!
Espero que gostem.
Apreciem sem moderação!

B
O
A

L
E
I
T
U
R
A

Capítulo 1 - Lobisomem


Fanfic / Fanfiction Supernatural - Capítulo 1 - Lobisomem

Dean

Não entendia porque a Amara havia trazido mamãe de volta, era estranho depois de tantos anos te-la novamente por perto. Ela nos fez tanta falta esses anos todos, a família estava quase completa, só faltava o papai...

Sam

Dean pareceu feliz em ter a mãe por perto, e eu também, afinal passei praticamente a vida toda sem ela, só a tive por perto nos meus primeiros 6 mêses de vida, por tanto não tinha lembranças dela.

Estava no bunker, sentado a procura de um novo caso, Dean estava comendo torta, mamãe não estava, fazia dias que não recebiamos notícias do Castiel, do Crowley e da  Rowena.

O que era um pouco estranho, depois de muita procura achei um caso, várias pessoas sendo encontradas morta sem o coração, com toda certeza era um lobisomem.

— Dean...

— Fala, Sammy?

— Achei um caso. Olha só, nos últimos três dias, cinco pessoas foram encontradas mortas sem o coração. Acho que temos um lobisomem.

— É, finalmente algo para fazermos. Qual a cidade?

— Massachusetts, Boston.

— Eu pego as armas, você pega as coisas. Acha que devemos chamar a mãe?

— Acho melhor não, Dean. Ela nunca quis isso para nós.

— É, tem razão. 

Depois disso subi para o quarto pegar roupas, não sabíamos muito bem se conseguiríamos achar rápido esse lobisomem. Depois de pegar tudo desci para garagem e o Dean já estava no impala.

Dean

Peguei todo o arcenal, embora precisassemos somente de balas de prata, mas melhor previnir do que remediar, coloquei tudo na mala do baby. Logo o Sam chegou com nossas coisas.

— Cara, tô num fome - me queixei para o Sam.

— A gente para no caminho e você compra uma torta - disse  Sam revirando os olhos.

Coloquei minhas fitas para tocar, para começar coloquei Highway To Hell, e acelerei o baby, em pouco tempo já estávamos na rodovia, isso me fez lembrar os velhos tempos, quando Sam e eu procurávamos pelo pai, foi uma lembrança boa e ao mesmo tempo ruim. Queria que ele estivesse aqui, que estivesse vivo.

Logo avistei uma lanchonete na beira da estrada, Sam já me olhou sabendo que eu ia parar, estacionei o impala na frente do local e descemos. Assim que entramos avistei uma garçonete bem gostosa, ela tinha seios fartos, cabelos castanho claro, olhos azuis e um corpo maravilhoso, Sam já me olhou com aquela cara "De não faz isso Dean!", resolvi me comportar dessa vez. Logo ela veio até nós.

— Olá, sou Ang a garçonete. O que vão pedir? - perguntou ela com um sorrisinho no rosto.

Antes que pudesse dizer algo, Sam já estava fazendo o pedido.

— Dois x-burgues com bastante bacon, uma porção de batatas, uma salada e uma torta. Ah, é para a viagem, obrigado - falou Sam antes que ela falasse algo mais.

— O que foi isso, Sammy? - perguntei meio irritado.

— Nada. Só evitei que você desse em cima da garota e nós ficassemos mais tempo do que devíamos aqui - ele respondeu revirando os olhos.

Alguns minutos depois...

— Aqui está o pedido de vocês - ela falou nos entregando.

— Claro, obrigado. A conta por favor? - falou Sam.

— Aqui, tudo deu $60,00 dólares.

— Aqui esta, pode ficar com o troco - falei enquanto piscava para ela.

Depois fomos para o baby e seguimos para nosso destino, em algumas horas estávamos no motel já nos registrando. Nos registramos como agente Masen e agente Hale do FBI. Pegamos um quarto para dois com duas camas, o pessoal olhou para gente espantado, acho que pensam que somos gays, mas nem ligo, quase sempre pensam isso.

— E aí  Sammy, achou mais alguma coisa? - perguntei assim que entramos no quarto.

— Não, na verdade não. Precisamos ir ver os corpos no necrotério e depois, sei lá, tentar achar o lobisomem ou a lobisomem.

— É uma boa ideia, Sammy. Vou tomar banho e já vamos.

— É Sam! - ele respondeu exaltado.

Não aguentei e cai na risada, fui logo para o banheiro antes dele se irritar. Logo estávamos trocados, vestidos como dois agentes do FBI, pegamos os distintivos e fomos para o baby.

Em questão de minutos já estávamos no necrotério, descemos do baby e entramos discretamente.

— Olá, posso ajudá-los? - perguntou uma moça loira sorrindo.

— É, pode sim - respondi com um pouco de malícia -, mas agora eu estou trabalhando.

— Eu sou agente Hale e esse é meu parceiro agente Masen, somos do FBI - falou Sam antes da moça fazer qualquer outra pergunta. - Gostaríamos de ver os corpos que foram encontrados.

— C-como souberam disso? - ela gaguejou.

— É o nosso trabalho moça - falei sorrindo.

Depois disso ela indicou para que a seguirmos , logo estávamos no necrotério. Assim que ela mostrou os corpos só confirmou mais minhas suspeitas e do Sammy, era um lobisomem, com toda a certeza.

— Qual foi o laudo da morte? - perguntou Sam.

— Ataque de animal selvagem. Desde quando FBI se preocupa com ataque de animal? - Questionou ela.

Sam e eu nos encaramos por um tempo.

— Estamos apenas checando se não é um psicopata maluco. - Falei.

— Aonde foram encontrados os corpos? - perguntei.

— Em uma área de parque ecológico.

— Sabe me dizer aonde fica exatamente, moça? - perguntei com um olhar sedutor. Pelo canto do olho vi Sam revirar os olhos.

— Me chamo Marie.

— Ah, claro Marie - disse sorrindo. - Então, pode me dar a informação?

— C-claro.

Ela voltou de onde viemos , a seguimos , ela anotou o endereço no papel e também o número do celular dela , dei uma piscada para ele quando o Sammy não estava olhando. 

— Muito obrigado, Marie. - Sam falou antes que eu pudesse dizer algo.

— Por nada - ela disse sem jeito.

Depois disso voltamos para o impala, já estávamos quase chegando no motel quando Sam voltou a falar.

— O que foi aquilo, Dean?

— Não sei do que esta falando - respondi.

— Acha que eu não vi você dando em cima da Marie e ela dando bola para você? - perguntou ele indignado.

Não aguentei, comecei a rir.

— Essa foi demais, Sam. Até para você!

Ele revirou os olhos e bufou, logo estávamos no motel. Fomos para nosso quarto e trocamos de roupas.

— Bom, já sabemos que é um lobisomem. O difícil vai ser descobrir quem é - refletiu Sam.

— É vai ser um tanto complicado e um saco! O que acha de irmos até o local onde os corpos foram encontrados.

— É uma boa idéia, se ficarmos socados aqui não vamos descobrir nada.

— Então vamos nessa, Sammy - disse já pegando minha jaqueta e a arma com as balas de prata.

Sam

Fomos para o local onde os corpos foram encontrados, com toda certeza era o território do lobisomem. Só esperava que minha suspeita estivesse errada.

Dean

Chegamos no local, o sol já estava se pondo, quase anoitecendo. Descemos do impala e fomos para mais perto das árvores.

— Sam?

— Fala, Dean.

— Hoje é noite de lua cheia, não é?l

— Sim, é.

— Tive uma ideia - disse sorrindo.

Sam revirou os olhos.

— Vai buscar algo pra mim comer? Tô morrendo de fome.

— Grande novidade, você vive com fome.

— Para de reclamar, vai lá e me trás dois x-burgues, cerveja e uma torta.

— Tá, você vai ficar aqui para o caso do lobisomem aparecer, certo?

— É, e vê se não esquece a torta! - Gritei quando ele estava voltando para o carro.

Logo Sam saiu, ele parecia estar me escondendo algo, mas talvez só fosse algo da minha cabeça. A lua cheia começava a aparecer, foi quando ouvi o primeiro ruivo. Chequei as balas da arma e deixei o jeito, de repente o ruivo parecia estar perto, foi quando me virei e vi, não conseguia acreditar.

— Madison?!

Ela veio para cima de mim, me empurrou contra uma árvore, não atirei, se atirasse Sam ia surtar. Peguei a faca de prata e fiz um corte na perna dela, depois disso ela saiu correndo. É brincadeira que o Sam não a matou! Ah, ele vai me ouvir! Minha cabeça dóia um pouco por conta da batida na árvore. Peguei meu celular no bolso e disquei o número do Sam.

Depois de alguns minutos ele enfim atendeu.

— Sam?

— Oi, Dean. Algum problema?

— Vai demorar muito?

— Estou quase chegando.

— Okay então, tchau.

— Tchau.

Em seguida desliguei o celular.

Ele pareceu não suspeitar que eu já sabia que ele não havia matado a Madison, não demorou muito e o Sam chegou.

— Sammy, você não tem algo para me contar?

— Não, não sei do que esta falando Dean.

— Não sabe?! Estou falando de você não ter feito o que era preciso! Estou falando de você não ter matado a Madison!!!

— O quê? Dean, eu matei ela - não acredito que ele estava tentando mentir de novo.

— Matou né? Que estranho porque ela acabou de tentar me atacar, Sammy!

— Ah - Sam ficou meio que sem fala, não sabia mais como mentir.

— Eu sei que você ama a garota ou amava sei lá, Sam. Mas não deveria ter escondido isso de mim!

— Eu sei, Dean. Me desculpe, eu errei tá legal!?

— É, Sam. Errou feio - disse passando a mão no rosto.

— Precisamos encotrá-la, e rápido.

— Concordo. Mas por onde começamos?

— Podemos procurar se alguém com o nome dela esta em algum hotel ou alugou um apartamento recentemente.

— É, vamos voltar pro motel então.

Sam me passou as chaves do impala e voltamos para o motel, ele pesquisou tudo que podia, mas não havia nenhuma pista de onde a Madison poderia estar.

— Eu vou sair - anúncio Sam.

— Vai onde?

— Vou tomar um porre! Não fala nada.

— Tá legal - disse rindo.

Logo Sam havia saído e eu não tinha o que fazer, comi um pouco de torta e depois deitei na cama.

Sam

Saí para esfriar um pouco a cabeça, fui para um bar ali perto, várias perguntas rodiavam minha cabeça. Aonde a Madison estaria? Como ela estaria? Será que ela havia ferido alguém?

Enquanto essa perguntas rodiavam minha mente tomei mais um gole de cerveja, o dia já estava amanhecendo, foi quando uma moça entrou, nem me dei ao trabalho de olhar quem era, já havia enchido a cara, foi então que alguém se sentou ao meu lado.

— Sam? - olhei para cima e reconheci a voz q me chamava.

— Madison!? Haaa Madison, como é bom te ver! - disse a abraçando.

— Também é ótimo ver você, Sam. - Ela sorriu.

— Estava te procurando, descobri algo importante.

— O que descobriu ?

— Que se você não dormir na noite de lua cheia, você não se transforma!

— Que boa notícia, eu acho.

— Madison, venha comigo e com o Dean para o bunker.

Um silêncio dominou o ambiente.

— Vamos cuidar de você! Eu prometo.

— Haa eu não sei, o Dean vai ficar uma fera!

— Fica tranquila, essa fera já deve estar mais calma a essa hora.

— Se você acha. Acha mesmo uma boa ideia me ter por perto?

— Sim, assim podemos evitar que você machuque alguém e que alguém te machuque.

Ela apenas assentiu, peguei na mão dela e fomos para o motel, Dean já estava meio preocupado quando cheguei.

— Porque demorou tanto, Sammy?

— É Sam! - disse revirando os olhos. - Demorei porque estava enchendo a cara, pensando nas coisas, quando a Madison apareceu lá.

— Haa, que legal. Oi, Madison.

— Olá, Dean - ela tentou sorrir um pouco.

— Pensei em levar ela com a gente para o bunker, eu andei pesquisando sobre lobisomens e descobri que ela só se transforma se estiver dormindo. E que isso só acontece na lua cheia.

— Legal nerd, então ela vai com a gente?

— Claro.

Dean não pareceu muito feliz mas até que levou numa boa a ideia da Madison morar com a gente. Eu não iria prende-la a mim, apenas a deixaria por perto enquanto tentava descobrir uma cura verdadeira para ela, queria que ela vivesse novamente como uma pessoa normal e feliz.



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...