1. Spirit Fanfics >
  2. Supernatural o diário de Kaitlyn Robert >
  3. Capítulo 3- Como assim caçadores?!

História Supernatural o diário de Kaitlyn Robert - Capítulo 4


Escrita por:


Notas do Autor


Vorteiii. Mil desculpas pela demora, mas aqui tô euu. O capítulo ficou meio chato, mais é o que temos. Chega de enrolação e vamo q vamo.

Capítulo 4 - Capítulo 3- Como assim caçadores?!


Fanfic / Fanfiction Supernatural o diário de Kaitlyn Robert - Capítulo 4 - Capítulo 3- Como assim caçadores?!

                Dean Winchester 

Tínhamos acabado de voltar da mansão dos Robert, o Sammy falava algo sobre o caso, mais eu só conseguia pensar naquelas irmãs gostosas, uma parece ser difícil e outra é bem simpática, preciso bater um papo com elas, mais acho que a tal da Kaitlyn não foi muito com a minha cara, então vou tentar com Karon. É isso mesmo. 

-Dean você não ouviu nada do que eu disse né?

-Hein?

-Eu tava falando sobre os Roberts.

-Ah é ela é mó gata né?

-Você tá pensando na Kaitlyn?

-Nela também, mais a Karon...você a bunda dela? Eu preciso bater um papo com ela.

-Dean ela acabou de perder os pais e você quer transar com ela?

-É uma distração. -Disse e ele revirou os olhos.

-Só foca no caso....Bem com certeza é demônio, agora o que ele queria com eles?

-Talvez um deles deve ter feito pacto?

-Geralmente cães do inferno vem atrás da pessoa, mais eu não sei.

-E a faca?

-Eu vou da uma pesquisada, Mais ela deve conter algum feitiço, a Kate usou pra ferir o demônio.

-Mais um motivo pra ela ter feito pacto, como ela ia saber disso?- Questionei.

-E de acordo com a Kaitlyn, a Kate falou palavras estranhas que com certeza era um exorcismo. Eu não sei cara, mais acho que tem muito mais por trás disso tudo. -Sammy disse e suspirou.

-É, temos que achar esse demônio, ele pode voltar pra terminar o serviço.

-É. Eu vou pesquisar mais por aqui e ver se eu acho alguma coisa.

-Tá legal, eu vou comprar alguma coisa pra gente comer. -Ele assentiu e sai do quarto indo até a lanchonete.

Cheguei lá olhando em volta e por ironia do destino a Karon tava lá sentanda em uma mesa perto da janela. Tenho essa oportunidade e não desperdiça-la. Ela tava pensativa e nem viu eu me aproximar.

-Eu posso me sentar aqui?- Ela olhou pra mim e sorriu.

-Agente Plant senta ai.

-Como você tá?- Perguntei me sentando de frente pra ela.

-Tá difícil mais eu tô superando aos poucos. -Ela disse abaixando a cabeça, ficamos um tempo em silêncio e eu resolvi mudar de assunto.

-Que coincidência né?- Perguntei e ela assentiu.

-Pois é, não esperava ver você tão cedo.- A garçonete veio me atender e eu pedi um cheeseburger. 

-Mais e ai o que tá fazendo aqui? Achei que você não vinha em lugares como esse.- Perguntei e ela soltou uma risada gostosa.

-Você acha que eu só vou em lugares de luxo, com aquelas comidas chiques? Só porque eu tenho boas condições não quer dizer que eu goste de lugares assim e eu odeio aquelas comidas chiques.

-Nossa achei mesmo que você nunca pisasse em lugares como esse aqui.

-Tem muita coisa que você não sabe agente. -Ela disse dando um sorrisinho que no fundo tinha alguma malícia. Cara eu tenho que pegar essa garota.

Logo a garçonete voltou trazendo o meu prato e mais outros dois . Ela colocou um prato na minha frente e os outros ela colocou na frente da Karon, sem falar que tinha muita batata frita e um milkshake, olhei pra ela com cara de confusão.

-O que foi? Eu tô com fome, não tava comendo direito. -Ela disse rindo dando uma grande mordida no seu lanche. Ela não mentiu quando disse que tava com fome. Decidi comer o meu também, eu tava cheio de fome.

Comemos, conversamos e nem vimos a hora passar, chamei a garçonete pra trazer a conta. Pagamos e saímos da lanchonete, sinceramente eu tava gostando da companhia da Karon, ela era bem simpática, diferente da irmã.

-Obrigada por me escutar e me fazer esquecer de tudo que tá acontecendo. -Ela disse ficando de frente pra mim.

-Não precisa agradecer, eu só te fiz companhia. -Disse e ela sorriu. Esse sorriso...

-Bem eu já vou indo então.

-Não quer uma carona?

-Não obrigada e aliás você ainda tem que levar a comida pro seu parceiro, mais obrigada mesmo assim.

-Nos vemos por ai Karon.-Ela assentiu sorrindo.

 -Boa noite.- E assim ela saiu.

Talvez o Sammy estivesse certo, ela tá passando por um momento difícil eu só tô pensando com a cabeça de baixo. Eu sei como é, ela tá rindo, sorrindo, mas a mente  tá acabando com ela, acredito que com a Kaitlyn seja a mesma coisa. Eu sei muito bem como ela tá se sentindo. Voltei pro quarto e o Sam ainda pesquisava.

-Até que enfim eu já tava com fome. Porque demorou tanto?

-Eu encontrei com a Karon na lanchonete. -Ele me olhou surpreso.

-Nossa eu achei que ela não frequentasse esses lugares. Você não cantou ela né?

-Não, e você tá certo, ela tá passando por um momento difícil e eu só tô pensando em transar, então eu não vou tentar nada com ela, ou até mesmo com a Kaitlyn mesmo que eu queira muito. -Falei tudo de uma vez.

-Nossa, que bom que você viu qual era o melhor caminho. Agora eu queria ouvir denovo a parte de eu está certo você poderia repetir?

-Vai a merda Sam. -Ele riu. Desgraçado. -E ai achou alguma coisa? - perguntei mudando de assunto.

-Ainda não, as únicas pessoas que poderiam nos da respostas seriam O James e a Kate.

-Vamos investigar mas amanhã e vamos acabar com o desgraçado do demônio. -Ele assentiu.

Vamos mata-lo e livrar as garotas disso, Karon com certeza quer protege-las, eu sei como é, ela faria de tudo pelas irmãs assim como eu faria pelo Sam, então temos que matar o demônio e elas poderam seguir a vida normalmente. Pelo menos eu acho.



                 Kaitlyn Robert 

 Hoje era a primeira noite sem os nossos pais, sem momentos de risos, sem a torta deliciosa da mamãe, sem as histórias do papai...Tá tudo tão....parado, triste. Karon havia saido e voltou por voltas das 21hras, ela precisava ocupar a cabeça então por isso eu não fui junto. Ela disse que encontrou com um dos agentes que tiveram aqui, ela disse que foi o loiro. Sinceramente eu não fui com a cara dele. Agora estávamos no quarto dela vendo as meninas super poderosas, era o desenho preferido da Kath, ela fala que nós parecemos com elas, tipo a Karon é a florzinha porque ela é mas calma e sensata, a Kath é a lindinha porque ela é mais doce, carinhosa e eu sou a docinho, tudo porque eu não tenho paciência, sou estressada, resumindo, elas acham que eu sou a docinho em pessoa. Olhei e vi que a Kath já estava dormindo, levantei e desliguei a televisão e Karon a cobriu. Íamos dormir juntas hoje por conta do que aconteceu, então era bom ficarmos juntas.

-Você tá bem?- Perguntei a Karon.

-Eu....tô tentando superar aos poucos, mas tá tão difícil.- Seus olhos começaram a ficar marejados fui até ela e a abraçei.

-Mas e você?-Perguntou separando o abraço.

-Eu tô bem.

-Kaitlyn, você é durona, mas eu sinto que você é a que tá pior com tudo isso.

-Todas estamos, mas assim como você eu tô tentando superar, e eu preciso ser forte por vocês. -Ela sorriu e colocou a mão no meu rosto dando um beijo na minha testa logo em seguida. 

-Vamos dormi.-Ela se deitou de um lado da Kath e eu do outro, a cama era grande então cabia todas nós.

A madrugada chegou e eu ainda tava acordada pensando nas palavras da Karon, eu sou durona mas tem uma coisa dentro de mim que tá me matando, mais eu tenho que ser forte, sempre fui durona nas coisas então não iria ser diferente. Eu tinha que descobrir mais sobre aquele cara, quem era, qual o vínculo com a nossa família, eu precisava saber. Então eu tomei uma decisão e espero que eu esteja fazendo a coisa certa. Finalmente o sono havia chegado e eu conseguir dormir.


                          

                         [...]

Acordei vendo que a Kath nem a Karon estavam mais na cama, me levanteie fui pro meu quarto. Cheguei lá indo direto pro banheiro, fiz minhas higienes matinais e tomei um banho relaxante. Sai me enxugando, fui até o closet e peguei uma calça jeans azul escura e uma blusa cinza. Eu sempre achei esse closet um exagero. Sequei meu cabelo e começei a pentea-lo, passei só um batom nudezinho, não queria nada exagerado era só pra mim não ficar tão pálida. Vi o cordão da minha mãe em cima do criado mudo, peguei e o coloquei no meu pescoço, peguei um par de botinhas e antes de sair peguei uma jaqueta. Desci até a cozinha e minhas irmãs e a tia Ísis já estavam tomando café, eu imaginei que elas estariam aqui, sentar naquela mesa  gigante iria trazer várias lembranças.

-Bom dia.-Dei um beijo na Cida e me sentei recendo um outro "bom dia" em uníssono.

-Como foi a sua noite querida?-Minha tia perguntou.

-Foi...boa..-Falei e olhando pro chão.

-O seu preferido Kaitlyn.-Cida colocou com um bolo de laranja com chocolate na minha frente. O meu preferido.

-Obrigada Cida.-Dei outro beijo nela.

Começamos a comer e ai eu me lembrei que tinha que pedir algo pra titia.

-Ah tia, a senhora disse que os agentes lhe deram um cartão com o número deles?

-Sim, eles deram antes de sair.

-Você poderia me emprestar?- perguntei ganhando um olhar curioso tanto dela quanto das minhas irmãs.

-Aqui está. -Ela tirou do bolso e vi que já estava ficando tarde então resolvi sair logo.

-Obrigada. Eu vou fazer umas coisas, tchau. -Sai de lá antes que elas ficassem me enchendo de perguntas.

Fui até a enorme garagem. Outra coisa que eu acho super exagerada, essa casa é super exagerada. Ali tinha vários carros e algumas motos e por incrível que pareça eu sei andar nos dois. Papai me ensinou quando eu fiz 17 anos e quando eu completei 18 ele comprou um carro pra mim. Eu nunca andei muito, acho que só umas duas vezes. Ele tava coberto com um plástico que tava meio empoeirado. Peguei o cartão e digitei o número no meu celular, resolvi mandar uma mensagem, seria melhor assim eles não iriam me perguntar o motivo. Mandei a mensagem pedindo que eles me encontrassem em um parque que não era tão longe daqui, entrei no carro e lembrança invadiram a minha mente, chacoalhei a cabeça afastando isso e liguei o carro. Ele era um mustang ford preto, era lindo. Passei pelo portão e assim que eu já estava fora eu acelerei.

-Vamos ver o que você sabe fazer. -Falei o acelerando mas ainda. Tenho que admitir isso é incrível. 

Cheguei no parque e estacionei, procurei um lugar pra me sentar e começei a olhar em volta, as pessoas conversando, as crianças brincando, casais se pegando, famílias felizes...coisa que eu nunca mas vou ter. Avistei os agentes e fiz um sinal pra eles que logo me viram e começaram a andar na minha direção.

-Obrigada por vim agentes. -Falei me levantando.

-Aconteceu alguma coisa? -O grandão perguntou e eu suspirei, não sabia se eles iriam concordar.

-Eu quero ajudá-los a saber mas sobre os meus pais. -Eles me olharam surpresos.

-Você quer ajudar a investigar?

-Sim, eu só quero poder entender tudo isso. -Eles se olharam.

-Nos da um minuto? -Assenti e eles se afastaram.


                    Narradora 

Sam e Dean foram pra um lugar um pouco mas afastado da moça que os esperava ansiosa pela resposta.

-Eu acho que isso é uma péssima ideia.

-Dean ela só quer entender o por que seus pais morreram.

-É, mas pra ela entender isso ela tem que entender sobre o nosso trabalho. O que você acha que ela vai pensar? Ela não vai acreditar e vai nos achar loucos.

-Ela viu tudo e ela sabe que aquele cara não era uma pessoa normal. Se ela descobrir algo, contamos a verdade. -Sam falou tentando convencer o seu irmão. Dean suspirou.

-Tá, mas se ela descobrir algo que não goste, a responsabilidade vai ser só dela. -Sam assentiu e eles voltaram pro lugar onde Kaitlyn estava.

-Nós decidimos e você pode nos ajudar. -Kaitlyn sorriu. -mas se você descobrir alguma coisa que não goste ou qualquer outra coisa, a responsabilidade vai ser sua entendeu?

-Tudo bem. -A garota achou estranho mas não ligou, ela não conseguia conter o sorriso.- E agora o que fazemos?

-Você conhece alguém que poderia pensar em fazer algum mal com seus pais? Qualquer pessoa?-Sam perguntou e Kaitlyn pareceu lembrar de algo.

-Eu não sei, acho que não...Espera tem uma pessoa, ela nunca gostou da minha mãe, o nome dela é Emily Davies, ela sempre teve inveja da mamãe e elas já brigaram várias vezes.

-Você sabe o endereço? -Ela assentiu- Ok, vamos da uma checada. Vem.

-Não valeu, eu tô de carro.-Sam assentiu e cada um seguiu pro seu carro.

Kaitlyn foi na frente pra guiar os irmãos e logo eles chegaram ao seu destino.

-Belo carro. -Kaitlyn disse se referindo ao impala, Dean sorriu e eles andaram até a porta. Uma mulher ruiva os atendeu e quando ela pôs os olhos em na garota ela fez uma cara de poucos amigos. Ela não gostava da mãe e também não gostava da filha, isso porque kaitlyn sempre teve respostas na ponta da língua, então ela sempre acabava dando patadas na megera em defesa de sua mãe. 

-O que você tá fazendo aqui garota?

-Emily Davies? Nós somos do FBI e estamos investigado o caso do senhor e da senhora Robert. -Sam disse  antes que Kaitlyn pudesse revidar.

-Ah sim, a morte deles foi um coisa tão trágica. Entrem. -Ela deu espaço pra eles passarem, os três sentaram no sofá e Emily sentou na poltrona que tinha ali.

-Aceitam uma água, um suco...

-Só queremos saber dos meus pais. -Kaitlyn disse a cortando e ganhando um olhar feio do Dean.

-Qual era sua relação com o James e a Kate? -Sam perguntou e Emily limpou a garganta.

-Eu trabalho nas empresas Robert então minha relação com o James era totalmente profissional.

-E com a Kate? -Dean perguntou pela primeira vez. 

-Bem, nós não éramos tão próximas.

-Por que será? Ah porque você odiava a minha mãe. -Kaitlyn falou fazendo Sam e Dean olharem pra Emily que parecia que iria matar a garota só com o olhar.

-Odiar é uma palavra muito forte, posso dizer que a nossa relação era complicada.

-Você nunca gostou da minha mãe você poderia fazer algo com ela. 

-Está insinuado que eu matei os seus pais? -Ela perguntou e Kaitlyn nada disse. -Isso é um absurdo.

-Relaxa é só um hipótese, não precisa ficar nervosa. 

-Kaitlyn chega. -Sam disse mas a garota não deu ouvidos.

-Eu poderia não gostar da sua mãe, mas eu nunca faria isso.

-Talvez não, mas você poderia muito bem mandar alguém fazer o trabalho sujo. -Emily soltou um sorrisinho de lado e Sam e Dean ficaram sem entender.

-O assassino morreu, mais você quer ter a sua vingança não é mesmo? Mais vou lhe da um aviso queridinha, não é culpando qualquer pessoa que você vai saciar essa sua sede e isso muito menos irá trazer seus pais de volta. -Kaitlyn apertou os punhos de raiva e se levantou deixando Sam e Dean lá.

-Desculpa por isso, ela tá mal e... -Sam disse mais Emily o interrompeu.

-Tudo bem, ela quer ter a vingança e por isso achou a pessoa perfeita pra culpar. Mais eu nunca faria isso, eu sim odiava a Kate por problemas um tanto pessoais, mas eu nunca seria capaz de cometer algo desse tipo. -Emily dizia com toda a sua sinceridade.

-Nós acreditamos. -Dean disse e eles sairam dali, se despediram da Emily e começaram a andar até onde Kaitlyn estava.

-O que foi aquilo? -Dean não parecia nada feliz com a atitude da garota.

-Eu me descontrolei, eu encontrar respostas.

-É, mais não é culpando qualquer um que você vai conseguir. Nós somos os agentes aqui, nós fazemos as perguntas.

-Foi por impulso, Desculpa!

-Então controle esses impulsos. Você disse que queria ajudar, então começa a não ser impulsiva tá legal? Por hoje já deu, é melhor você voltar pra sua casa, amanhã continuamos. -Dean entrou no impala e esperou seu irmão.

-Kaitlyn desculpa por ele..

-Tá tudo bem, ele tá certo. Nos vemos amanhã. -Sam assentiu e entrou no carro e Dean deu partida.

Kaitlyn os observou ir embora, ela tava se xingando por dentro, sabia que tinha pisado na bola. Ela suspirou e entrou no carro indo embora também.

Não demorou muito pra ela chegar na sua casa, ela guardou o carro mas não colocou o plástico porque ainda iria usá-lo manhã e alguma coisa a dizia que ela iria andar nele com mas frequência. Ela caminhou até a porta e assim que ela abriu foi logo abordada abordada pela sua irmã que iria fazer várias perguntas.

-Onde você tava? Por que demorou?

-Calma, eu tava com os agentes Plant e Page.

-Fazendo...? -Kaitlyn sabia que Karon não iria deixar ela em paz então resolveu falar logo a verdade.

-Eu tô ajudando os agentes investigar sobre o caso dos nossos pais. -Ela soltou de uma vez e Karon ficou bastante surpresa.

-E por que você tá fazendo isso?

-Eu só quero entender o porque aquele cara veio aqui, o que ele queria, como ele nos conhece tão bem, eu preciso descobrir e eu acho que nós merecemos saber.

-Kaitlyn mesmo que você descubra alguma coisa, o assassino tá morto.

-Eu sei, mais e se ele tiver aliados? Eu tenho medo que alguém volte e termine o serviço.

-Você tá viajando e eu acho que é melhor você deixar essa história de lado e se descobrirmos coisas que não iremos gostar?

-Por que vocês tão falando isso? A mamãe e o papai escondiam algum segredo?

-Eu não sei, mais e se eles escondessem? Kaitlyn eu não quero mudar a visão que temos do nossos pais.

-E quem disse em mudar? Eu só quero saber por que nossos pais morreram só isso. Karon aquele homem não era uma pessoa normal ele fazia coisas que eu nunca havia visto antes...

-O que você viu foi só coisa da sua cabeça Kaitlyn. -Karon a interrompeu e Kaitlyn ficou indignada.

-Você tá me chamando de louca é isso?

-Não, eu só tô dizendo que essas coisa que você diz ter visto foi só um trauma. Nada do que você viu foi real entendeu? Nada!-Kaitlyn não disse nada e apenas foi até as escadas e antes de subir ela olhou pra sua irmã.

-Eu sei o que eu vi e nada e nem ninguém vai mudar o que eu acho e eu vou continuar ajudando os agentes goste você ou não. -E assim ela subiu sem olhar pra trás.

Karon sentou no sofá colando as mãos na cabeça, ela temia que eles encontrassem algo que mudasse totalmente a visão que elas tinham sobre os seus pais e ela não queria que suas irmãs sofressem com isso. Mais ela não podia fazer nada, Kaitlyn era uma garota persistente e não iria desistir então só a restava esperar e ver no que isso vai dar.

                          [...]

                   22:30 PM

-Eles só perguntaram qual era a minha relação com o James e com a Kate. -A mulher ruiva falava com um homem que usava um terno, tinha cabelos escuros e olhos azuis. Era um homem muito bonito.

-E o que você disse?

-Eu disse que minha relação com o James era profissional.

-Ótimo, e sobre a Kate o que você falou?-O homem perguntou e ela pareceu hesitar.

-Eu disse que tínhamos uma relação complicada, mais ai a garota abriu a boca e falou que eu odiava a mãe dela. Ela disse até que eu tinha alguma coisa haver com a morte deles, mais eu fiz minha carinha e conseguir convencê-los. 

-Perfeito. E esses agentes? 

-Bem pela sua descrição eram mesmo Sam e Dean Winchester. Eles estão resolvendo o caso. 

-Droga! Com os Winchester no caminho as coisas ficam mais difíceis, mais iremos da um jeito.

-Eu só queria entender o por que ter matado o James, você me prometeu que deixaria ele vivo e mataria só aquela vadia da Kate. -Ela falou e homem riu.

-Querida Emily, nem tudo é como queremos. Mais você fez bem o seu papel. 

-Eu sei, agora o pagamento. -Ela estendeu a mão e ele a olhou confuso.

-Pagamento?

-É claro, eu convenci aqueles caçadores de que eu não tenho nada haver, então tirei eles do seu rastro. Então o pagamento.

-É você fez um ótimo trabalho, mais ainda não irá receber a segunda parte, ainda tem coisas pra você fazer. -O rapaz disse e Emily o olhou com raiva.

-Eu acho que é melhor me pagarem, eu sei de tudo, sei os seus planos. Então aconselho a você que me dê o dinheiro ou, eu posso agora mesmo ligar para os Winchester e eles ficaram sabendo de tudo. A escolha é sua. -Emily disse e o homem começou a rir.

-Isso é sério?

-Eu pareço está bricando? Não né, então me pague logo e você pode sair despreocupado.

-É tem razão. -Ele se aproximou dela. -eu vou sair despreocupado daqui, até porque você não vai tá viva pra contar a história. -Com um golpe rápido ele arrancou o coração de Emily, ele largou o corpo no chão e encarou o coração.

-Pobre Emily, tínhamos tantos planos pra você querida, mais o chefe não aceita chantagem. -Ele largou o coração perto do corpo e desapareceu. Ninguém o tinha visto entrar e nem sair, e agora ninguém sabia da morte de Emily Davies.

Na manhã seguinte Kaitlyn acordou com o seu despertador tocando, ela fez uma cara emburrada e o desligou, bufou e se levantou. Ela foi pro banheiro, fez suas higienes e tomou um banho. Ela saiu e pegou uma calça jeans uma blusa preta com alguns detalhes, ela nunca gostou de roupas que tinham aqueles babados ela sempre gostou de coisas simples. Ela secou os seus cabelos  e calçou a mesma bota que havia usado no dia anterior, ela a usava bastante já que era a sua preferida. Kaitlyn suspirou e saiu do seu quarto pronta pra encarar mais um dia. Ela queria evitar a Karon, ela não queria discutir com ela. Ela foi até a cozinha e as meninas estavam lá, ela foi até Kath e deu um beijo na sua cabeça, e depois fez o mesmo com a sua tia e logo se sentou.

-Oi.

-Oi. -Foi tudo que Karon e Kaitlyn disseram uma a outra. O clima ficou pesado e Ísis limpou a garganta.

-O que aconteceu?-Ela perguntou fazendo as irmãs se olharem.

-Nada não tia, nada não. -Kaitlyn respondeu olhando diretamente pra Karon que revirou os olhos. 

-Que ar pesado.-Kath falou sem entender nada do que tava acontecendo ali, mais ela já imaginava que elas tivessem brigado. O celular da Kaitlyn tocou, ela viu que era o agente Page, ela saiu da mesa e atendeu rápido.

-Agente?

-Kaitlyn você precisa vim aqui na casa da Emily.

-Pra que?

-Ela está morta. -Kaitlyn ficou totalmente em choque. -Nós já estamos aqui, vamos te esperar. 

-Tá bom eu já tô indo pra ir e obrigada por avisar. -Kaitlyn encerrou a chamada tentando processar o que acabara de ouvir. Emily estava morta, e ela tava com um peso na consciência por ter falado tudo aquilo pra ela ontem. Ela voltou pra mesa só pra avisar a sua tia.

-O que aconteceu? -Ísis perguntou vendo que a sua sobrinha estava c um semblante triste.

-A Emily morreu

-Que Emily? -Ísis ficou confusa mais logo se lembrou. -A Emily Davies? Meu Deus. Mais como, o que aconteceu?

-Eu não sei, os agentes já estão lá dando uma checada, eu vou lá também. -Karon revirou os olhos. -Tchau até mais tarde. 

Kaitlyn saiu dali e foi até a garagem, ela destravou o carro e deu partida nele. Ela tava achando isso tudo muito esquisito, em um dia eles vão lá falar com ela e no outro ela aparece morta. Kaitlyn sentia que tinha algo a mais nisso, e ela começou a se preocupar com o que viria pela frente.

     

 Ela Chegou na casa da falecida e viu que tinha algumas pessoas. Ela logo avistou os agentes e foi até eles que estavam falando com um homem que provavelmente conhecia a vítima. Dean não parecia tão feliz ao ver a garota, ele reclamou quando Sam disse que tinha avisado a moça, ele disse que não era necessário mais seu irmão ligou mesmo assim.

-O que aconteceu?-Perguntou indo direto ao ponto.

-Ela teve o coração arrancado.-Dean disse e Kaitlyn começou a ter lembranças nada boas. Seu pai....foi assim que ele foi morto. Será que....Não Kaitlyn, é claro que não. Ela queria pensar que não.

-E o assassino?-Perguntou tentando afastar aquele pensamento da minha cabeça.

-Não fazemos ideia de quem seja. Ninguém viu alguém entrando ou saindo daqui, mais pelo estado do corpo falaram que ela foi morta ontem umas 22:45.

-Vocês não acham isso estranho? Ontem falamos com ela...

-Quer dizer, você falou né- Disse Dean interrompendo a garotaque revirou os olhos.

-Você ainda vai insistir nisso? -Ele deu de ombros. -Sim, vocês não acham isso muito estranho? Falamos com ela e no outro dia ela aparece morta? 

-É pensamos nisso também. -Sam respondeu olhando pro irmão. Eles começaram a conversar algo mais Kaitlyn não ouviu, ela andou até a porta da casa, olhou em volta e estava tudo normal, ao não ser o sangue da vítima pelo carpete. Em um canto perto da janela ela viu um pó meio amarelado, ela se agachou e o pegou cheirando, foi ai que ela se lembrou que era o mesmo cheiro podre que ela sentiu naquela noite. Kaitlyn começou a respirar mais fundo, alguém a tocou e ela pulou de susto, mais se aliviou quando viu que era o Dean.

-Kaitlyn você não podia entrar aqui garota, vem. -Ela não disse nada e apenas saiu na frente e Dean foi logo atrás.

-Obrigado. -Sam havia falado com outra pessoa e foi até Kaitlyn e Dean. -Eu conversei com uma vizinha da Emily e ela disse que por volta das 22:30 as luzes daqui ficaram um tempo piscando depois parou. 

-Isso...isso foi a mesma coisa que aconteceu quando aquele cara foi até a minha casa naquela noite. -Os irmãos se entreolharam e ela continuou a falar. -As luzes, o coração arrancado, aquele cheiro podre, tudo isso foi o que aconteceu, eu nunca esqueceria. E se for o assassino? E se ele não morreu?-Kaitlyn começou a se desesperar.

-Kaitlyn fica calma. -Sam tentou acalmar ela, mais a garota estava muito inquieta. Sam olhou pro seu irmão, e naquele momento ele achou que tava na hora de contar a verdade sobre tudo. -Kaitlyn nós...

-Eu preciso ficar um pouco sozinha, nos vemos depois. -Ela saiu antes que Sam pudesse falar qualquer coisa. 


                 

                Kaitlyn Robert 

 Dei partida no carro e fui pra qualquer lugar onde poderia esfriar a cabeça, eu não sabia pra onde ir, e pra casa eu não iria, foi ai que me lembrei de um lugar. Era um lugar onde eu ia com meus pais e minhas irmãs, era  um pequeno "campo" com muitas flores, era lindo, lá tinha uma pequena casa abandonada, as vezes nós íamos  lá fazer piquenique. Cheguei e desci do carro, começei a caminhar entre as flores tendo boas lembranças, Vi a árvore que ficávamos sentandos em baixo, eu e as meninas fizemos um balanço ali e ele ainda tava intacto. Me sentei nele  e peguei no meu cordão, começei a lembrar dos meus pais. Por que tudo isso tá acontecendo? Senti uma lágrima descer pelo meu rosto, eu queria gritar, chorar até não aguentar, mais eu precisava ser forte, se aquele cara estiver vivo, eu tenho que impedi-lo da fazer alguma coisa com as minhas irmãs. Ela são tudo o que eu tenho, eu não aguentaria perde-las também.

-Merda.-Falei pra mim mesma. De repente eu começei a ouvir barulhos dentro da casa o que era estranho já que era uma casa abandonada, e eu não vi nenhum carro parado ali na frente, ao não ser o meu 

Os barulhos ficavam mais altos assim como a minha curiosidade. 

-Tenho certeza que você vai se arrepender disso Kaitlyn. -disse pra mim mesma. Outra pessoa no meu lugar iria da o pé pra bem longe daqui, eu poderia fazer o mesmo, mais NÃO...tinha que entrar lá, eu tô me xingando por dentro por causa disso. Droga!

Começei a andar até a casa, e quanto eu mais me aproximava mas ouvia os barulhos. Quando abri a porta os barulhos cessaram, a casa era meio esquisita por dentro, eu poderia muito bem dar meia volta e esquecer, mais a minha curiosidade era maior. Fala sério. Entrei de uma vez na casa procurando alguma coisa e não tinha nada. A casa tinha alguns móveis velhos, em cima da lareira tinha um quadro de uma mulher que parecia que estava olhando no fundo dos meus olhos, aquilo me deu arrepios. Continuei a andar e não encontrei nada, acho que era só o vento. 

-Pronto Kaitlyn, matou a sua curiosidade, agora é só da meia volta e esquecer disso. -Disse a mim mesma, até que alguma coisa caiu atrás de mim, olhei pra trás na mesma hora e vi que tinha sido o quadro, eu já tava começando a me assustar, foi ai que eu sentir aquele fedor outra vez. MERDA! Corri até a porta mais ela se fechou sozinha, tentei abri-la, mais ela tava trancada. Não, nã, não! 

-Olá Kaitlyn. -parei de tentar abrir quando ouvi alguém me chamar, olhei pra trás temendo que fosse o tal do Richard, mais pra minha surpresa era um cara que aparentava ser um pouquinho mais velho que eu, ele usava um terno preto, tinha cabelos escuros e olhos azuis. Ele era bonitinho. Não baixa a guarda Kaitlyn!

-Quem é você?-Perguntei confiante mais claro que por dentro eu tava com medo. Eu só precisava de tempo pra tentar abrir aquela porta ou sei lá. 

-Isso não importa querida. -Ele começou a me olhar de cima a baixo. -Você é ainda mais linda de perto. 

Ele começou a andar na minha direção. 

-Sai de perto!-Falei e ele levantou as mãos em rendição.

-Calma, eu não vou fazer nenhum mal a você, só quero conversar.

-O que você quer?

-Quero que venha comigo. -Ele disse e eu rir. -Qual é a graça?

-Você tá maluco? Eu nem te conheço mais já vi que você não é confiável. 

-Você tá julgando um livro pela capa, mais enfim vem comigo eu tenho ótimos planos pra você.

-Que planos?

-Isso você saberá em breve, vem comigo?

-Acho que não vai rolar!- Nessa hora eu fiz igual naquela noite, peguei um pau que tinha ali perto da porta e o acertei, corri mais fui jogada pra cima de uma mesa velha. Fala sério. Outra vez?

-Eu tentei ser amigável, mais se você não vai por bem, então vai por mau.-Nessa hora uns 4 homens apareceram DO NADA e seus olhos estavam negros como do Richard, dois deles foram na minha direção e me pegaram pelo braço. 

-ME SOLTA!-Me debatia mais era inútil. -SOCORRO!!!- Os dois começaram a apertar o meu braço com mais força. MERDA, E AGORA? Eles iam me matar?! PORRA KAITLYN POR QUE VOCÊ NÃO DEU MEIA VOLTA E ESQUECIA DESSE LUGAR?

Eu já estava esperando pelo pior até que eu ouvi a porta se arrombada com força e em seguidas vários disparos de balas. Eram os agentes. OH JESUS OBRIGADO O SENHOR OUVIU AS MINHAS PRESSES. Eles começaram a lutar com os outros dois, foi ai que o grandão meteu uma faca em um deles e uma luz saiu de dentro do cara e o corpo caiu sem vida no chão. Foi ai que eu olhei pra ele e vi que era a faca que minha mãe tinha usado pra ferir o Richard. 

-Leva ela daqui agora!-O cara dos olhos azuis partiu pra cima do loiro e os cara começaram a me arrastar sei lá pra onde.

-Não! Me solta idiota!-Tentei me soltar mais era em vão. Vi um dos cara que me segurava brilhar igual ao outro. Vi que tinha sido o Page, o outro cara me soltou e eles começaram a lutar, mais o grandão logo o matou. 

-Você tá bem? -Ele me perguntou  e eu assenti rapidamente. Vimos o loiro se aproximar e eu não vi o corpo daquele cara, mais acho que ele tinha o matado. -O que tá acontecendo aqui? Quem eram esses caras? E como vocês sabiam como dete-los?  

-Calma Kaitlyn,....-Antes que o grandão pudesse terminar, o seu parceiro o interrompeu. 

-Nós somos caçadores garota. É isso. Nós caçamos essas coisas e o matamos-Ele disse ganhando um olhar feio do seu amigo. Como assim caçadores?!

-Como assim caçadores?

-Nós caçamos coisas sobrenaturais e a matamos, simples. E aqueles caras eram demônios. -Não me contive e acabei rindo.

-Temos que tomar cuidado então, se não o diabo pode vim me pegar. -Falei rindo e sem acreditar naquela baboseira toda. Isso era loucura!

-Pior que ele pode vim mesmo. Se não acredita veja com seus próprios olhos. -Na hora que ele disse isso o cheiro podre invadiu a casa outra vez e na mesma hora um cara com os olhos negros apareceu atrás de mim. Gritei, mais o Plant atirou nele, o cara foi pra cima dos rapazes e grandão enfiou a faca nele.

-De nada. -O loiro disse ofegante e eu revirei os olhos. 

-Isso é....-Eu não conseguia processar nenhuma palavra.

-Temos que ir embora daqui, mais deles vão aparecer. Vamos.-Ele disse e nós saímos daquele lugar assustador.

-Vocês vão me contar tudo antes. 

-Kaitlyn nós vamos contar tudo, mais precisamos sair daqui antes que mas desses caras apareçam. -O gigante disse e eu não falei nada e apenas andei até o meu carro. Vi eles conversando e logo o mesmo foi até a mim.

-Se importa de eu ir com você? Você não parece bem pra dirigir. -Apenas assenti e  entrei no carro o moreno entrou logo em seguida.


                Sam Winchester 


Quando a Kaitlyn saiu eu disse ao Dean que era bom a seguirmos, sabíamos que alguém poderia está atrás dela, Dean parou o impala assim que viu o carro da Kaitlyn em frente a uma casa abandonada que tinha um pequeno campo, não a víamos mas ai começamos a ouvir gritos vindo de dentro da casa, Dean e eu não pensamos duas vezes e saímos correndo. Arrombamos a porta e já chegamos atirando nos demônios que  claro não iria feri-los, mas iria distrai-los. Começamos a lutar com dois, foi ai que me lembrei que estava com faca da Kate, tirei do cós da calça e enfiei no demônio que emitiu um brilho e depois o corpo caiu sem vida. O outro cara que lutava com o Dean se distraiu e meu irmão pegou o cantil e jogou água benta nele e quando eu ia mata-lo ele sumiu. Kaitlyn ainda estava presa e aproveitei que Dean lutava com um outro cara. Conseguir matar os dois demônios. Kaitlyn não tava entendendo nada e Dean falou logo o que fazíamos, olhei feio pra ele, ele não podia ir falando assim e claro que Kaitlyn não acreditou.  O demônio que tinha sumido voltou e eu o matei, ele não era tão covarde como pensei. Nós saímos dali antes que mais pudessem voltar.

-Acho melhor você ir com ela. -Disse Dean e eu concordei e andei até a Kaitlyn, ela disse que não se importava de eu ir com ela e agora eu tava dirigindo rumo ao hotel onde estávamos hospedados. 

O caminho foi um silêncio um pouco constrangedor. Eu já havia tentando conversar com ela, mas ela só assentia ou dizia que não com a cabeça. Chegamos no hotel e saímos do quarto. Dean foi na frente a abriu a porta do nosso quarto a fechando logo em seguida. 

-Tá legal, já estamos aqui então me contem tudo, cada detalhe e não cortem nada. -Ela falou e eu olhei pro Dean que fez um sinal pra mim começar a falar. 

-Acho melhor você sentar. -Dean falou se sentando na cama.  

-Sou toda ouvidos. -Ela disse e se sentou em uma cadeira de frente pra mim e pro meu irmão. A conversa ia ser longa.

Contei tudo a Kaitlyn e eu não tirei nenhum detalhe. Ela tava atenta a cada palavra que eu dizia e ela ficava cada vez mais desnorteada. Quando contamos sobre o demônio ela ficou muito abatida e até agora estava tentando processar tudo que acabara de ouvir.

-Então quer dizer que vocês se chamam Sam e Dean, caçam coisas....E o que matou o meus pais foi um demônio e ele não morreu é isso?-Ela perguntou e eu assenti. -Uau, uau. Cara isso é loucura. 

-Eu sei que é, mais é a verdade, nós salvamos as pessoas que não podem se defender desses montros. É o nosso trabalho , é o negócio da família.- Falei e ela não disse nada apenas colocou as mãos na cabeça. 

-Droga.

-Kaitlyn você não pode contar a ninguém sobre nós, as pessoas não entendem isso. -Dean falou pela primeira vez.

-Não se preocupem, eu não vou falar, mais é difícil saber que tem demônios atrás de você.

-Eu e te entendemos. -Ela assentiu e se levantou. 

-Eu preciso tomar um ar.

-Vê se não vai pra longe. -Ela deu as costas e saiu. Olhei pro Dean ele deu de ombros. 

-E ai o que será que ela vai fazer?-Perguntei curioso ele nada disse.

-Temos que achar o tal do Richard e acabar com isso de uma vez. -Dean falou e eu assenti. 

-Mas como? Não temos nenhuma pista dele. -bufei e Dean fez o mesmo, mas ai sua expressão começou a mudar. Parecia que ele havia tido uma ideia. -O que foi?

-Eu tive uma ideia, não sei se vai da certo mais não custa tentar. -Lá vem bomba. 


                  Narradora


Kaitlyn ainda estava processando tudo que ouviu lá dentro. Ela se sentou na calçada do hotel e começou a chorar. Saber que o cara que matou seus pais está vivo era demais pra ela, só conseguia pensar em suas irmãs, ela sabia que ele iria voltar e terminar o que começou. Ela secou as lágrimas e se levantou, quando ela abriu a porta do quarto os rapazes a olharam esperando ela dizer alguma coisa. 

-Então....Sam e Dean né? Como pegamos aquele desgraçado? -Os irmãos olharam surpresos e sorriram com a determinação da garota.

-Eu tive uma ideia, pode funcionar. 

-E o que é?-Kaitlyn perguntou e Dean começou a explicar o plano deixando a garota boquiaberta.

-Pera ai vocês querem me usar de isca é isso?

-Eu também acho que não é uma ideia boa, mais podemos atrair algum demônio, prende-lo e assim descobrirmos onde tá o Richard-Sam disse tentando acalmar Kaitlyn, ela suspirou de olhos fechados.

-Tudo bem. Se for pra pegar aquele filho da puta e acabar com isso de uma vez, eu topo. -A moça falou deixando mas uma vez Sam e Dean surpresos ainda mais pelo palavrão que ela havia falado.

Realmente não era uma boa ideia, Kaitlyn iria correr perigo, mas se fosse pra acabar com essa história de uma vez, então ela não hesitaria. E alguma coisa a dizia pra confiar em Sam e Dean, não sabia se era a coisa certa mas era isso que ela ia fazer.


Notas Finais


Oii. Genteee desculpem pelo capítulo bø[email protected] e por ter ficado grande. fiquei [email protected] com ele pq deu umas coisas errada ai as coisas que já eu já tinha escrito apagou, então tive que refazer umas 5 vezes sla.
Mas né....Eu tentarei fazer os outros melhores. Eu quero logo sair dessa fase, tô muitoo ansiosa quando a Kaitlyn começar a caçar com os meninos.

Enfim é issooo. Bjs de luz pra vocês e prometo ñ demorar tanto em trazer o próximo capítulo.😘
.
.
.
Carro da Kaitlyn 👇
https://pin.it/3FGxEsU


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...