1. Spirit Fanfics >
  2. Surpreenda-me (ItaSaku) >
  3. Tenente Parker ?

História Surpreenda-me (ItaSaku) - Capítulo 28


Escrita por:


Notas do Autor


Oi, amores. Peço desculpas, só que ontem eu não tava muito bem, mas aqui está.


Beijinhos, boa leitura.

Capítulo 28 - Tenente Parker ?




Quando aterrissaram em Munique às onze da manhã, Sakura estava exausta. Aquela viagem foi cansativa e ela apenas desejava chegar em casa para deitar em sua cama e dormir, dormir e dormir... Necessitava descansar um par de dias antes de ir para Astúrias buscar sua menina.


Enquanto descarregavam o avião, ela se ocupou da papelada. Não via o momento disto acabar para sair dali, sem se dar conta que um par de olhos negros e furiosos a observavam de longe.

— Bom dia, Tenente Parker.

Ao se virar encontrou com Kakashi, e após saudar com um cumprimento militar, ela respondeu:

— Comandante Hatake.

Por um breve momento, falaram sobre a papelada, e logo o homem ao perceber que não havia ninguém próximo, perguntou:

— Janta comigo essa noite?

— Não — Ela respondeu enquanto andavam.

— Vamos, Saky, teremos um momento agradável como sempre.

Ela sorriu, e olhando para ele explicou:

— Vou nesta tarde para Munique.

Mas o comandante não se dava por vencido, e ao chegar na lateral do avião, insistiu:

— Vamos, Saky, se anime.

— Hoje não, Hatake.

O comandante aceitou a negativa, deu meia volta e se foi. Ao vê-lo saindo, Sakura continuou sua caminhada. Abriu uma pequena comporta do avião, e quando foi se agachar, duas mãos pegaram em seu braço; e ela virou resmungando:

— Hatake, não seja chato, por fav...


Mas não pode continuar.


Diante dela estava Itachi e não Hatake, e por sua maneira de olhar, percebeu que não parecia feliz. Por alguns instantes, se olharam em silencio, até que ele, observando suas roupas disse em um tom nada agradável:

— Tenente Parker?

Sakura não soube o que responder, e ele continuou furioso:

— Você é uma porra de uma militar americana e não tinha me contado?

— Itachi...

— Você disse aeromoça?

— Itachi...

— Passou bem rindo de mim? Maldita mentirosa.

Estava furioso, e sem deixá-la falar, continuou:

— Nunca imaginei que ao investigar sobre a sua vida...

— Você está bisbilhotando sobre minha vida? — Perguntou chateada.

— Porra... estava preocupado com você. De repente você e a menina desapareceram da face da terra, o que queria que eu fizesse?


Sua raiva...


Seu tom...


Seu olhar ofuscado...


Ela entendia sua raiva, sua inquietação. E sem querer fazer mais perguntas, tentou se aproximar dele, tinha necessidade, mas ele deu um passo atrás.

— Não tente se aproximar de mim nunca mais em sua fodida vida tenente! Agora sim, que já não te considero nada minha, dou este assunto como finalizado.

Sem mais, deu meia volta e a deixou. Mas Sakura não poderia deixar tudo assim. Itachi havia virado sua obsessão, e correu atrás dele. Quando o alcançou, sem se importar sobre quem os poderia ver, o puxou pelo braço, e quando ele parou e a olhou, ela começou a se desculpar:

— Sinto muito por não ter contado, mas...

— Mas o quê? — gritou descontrolado — Era tão difícil assim dizer a verdade? Era tão difícil assim dizer sou militar e não aeromoça? Era tão difícil...?

— Sim! Sim era dificil... — respondeu — Para você sim. Me deixou muito claro que não gostava de militares. E deixou bem claro o que sentia pelos militares americanos. Como acha que eu me senti esse tempo todo? Queria te contar a verdade, mas... mas não posso esquecer o que sou. Sou uma militar americana!

— Agora entendo de onde vem esse linguajar todo Tenente! — e vendo Kakashi que os observava, acrescentou: — Você também dorme com esse tipo?

— Itachi...

— Ah que Itachi que nada — vociferou descomposto — Eu abri pra você minha casa, minha vida e... meu... E você me paga mentindo? Você ao menos se divertiu, querida?

Seu tom de desprezo e a maneira como a olhava, fizeram Sakura saber que ela havia perdido o combate. Por ele, preferiu ficar quieta e não responder. Itachi estava furioso e ela deveria tentar entendê-lo. E não irritá-lo mais, ele não merecia.

Durante alguns segundos, se olharam nos olhos, e então seu celular tocou. Ao atender, reconheceu a voz, e mudou sua voz para um tom mais agradável, respondeu:

— Oi, Agneta!

Sakura sem se mover, o ouviu dizendo:

— Sim, passamos muito bem no outro dia — e a olhando com desprezo acrescentou: — Se apronte e fique linda esta noite. Sim... também estou ansioso para te encontrar.

Ouvir essa conversa, fez com que a ira de Sakura se acendesse, chegando a um limíte desconhecido, de modo que sem se importar em enfurecê-lo disse em um silvo:

— Você é um idiota... Um fodido... um imbecil!

— É melhor eu me calar, pois penso que isso é você —respondeu com indiferença.

Com vontade de lhe chutar a bunda, Sakura deu um passo atrás e disposta a fazê-lo sentir dor por aquela chamada e por seu desprezo, o cumprimentou antes de dar a volta:

— Passe bem com sua amiguinha!

— Você também passe bem.

Ao escutar, Sakura parou. Olhou para Kakashi, que os observava, e com um sorriso que Itachi não gostou nada, afirmou:

— Não tenha dúvidas, baby!

Dito isto, sem olhar para ele, virou-se e foi até a frente do avião. Dalí, Kankuro e Neji tinham presenciado tudo e quando ela chegou até eles, a primeira pergunta foi:

— Não é aquele cara que estava com Sami e você na porta da sua casa?

Sakura não respondeu e com um gesto mandou seu amigo se calar. Então pegou os papéis de sua mão e disse alto e bom som:

— Eu vou entregar tudo para o comandante Hatake. Neji, esta noite eu ficarei aqui. Amanhã de manhã vou para Munique. O que você fará?

Surpreso com a mudança de planos, seu parceiro a observou.

— Você está errada. Você deveria falar com Itachi. Eu acho que...

— Cale a boca, Neji! Eu não pedi sua opinião — disse furiosa.

O militar ao escutar isso, assentiu e respirando fundo, disse:

— Eu irei esta noite. Quero ver minha esposa.

Sakura assentiu e se afastou. Seus amigos a olhavam com espanto. Havia raiva em seus olhos, mas ninguém disse nada. Só a viram se afastando rapidamente em direção ao hangar onde estava o escritório do comandante. Ao entrar nele, ouviu:

— Tenente Parker.

Ao se virar, reconheceu seu amigo Kiba, que, com o cenho franzido, disse:

— O que aconteceu?

— Nada... Não aconteceu nada.

Kiba que como muitos testemunharam sua discussão com um homem, agarrou seu ombro e a levou para o canto, insistiu :

— Saky, eu vi o que aconteceu. Porra, somos amigos. O que está acontecendo com você?

Desolada e contendo sua raiva, respondeu:

— Eu estava saindo com este homem, mas ele me deixouporque eu o enganei e...

— Ele ouviu sobre Hatake?

Atordoada, porque ele sabia sobre ela com o comandante, murmurou:

— E como é que você sabe sobre Hatake?

Kiba baixando a voz para que ninguém o ouvisse falando, disse:

— Eu não sei o que você teve com ele. Tudo o que eu sei é que eu vi vocês saindo durante a madrugada de um hotel. Kakashi não é o meu santo de devoção Sakura, e eu não creio que ele é um bom homem para estar ao seu lado. Você precisa de algo mais.

Ela assentiu com a cabeça. Kiba sabia menos do que ela temia, e ele acrescentou:

— Nem sei quem é o cara com quem você discutia na pista, só sei que eu o vi no boliche, naquela festa que você beijou meupescoço para lhe fazer ciúmes, e agora aqui. E reconheço que, mesmo sem conhecer, gostei dele. Confrontar a Tenente Parker não é fácil, e ele tem feito surpreendentemente bem . Eu gosto desse cara ! Agora me diga como você o enganou.

— Eu escondi que era militar.

Sem entender nada, Kiba perguntou:

— E?

-Ele odeia os militares americanos porque teve um problema no passado com a porra de um major. — E, se calando , tirou o cabelo do rosto e terminou: — Olha, sei lá. Eu... Eu não preciso de ninguém, Kiba. Eu...

— O que? Você não precisa de ninguém? Todos nós precisamos de alguém.

— Este homem, que eu pensei que era... era especial. Mas ele não vai falar comigo. Para ele, eu sou a porra de um inimigo. Um militar dos EUA o que fazer?

— Droga, Saky... o convença de que você é uma mulher antes de uma militar, se ele é importante para você. Faça o favor de esquecer seu passado uma vez e retomar sua vida. Pare de ser a Tenente Parker 24 horas por dia e seja Sakura. Eu lhe asseguro, Saky, que a vida vai melhorar, porque todos nós precisamos de alguém especial para nos amar.

— Tenente Inuzuka — chamou Garcia, o co-piloto de Kiba.

Ele após lhe dar um sinal com a mão, olhou para Saky, que estava observando, e disse:

— Essa conversa vai ter que continuar mais tarde, certo? Mas vá pensando que isso não pode continuar assim. E se você gosta desse cara, vá em frente! Você é Sakura Parker, a mulher mais forte que eu conheço, que não se rende por nada. Então pare esse absurdo, e se você está interessada neste homem tente conversar com ele e mostrar-lhe que você é uma mulher, além de uma porra de um militar norte-americano.

Ela assentiu com a cabeça enquanto observava Kiba indo embora e continuando seu caminho. Mas sua fúria voltou quando lembrou que Itachi tinha saido com Agneta. Como ele poderia ter feito isso?

Ao chegar à porta Kakashi comandante chamou e quando ele respondeu, ela entrou. Ele a viu, ele perguntou:

— O que deseja tenente Parker?

Esquecendo o que foi falado segundos antes com Kiba, fechou a porta com o trinco, tirou os papéis da mesa, e disse:

— Eu quero sexo.

Hatake assentiu, e ao se lembrar do cara que ela discutiu perguntou:

— Está com raiva, Saky?

— Sim

—Eu te vi discutindo com um homem. É esse o cara que te deixou furiosa?

Deixando seus pensamentos sobre Itachi, respondeu olhando para o militar musculoso que a desejava:

— Sim

Não foi necessário dizer mais nada.O comandante, sentado em sua cadeira, viu como ela baixava o ziper de seu uniforme caqui para o provocar, e sem questionar, pediu:

— Senta sobre mim, tenente.

Sakura o fez, e quando estava frente a frente com ele, Kakashi colocou rapidamente uma mão no interior de seu uniforme até chegar em sua vagina, e após lhe abrir os lábios, introduziu um dedo e perguntou:

— Como ele se chama?

— Itachi.

Movendo o dedo cada vez mais profundo, o comandante sussurrou:

— Isso vai te relaxar, preciosa. Pense em Itachi.

Com maestria continuou movendo seu dedo sobre ela e a maasturbou. Sakura fechou os olhos e desfrutou. O militar conhecia o que a excitava, e deu a ela. Ele a conhecia. O tempo havia feito com que ele aprendesse seus gostos e suas vontades. Com a mão que estava livre, levantou sua camisa verde por baixo do macacãoe tirou um dos seios de seu sutiã e o mordeu. Sugou seu seio até que ela se apertou contra ele dizendo o nome de Itachi, suplicando que não parasse.



Mordendo os lábios, Sakura prendeu sua respiração enquanto buscava o seu prazer, como toda vez que estava com Hatake. Quando alcançou o clímax, e molhou os dedos dele, com frieza se levantou e se recompôs. O comandante sem deixar de olhar paraela, abriu uma gaveta, retirou uma chave e disse:


— Hotel Sedan, quarto 367.


— Estarei lá a partir das oito.


Notas Finais


Bom, gente, é isso, acabou o que era doce.

Sentiram falta do meu comandante Hatake? Gostosão está de volta.

Kiba e Neji sempre sensatos, mas Sakura é cabeça dura. Mas não julgo ela, e nem o Ita, ai, gente, é difícil.

Gostaram? O que vem agora, heim?

Beijão, mores😍


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...