História Surrender - Capítulo 2


Escrita por:

Postado
Categorias Avenged Sevenfold
Personagens Johnny Christ, M. Shadows, Personagens Originais, Synyster Gates, The Rev, Zacky Vengeance
Tags Avenged Sevenfold, Drama, Romance, Traição, Zacky V
Visualizações 91
Palavras 2.591
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Drama (Tragédia), Famí­lia, FemmeSlash, Festa, Hentai, Literatura Feminina, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Universo Alternativo, Violência
Avisos: Adultério, Álcool, Bissexualidade, Drogas, Heterossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Self Inserction, Sexo, Spoilers, Tortura, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Previosly in Surrender:

Tentei dormir, contudo o ronco de Dany não me deixava dormir. Resolvi pegar meu celular para ouvir umas musicas para me acalmar. Fui até a escrivaninha, olhei, entretanto não encontrei. Olhei dentro dos bolsos da minha calça e ele não estava lá. Pensei um pouco, onde eu poderia ter deixado o meu celular, então eu me lembrei da ultima coisa.
Merda, meu celular estava com Zacky!

Capítulo 2 - First Date


Fanfic / Fanfiction Surrender - Capítulo 2 - First Date

- Merda! – Levei as mãos a testa. – Não acredito nisso! – Pensei alto, voltei para cama e Dany olhou para baixo.

- O que foi? – Perguntou.

- Lembra do cara que me arrancou da grade. – Ela balançou a cabeça positivamente. – Então, ele me trouxe em casa. – Dany deu um sorriso malicioso. – Não é nada que você está pensando.

- Estou bêbada demais para pensar e sei que você não transaria com ele, prossiga. – Dany se ajeitou para não ficar enjoada.

- Bem, depois quando estiver sóbria te conto tudo. – Ela fez ok com as mãos. – Fui pegar a minha chave no bolso e pedi para que ele segurasse meu celular. Aí, ele acabou ficando com meu celular, não tenho o numero dele para pedir de volta.

- Liga para o seu celular, aí ele atende e vocês marcam de devolver. – Eu nem tinha pensado naquilo, dei um sorriso.

 

            Eu me levantei da cama, abri o armário, peguei um short jeans, uma camiseta preta do Mickey. Troquei de roupa, joguei o pijama em cima da cama, tive que ligar a minha prancha, pois meu cabelo estava todo bagunçado.

            Depois fiz uma prancha no cabelo, penteei, passei meu perfume e o desodorante. Não me maquiei, apenas passei um delineador nos olhos. Respirei fundo e pedi o celular de Dany emprestado, ela apontou para a escrivaninha. Eu peguei o celular e liguei para meu, chamou um pouco e Zacky atendeu.

 

- Bom dia, Zacky. Não sei se lembra de mim, mas sou a Sammy. – Disse timidamente, enquanto ele bocejava e ainda deu um resmungo.

- Por que você está me ligando tão cedo, baby? – Adorei quando me chamava de baby. – E sim, eu me lembro de você.

- Porque esse celular que eu estou te ligando é meu, esqueci com você ontem e preciso dele. – Sentei na cama e ele bocejou novamente.

- Ah, claro. – Deu uma risada. – Eu deveria ter imaginado... – Bocejou novamente. Quanta preguiça, hein! – Bem, eu passo mais tarde na universidade e te entrego, quero você arrumada, porque eu vou te levar para sair. – Fiquei surpresa, aproveitaria era meus últimos dias de férias.

- Ok. Que horas você vai chegar? – Cocei a minha cabeça quente por causa da chapinha.

- Para não ficar tarde para você, eu chego as seis. Esteja pronta para mim e espero que aguente algumas horas sem celular. – Isso seria complicado. – Então até mais tarde, baby. – Desligou.

 

            Mais tarde, eu tomei banho, me arrumei rapidamente. Fiquei ansiosa, afinal em dois anos na Califórnia, eu nunca tinha saído com alguém. Eu estava sempre tão concentrada em estudar do que ficar ou namorar alguém, nunca foi uma possibilidade, respirei fundo. Não sabia que lugar ele me levaria, então não resolvi usar um vestido.

            Peguei uma minissaia jeans, uma blusa de seda vermelha de alça, coloquei uma sandália preta de salto fino. Passei perfume, desodorante, fiz uma maquiagem leve. Ajeitei meus cabelos, repartindo de lado, olhei no espelho e estava aparentemente bem.

Eu estava muito nervosa, peguei a minha bolsa, coloquei a minha carteira com dinheiro, afinal nunca se sabe quando tem que pagar o lanche. Dany acordou e ficou rindo de mim, ela desceu da sua cama, abriu a sua bolsa que estava pendurada na cama, tirou uma camisinha e colocou na minha bolsa, devolvi, eu não precisava daquilo.

Revirei meus olhos enquanto ela ria de mim, então Meaghan entrou no quarto, me viu arrumada e deu uma risada. Resolvi ignora-la, no final das contas, ela estava com dor de cotovelo porque eu sairia enquanto ela ficaria em casa, chupando o dedo porque o cara que ela queria ficou com outra.

Bateram a porta, fiquei muito ansiosa, fui a porta e abri, para minha surpresa era Stan com os olhos inchados. Revirei meus olhos de novo, esperava no mínimo, um pedido de desculpas, vindo daquele idiota, era meio difícil. Peguei Bob atrás da porta, balancei nas minhas mãos.

Ele olhou para mim arrumada, antes que pudesse abrir a boca, Zacky ficou atrás dele, colocando uma mão em seu ombro e o puxou para trás. Sorri, deixei Bob em seu lugar, peguei a minha bolsa e sai do quarto, sem olhar para trás. Zacky estava segurando Stan pela gola da camiseta que o usava, o ameaçando.

Stan ficou com medo, Zacky o soltou e ele fugiu correndo com um animal assustado, tive que rir, esperava que esse imbecil desistisse de mim. Zacky estendeu sua mão para mim, eu a segurei. Andamos um pouco, pelos corredores, passaram algumas garotas, comentaram um pouco. Finalmente a nerd estava saindo com alguém.

Zacky colocou seu braço por cima dos meus ombros, aproximamos nossos corpos, senti o cheiro de perfume, misturado com pomada, ou creme de cabelo. O cabelo estava impecável, assim como suas roupas. Uma camiseta branca escrita Vengeance University com uma caveira, uma jaqueta de couro legitima, uma calça jeans com a barra dobrada e sapatos preto. Ele estava impecável.

Andamos até o estacionamento, onde ele colocou seu carro, uma BMW preta sedan. Quantos carros ele tinha? Zacky desligou o alarme, nos afastamos um pouco, abri a porta do passageiro e me sentei no banco de couro da BMW. Coloquei o cinto de segurança, ele fechou a porta pelo lado de fora, depois sentou ao meu lado.

Ele entrou, ficando ao meu lado. Sorrimos um para outro, Zacky me devolveu meu celular, agradeci e coloquei dentro da bolsa. Ele começou a dirigir, assim que saímos da universidade, Zacky pegou a estrada, não entendi para onde ele estava me levando. Então Zacky ligou o som que estava com um cartão de memória, tocou Avenged Sevenfold.

Curti o som, conhecia as músicas. Então Zacky olhou para mim, caindo na gargalhada. Não entendi o que ele achou graça, eu ainda nem cantei para que ele risse de mim. Cruzei os braços e olhei para Zacky que ainda ria de mim.

 

- O que há de tão engraçado?

- Nada. Então você conhece a banda? – Balancei a cabeça positivamente. – Não acho que conhece tanto assim.

- O que você quer dizer com isso? – Perguntei, ele pegou a saída para Huntington Beach.

- Bem, ontem você esteve perto da banda e nem percebeu. – Não entendi.

- Eu não os reconheceria debaixo de tanta maquiagem. – Zacky me olhou sério.

- Faz muitos anos que não usamos maquiagem. – Usou nós, merda. – Exceto, Brian. Ele não é normal.

- Ai, você faz parte da banda? – Ele balançou a cabeça positivamente. – Nossa, nem percebi.

- Tudo bem. Eu sou um dos guitarristas. – Piscou para mim.

- Aonde você está me levando?

- Você faz muitas perguntas, baby. – Apertou as mãos no volante. – Daqui a pouco você descobrirá. Você tem mais de 21?

- Não, eu só tenho 20. – Zacky passou a mão nos cabelos, a língua no lábio inferior de uma forma sexy. – Isso é um problema para você, além que legalmente não posso beber até dezembro.

- Não, baby. – Deu um sorriso e fez bico. – Só me sinto velho para você, tipo eu tenho 30 anos. – Levei um susto.

- Nada demais, não vamos nos casar e isso não é um problema, os caras da minha idade são uns babacas, vocês homens só começam a amadurecer depois dos 35. – Ele riu de mim.

- Você está dizendo que eu sou uma criança, baby? – Olhou-me com aqueles olhos azuis.

- Não ponha palavras na minha boca, eu não disse que você. – Apontei na direção dele. – é uma criança. Disse que os homens geralmente, não amadurecem antes dos 35. Não estou dizendo você, ainda não te conheço.

- Você é muito inteligente, adoro isso numa mulher. – Colocou o cabelo atrás da minha orelha. – Você não é apenas um rostinho lindo. – Ui, ele me deixou sem jeito. – Estamos chegando.

 

            Zacky estacionou num lugar chamado Johnny’s Bar, ótimo, estaria num onde eu não poderia beber. Saímos da BMW, como uma celebridade local, Zacky foi cumprimentado por uns caras que estavam parados na porta, depois ele segurou a minha mão e entramos.

            Tinha uma mesa de sinuca, tentaria jogar sem saber. Passamos por ela, tinha uma mesa, sentamos ali, um pouco. Puxei a minha saia que resolveu subir demais, sorri sem jeito, resolvi não cruzar as pernas para evitar possíveis acidentes. Então olhei para o lado, tinha varias coisas penduradas na parede, coisas bem rock. Um sutiã, dei uma risada, Zacky se levantou, me deu um beijo no ombro e foi pegar bebidas para nós.

            Cruzei as minhas mãos, apertei as juntas, mordi a pele dentro da minha boca até sangrar, estava terrivelmente ansiosa. Zacky voltou com duas garrafas geladas de Heineken, estava aberta para facilitar nossas vidas. Ele sentou na minha frente para me olhar melhor, acho. Coloquei uma mecha atrás da orelha, mas ela caiu para frente.

            Tomamos nossas cervejas, eu tomei mais lentamente por não gostar de cerveja, apesar de Heineken ser mais leve do que as cervejas comuns. Depois Zacky tirou um maço de cigarros do bolso, era Marlboro, me ofereceu e eu aceitei. Eu estava tentando parar, mas seria difícil, se namorasse um fumante.

            Colocou o cigarro na boca, Zacky pegou seu isqueiro, acendeu meu cigarro, dei um trago longo. Tinha um cinzeiro na mesa, joguei a cinzas ali, enquanto Zacky acendia o seu. Dei um trago longo, meu corpo relaxou bastante e ele deu um trago e soltou a fumaça pelo nariz. Terminamos o cigarro, ele fumou mais um.

            Depois Zacky acariciou a minha mão por cima da mesa com a ponta dos dedos, me fazendo sorrir. Estava indo bem, até apareceram duas pessoas na nossa mesa, deixando Zacky sem jeito. Era um homem moreno de estatura mediana, olhos castanhos, igualmente tatuado e cabelos arrepiados. Ele estava acompanhado de uma mulher loira que sorriu a nos ver juntos.

 

- Olá, menina. Finalmente Zacky saiu do quarto! – Comemorou. – Eu sou o Brian, amigo dele. Preciso contar para o Jimmy, ele vai ficar muito feliz. Você é bem bonita, pelo menos, ela é totalmente diferente da... – Levou um beliscão da mulher que o acompanhava.

- Deixa o Zacky em paz. Desculpe, ele é doido. – A mulher se desculpou. – Zacky não seja mal-educado, apresenta sua namorada.

- Ela não é minha namorada, Michelle. Sammy, esses são Brian e Michelle. Eles vão embora, não é. – Zacky começou a se irritar.

- Já vamos, olha Sammy, não o deixe beber demais, senão ele vai acabar chorando no seu ombro. – Riu.

- Vai encher o saco de outro. – Zacky cerrou a testa para ele.

 

            Brian e Michelle saíram rindo, Zacky saiu da mesa sem explicar nada, resolvi mexer no celular para ver as horas. Peguei meu celular, ainda era sete e dez da noite. Tinha uma mensagem de Dany perguntando do encontro, mas resolvi não responder.

            Zacky apareceu com uma garrafa de Jack Daniels com dois copos de vidro, eu não bebia uísque então eu não aceitei. Ele serviu um copo cheio, ótimo o encontro estava indo de mal a pior, depois que eles apareceram. Estava começando a ficar entediada.

            Zacky percebeu que o clima havia ficado estranho entre nós, relaxou um pouco. Segurou a minha mão, me conduzindo para fora da mesa, então fomos a mesa de sinuca. Ele pegou um taco para mim e outro para ele, pelo menos, nos divertíamos um pouco.

 

- Já aviso que não sei jogar. – Me encostei na mesa de costas e Zacky deu de ombros enquanto arrumava a mesa.

- Melhor para mim, assim que eu ganho com facilidade. – Disse divertido.

- Não vai ser tão fácil assim. – Eu me virei.

- Isso eu quero ver. – Riu.

 

            Zacky posicionou o taco de sinuca, acertou a bola branca que acertou outra bola verde que tocou outra bola amarela e foi encaçapada. Ele bateu sua mão esquerda no taco, posicionou de novo e acertou a bola branca. Só que ela não atingiu nenhuma bola, era minha vez.

            Eu passei por ele, posicionei o meu taco com tinha visto na TV, no entanto Zacky ria de mim, não estava fazendo certo. Acertei a mesa, não a bola. Zacky avisou que eu teria uma segunda chance, revirei meus olhos e fiz bico para ele que ria sem parar de mim. Encostei meu taco de qualquer jeito, conseguindo acertar a bola branca, entretanto ela mexeu meio milimetro.

 

- Tá indo bem, baby. – Deu um tapa na minha bunda.

- Palhaço! – Fiquei indignada.

- Minha vez.

 

            Zacky acertou a bola com facilidade, apontou o taco para mim, abaixei com a minha mão. Estava ficando chateada, eu era horrível, Zacky não conseguiu acertar a bola. Tentei mais uma vez, consegui a acertar a mesa, tentei mais uma vez, acertei a bola preta, ele bateu palmas para mim e levei o dedo do meio.

            Estávamos jogando, apesar de ser péssima, estávamos nos divertindo. Ele parecia estar a vontade, mas eu perdi. Pedi uma revanche, ele aceitou, coloquei as mãos na cintura.

 

- Você não vai me ensinar a jogar? – Perguntei e ele ficou atrás de mim.

- Por que você não me pediu antes, baby? – Zacky sorriu maliciosamente para mim. – Primeiro aprenda segurar o taco. – Eu peguei o taco, ele tocou os meus braços, posicionando a forma correta, nos olhamos nos olhos.

- Passo numero dois. – Disse quase sussurrando, olhei para seus lábios carnudos.

- Colocar o taco no ângulo certo. – Ele colocou a sua mão por cima da minha, levando o meu braço esquerdo, a outra mão empurrando a minha para ponta do taco. – Agora tente acertar. – Sussurrou no meu ouvido, me arrepiando.

 

            Naquela hora deu vontade de largar o taco e beija-lo, mas estava tão hipnotizada que apenas acertei o taco. Consegui acertar a bola branca, eu aprendia com muita facilidade, mas não conseguiria fazer aquilo sozinha. Então Zacky me soltou, suspirei e ele viu a minha pele arrepiada, não disse nada, apenas segurou novamente seu taco de sinuca.

            Precisava me recompor, então deixei Zacky começar, ele mexeu as sobrancelhas e acertou uma bola. Bati palmas, segurando o meu taco que era quase do meu tamanho. Ganhei um beijo na testa, me deixando corada. Voltou a ficar numa boa entre nós, Zacky se posicionou para acertar outra bola.

            Entrou um casal, uma loira e um cara meio latino, eu acho. Eles falavam e riam alto, Zacky se desconcentrou um pouco, pensei que aquela era a oportunidade de eu ganhar. Assim que a loira passou por nós, Zacky não tirava seus olhos dela, deixou o taco na mesa. Ela o olhou de volta, parecia que eles se conheciam e ele estava bastante enciumado por ela estar acompanhada.

            Então ele se aproximou dos dois, percebi que ele esqueceu que veio comigo. Era como se eu não existisse, me senti mal, uma idiota. Larguei o taco, voltei a mesa, peguei a minha bolsa. Fui ao banheiro feminino, me olhei no espelho, meus olhos estavam vermelhos, percebi que choraria de raiva. Aquele tinha sido o pior encontro da minha vida.

            Fechei meus olhos para as lagrimas escorressem um pouco, depois sequei com papel toalha. Meu rosto ainda estava vermelho, saí do banheiro, respirei fundo, cheguei o balcão e pedi para que chamasse um taxi para mim. O barman atendeu o meu pedido. Olhei ao lado, Zacky estava discutindo com a mulher loira, varias pessoas apareceram para se meter.

            O barman avisou que meu taxi havia chegado, agradeci e saí do bar rapidamente. Vi o carro amarelo, entrei e sentei no banco de trás. Pedi para que ele me levasse a universidade, deitei a minha cabeça no vidro enquanto ele acelerava. Fechei meus olhos e comecei a chorar compulsivamente, eu era uma boba que ainda que acharia o príncipe encantado. 


Notas Finais


Primeiro encontro desastroso com Zacky.
Ninguém merece, ele estar sofrendo por causa da ex.
O que será que vai acontecer com essa relação?
Beijos e até a próxima


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...