História Surrender -Imagine Jooheon -Monsta X - Capítulo 12


Escrita por: ~

Postado
Categorias Monsta X
Personagens Hyung Won, I'M, Joo Heon, Ki Hyun, Min Hyuk, Personagens Originais, Show Nu, Won Ho
Tags Imagine Jooheon, Monsta X
Visualizações 131
Palavras 3.373
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Drama (Tragédia), Ficção, Mistério, Romance e Novela, Suspense
Avisos: Álcool, Drogas, Linguagem Imprópria, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Tive que me ausentar por alguns dias por estar escrevendo milhares de relatórios e tendo milhares de provas :\

Aaah, os meninos finalmente conseguiram o primeiro win! [em minha opinião eles já deveriam ter muitos prêmios, mais vai saber o que rola nessas votações...] Se eu chorei vendo os meninos emocionados? Só um pouquinho kkk

Em relação ao capítulo: peguei leve nesse capítulo, mas o próximo vai pegar fogo kkk

Capítulo 12 - Capítulo 12


 

Depois daquela noite as coisas começaram a tomar um outro rumo.

Jooheon estava tentando me mostrar que era um cara legal e que tinha um lado bom nele mesmo estando enterrado a sete mil pés dentro de si. Eu estava tentando apenas entende-lo. Eu sabia que no fundo ele possuía uma grande bondade mas não sabia como trazê-la externamente em sua vida.

Eu precisava descobrir uma maneira de ajuda-lo a encarar esse problema.

Depois de cinco períodos de aula, finalmente teria uma tarde livre depois de um mês de provas e avaliações. Os resultados já haviam saído e eu estava contente com meu desempenho, minhas notas continuavam ser uma das mais altas da turma para uma intercambista.

Assim que sai da sala, observei Carly e Minhyuk conversarem com os seus testes em mãos.

-Como foi o seu resultado? –Carly me encarou curiosa.

-Tirei 9.7. –falei dando um pequeno sorriso. –O professor tirou três décimos de minha média por ter errado uma conjugação de um termo coreano. Quanto vocês tiraram?

-7,4. –Minhyuk comentou balançando a cabeça.

-8.2. –Carly balançou a folha alegremente. –Tirei mais do que imaginava tirar. O seu resumo me salvou, Amy.

-Da próxima irei precisar dos seus resumos, Amy. –Minhyuk riu enquanto nos três andávamos para pelo corredor.

-Você foi muito bem para quem entrou no meio do mês de provas. –comentei batendo meu braço no seu. –A Carly é ótima em dar aulas de estatísticas.

-Eu também sou boa em levantamento de colher, vamos logo que eu estou morrendo de fome. –Carly nos puxou ansiosa pelo horário de almoço como sempre.

-Hoje eu não vou almoçar no refeitório. –falei recebendo os olhares curiosos dos dois. –Eu vou almoçar na cidade.

-Com quem? –Carly perguntou-me abrindo um pequeno sorriso.

Olhei para Minhyuk que sorriu e balançou a cabeça já sabendo com quem seria.

-Jooheon me convidou para ir almoçar com ele em um restaurante. –comentei e logo em seguida Carly surtou.

-A-há! Eu sabia! –ela exclamou extasiada balançando o braço de Minhyuk. –Eu não disse que ela estava saindo com um dos seus amigos?

-Eu não estou saindo com ele, só aceitei ir almoçar. –dei de ombros fingindo não dar a mínima. –Eu não almoço com vocês? Então, é a mesma coisa.

-Vou querer detalhes mais tarde. –Carly riu se divertindo.

Balancei a cabeça envergonhada com sua atitude logo na frente de Minhyuk.

-Tenho que ir, vejo vocês no jantar. –falei me despedindo dos dois já atrasada.

-Boa sorte! –Minhyuk riu junto com Carly. –Comam bem.

Deixei que um sorriso aparecesse em meu rosto enquanto me distanciava dos dois e saia do prédio rapidamente. Jooheon estaria me esperando próximo a biblioteca ao lado. Eu sabia que só iriamos almoçar, mas meu coração palpitava loucamente.

Assim que o vi encostado em seu carro ajeitei meu cabelo bagunçado pela ventania do inverno e meu casaco tentando ficar mais apresentável.

-Você parece um pinguim. –Jooheon comentou sorrindo enquanto me aproximava dele.

-Agradeço se isso for um elogio. –falei tentando tirar o excesso de neve sem sucesso de meus ombros.

-Vem cá. –ele me puxou pela mão para próximo de si e limpou meu gorro coberto de neve.

Encarei sua beleza de perto enquanto o mesmo tinha o trabalho duro de tirar a neve de minha roupa. Acho que estava corando, pois o mesmo riu e ajeitou meu cachecol cuidadosamente quando desviei meu olhar para qualquer coisa no campus menos para os seus lindos olhos.

-Suas bochechas estão vermelhas. –Jooheon afagou meu rosto com um sorrisinho. –Gostaria de saber por que elas estão assim....

-Estamos no começo do inverno, esqueceu? –segurei um sorriso e pousei minhas mãos enluvadas em seu rosto brincando com suas covinhas.

-Tem certeza que é por isso? –suas sobrancelhas se arquearam quando o mesmo se aproximou-se mais.

-E por que não seria? –o indaguei.

-Talvez seja pela minha proximidade. –Jooheon comentou acertando na mosca enquanto sorria.

-Tão cheio de si... –balbuciei revirando os olhos fazendo o mesmo rir. –Aonde iremos almoçar?

-Em um dos melhores restaurantes de Seul. –ele sorriu abrindo a porta do carro para mim. –Ou melhor dizendo, meu restaurante favorito.

 

 

 

 

 

Descobri que Jooheon frequentava aquele restaurante desde sua infância. Era um ambiente calmo e com pouco movimento. Um ótimo lugar para se relaxar e comer bem.

Deixei que o mesmo escolhesse o que iriamos comer enquanto terminava algumas simples anotações de alguns livros que deveria ler para o próximo semestre enquanto ele fazia os pedidos.

-Então, o que tem de tão interessante nesse restaurante? –perguntei o observando colocar fatias de carnes na enorme chapa entre nós.

-Eles tem os melhores pratos culinários da região. –Jooheon comentou distraído com os pratos. –Você irá gostar dos pratos que pedi.

-Não tem nada muito estranho, certo?  -o encarei um pouco curiosa e com medo.

Havia alguns pratos em que consistia em ingredientes estranhos dos quais não tinha vontade alguma de provar sempre que Minji pedia em nossos almoços.

-Nada de assustador. –ele riu e finalmente voltou seu olhar para mim. –Não faria isso com você em nosso primeiro encontro.

Meu coração parou por alguns segundos ao ouvir aquilo.

-Hum, isso é um primeiro encontro? –sorri um pouco sem graça.

-Pode se dizer que sim. –ele concordou com a cabeça e serviu o vinho em nossos copos.

-Deveria me sentir honrada por almoçar com você então? –continuei tirando com a sua cara.

-Com certeza. –ele riu entrando na brincadeira. –Por que não senta aqui do meu lado?

-E porque você não se senta ao meu lado? –arqueei as sobrancelhas enquanto pousava meus braços sob a mesa.

Jooheon balançou a cabeça me vendo rir da situação e logo saiu da onde estava sentado para ficar ao meu lado.

-Feliz? –ele me encarou puxando seu prato para perto.

-Agora me sinto honrada. –falei dando um gole do vinho.

Nossos pratos chegaram alguns minutos depois e foi preparado por uma senhora que descobri conhecer Jooheon desde pequenino. Jooheon fez questão de me contar a história de cada prato que provava, tudo tinha um gosto muito bom e diferente do qual eu já havia provado desde que me mudei para cá.

Enquanto o mesmo cortada alguns pedaços de carne eu o observei tentando recordar cada traço de seu rosto e de sua personalidade. No fundo eu me perguntava se ele sentia o mesmo que estava sentindo por ele.

Eu sabia que não era uma paixonite, era um sentimento mais profundo que não conseguia explicar, apenas sentir.

Sorri quando Jooheon percebeu que o encarava e voltei minha atenção para a comida.

-Suas bochechas estão vermelhas novamente. –ele comentou colocando mais alguns pedaços de carne em meu prato.

-Não encha o saco, Joo. –falei de boca cheia lhe dando um soquinho fraco no braço.

 

 

 

 

 

O frio estava mais forte depois que deixamos o restaurante de barriga cheia e felizes. Andamos pelas ruas sem rumo até que o mesmo parou em um fliperama com pouco movimento e pegou um bichinho de pelúcia em uma daquelas maquinas que roubam todo o seu dinheiro para mim. Aquilo tinha sido fofo partindo de sua personalidade fria.

Abracei o ursinho animada enquanto o mesmo ria achando graça da situação.

-Venha, quero te mostrar um lugar. –Jooheon me puxou pela mão para sairmos novamente.

Decidimos deixar o carro estacionado no mesmo lugar e irmos a pé já que o mesmo comentara que era próximo o que ele queria me mostrar. Era tão bom sentir seus dedos enluvados enroscados com os meus.

Será que ele sentia o mesmo por mim?

Jooheon me levou até um parque ao ar livre para uma caminhada pelo local que ficava lindo coberto de neve. Eu estava morrendo de frio, mas aguentava pela curiosidade. Andamos mais alguns minutos, subimos algumas escadas e paramos em uma área aberta com alguns bancos espalhados.

-Uau, isso é lindo. –comentei observando a linda vista que tínhamos do litoral bem ao longe.

Observei Jooheon tirar a neve de um banco e se sentar encostando as costas em uma arvore.  Andei pelo local observando a beleza natural que nos cercava. Tentei imaginar como seria a primavera nesse lugar.

Decidi para de andar e me sentar ao seu lado para apreciar a bela vista.

-Você vem sempre aqui? –perguntei sentindo o mesmo se aconchegar próximo a mim pelo frio.

-Antigamente vinha todos os dias depois da escola me refugiar da agitação. –senti seu braço passar por trás de meus ombros. –Ultimamente venho raramente por aqui.

-E qual foi o motivo para você me trazer aqui? –comentei sentindo meu coração palpitar mais rápido que o necessário.

-Achei que você gostaria daqui. –ele comentou brincando com minha trança mal feita. –É bom para relaxar.

-Eu gostei. –concordei fungando o nariz pela umidade boa do lugar.

Ficamos calados por um momento encarando aquela bela vista em nossa frente.

-Eu não espanquei aquele cara à toa. –Jooheon falou de repente me fazendo o encarar. –Ele é de um outro clã, eu o peguei tentando assediar uma garota tarde da noite. Wonho e eu decidimos que ele precisava de uma lição...mas eu perdi a cabeça e as coisas saíram do controle.

-Isso tem a ver com o tal Namjoon? –o indaguei sentindo sua mão procurar pela minha.

-Sim. –ele concordou com a cabeça encarando a vista fixamente. –Namjoon roubou as mercadorias que pertencia ao nosso clã. Não é a primeira vez que ele faz isso. O cara que demos um trato confessou tudo.

-Ele está bem? –encarei seus olhos a espera de sua resposta.

-Ele vai ficar um tempinho de cama... –ele deu de ombros com um sorrisinho frio. –Só queria que soubesse a verdade...

 Soltei o ar de meus pulmões e me aninhei em seu peito sentindo o calor de seu corpo se compartilhar com o meu. Senti seus dedos afagarem minhas costas lentamente enquanto ficávamos em silêncio.

-Você e o Wonho poderiam ser menos agressivos, vocês me assustam as vezes. –comentei fazendo o mesmo dar uma pequena risada.

-Prometo que vou tentar não te assustar. –Jooheon falou enquanto o abraçava.

-Obrigada. –falei fazendo o mesmo me encarar.

-Pelo o que? –seus dedos afagavam meus cabelos.

-Por estar me protegendo do outro clã. –respondi levantando minha cabeça para olhar o nos olhos. –Não sei o teria acontecido se você não tivesse me salvado naquela noite...

-Eu te salvaria de qualquer maneira. –senti seus dedos acariciarem meu pescoço.

-Obrigada. –o agradeci novamente me sentindo grata por algo do qual ele não tinha obrigação de ter feito.

Nos encaramos por um momento até que Jooheon me puxou pela nuca acabando com a distância entre nossas bocas. Era incrível como os seus lábios eram tão macios e se moldavam perfeitamente aos meus. Sentir seu toque durante o beijo era como uma massagem da qual não queria que terminasse nunca. Eu me sentia bem quando estava com ele... mesmo ele sendo frio as vezes.

Nosso beijo foi quebrado pelo o seu celular que tocava insistentemente em seu bolso.

-É melhor atender. –falei me afastando para que o mesmo pudesse pegar seu celular.

Jooheon continuou me mantendo perto de seu corpo e com agilidade tirou seu celular do bolso no meio de tantos casacos. Observei a vista em nossa frente enquanto o mesmo atendia.

-Tem certeza em relação a isso? –ouvi o mesmo perguntar em um tom mais sério ao meu lado. –Ele disse isso?

Voltei a minha atenção para o seu rosto que estava com uma mistura de surpresa e irritação.

-Eu sabia que ele aparecer depois disso... –ele riu sarcasticamente ouvindo o que lhe era dito. –Sei...estou indo para aí...ok...certo, tchau.

Observei o mesmo guardar o celular e soltar um pequeno suspiro.

-Temos que ir para o galpão. –seus lábios pousou um selinho nos meus quando concordei com a cabeça. –Temos novas informações.

 

 

 

 

 

Assim que chegamos ao galpão, Jooheon me deixou junto com Hyungwon e Kihyun enquanto ia para um dos cômodos com o restante dos meninos. Eu sabia que todos os sete faziam coisas que era da lei mas mesmo assim tentei não pensar muito nisso e nas drogas que havia acabado de ver ao passar pela garagem.

Hyungwon e Kihyun estavam tensos enquanto eu estava sentada em um dos sofás encarando a TV desligada. Eu também estava tensa em saber o que estava acontecendo depois que horas se passaram e nenhum dos outros apareciam.

-Quer comer alguma? –Kihyun perguntou-me pela quarta vez no meio da tarde.

-Não estou com fome, obrigada. –agradeci andando de um lado para o outro na sala já ansiosa. –Quanto mais tempo eles ficarão conversando?

-Daqui a pouco eles aparecem por aí. –Hyungwon degustava um sanduiche depois de tirar uma soneca ao meu lado.

-Isso tem alguma coisa a ver comigo? –perguntei olhando para Kihyun.

-Possivelmente sim. –ele concordou com a cabeça enquanto se acomodava em uma poltrona antiga.

-E....para que são aquelas drogas? –continuei a lhe fazer perguntas depois de tantas horas ficar calada em meu canto.

-São assuntos privados, Amy. –Kihyun falou deixando claro que não queria falar sobre aquilo.

-Tudo bem... –suspirei entediada em ficar aqui.  –Posso ir ao banheiro?

Encarei os dois se olharem vendo minha vontade instantânea de ir ao banheiro pela terceira vez.

-Problemas de mulheres, sabe? Todo o mês temos um... –comentei deixando no ar minha mentira.

-É melhor deixa-la ela ir, não quero ouvir isso. –Hyungwon encarou o amigo com uma careta.

-Certo. –Kihyun concordou com a cabeça. –Sabe o caminho?

-Já decorei. –respondi pegando minha pequena bolsa para que minha mentira não fosse por agua abaixo.

Deixei aquela sala de estar e percorri o corredor sabendo que Kihyun estaria me observando. Assim que virei entrando no corredor que me levaria ao banheiro, decidi dar uma olhada pelo local para me distrair. Quanto mais eu andava por esse galpão mas ficava surpresa em saber em como ele era grande.

Eu já havia sido avisada por Shownu e I.M que não deveria ficar andando pelo bloco chamado de ‘’ Bloco X’’ por ser uma área restrita, mas a tentação era enorme em entrar naquele lugar e descobrir o que tanto eles escondiam por ali. Parei em frente aquela porta com minhas mãos coçando para empurrar aquela porta, mas desisti de última hora. Talvez o que tivesse ali não fosse do meu gosto. Não queria surtar novamente.

Suspirei e dei meia volta para voltar a aquela sala de estar chata e entediante novamente. Voltei andando lentamente pelos corredores e logo dei de cara com Jooheon. Seus olhos focaram em mim e logo o mesmo veio em minha direção.

-Aonde você estava? –ele perguntou-me pousando as mãos em meus ombros.

-No banheiro. –respondi tentando parecer normal. –O que houve?

-Nada. –ele sorriu um pouco cansado e acariciou o meu rosto. –Só queria saber se estava tudo bem com você.

-Terminou a reunião? –perguntei observando seu rosto cansado. –Você está um caco.

-Obrigado. –Jooheon riu e entrelaçou nossas mãos. –Sim, já terminamos. Quer saber o que conversamos, certo?

-Seria bacana saber o que aconteceu nesse pequeno meio tempo que durou horas. –concordei com a cabeça fazendo o mesmo sorrir com o meu pequeno sarcasmo.

-Tão delicada... –Jooheon riu enquanto revirava os olhos. –Venha, vamos tomar um café e conversar.

-Sempre me subornando com café... –comentei segurando um sorriso.

-Que tal um americano e alguns cookies? –inclinei um pouco minha cabeça para o lado para poder ver seu lindo rosto. –Sei que esse é o seu lanche favorito.

-Pode continuar me subornando então. –lhe dei um pequeno sorrisinho apertando minha mão na sua.

Jooheon riu e me puxou para mais perto enquanto andávamos.

-O que irei fazer com você, Amy-ah?!~~. –ele comentou de forma fofa me fazendo sorrir novamente.

 

 

 

 

 

Jooheon me levou a um Starbucks próximo a cidade e comprou cafés suficiente para todos os meninos ficarem acordados a noite inteira. Eu estava interessa por saber o porquê daquela reunião que durou horas, mas esperei que voltássemos novamente para o galpão.

-Café! –Minhyuk comemorou nos vendo entrar com vários copos e algumas pequenas sacolas. –Amy-ah, o que você comprou para os seus Oppas?~~ –ele perguntou-me com aegyo.

Descobri que os meninos faziam aegyo naturalmente quando se tratava de comida. Todos, exceto I.M. Ele continuava com seu ar de seriedade enquanto estava jogado no sofá encarando o teto. Ele não gostava da minha presença, disso eu tinha certeza.

Nos acomodamos na sala para comermos todos juntos e conversar. A grande conversa pela qual esperei horas para ouvir.

-Namjoon veio aqui. –Jooheon falou vendo que queria perguntar mas que não tinha coragem. –Ele veio buscar um dos capangas dele. O que fizemos aquilo...

-Hum... –concordei com a cabeça enfiando um cookie inteiro na boca prestando a atenção no mesmo.

-Kris ofereceu a ele uma certa quantia de dinheiro para te caçar e o entregar a ele. –Wonho me encarou.

Parei de mastigar ao ouvir a palavra ‘’ caçar’’. Aquilo me fez perder todo o apetite e voltar a ficar preocupada com a minha situação.

-A questão é que ele não sabe quem é você ainda. –Shownu falou sem preocupação alguma. –Então veio nos perguntar se queríamos participar disso tudo e esquecer nossa pequena rixa do passado.

-A notícia de que uma garota descendente dos Copper já rondou por todos os clãs. –I.M comentou finalmente pegando o seu café e se sentando ao lado de Hyungwon. –Todos querem saber quem é a garota.

-Vocês continuam achando que sou descendente de um dos Copper? –perguntei sem acreditar. –Ya, meus pais nunca se envolveriam em coisas desses gêneros...

-Seus pais talvez não, mas e os seus outros parentes? –Kihyun deixou a pergunta no ar.

-Triplicamos a quantia de dinheiro para que o clã do Namjoon fique ao nosso lado. –Jooheon comentou tentando me acalmar. –Ele aceitou um acordo de paz e a não se meter nisso.

-E como posso acreditar nisso? –falei encarando a pequena mesa de centro com nossos cafés.

-Ele apostou a vida de um dos dele caso ele descumpra a promessa. –Jooheon tentou dizer da forma menos ruim aquilo. –Caso algo aconteça com você por culpa dele, um dos dele morre.

Aquilo fez com que meu estomago embrulhasse.

-Kris não vai desistir em te procurar, Amy. –Jooheon continuou a falar. –Sei que isso é difícil, mas temos que estar preparado para o ataque que ele tentará fazer...precisamos do maior número de aliados ao nosso lado.

-O que um Copper tem de tão importante? –perguntei tentando não deixar transparecer o meu incomodo.

Shownu pousou seu copo a sua frente e me encarou da forma mais séria que já vi desde que o conheci.

-Um Copper tem um poder imenso nesse país, Amy. –seus olhos escuros me encaravam transmitindo um conhecimento horripilante. –Os Copper’s dominaram Seul por milhares de anos desde muitos séculos. Muitos acreditavam que eles foram trazidos do inferno para a Terra para acabar com os humanos. Eles massacraram muitas pessoas inocentes para construírem seu império e implantarem sua ceita. Há uma lenda que nos contam que desde pequenos que apenas dois deles seriam pessoas puras e de bom coração e que acabaria com toda esses problemas que seus irmãos causaram.

-O que eles causaram? –perguntei sentindo meus pelos dos braço se eriçarem.

-Um enorme massacre e a desunião de todos os clãs. Muitos clãs foram exterminados pelos Copper e isso causou uma revolta em muitos outros. –Shownu continuou me encarando fixamente. –Os Copper foram exilados em uma fogueira como uma vingança. Mas antes de morrerem eles foram obrigados a renunciarem o poder e finalmente dar a liberdade a todos...mas ele decidiram morrer do que perder todo o seu império.

-Todos que eram considerados descendentes deles eram mortos. –Wonho comentou vendo que o amigo não falaria mais nada. –Os clãs não queriam que um deles voltasse e dominasse tudo novamente. Mas isso é apenas uma lenda, não se preocupe.

-Se uma coisa que é verdade é que os Copper possui um grande segredo. –Jooheon comentou segurando minha mão embaixo da mesa vendo que estava calada. –Um segredo do qual todos os clãs querem descobrir para conseguirem o poder que há tanto tempo pertenceu aos Coppers.

-E...o que eu tenho a ver com isso tudo? –perguntei sentindo meus membros começarem a tremerem levemente pela minha ansiedade.

-Você pode ser a chave disso tudo, Amy. –Jooheon me olhou nos olhos ao dizer essas palavras que ficaram cravadas em mim.

 

 


Notas Finais


E que as tretas começem! Sentiram o cheiro de ação no ar? kkk

Só queria dizer para se preparem para o próximo capitulo que está por vir hehehe
Jooheon acho bom você realmente cuidar da Amy.

Comentem o que estão achando até agora!


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...