1. Spirit Fanfics >
  2. Survival Guide For A Zombie Apocalypse >
  3. Regra II: Cuidado com as professoras de Química presas

História Survival Guide For A Zombie Apocalypse - Capítulo 2


Escrita por:


Notas do Autor


boa leitura <3

Capítulo 2 - Regra II: Cuidado com as professoras de Química presas


Fanfic / Fanfiction Survival Guide For A Zombie Apocalypse - Capítulo 2 - Regra II: Cuidado com as professoras de Química presas

O garoto de nome desconhecido pegou o celular novamente e digitou algo, Minho observava o seu vizinho Sicheng caminhando encurvado, um pedaço da pele de seu rosto estava pendurada, deixando uma parte de sua carne pútrida aparente. A camiseta preta de uma banda de rock que Minho desconhecia tinha um buraco próximo a cintura do garoto e era ali em que aparecia uma ferida parecida com uma mordida, coberta de um muco amarelo e poeira.

Minho se sentia nauseado e triste, Sicheng era provavelmente um de seus vizinhos mais simpáticos, apesar de seu estilo e de suas companhias desagradáveis. 

— Changbin, tem pelo menos uns vinte zumbis na frente do laboratório, mesmo que eu fosse um rato eu não conseguiria entrar naquela sala. Fora que a retardada da Baek passa o dia inteiro naquele inferno, quem me garante que ela não tá lá dentro infectada?... Binnie, amigão, o cara mais incrível do mundo, dono dos meus gay panic, como você espera que ele entre naquela sala sendo que ele tá congelado do meu lado?... Entendi, tchau.

O garoto aparentemente mais velho olhou para Minho e soltou um suspiro, logo abrindo a mochila e tirando um canivete vermelho pequeno e estendendo para o mesmo.

— Escuta, o Changbin disse que você conhece esse prédio muito bem, além de ser ágil, o que eu duvido mas não vem ao caso, você precisa entrar naquele laboratório ali… — Minho prendeu a respiração ao ver um grupo de mortos-vivos exatamente na entrada do local onde o estranho colega de Changbin queria que ele entrasse.

— Quem me garante que você realmente estava falando com o Binnie e não armando a minha morte para se livrar de mim?

— Eu poderia ter corrido sem você pra fora do prédio, nem iria precisar forjar ligações ou coisas assim… Você mal correu garoto, só faz o que o nerd do seu amigo pediu, eu não tô afim de morrer!

— Primeiro: Minho, Lee Minho é meu nome. Segundo: Não confio em você, eu quero falar com o Binnie.

O de cabelos cacheados suspirou novamente e puxou o celular, digitando o número de seu colega de quarto novamente, entregando o aparelho para o garoto ao lado em seguida.

— Porra Chris, tu não consegue resolver nada sem mim?

— Não é o Chris, Binnie… — a voz soou mais embargada do que Minho queria, mas seu coração doeu de alívio ao ouvir a voz familiar de seu melhor amigo — Por que você não foi ao bar imbecil?

Minho? Pera, tu foi no bar? Como você ainda tá vivo cara? E desculpe se eu tava ocupado demais tentando salvar teu colega que me ligou gritando mais que você bêbado… Ele tá bem por sinal.

Um suspiro aliviado escapou pelos lábios do coreano, que logo voltou a olhar para a horda de monstros na frente do laboratório

— O que você quer naquele laboratório?

Nada, eu não preciso de absolutamente nada, mas vocês precisam. Lá dentro tem uma caixa branca com tranca digital, ela é meio pesada mas vocês dois conseguem trazer até aqui.

Os olhos de Minho lacrimejaram conforme ele desviou os olhos dos zumbis e voltou a atenção para a tubulação que adentrava a sala que eles desejavam entrar, uma saída de ar estava bem ao lado deles. Não seria difícil entrar.

— Você tem certeza que a senhora Baek não foi infectada?

Sim, eu duvido que ela tenha sido infectada Min.

— Tudo bem, eu confio em você. Eu vou entrar.

E desligou a chamada, os olhos do tal Chris se arregalaram ao sentir o canivete ser puxado de suas mãos e o garoto se arrastar sorrateiramente para a saída de ar, em um movimento calmo a tampa foi retirada silenciosamente e o corpo magro do garoto começou a se arrastar para dentro da estrutura estreita.

— Boa sorte então.

O rapaz olhou para o grupo ainda se movimentando lentamente na entrada do laboratório, chamar a atenção deles para abrir o caminho, era simples se não fosse pelo fato de eles serem criaturas sanguinárias em busca de carne fresca para se alimentar. O australiano suspirou e olhou para a mochila com todos os equipamentos que Changbin pediu “amavelmente” para que ele separasse. Uma ideia, ele só precisava de uma ideia que afastasse aqueles caras e não fosse matá-lo.

Olhou para a estrutura mal construída de uma das salas do novo auditório do prédio de Medicina, as portas mal colocadas e vários canos de ferro segurando as janelas ainda não instaladas. Se esgueirando com cuidado pelos materiais de construção jogados, o rapaz finalmente finalmente entrou na sala, extintores lacrados, vergalhões e outros objetos faziam a mente do garoto ferver em ideias estúpidas e mirabolantes.

— Bem, eu já tô na beira da morte mesmo. 

O extintor menor foi destravado e posicionado próximo à porta, junto a uma barra longa de madeira abaixo do gatilho, Chris respirou fundo reunindo coragem e empurrou uma das barras de ferro, fazendo o vidro cair com tudo para fora da sala, os grunhidos começaram a se aproximar e a visão da porta do laboratório ficou livre. Em uma pisada o gatilho do extintor foi acionado, a sala e o corredor se encheram de fumaça branca, o australiano apenas fez um leve impulso e saiu pela janela aberta, correndo em direção ao laboratório, vendo Minho abaixado próximo a geladeira procurando algo. 

Um pequeno toque no vidro foi o suficiente para chamar a atenção do mais novo, que parecia aterrorizado, a cabeça do moreno se moveu em negação fazendo Chris ficar confuso, mas não por muito tempo pois logo o corpo pútrido e asqueroso da professora Baek se jogou agressivamente no vidro da janela.

O choque fez o garoto se jogar para trás, pisando ruidosamente em um pedaço de vidro e chamando a atenção dos mortos-vivos que ainda caminhavam debilmente pela nuvem branca feita pelo extintor, um grunhido alto foi ouvido e a única reação de Chris foi acertar diretamente na cabeça da criatura que corria em sua direção com a barra de ferro, a cabeça asquerosa voou enquanto o corpo seguia de pé em sua frente, o garoto suspirou aliviado mas seus olhos se arregalaram em choque ao ver o corpo decapitado começar a se mover novamente em sua direção. 

— Minho, chama a senhora Baek pro outro lado da sala e deixa que eu pego a caixa. 

O mais novo assentiu jogando um armário ao seu lado no chão, chamando a atenção da senhora, a porta foi aberta com cuidado pelo australiano que andou rapidamente até a caixa branca mediana escondida abaixo da geladeira, ou pelo menos devia estar escondida antes da mulher em estado deteriorado quebrar todo o laboratório. 

Os grunhidos da velha professora aumentaram de volume junto com os murmúrios lamentosos de Minho do outro lado da sala, ao se virar para ver se deparou com a mulher a poucos centímetros do rapaz que tentava se mover para o outro lado, mas falhando graças a uma mesa que estava caída ao lado dele, impedindo que ele conseguisse sair daquele canto. Chris precisava pensar rápido se não quisesse ver o rapaz ser brutalmente devorado pela professora, olhou para geladeira e para o lado de fora do laboratório, que estava vazio. Agarrou a caixa que changbin ordenou que eles pegassem e fez um barulho alto, fazendo a mulher se voltar para ele rapidamente e correu em direção a geladeira

— Minho, corre daqui!

O garoto olhou confuso o estrangeiro arremessar a caixa branca em sua direção, correu em disparada pelo corredor após Chris gritar mais uma vez consigo. Estava preocupado com o mais velho dentro do laboratório com a senhora Baek contaminada, virou no corredor principal do prédio ajeitando a caixa pesada nos braços e viu um rapaz alto caído no chão, um taco de beisebol caído ao seu lado e um zumbi prestes a agarrá-lo. Não conhecia ele direito, mas sabia que era um dos alunos de Educação Física que adoravam reclamar de seu sedentarismo.

Não estava afim de ser responsável por mais uma morte naquela noite, e em uma súbita onda de coragem correu em direção ao morto-vivo e chutou sua cabeça , vendo a mesma voar em direção ao corredor vazio.

— Vamos logo, aqui não é seguro.

— Obrigado Min.

— De nada…

— Seo Youngho.

Sorriu ao ouvir o nome do primo de seu melhor amigo, os dois eram tão diferentes que não pareciam ter ligação de sangue alguma. Os dois rapazes correram pelo campus e suas velocidades aumentaram ao ouvir um grunhido logo atrás deles.

No meio das batidas desenfreadas de seu coração causadas pela corrida incessável, Minho sentiu o alívio se espalhar dentro de si quando o garoto de fios cacheados apareceu ao seu lado correndo, e logo atrás dos três Baek Jinyoung corria de boca aberta e braços estendidos, soltando saliva e grunhidos. Mais uma vez naquela noite Chris sacou o celular e procurou o número de seu colega de quarto. 

— Changbin você é um desgraçado! 

Eu? Por que?

— Nunca que o Minho teria entrado naquela sala se eu soubesse que a esclerosada da Baek tava infectada, agora ela tá na nossa cola. 

Após alguns segundos de silêncio Changbin voltou a falar

É… Isso é um problema e tanto… Vem logo pra garagem que eu já tô ligando a Van. 

Após isso ele desligou e Chan mudou a rota para a garagem, descendo as escadas o mais rápido que conseguia puxando ao coreano que já estava quase desmaiando de tanto esforço que fazia. 

Uma Van preta com a porta aberta e os faróis acesos estava parada no meio da garagem, já de frente para a saída. 

Chris jogou a mochila dentro da Van puxando Minho com mais força e praticamente jogando ao rapaz também. Assim que as portas foram fechadas o veículo acelerou com tudo e partiu do local. 

Ofegantes e assustados todos os três novos passageiros se entreolharam e sorriram aliviados. Estavam vivos, e aquilo era o suficiente. 

— Você pegou? — Changbin perguntou para Chris, que apontou para o colo de Minho

— Você pode explicar que merda isso faz? 

— Na verdade não, vamos chegar no local seguro onde eu e Jisung estamos instalados. 

Os três assentiram e relaxaram no banco. 

Sunggie <3

Hyung já disse que estou bem… 

Eu não fui mordido então tá tudo bem, o zelador apenas tentou me atacar

Eu sou bem rápido então não deu tempo de ele me pegar :) 

Changbin suspirou ao ler as mensagens de Jisung, virou o volante rapidamente entrando na rua completamente deserta, finalmente parando na frente de um edifício claro de aparência abandonada. 

As portas traseiras foram rapidamente abertas e o trio com uma aparência cansada e destruída finalmente pôde respirar aliviados ao verem uma rua completamente livre de qualquer criatura, viva ou morta. Youngho foi o primeiro a descer, oferecendo ajuda a Minho, que parecia mais acabado do que Christopher. 

— Você tá bem, Minho? — Changbin perguntou ao ver a face pálida do moreno

— Claro, só quase fui atacado hoje por pelo menos uns quatro zumbis. 

— Essa é sua nova realidade, acostume-se. 

O rapaz olhou com raiva para o baixinho à sua frente, finalmente firmando as pernas trêmulas no chão e agradecendo ao mais alto que ainda o segurava. 

Ao entrar no apartamento situado no 6º andar, o cheiro de lavanda que circulava por todo o local fez o corpo exausto do estudante de psicologia relaxar, o cheiro era familiar e calmante. Parecia o cheiro de seu quarto em Gimpo.

O corpo de Chris despencou sobre o sofá mofado no canto da sala, ao mesmo tempo que Changbin subia as escadas rapidamente com a caixa branca em mãos, o apartamento abandonado de dois andares parecia muito seguro, mas a cena do morto-vivo entrando no dormitório que ficava no 9º andar impedia que a tensão que dominava tanto a Chan quanto a Minho se dissipasse, ao contrário do Seo mais velho, que já ressonava baixo em uma poltrona. 

— Minho, você tá bem? — o loiro perguntou baixo ao reparar na expressão que o moreno fazia

— Estou, é só que eu não vou conseguir dormir hoje, tenho certeza. 

O australiano riu sem humor assentindo, a verdade é que ele também não conseguiria. Ao contrário do mais novo, Chris foi alertado previamente, teve todo um plano de segurança arquitetado e tinha noção de que sua vida corria perigo, mas ainda assim havia sido um dia cansativo e traumatizante, e pensar em seus amigos que foram infectados e todas as vezes que precisou atacar alguém faziam sua cabeça girar como se ele estivesse perdendo a consciência. 

— Você acha que vai ser igual nos filmes? 

O moreno ergueu a cabeça e olhou para o mais velho, sua face manchada e os olhos cheios de lágrimas fizeram o coração do Lee apertar. Todos sabiam que não seria como nos filmes, era bem provável que no fim todos morressem e isso era algo que Minho queria evitar. 

— Eu acho que não vai ser não. 

— Eu também… O zumbi me atacou e eu acertei a cabeça dele, e mesmo sem cabeça o bicho veio pra cima de mim. Eu fiquei apavorado. 

Os olhos do moreno se arregalaram com a nova informação, eles não perdiam a consciência ou morriam? Aquilo sim era um cenário surpreendente. 

O loiro abriu a boca para continuar a conversa, mas o som de passos apressados vindos da escada a sua esquerda fizeram ele fechá-la novamente, não era um bom momento para uma reunião sobre a situação. A cabeleira alaranjada surgiu rapidamente aos olhos de Chan e ele nem teve tempo de piscar antes do rapaz se jogar sobre Minho em um abraço minimamente doloroso. 

— Hyung, feliz aniversário! Desculpe não ter desejado antes mas eu tava muito ocupado fugindo do zelador… 

— Tudo bem Sung, eu te entendo eu também fugi dele. 

— Idiota eu mandei não entrar no quarto. 

— Nunca mais ignoro vocês dois. 

— Legal que meu MELHOR AMIGO precisa passar por uma experiência de quase morte pra prestar atenção nas minhas mensagens. — Changbin falou com uma expressão desapontada se sentando no braço da poltrona onde Youngho dormia 

— Eu achava que meu amigo dramático era o Jisung. 

— Não falo mais com você, sai. 

— Você quem está no meu colo… 

O mais novo fez uma careta e se levantou, indo em direção a Changbin e sussurrando algo, fazendo o baixinho assentir e cutucar ao Seo inconsciente. 

— Amanhã nós vamos conversar sobre nosso plano de sobrevivência, eu tenho certeza que ninguém aqui consegue pensar direito de tão cansado. Eu vou mostrar os quartos. 

Minho ergueu uma sobrancelha ao notar a seriedade do amigo, mas resolveu manter o silêncio pelo menos naquele momento e seguir aos amigos em direção ao segundo andar. 

Youngho foi o primeiro a entrar em um quarto e receber as instruções de emergência, logo após Chan recebeu as mesmas instruções e um quarto branco com uma cama pequena mas limpa. O último a receber um quarto foi Minho, que teria que dividi-lo novamente com Jisung. A cabeça do coreano girava lentamente enquanto caminhava pelo corredor, o cenário pouco favorável à sobrevivência o apavorava e o fato de que todos os seus amigos ou sua mãe estavam correndo o mesmo perigo faziam com que um nó se formasse em sua mente e em seu estômago. 

— Entendeu? 

— O quê? 

— Você não prestou atenção? Minho, no que você tanto pensa?

— Não é nada Binnie, e você já explicou as instruções de emergência duas vezes, eu já sei todas. Boa noite. 

O garoto entrou no quarto antes que o amigo pudesse falar algo, e soltou um suspiro pesado ao olhar para a cama de casal que estava no centro do cômodo. Nem se deu conta até aquele momento do quão cansado estava. Se sentiu na ponta do colchão pronto para dormir, se não fosse pelo mais novo que lhe acertou com um travesseiro. 

— Tira seu traseiro imundo da cama limpinha, tu deve ter corrido uma maratona e tá sentado no colchão que a gente vai dormir. 

O moreno revirou os olhos sendo atingido novamente, o mais novo apontou para a porta ao lado do armário e Minho se levantou entrando no local rapidamente. 

— Tem toalhas embaixo da pia e roupas no armário aqui fora, hyung. 

O garoto se despiu e começou o banho rapidamente, saindo e encontrando o mais novo já encolhido no canto dormindo, se vestiu e se juntou a ele, não sem antes olhar para a janela que mostrava a rua pouco iluminada e lembrar do momento em que um daqueles monstros adentraram o quarto de seu amigo pela janela. Um arrepio correu sua espinha 

— Para de pensar nisso Minho, depois tem pesadelos e não sabe o porquê. 

Finalmente fechou os olhos e suspirou, tentando pensar em coisas boas e não na horda de mortos que infestavam a quadra do campus.


Notas Finais


Wassup m8 :))

Voltei rápido até pq enquanto eu postava em outra plataforma depois de ter apagado aqui eu consegui criar uns cinco capítulos, pouquinho mais pelo menos vocês vão ter atualizações rápidas durante um pouco tempo, pois quem me acompanha sabe que eu sou toda enrolada

Obrigada por lerem e até a próxima att <3


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...