História Survival Instinct - Capítulo 43


Escrita por:

Postado
Categorias The Walking Dead
Personagens Beth Greene, Daryl Dixon
Tags Bethyl
Visualizações 59
Palavras 1.021
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Romance e Novela
Avisos: Sexo, Tortura, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Capítulo 43 - Capítulo 42


Fanfic / Fanfiction Survival Instinct - Capítulo 43 - Capítulo 42

 

Capítulo 42

Memórias

“Quem vive indeciso, acaba atropelado.”

Antônio Carlos de Sousa Filho

A loura abre os seus olhos e percebe que está num quarto de hospital, ela levanta-se e segue em direção a janela, encontrando a cidade aos pedaços, ela não conseguia entender o que está acontecendo, tudo isso estava fazendo a sua cabeça girar.

Ela dá passos para trás e sente o seu corpo tremer, quando a porta se abre e um homem calvo e de óculos aparece, ao lado de uma mulher de cabelos presos e grandes olhos azuis, ele trajava um jaleco branco, enquanto a mulher trajava um uniforme.

-Aonde eu estou? Quem sou eu? –Pergunta, descontrolada.

-Calma, querida. –Começa a mulher, gentilmente. –Vai ficar tudo bem. –Garante, colocando a suas mão para frente.

-O que acontece. –Começa, apontando para a janela, fazendo-os se entreolhar.

-Não lembra de absolutamente nada mesmo? –Pergunta o médico, analisando-a.

-Não. –Responde, sussurrando. –Qual é o meu nome? –Pergunta, confusa.

-Talvez o homem que estava com você saiba. –Comenta o médico, recebendo um olhar mortal da oficial.

-Que homem? –Pergunta, interessada.

-Aparentemente, o seu namorado. –Responde, engolindo em seco e dando passos para trás, já que a cada palavra que ele proferia, fazia com a oficial ficasse ainda mais irritada.

-Infelizmente, ele já está de saída. –Afirma, séria.

-Como? Por quê? Eu quero vê-lo. –Implora a loura, nervosa.

A quase uma semana Daryl e Beth foram levados, o que fez Sherry e Dwight começarem uma busca implacável por eles.

-Espero que Aaron esteja bem. –Comenta Sherry, sussurrando.

Aaron levou um tiro e quando os dois saíram de Alexandria, o enfermeiro que fazia parte dos Salvadores estava tentando salvá-lo, mas ele não poderia fazer muita coisa, já que ele não era médico.

-Tanto faz. –Resmunga Dwight, parando o carro.

-O que nós estamos fazendo? –Pergunta, confusa.

-Procurando suprimentos. –Responde, saltando do carro e fazendo com que a esposa saltasse também. –Vamos encontrar os nossos amigos, mas não de barriga vazia. –Garante, batendo na porta da casa abandonada e atirando nos três errantes que aparecem.

Negan não liberou qualquer tiro de suprimentos alimentícios para a busca de Daryl e Beth, mas acabou liberando armamento e isso já deixada Dwight, incrivelmente, mais tranquilo.

Sherry entra na casa e vai direito para a cozinha, encontrando meia dúzia de enlatados e os guardando em sua mochila.

-Por que está tão sério? –Pergunta, analisando o marido.

-Eles podem estar mortos. –Responde, suspirando.

-Da última vez também imaginou o pior e não aconteceu. –Garante, suspirando. –Eles estão vivos, provavelmente, bastante machucados, mas vivos. –Afirma, segura.

-Como pode ter tanta certeza disso? –Pergunta, confuso.

-Antes da Beth perder-se sozinha, ela era a pessoa mais esperançosa que eu conheci, ela disse-me uma vez, que se não tivemos esperança, por que estamos vivos? E eu sigo isso até hoje. –Responde, despreocupadamente. –Ela pode ter perdido a maior parte da esperança dela, mas a que ficou, aquela ali nunca vai conseguir se apagada. –Afirma, colocando a sua mochila nas costas.  –E nós não podemos perde-la, já que eles são a nossa família agora, o que para mim já é um grande avanço, já que eu não tinha família nenhuma antes disso tudo.. –Garante, suspirando.

Michonne nunca deixou de procurar por Carol, ela nunca deixaria uma criança nas mãos de uma maluca, ela que já foi mãe um dia, ela que sabe que perder o equilíbrio é fácil, o difícil é enfrentar as consequências dos seus atos depois disso.

A mulher seguiu as pistas de Carol e Sam por todas as cidades que eles passaram e continuava correndo atrás deles, não se importando com o que Negan, ou qualquer outra pessoa pensasse sobre isso.

Entrando em um bar, ela consegue um pouco de água, ignorando as bebidas ao redor, ela só precisava da água.

-Eu dei chance a você. –Começa uma voz  familiar, enquanto Michonne vira-se e encontra Carol, com uma arma apontada em direção a sua cabeça. –Mas você não quis ir, agora não me dá alternativa, senão te matar. –Afirma, atirando na cabeça da negra, que cai morta bem no meio de um bar a beira de estrada.

Daryl está sendo escoltado em direção a um dos quartos, com dois homens armados atrás de si, ele sabe o que aconteceu com ela, ele sabe que não terá muito tempo para mostrar o quanto a ama, que ele não vai deixa-la para trás e isso deixa o homem apavorado, principalmente, quando os seus olhos se cruzam com os olhos dela.

-Olá. –Cumprimenta, timidamente.

O homem é empurrado em direção a loura, que fica no mesmo lugar, próxima a janela.

-Chamo-me Daryl Dixon, seu nome é Elizabeth Greene, mas gosta de ser chamada de Beth, você é uma cantora e uma sobrevivente nata, você é a porra da minha vida, na verdade, você é a merda da minha vida toda. –Começa, nervoso. –E eu não tenho ideia de como você corresponde isso, mas corresponde. –Afirma, aproximando-se dela. –Eu só preciso que saiba, que mesmo que eles me mandem embora daqui, eu nunca, mas nunca, vou te abandonar. –Garante, tocando no rosto dela, que tende a cabeça para o lado e suspira. –Puta que pariu, você não vai se apaixonar por mim novamente. –Resmunga, sussurrando.

-Estou com medo, Daryl Dixon. –Confessa, apreensiva.

-Eu vou te tirar daqui. –Garante, antes de ser arrastado pelos guardar, mas Beth corre em sua direção e o abraça.

-Não me deixa sozinha. –Implora, ofegando.

Negan está observando Amber vestir-se, ela está com uma expressão distante, como se ela estivesse em outro lugar e ela estava, ela estava pensando em Mark e em como ele estava demorando na missão de vigiar o Reinado, o que a estava deixando louca de preocupação e nervosismo.

-O que está pensando? –Pergunta, sério.

-Nada. –Responde, suspirando.

-Diz-me. –Manda, irritado.

-Eu só estou pensando na Beth, no Daryl. –Mente, dando de ombros. –Acho que eles vão conseguir voltar, somos mais fortes com eles. –Comenta, despreocupadamente.

-Somos fortes de qualquer jeito. –Afirma, arrogantemente, levantando-se e começando a beijar o pescoço da mulher. –Eu não lhe mandei vestir as roupas. –Lembra, virando-a e retirando as roupas dela novamente.

 

 

 



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...