1. Spirit Fanfics >
  2. Suspicious Minds >
  3. Capítulo XXX

História Suspicious Minds - Capítulo 30


Escrita por:


Notas do Autor


Volteei!
E achei esse bebê da foto tão fofo 😍 tinha que colocar
Enfim, só pra lembrar que eu tive que alterar a data, a Amy nasceu no dia 26 de maio, e eu alterei muita coisa, mas tá tudo certo agr
Não se esqueçam de comentar, me incentiva a continuar ❤

Capítulo 30 - Capítulo XXX


Fanfic / Fanfiction Suspicious Minds - Capítulo 30 - Capítulo XXX

Londres, 28 de junho de 2007

Ele estava muito feliz. Feliz de uma forma que aquilo mal cabia no seu peito. Michael finalmente tinha conseguido passar a noite com Lisa, e estava deitado com ela, apenas pensando na ideia de casamento. Quando ele colocou a aliança no dedo dela na noite passada, ela não conseguiu parar de sorrir o resto da noite, e chegou um momento em que a mandíbula dos dois estavam doendo. Ele sabia que não teve a chance de cair de joelhos e dizer "Você quer se casar comigo?", mas mesmo assim a sensação de saber que iriam se casar era muito boa e agradável. E quando ele virou a cabeça no travesseiro e olhou nos olhos dela, soube realmente o quão bom isso era.

- Oi... - ele disse, baixo, apenas olhando para os olhos verdes de Lisa, sorrindo assim que ela abriu os olhos.

- Oi. - ela respondeu, retribuindo o sorriso da mesma forma, piscando seus olhos algumas vezes - Por que você está me olhando dessa forma?

- Porque nós estamos noivos. - ele respondeu, com um sorriso ainda maior em seu rosto e os olhos brilhantes - E vamos nos casar em breve, seguir com nossa família. É por isso que estou olhando pra você dessa forma.

- Quando você acha que vai poder ser?

- Talvez no mês que vem, eu espero. Eu quero que seja logo, quero que seja perfeito, e quero também contar pra Janet logo.

- Ei, fica calmo, Michael. - ela pediu, se apoiando em um de seus cotovelos no colchão, mas ainda olhando pra ele - Você não quer casar às escondidas de novo, ou quer?

- Não, dessa vez não. Eu tenho uma ideia na minha cabeça. Quero ver você em um vestido branco, quero que possamos ter nossos próprios votos de casamento, quero poder dizer o quanto eu amo você na frente da minha família, na frente da nossa família. Quero uma cerimônia legítima, com um ministro e tudo. Podemos reservar o lugar, e então nos casar.

- Já planejou tudo isso de ontem pra hoje?

- Não, era assim que eu queria que fosse nosso casamento da primeira vez. - ele respondeu, fechando seu sorriso, sem tirar seus olhos dela por um segundo - Temos que contar a todos logo.

- Você tem que ficar calmo. - ela disse, rindo baixo - Vai dar tudo certo dessa vez.

- Quero tudo perfeito pra hoje. Vou reservar o restaurante inteiro pra nós, minha família é bem grande, você sabe, e você convida quem você quiser, e eu meus pais e meus irmãos. - ele disse, olhando para o teto do quarto e ainda sorrindo - Não tem ideia do quanto eu estou feliz.

- Não fique tão ansioso, não vai te fazer muito bem. Vamos contar, é claro, mas você está parecendo uma criança.

- Eu estou muito feliz, Lisa. Você vai ser a minha esposa, de novo, e, é bom que se lembre, você me deve muitos e muitos filhos.

- Não sou uma máquina de bebês, Michael. - ela brincou, Michael sorriu e levou uma de suas mãos até os cabelos de Lisa.

- Mas é bom você me aguentar o casamento inteiro em cima de você pra isso. - ele disse, puxando-a pra perto aos poucos.

- Certo, vamos ver. - ela disse, aceitando e lhe dando um beijo, quebrando-o poucos segundos depois - Eu vou dar uma olhada na Amy.

Lisa saiu da cama e foi ao quarto de Amy. Ela estava bem animada quanto toda a ideia que Michael teve quanto ao casamento, ele parecia empolgado com toda essa ideia. Assim que Lisa estendeu seus braços para pegar Amy em seu colo, ela sorriu quando viu a aliança em seu dedo. Quando Michael a abraçou na noite anterior, ela pôde perceber o quanto o tinha deixado feliz, e talvez a ideia de assumir de uma vez para todos que o amava não era tão ruim. Lisa estava tão feliz quanto ele, embora ainda estivesse confusa caso algo fosse dar errado em seu casamento com ele, mas, por enquanto, ela só queria pensar no lado bom disso tudo

Depois de algumas horas, Lisa estava sentada em sua mesa, tomando um café e ainda um pouco pensativa quanto a toda ideia do casamento. Logo ouviu alguém bater a sua porta e foi atender.

- Lucy? - Lisa repetiu, surpresa, assim que viu a velha amiga na porta - Nossa, faz tanto tempo que não vejo você! Como você está?

- Estou ótima, amiga. - Lucy respondeu, sorrindo e entrando na casa, e logo o brilho do anel atraiu seus olhos curiosos - O que é essa coisinha brilhante na sua mão, hein? Você e o Michael estão noivos?

- Como você sabe?

- Bem, não sabia, mas agora eu sei... - ela respondeu, sorrindo - Você e ele vão casar mesmo? De verdade? E quando vai ser?

- Michael quer que seja o mais rápido possível, ele está bem ansioso. Acho que nós dois vamos nos casar no mês que vem.

- Ah, meu Deus! Eu estou tão feliz por vocês dois! - Lucy disse, sem tirar o sorriso no rosto e voando pra cima de Lisa, abraçando-a - Você vai me convidar, não vai? Ou vai ser uma celebração privada?

- Não, não vai ser privada, e sim, você vai. Afinal, você é minha melhor amiga.

- Mais que a Janet?

- Tem ciúmes da Janet?

- Não.

- Tem sim. Janet é minha amiga, sim, ela me ajudou muito depois que me divorciei do Michael, diria que me salvou de mim mesma, mas não tenho tempo. - Lisa disse, levando sua mão até o ombro de Lucy - Você, Lucy, é minha melhor amiga.

- Bom mesmo. - Lucy disse, convencida, rindo logo em seguida, mas parando alguns segundos depois - Eu posso ver a Amy? E segurar ela?

- Claro. Vem. - Lisa disse, levando Lucy pelas escadas até o berço de Amy, onde ela deu aquele sorrisinho banguelo assim que viu Lisa estendendo seus braços para pegá-la - Oi, amor. E só aviso que talvez ela chore com você Lucy, por não conhecer você. Aqui está.

- Oh, ela é a coisa mais linda que eu já vi na vida, nossa... - Lucy diz, fazendo uma voz infantil enquanto pegava a bebê em seu colo - E ela não chorou. Oi, Amy, você é uma fofura sabia, e olha os seus olhos, que graça. Ela tem seus olhos, Liss.

- Eu sei, Michael me disse isso. Amy foi uma vitória pra mim.

- Uma vitória?

- Sim. Você não conhece meu histórico de abortos. Eu sofri dois abortos com Michael, os dois durante o casamento. O primeiro, eu perdi no começo do casamento, estava grávida de dois meses e perdi o bebê, era um menino. Justo depois que Michael e eu tentamos ter um filho, em 1995, também um menino. Se eu tivesse dado a luz, Michael queria que se chamasse Prince, como o filho dele, mas que tivesse Presley e Jackson no nome.

- Nossa, isso é foda, não é?

- Sim, é foda, Lucy. - Lisa admitiu, com a voz baixa - Mas superei isso quando Amy nasceu, olha como ela é linda. É uma conquista.

- Que bom. Ainda bem que essa coisinha linda conseguiu nascer.

Lembrar-se de seu histórico de abortos era traumatizante, e um pouco perturbador também. A única coisa que Lisa tinha aprendido com toda essa coisa de aborto, era que ela era incapaz até mesmo de gerar uma criança. Mas aí ela olhava pra Amy. Ela e Michael tinham finalmente conseguido ter uma filha saudável, e isso era incrível, tudo que ela tinha que pensar. Durante o resto do dia, Lisa tentou se concentrar apenas em como iria contar a sua família que estava noiva agora. Seria bem complicado, e o maior medo de Lisa era que sua mãe fizesse uma cena durante o anúncio, e ela sabia que Michael iria se esforçar pra fazer uma note tranquila e perfeita.

Já noite, Lisa tinha colocado uma belo vestido branco em Amy, ela usava um lacinho branco em sua cabeça, e os fios de cabelos loiros estavam até mesmo brilhando na cabeça. Ela estava uma graça. Alguns minutos depois de admirar a menina, ela ouviu alguém bater sua porta.

- Eu já estou indo! - ela gritou, se ajeitando por debaixo da saia e andando rápido com seus saltos até a porta e Amy em seus braços - Oi, Michael...

- Oi... Você está muito bonita. - Michael disse, logo colocando seus olhos em Amy, com aquele vestido branco - E a nossa princesinha? Você comprou um vestidinho pra ela, está tão linda, filha. - ele disse, levando sua mão até a mão pequena de Amy, e ela riu - Hm, ela está rindo, isso é novo pra mim.

- O médico disse que talvez ela demore pra fazer algumas coisas, mas isso é mesmo uma coisa nova. A risada dela é uma graça, não é?

- Claro que é, olha que coisa mais fofa. Eu vou carregar ela e você não vai me impedir, ainda mais com esse vestidinho branco. - ele disse, estendendo seus braços para tirar Amy dos braços de Lisa - Luccas vai nos levar ao Bar 61 Restaurant, está reservado pra nós. Sua mãe e seu irmão vão?

- Claro, ou ao menos eu espero. - Lisa disse, acompanhando Michael até o carro, onde se sentaram juntos e Michael colocou Amy sentada em seu colo.

- Nossa princesa já tem um mês, não é? - ele comentou, observando enquanto Amy brincava com sua mão grande - Ela está crescendo depressa.

- Eu sei. - ela disse, sorrindo, levando uma de suas mãos aos pequenos fiapos loiros de cabelo - Além do mais, ela é bem pesadinha, mas vale a pena pra ficar mexendo nesses cabelinhos dela. Minha mãe disse que não vão ficar loiros.

- Por que não? Acho tão lindo.

- Ela e o médico me disseram que até um ano ou dois, os cabelos vão começar a escurecer, junto com a pele dela. Ela vai ser moreninha, assim como você, Michael. Às vezes você se esquece que é negro?

- Claro que não, isso é algo que nunca vou esquecer. Blanket era branquinho que nem você.

- Ei, não fale disso aqui. - ela o reprimiu, batendo em seu braço e os cruzando em seguida.

- Hm, mal posso esperar pra quando ela começar a andar, as primeiras palavras, quando ela me chamar de papai, chamar você de mamãe.

- Queria que ela me chamasse de mamãe primeiro.

- Hm, sua narcisista. - ele apontou, rindo baixo - Tanto faz pra mim, eu só quero estar lá quando ela disser. Você é a mamãe, e eu sou o papai.

- Acha que eu deveria chamar você de papai perto dela? - Lisa ofereceu, mas quando olhou para Michael, ele havia arqueado suas sobrancelhas - Que cara é essa?

- Eu sei que não é certo, mas você me chamar de papai me deixou um pouquinho excitado.

- Ei, se controla perto do bebê. - ela disse, corando um pouco e rindo baixo - E se me chamar de mamãe?

- Mamãe Presley? - ele repetiu, zombando de certa forma, mas logo sorriu - Oh, eu gostei.

- Você é uma figura, Michael.

Durante todo o caminho, Lisa gostava de observar enquanto Michael conversava com Amy, de uma forma como se ele soubesse que ela entendesse cada uma de suas palavras, ou como ele segurava ela e fazia um som engraçado, Amy repetia e ele ria, o que fazia aquela risada fofa de bebê sair. Michael e Lisa gostavam de brincar com Amy durante o caminho, faziam de tudo pra ver aquele sorrisinho banguela, e quando ela colocava aqueles olhos verdes e grandes nos dois e sorria. Lisa sabia muito bem que Michael iria adorar a ideia de ter outro bebê algum dia, e sempre que ela via Michael brincando com a bebê, talvez a ideia não fosse tão ruim.

Alguns minutos depois da viagem, eles enfim chegaram ao restaurante. Michael levou Amy em seu colo e Lisa foi caminhando logo atrás. O restaurante estava incrível.

- Oi, filho, como vocês dois estão? - Katherine disse, se aproximando dos dois que chegaram juntos, Michael ainda carregando Amy - E ela está uma graça com esse vestido, foi você quem escolheu, Lisa?

- Sim, dona Katherine, comprei em uma loja de roupas pra bebês aqui perto.

- Deixe disso, me chame de Kath, somos família agora. - ela disse, sorrindo - Vamos, nossa mesa já está pronta.

- Ei, mãe, não vai nem dar um oi pra nossa princesa? - Michael a chamou, olhando pra Amy, que também olhava diretamente nos olhos de Michael.

- Claro. - Katherine respondeu - Mas agora não, querido, eu estou com fome.

- Sua mãe é uma figura, Michael, que nem você.

- Eu sei. - ele respondeu, sorrindo pra Lisa e ainda segurando a pequena no vestido branco em seus braços.

- Ei, Lise, eu posso segurar ela um pouco? - Janet se aproximou deles, já com seus braços abertos, e Michael entregou Amy para a irmã mais nova - Como está a minha mais nova sobrinha, hein? - Janet perguntou, sorrindo enquanto olhava pra Amy, e ela riu de novo - Olha, ela está rindo, nunca tinha visto ela rir.

- Pois é, é recente. Começou esses dias. - Lisa disse, sentindo Michael abraçar seu ombro fino com um de seus braços - Mas de qualquer jeito, é uma fofura, Janet.

- Isso com certeza. - Janet disse, sorrindo e logo virando para as mesas - Vamos para a mesa.

- Quem está na nossa mesa? - Lisa pergunta.

- Eu, você, o Michael e sua mãe. As crianças estão na mesa ao lado, mas acho que estão bem com LaToya e os outros. Posso ficar mais um pouco com ela?

- Claro, mas tome cuidado pra ela não pegar nada na mesa, não quero que ela quebre nada ou pegue alguma coisa.

- Pode deixar. - Jan assentiu, indo com os outros três até a mesa, Priscilla veio alguns segundos depois e sorriu, cumprimentando todos na mesa.

- Então, o que você vai pedir? - Michael perguntou, dividindo seu cardápio com Lisa, de qualquer forma, ela não precisou abrir o seu.

- Me indique alguma coisa. Acho que ser vegetariano nem é tão ruim assim, acabei me acostumando. Acho que vou adotar daqui pra frente.

- Quem bom, assim não somos responsáveis por matar o planeta.

- Eu nunca sei se você está brincando ou falando sério.

- Estou falando sério. - ele disse, sorrindo e olhando pra ela - Muito sério.

- Está bem. Eu entendi. - ela respondeu, rindo, e logo os dois olharam para Priscilla, ela estava brincando com Amy - Essa cena vai ser rara, guarde ela pra sempre na sua memória, porque não sabemos se vai acontecer de novo.

- Com certeza. - Michael respondeu, ainda encarando a situação de Priscilla e Amy, mas logo a mais velha olhou pra eles.

- Por que estão olhando pra mim? - ela perguntou, torcendo os seus olhos e piscando confusa. 

- Nada. - Lisa respondeu, o que fez Michael rir em silêncio - O que achou da risada dela?

- É uma risada de criança, é uma graça. Ela começou a rir alguns dias atrás, não é?

- Sim, e isso é muito bom. Ao menos ela não começou a pegar as coisas, mas não quero incentivar ela a fazer isso.

- Ei, Lise, olhe aqui. - Michael chamou sua atenção, conversando por trás do cardápio, como em filmes - Vamos contar antes ou depois do jantar?

- Vamos contar quando você achar melhor. - Lisa respondeu, sentindo seu coração pular - E aí? Quando vai ser?

- Quanto mais rápido, melhor. Que tal agora?

- Todos já chegaram?

- Sim. - Michael respondeu, olhando em volta, todas as mesas estavam cheias - Vamos contar então?

- Ei, o que vocês estão sussurrando? - Janet perguntou, atraindo os olhos dos dois, que se distraíram imediatamente.

- Temos que contar uma coisa, mas tem que ser pra todos, não só pra nós aqui na mesa. - Michael disse.

- Então façam o brinde. - Priscilla sugeriu - Me deixaram curiosa.

- Certo. - Michael respondeu, sorrindo, logo olhando pra Lisa - Quer mesmo fazer isso agora?

- Quero, Michael. - ela respondeu, e assim que ela e Michael se levantaram, todos olharam pra eles - Uau, é bem mais estranho quando todos vocês olham pra gente.

- Deixa disso. Então, Lisa e eu queremos contar algo que eu já estou muito ansioso pra contar. Diria que estamos mais de dez anos atrasados pra isso, eu queria ter esperado, e sinto que deveria, mas não consegui. Depois que tivemos Amy, era a única coisa que eu poderia fazer, e não me arrependo. - ele sorriu pra ela, logo pegando em sua mão - Lisa e eu estamos noivos, e vamos nos casar em breve.

Lisa estava tão assustada que nem soube o que fazer quando a maioria deles gritou e bateu palmas pra isso. Era um pouco estranho pra ela, mas era apenas um momento comum pra Michael. A primeira pessoa em quem Lisa bateu os seus olhos, foi em sua mãe. Priscilla olhava ao redor como se procurasse por algo, parecia um pouco surpresa e Amy parecia confusa em seu colo. Mas quando Priscilla percebeu que Lisa estava olhando pra ela, ela apenas olhou pra sua filha, ainda um pouco confusa, e sorriu. Priscilla apenas sorriu. Lisa fez o mesmo com a reação de sua mãe.

. . .

- Eles reagiram bem, e eu fiquei muito feliz por sua mãe ter aceitado - Michael disse, assim que os dois colocaram os pés dentro da casa.

- Até eu me surpreendi - Lisa disse, sorrindo, levando Amy dormente em seus braços até a sala - Vou colocar Amy pra dormir, e você vai passar a noite aqui ou vai pro seu apartamento?

- Vou ficar, não vou sair daqui tão cedo - ele diz, acompanhando Lisa até o andar de cima, onde ela deixou a pequena bebê no berço e a cobriu - E como vão as coisas, mamãe Presley?

- Está tudo ótimo, papai Jackson - ela disse, apenas como resposta, mas tudo que recebeu foi um olhar curioso do atual noivo.

- Você tá de sacanagem, não é?

- Ah, é? - Lisa provoca, sorrindo de forma sensual e cruzando os braços contra o colo - E o que você vai fazer quanto a isso? Vai me punir?

- Pare de me provocar.

- Eu não estou provocando você - ela disse, passando por ele, e o tanto que Michael se segurou pra não agarrá-la era enorme - Você ainda quer beber alguma coisa?

- Foda-se a bebida - ele disse, vendo-a se virar pra ele curiosa, Michael a olhava com seus braços cruzados, um sorriso torto no rosto - Minha prioridade agora é devorar você.

Lisa sorriu como resposta e o viu dar alguns passos firmes até ela, e conforme ele ficava mais próximo, ela sentia as paredes frias ficarem mais próximas de suas costas. Michael a prendeu um pouco mais forte na parede, sorrindo quando a deixou sem saída e a beijou. Ela manteve suas mãos sobre as costelas de Michael, sentindo as dele firmes em seu rosto, segurando sua cabeça bem próxima a dele, entrelaçado aos fios claros de cabelo. Lisa deixou que ele guiasse seu corpo até a porta do quarto, abrindo-a e colocando os dois pra dentro do cômodo, ambos tropeçando em seus próprios pés enquanto caminhavam e Michael bateu a porta com força.

Lisa se desprendeu do beijo apenas para tirar o paletó preto de Michael, vendo as mãos dele passarem por seus braços e irem até suas costas, baixando o zíper do vestido aos poucos, até deixar o corpo de Lisa sem nenhuma cobertura. Ela tirou a gravata de Michael, jogando-a no mesmo lugar onde o paletó estava agora, seguindo no mesmo minuto até o cós da calça, mas foi impedida por ele.

- Se acalma - ele pede, sorrindo, colocando as mãos da mulher sobre o próprio peito nu, passando seus olhos por ela mais uma vez - Vamos devagar.

Lisa sorriu, não usava nada mais do que uma calcinha preta, ele ainda estava com os sapatos, a calça e a camisa, por mais que quisesse se livrar de cada peça de roupa e entrar nela ali mesmo, ele pediu paciência a ela, e ele também teria. Ela levou as mãos aos botões da camisa branca, deixando o torso do atual noivo nu, sentindo-o puxá-la novamente pra ele, beijando-a com força, descendo suas mãos até o traseiro dela, apertando, sorrindo ao ouví-la gemer. Michael mordeu o lábio inferior de Lisa, descendo seus beijos pelo pescoço, deixando uma marca vermelha na pele clara, ainda abraçando-a com seus dois braços ao redor do quadril dela, com os dela fechando seus ombros ao mesmo tempo que sentia as mãos dele subirem por suas costas.

Lisa fez um pouco de força e conseguiu empurrá-lo e deixá-lo contra a parede, ficando por cima dele, alcançando os lábios dele apenas ao ficar na ponta de seus pés. Ela resolveu deixar uma marca no pescoço dele, beijando a pele branca de Michael, fazendo ele inclinar sua cabeça pra cima e um sorriso nascer nos lábios dele. Lisa desceu suas mãos até o cinto de couro preto de Michael, desfazendo-o e abaixando seu corpo, ficando de joelhos e com as mãos sobre as coxas de Michael, e ao levantar sua cabeça, viu ele olhando pra ela, com um sorriso estridente no rosto. Dava pra ver o quanto ele estava gostando disso.

- Você gosta disso, não gosta? - ele pergunta, com uma de suas mãos nos cabelos claros de Lisa, deixando que ela soltasse os botões da calça social preta - Você gosta de chupar o meu pau?

- E você precisa de uma resposta? - ela pergunta, baixando a calça de Michael até os pés juntos com a cueca, sorrindo como resposta pra ele, Lisa estendeu sua mão a frente e o pegou.

- Só queria saber... - ele diz, formando um rabo de cavalo atrapalhado com os cabelos loiros, fechando seus olhos quando ela começou a masturbá-lo com a mão - Oh, Lise, você sabe mesmo como me deixar maluco...

Michael continuou sorrindo, sentindo a mão de Lisa pesada ainda trabalhando, para a sorte dos dois as crianças não estavam na casa. Michael deixou que alguns gemidos saíssem de sua boca, ele não queria esperar, já via os dois juntos na cama e isso apenas o deixava mais excitado. Michael segurava cada vez mais forte nos cabelos de Lisa, puxando as raízes cada vez mais, e tudo que ela fazia era sorrir, como se estivesse vencendo-o na velha brincadeira. Ele mordeu os lábios quando se sentiu perto, olhou pra baixo e sentiu os olhos dela diretamente nos dele, e quase derreteu no carpete quando ela o colocou na boca.

- Ah, porra... - ele grunhiu, e sentiu seu pênis latejar na boca de Lisa, sentindo seus joelhos estremecerem e fraquejarem quando a língua da Presley começou a se mexer - Ah, Lisa, eu vou...

Ela não disse nada, apenas moveu sua cabeça um pouco mais e o sentiu ejacular em sua boca, recebendo-o gentilmente. Lisa retornou a posição de antes, ficando de pé e o beijando novamente, deixando que as mãos dele fossem novamente até sua bunda, se assustando quando Michael os virou e a colocou contra a parede, no mesmo segundo em que trabalhava em tirar a última peça de roupa no corpo de Lisa, puxando o tecido para baixo. Lisa deixou que a peça caísse no chão, e a última coisa que viu foi Michael puxar o corpo dela para cima, deixando-a no colo. Ela soltou um gemido rápido e baixo assim que Michael fez isso, sentindo o corpo dele a pressionar ainda mais na parede fria.

Ele a beijou antes de invadí-la, não esquecendo de analisar os mínimos detalhes, variando dos brincos brilhantes que ela estava usando e do colar de pérolas no pescoço até os sapatos de salto pretos nos pés; ela sabia que ele gostava das joias, e escolheu as mais bonitas que tinha. Ela o abraçou pelo pescoço e gemeu ao sentir a primeira estocada, apertando o quadril de Michael com suas pernas, fechando os olhos quando ele afogou a cabeça em seu pescoço, não deixando de cheirar o perfume ainda forte no pescoço dela, retomando com seus movimentos sobre ela na parede. Ela mordeu seus próprios lábios por mais alguns segundos, apertando os ombros largos de Michael ao máximo de conseguia.

- Gosta disso também? - ele pergunta, com as duas mãos sobre as coxas de Lisa, sorrindo a cada vez que entrava e saía de dentro dela, tentando caçar os olhos verdes de Lisa, que estavam escondidos - Gosta quando eu fodo você? Fala pra mim que só eu faço do seu jeitinho...

- Eu já tive melhores - ela provoca, era uma mentira, ninguém fazia como ele, mas ela gostava de provocar, principalmente deixá-lo com ciúmes. Mas nenhum dos outros a fazia ficar assim.

- Mentirosa - ele insiste, beijando-a, ainda se movimentando de um jeito que até ele mesmo sabia ser único, sorrindo contra os lábios dela, mordendo o inferior, deixando-o um pouco avermelhado - Diz que gosta quando sou eu, e eu vou saber se estiver mentindo...

- Michael, agora não é hora pra eu alimentar o seu ego - ela diz, mas quando ele justamente tinha começado de verdade, ele parou de se mover, mas manteve seus olhos nela a espera de uma resposta - Por que você parou?

- Diz. Diz que eu sou o único que pode foder você daqui pra frente - ele pede, arqueando as sobrancelhas e sorrindo, dessa vez, ele queria vencer um dos jogos, e ele sabia que venceria - Vamos, Lise, diz.

- E se eu não disser? O que você vai fazer? - ela pergunta, sua resposta foi apenas um sorriso e sentir seu corpo seu guiado em direção a cama e em nenhum momento ele saiu de dentro dela, se apoiando nas mãos e dando apenas uma estocada, leve e fraca.

- Oh, eu não vou fazer nada - ele respondeu, suas duas mãos pegaram as de Lisa e deram um jeito de mantê-las sobre a cabeça, ele se abaixou e lhe deu um selinho rápido - É só você dizer, não é não difícil, é?

- Eu vou matar você! - ela reclama, ouvindo uma risada fugir dos lábios dele, o que acabou fazendo-a sorrir junto a ele - Sim. Sim, você é o único. Está satisfeito? 

Michael apenas sorriu ao ouvir isso dela, soltando as mãos dela e beijando-a de novo, e enquanto voltava com as estocadas lentas, porém fortes, beijava sua bochecha, sua orelha, beijando seu pescoço logo em seguida, inclinando seu corpo para conseguir acesso aos seus seios, mordendo um de seus mamilos, ouvindo um gemido baixo sair da boca dela. Mas logo em seguida, ele ouviu um gemido de protesto quando se retirou de dentro dela, e por apenas dois segundos manteve um sorriso nos lábios. Lisa não ficou muito surpresa quando ele a virou de costas na cama e a invadiu com força.

Michael se apoiou nos braços e manteve seu rosto mergulhado nos fios loiros, estocando cada vez mais rápido, chocando seu quadril ao dela cada vez mais. Ele não perdeu tempo pra levar sua mão até a intimidade de Lisa, fazendo uma massagem circular em seu clitóris, ouvindo um grito alto fugir dela um minuto antes de atingir o orgasmo. Lisa rangeu os dentes antes de gritar novamente quando Michael a acompanhou alguns segundos depois. Michael a tombou para o lado, ajeitando as pernas dela para se encaixar no meio dela e a invadindo novamente, se apoiando nos dois braços, voltando a se mexer rapidamente, sentindo as pernas dela envolveram o seu quadril, as unhas dela passeando por suas costas deixando uma trilha de quatro dedos em cada lado das costas, subindo as mãos até os cabelos negros, apertando as raízes do mesmo.

Michael não queria perder nenhum segundo, sabia que eles viriam ainda mais rápido agora, ele sentia as paredes de Lisa o apertarem novamente, e a dor que estava sentindo nas costas não chegava nem perto do que ele estava sentindo por dentro nesse minuto. Michael aproveitou para puxar as pernas de Lisa e dobrá-las ainda mais, deixando os dois joelhos bem próximos aos seus ombros, enquanto os dois braços dele fechavam as duas pernas, pressionando-as contra o corpo dele. As mãos dela fugiram para a mandíbula de Michael, fechando os olhos ao sentir outro beijo, e sentiu que a cada segundo que passava, ele conseguia chegar mais fundo do que antes, ela quebrou o beijo e encostou sua testa com a dele, mordendo os lábios, vendo que ele fez o mesmo.

- Michael! - ela gemeu, assim que atingiu o orgasmo, bem mais baixo do que ele esperava que seria, conseguindo aguentar mais alguns poucos e longos segundos para que o noivo a acompanhasse.

- Lise... - ele se deixou gemer o nome dela ao menos uma vez, ficando parado sobre ela quando ejaculou, apenas com sua respiração pesada sobre o pescoço da mesma, com sua mão agora entre os cabelos da mais nova - Vamos viajar amanhã.

- E pra onde nós vamos?

- Neverland.

- E o que vamos fazer lá?

- Matar as saudades de casa.

. . .

Londres, 29 de junho de 2007

Michael acordou na frente dela, e assim que abriu seus olhos, ficou apenas olhando enquanto Lisa estava dormindo. Ainda estava um pouco exausto por conta da noite anterior, mas era incrível acordar ao lado dela, com as janelas um pouco abertas e o brilho do sol passando pelas frestas das janelas. Ele se sentia familiar acordando ao lado dela em uma cama, com os cobertores quentes sobre ele. Michael piscou seus olhos por alguns segundos, e observou enquanto Lisa se virava no colchão, ficando com seu rosto virado pra ele. Ele se levantou antes dela, vestiu uma calça e foi dar uma olhada em Amy, e quando voltou, viu os olhos de Lisa piscando sobre a cama.

- Bom dia, Lise. - ele disse, atraindo os olhos de Lisa - Vamos, já é hora de acordar e ir arrumar suas malas. Depois do almoço, nós vamos para o aeroporto.

- Eu estou com sono, me dá mais cinco minutos. - ela sugeriu, mas assim que Michael se levantou, puxou os cobertores dela e, em seguida, a puxou pelas pernas pra perto - Ei! Michael, é sério, eu estou cansada.

- Já é hora de levantar, tem que alimentar a Amy, ela está com fome. - Michael disse, apoiando na cama com os dois braços sobre os ombros de Lisa - Eu posso arrumar as suas malas.

- Tá bom. - ela assentiu, logo percebendo os olhos escuros de Michael vagando por seu corpo - E para de olhar pra mim desse jeito.

- Só quando você vestir alguma coisa. - ele disse, saindo de cima dela e cruzando seus braços - Queria saber como você está. Está feliz que vamos pra Neverland de novo, depois de tanto tempo?

- Sim, bastante na verdade. - ela respondeu, se levantando da cama e indo até o banheiro, se enrolando em um roupão - Vai ser bom poder matar as saudades do lugar antes que seja vendido. O que ainda está fazendo aqui? Vai buscar a Amy.

- Certo. - Michael assentiu, indo até o quarto de Amy, vendo a bebê se mexendo dentro do berço, e ela novamente sorriu quando o viu - Oi, princesa, a mamãe está esperando você. Pena que você ainda não fala, sabia? Ia deixar o papai muito feliz. - ele disse, o que a fez rir - É, você ia sim. - ele sorriu, levando Amy até o quarto, entregando-a pra Lisa - Pronto, fique com ela e eu dou conta de arrumar as suas coisas, está bem?

- Tem certeza que dá conta de arrumar as minhas coisas?

- Você está aqui, é só me dizer do que precisa. - ele disse, pegando uma das malas de Lisa enquanto ela amamentava - E é melhor fazer as malas para dois meses. Vamos ficar um bom tempo antes de dar adeus.

- Por que quer voltar pra lá? - Lisa perguntou, o que fez Michael suspirar e parar com o que estava fazendo - Achei que não fosse mais o seu lar. Achei que visse Neverland com outros olhos agora.

- Eu vejo com outros olhos, Lise, mas... - ele gaguejou - No fundo, ela não é só minha casa, é sua também. É onde nós planejávamos ter uma família, onde fizemos promessas, e onde Amy deveria crescer. Por isso quero ir pra lá, quero que nossa pequena veja o lugar, sinta como é. A sensação é boa.

- Nunca imaginei que você quisesse voltar pra lá. Mas é bom. Assim Amy vai conhecer o lugar. E espero que ela goste.

- É claro que vai. Toda criança gosta de Neverland.

- Menos você.

- Não sou uma criança.

- Por mais que você negue, você é uma criança num corpo de um homem bem velho. - ela zombou, mas Michael apenas arqueou as sobrancelhas e a encarou.

- Não sou velho.

- Então se decida.

- Sou um homem de meia idade, amor. - ele disse, sorrindo, voltando a mexer nas malas de Lisa - Me diga exatamente do que vai precisar...

. . .

- Até que enfim vocês chegaram. - Janet foi a primeira a se aproximar deles quando chegaram ao aeroporto, estava frio, Blanket estava ao seu lado, Amy usava um moletom rosa e pequeno - As crianças já estão esperando vocês, exceto Blanket, não é? Ele estava esperando por você, Lisa.

- Oh, estava? - Lisa repetiu, curiosa e sorridente, logo olhando para Michael, depois para Blanket, que sorriu timidamente - Bom saber.

- Escute, Blanket, você pode levar a Amy e a Lisa pro avião? - Michael perguntou, se agachando a frente de Blanket - Tenho que conversar com a sua tia.

- Vão demorar muito? - Lisa perguntou, balançando Amy em seu colo, tentando aquecer a bebê - Agora ela chora quando você fica muito tempo longe dela.

- Eu já estou indo, e não se preocupe, tenho certeza que ela não vai chorar, você é uma ótima mãe.

- Vamos, mamãe! - Blanket a chamou, pegando o braço livre de Lisa e levando-a na direção do avião.

- Já estou indo, Blanket.

- Uau, ele já chama a Lisa de mãe. - Janet comentou, assim que viu os dois subindo as escadas pra entrar no avião.

- Faz um bom tempo, mas acho que ele aceitou isso muito bem. - Michael disse, sorrindo e de braços cruzados, logo colocando os olhos em Janet - Você conseguiu arrumar tudo que eu te pedi?

- Sim, consegui, avisei a mãe dela e o irmão, já estão todos nos esperando em Neverland. - Janet disse, os dois sorriram - Ela suspeita de alguma coisa?

- Não. - Michael negou, voltando os olhos para o avião, onde Lisa havia acabado de entrar - Enfim, o dia chegou. Nós vamos nós casar hoje. 



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...