História Sussurro - Taekook - Capítulo 10


Escrita por:

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS), Sussurro (Hush, Hush)
Personagens Jeon Jeongguk (Jungkook), Kim Taehyung (V)
Tags Bts, Jeon Jungkook, Jungkook, Kim Taehyung, Kookv, Readaptação, Taekook, Vkook
Visualizações 65
Palavras 2.966
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 16 ANOS
Gêneros: Drama (Tragédia), Fantasia, Ficção Adolescente, Lemon, LGBT, Saga, Sobrenatural, Suspense, Terror e Horror, Violência, Yaoi (Gay)
Avisos: Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Sexo, Tortura, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Oii gente, foi mal sumir tanto, eu juro que tento postar todo dia, mas não é fácil pelo meu tempo, pela internet, essas coisas... Foi mal.

Boa leitura!

Capítulo 10 - Capítulo 9


Fanfic / Fanfiction Sussurro - Taekook - Capítulo 10 - Capítulo 9

Eu cortei a multidão do lado de dentro da arcada, passando pelo quiosque e pelos banheiros. Quando as mesas de totó entraram no campo de visão, Baek não estava em nenhuma delas. Tampouco Yoongi ou Chanyeol.

— Parece que eles foram embora — Jungkook disse. Seus olhos talvez tenham tido uma fatia de divertimento. Mas também, com o Jungkook, poderia tão facilmente ter sido algo inteiramente diferente. — Parece que você precisa de uma carona.

— Baek não me deixaria — eu disse, ficando na ponta dos pés para ver por sobre o alto da multidão. — Eles provavelmente estão jogando tênis de mesa.

Passei a multidão pela lateral enquanto Jungkook seguia atrás, entornando uma lata de refrigerante que tinha comprado no caminho. Ele tinha se oferecido para me comprar uma, mas no meu estado atual, eu não estava certo se conseguiria segurá-la.

Não havia rastros do Baek ou do Yoongi nas mesas de tênis.

— Talvez estejam nas máquinas de fliperama — Jungkook sugeriu. Ele definitivamente estava caçoando de mim.

Eu me senti ficar um pouco vermelho no rosto. Onde estava o Baek?

Jungkook ofereceu seu refrigerante.

— Certeza que não quer uma bebida?

Olhei da lata para o Jungkook. Só porque o meu sangue esquentava ao pensar em colocar a minha boca onde a dele estivera não queria dizer que eu tinha que contar a ele.

Eu enfiei minha destra no bolso de minha calça jeans e puxei meu celular. A tela no meu telefone estava preta e se recusava a ligar. Eu não entendia como a bateria podia ter acabado quando eu havia carregado-a logo antes de ir embora. Apertei o botão de ligar continuamente, mas nada aconteceu.

Jungkook disse:

— Minha oferta ainda está de pé.

Pensei que ficaria mais seguro pegando carona de um estranho. Eu ainda estava balançado por causa do que tinha acontecido no Arcanjo, e não importava quantas vezes eu tentasse apagar isso, o imaginário de cair repetia-se na minha cabeça. Eu estava caindo... e então o passeio tinha acabado. Bem assim. Era a coisa mais aterrorizante pela qual eu já tinha passado. Quase tão aterrorizante era que eu era o único que parecera notar. Nem mesmo o Jungkook, que tinha estado bem ao meu lado.

Bati minha palma na minha testa.

— O carro dele. Ele está provavelmente me esperando no estacionamento.

Trinta minutos mais tarde eu já havia caçado o estacionamento todo. O Neon tinha ido embora. Eu não acreditava que o Baek tinha ido embora sem mim. Talvez tivesse havido uma emergência. Eu não tinha como saber, já que não podia checar as mensagens no meu celular. Tentei conter as minhas emoções, mas se ele tivesse me deixado, eu tinha uma ampla quantidade de raiva fervendo sob a superfície, pronto para derramar.

— Já está sem opções? — perguntou o Jungkook.

Mordi meu lábio, pesando minhas outras opções. Eu não tinha outras opções. Infelizmente, eu não estava certo se estava pronto para aceitar a oferta do Jungkook. Em um dia normal, ele exalava perigo. Hoje havia uma mistura potente de perigo, ameaça, e mistério, todos juntos.

Finalmente soltei um suspiro e rezei para não estar prestes a cometer um erro.

— Você me levará diretamente para casa — eu disse. Soava mais como uma pergunta do que uma ordem.

— Se é isso que você quer.

Eu estava prestes a perguntar ao Jungkook se ele tinha notado algo de estranho no Arcanjo, quando eu me impedi. Eu estava assustado demais para perguntar. E se eu estava vendo coisas que não estavam realmente acontecendo? Primeiro o cara com a máscara de esqui. Agora isso. Eu tinha bastante certeza que o Jungkook falando com a minha mente era real, mas o resto? Não tinha tanta certeza.

Jungkook se aproximou algumas vagas. Uma moto preta brilhante descansava no estribo lateral. Ele subiu e inclinou sua cabeça para o assento atrás de si.

— Sobe aí.

— Uau. Bela moto — eu disse. O que era uma mentira. Parecia como uma armadilha mortal preta brilhante. Eu nunca tinha subido numa moto, na minha vida, nunca. Eu não estava certo se queria mudar isso hoje à noite.

— Gosto da sensação do vento no meu rosto — continuei, esperando que minha bravata mascarasse o meu terror de me deslocar em velocidade acima de 104 quilômetros por hora com nada entre mim e a estrada.

Havia um capacete, preto com um visor escuro , e ele o segurou para mim.

Tomando-o, passei a minha perna por cima da moto e percebi como me sentia inseguro com nada além de uma tira de assento debaixo de mim. Eu deslizei o capacete por sobre os meus cabelos e o prendi debaixo do meu queixo.

— É difícil dirigir? — perguntei. O que eu realmente quis dizer era, É seguro?

— Não — Jungkook disse, respondendo tanto a minha pergunta proclamada quanto a não. Ele riu suavemente. — Você está tenso. Relaxe.

Quando ele saiu do estacionamento, a explosão de movimento me assustou. Eu estivera segurando a camiseta dele com justo o bastante de tecido entre os meus dedos para manter meu equilíbrio. Agora eu lacei meus braços ao redor dele em um abraço de urso ao contrário.

Jungkook acelerou na rodovia, e minhas coxas se apertaram ao redor dele. Eu esperei ter sido o único a notar.

Quando alcançamos a minha casa, Jungkook parou a moto na estrada ensopada de névoa, parou o motor, e pulou fora. Removi meu capacete, equilibrando-o cuidadosamente no assento na minha frente, e abri a minha boca para dizer algo do tipo Obrigado pela carona, te vejo segunda.

As palavras dissolveram a medida em que o Jungkook cruzava a entrada e se dirigia para os degraus da varanda.

Eu não conseguia começar a especular o que ele estava fazendo. Andando comigo até a porta? Altamente improvável. Então... o quê?

Eu subi na varanda atrás dele e encontrei-o na porta. Eu observei, dividido entre confusão e uma preocupação escaldante, a medida em que ele retirava um molho de chaves familiares de seu bolso e inseria a chave da minha casa na fechadura.

— Devolve as minhas chaves — eu disse, desconcertado por não saber como as minhas chaves tinham ido parar na posse dele.

— Você derrubou elas na arcada quando estava caçando o seu celular — ele disse.

— Não ligo onde eu as derrubei. Devolva-as.

Jungkook ergueu suas mãos, clamando inocência, e se afastou da porta. Ele inclinou um ombro contra os tijolos e me observou chegar até a fechadura. Eu tentei virar a chave. Dei um passo para trás.

— Vá em frente. Tente. Está presa.

Com um clique afiado, ele virou a chave. A mão postada na maçaneta, ele arqueou suas sobrancelhas como se para dizer Posso?

Engoli em seco, enterrando uma onda de fascínio mútuo e inquietação.

— Vá em frente. Não vai esbarrar em ninguém. Estou sozinho em casa.

— A noite toda?

Imediatamente, percebi que podia não ter sido a coisa mais esperta a se dizer.

— Nam virá logo. — Isso era mentira. Nam há muito tempo tinha ido. Estava perto da meia-noite.

— Nam?

— A empregada. Ela é velha, mas forte. Muito forte. — Tentei me espremer para passar por ele. Sem sucesso.

— Soa aterrorizante — ele disse, retirando a chave da fechadura. Ele a segurou para mim.

— Ela consegue limpar uma privada dentro e fora em menos de um minuto. Está mais para assustador. — Tomando a chave, eu passei ao redor dele. Eu tinha plenas intenções de fechar a porta entre nós, mas enquanto me virava, Jungkook preencheu a entrada, seus braços apoiados em ambos os lados da moldura.

— Não vai me convidar para entrar? — ele perguntou, sorrindo.

Eu pestanejei. Convidá-lo a entrar? Na minha casa? Com ninguém mais em casa?

Jungkook disse:

— É tarde. — Seus olhos seguiram os meus de perto, refletindo um brilho caprichoso. — Você deve estar com fome.

— Não. Sim. Eu quero dizer, sim, mas...

De repente ele estava do lado de dentro.

Eu dei três passos para trás. Ele cutucou a porta com seu pé para fechá-la.

— Gosta de mexicana? — perguntou.

— Eu... — Eu gostaria de saber o que você está fazendo dentro da minha casa!

— Tacos?

— Tacos? — ecoei.

Isso pareceu diverti-lo.

— Tomates, alface, queijo.

— Eu sei o que é um taco!

Antes que eu pudesse impedi-lo, ele passou cavalgando por mim para dentro da casa. No fim do corredor, ele dirigiu-se a esquerda. Para a cozinha.

Foi até a pia e abriu a torneira enquanto esfregava sabão até a metade de seus braços. Aparentemente tendo ficado à vontade, ele foi primeiro para a despensa, então pesquisou a geladeira, pegando itens aqui e ali – salsa, queijo, alface, um tomate. Então escavou as gavetas e achou uma faca.

Eu suspeitei que estava na metade de um ataque de pânico com a imagem do Jungkook segurando uma faca quando outra coisa capturou minha atenção. Dei dois passos para frente e olhei de soslaio para o meu reflexo em uma das frigideiras suspensas no pendura-panelas. Meu cabelo! Parecia um arbusto seco gigante que tinha rolado para o alto da minha cabeça. Eu bati uma mão na minha boca.

Jungkook sorriu.

— Você tem cabelo ruivo natural?

Eu o encarei.

— Não tenho cabelo ruivo.

— Odeio ter que te informar disso, mas é ruivo. Eu podia tocar fogo nele e ele não ficaria mais vermelho.

— É louro. — Então talvez eu tivesse a menor, mais minúscula, mais infinitesimal quantidade de louro avermelhado no meu cabelo. Eu ainda era louro. — É a iluminação — eu disse.

— É talvez sejam as lâmpadas incandescentes. — O sorriso dele levantou ambos os cantos de sua boca, e um sorriso de coelho surgiu.

— Eu volto logo — eu disse, me apressando para fora da cozinha.

Subi as escadas e ajeitei meus cabelos ondulados. Com isso fora do caminho, juntei meus pensamentos. Eu não estava totalmente confortável com a ideia do Jungkook vagando livremente pela minha casa, armado com uma faca. E a minha mãe me mataria se descobrisse que eu tinha convidado Jungkook para entrar quando Nam não estava.

— Pode ficar para outro dia? — perguntei ao encontrá-lo ainda trabalhando arduamente na cozinha dois minutos mais tarde. Eu coloquei uma mão no meu estômago, sinalizando que ele estava me incomodando. — Enjoado — eu disse. — Acho que foi a carona.

Ele parou de cortar e olhou para cima.

— Eu quase acabei.

Notei que ele tinha trocado de faca por uma lâmina maior – e mais afiada.

Como se ele tivesse uma janela para os meus pensamentos, ele levantou a faca, examinando-a. A lâmina brilhou na luz. Meu estômago se apertou.

— Abaixa a faca — eu instrui silenciosamente.

Jungkook olhou de mim para a faca e então novamente. Após um minuto ele a deitou na minha frente.

— Não vou te machucar, Tae.

— Isso é... tranquilizante — consegui dizer, mas minha garganta estava apertada e seca.

Ele girou a faca, o cabo apontado na minha direção.

— Vem aqui. Vou te ensinar a fazer tacos.

Eu não me movi. Havia um brilho nos olhos dele que me fez pensar que eu devia estar com medo dele... e eu estava. Mas aquele medo era igualmente fascinante. Havia algo extremamente perturbador em estar perto dele. Na presença dele, eu não confiava em mim mesmo.

— Que tal... um acordo? — Seu rosto estava curvado, enegrecido e ele olhou para mim através de seus cílios. O efeito era uma impressão de integridade. — Me ajude a fazer tacos, e responderei algumas de suas perguntas.

— Minhas perguntas.

— Acho que você sabe o que eu quero dizer.

Eu sabia exatamente o que ele queria dizer. Ele estava me dando um vislumbre de seu mundo particular. Um mundo onde ele conseguia falar com a minha mente. Novamente ele sabia exatamente o que dizer, exatamente no momento certo.

Sem uma palavra, me movi para seu lado. Ele deslizou a tábua de corte na minha frente.

— Primeiro — ele disse, vindo por trás de mim e colocando suas mãos no balcão, bem do lado das minhas —, escolha o seu tomate. — Ele abaixou sua cabeça para que sua boca estivesse na minha orelha. Seu hálito estava quente, fazendo cócegas na minha pele. — Ótimo. Agora, pegue a faca.

— O chefe sempre fica tão perto? — perguntei, não certo se eu gostava ou temia a palpitação que sua proximidade causava dentro de mim.

— Quando ele está revelando segredos culinários, sim. Segure a faca com vontade.

— Estou segurando.

— Ótimo.

Recuando, ele me deu uma olhada minuciosa, parecendo escrutinar cada imperfeição, seus olhos moviam-se para cima e para baixo, aqui e ali. Para cada momento enervante, pensei ter visto um sorriso secreto de aprovação.

— Cozinhar não é algo que se ensina — Jungkook disse. — É herdado. Ou você tem ou não tem. Como química. Acha que está pronto para química?

Pressionei a faca pelo tomate. Ele foi dividido em dois, cada metade balançando gentilmente na tábua de corte.

— Me diz você. Estou pronto para química?

Jungkook fez um som profundo que eu não consegui decifrar e sorriu ironicamente.

Após o jantar, Jungkook levou nossos pratos para a pia.

— Eu lavo, você seca. — Caçando nas gavetas na lateral da pia, ele achou um pano de prato e o tirou brincalhonamente para mim.

— Estou pronto para te fazer aquelas perguntas — eu disse. — Começando com aquela noite na biblioteca. Você me seguiu...

Eu dissipei. Jungkook se inclinou preguiçosamente contra a bancada. Cabelo negro saia debaixo de seu boné de beisebol. Um sorriso repuxou sua boca. Meus pensamentos dissolveram e bem assim, um pensamento novo penetrou a superfície da minha mente.

Eu quero beijá-lo. Agora!

Jungkook arqueou suas sobrancelhas.

— O quê?

— Hãn... nada. Nada mesmo. Você lava, eu seco.

O que aconteceu com tratar Jungkook como seu pior hábito? Perguntei a mim mesmo. O que aconteceu com jogar fora o velho, e ficar com o novo?

Não levou muito para terminar com os pratos, e quando terminamos, nos encontramos comprimidos no espaço próximo a pia. Jungkook se deslocou para pegar o pano de mim, e nossos corpos se tocaram. Nenhum de nós se moveu, segurando o elo frágil que nos unia.

Eu recuei primeiro.

— Assustado? — ele murmurou.

— Não.

— Mentira.

Meu pulso subiu um degrau.

— Não tenho medo de você.

— Não?

Falei sem pensar.

— Talvez seja só que eu tenha medo de... — me amaldiçoei por ter começado a frase. O que eu deveria dizer agora? Eu não estava prestes a admitir para o Jungkook que tudo nele me assustava. Isso lhe dava permissão para me provocar ainda mais. — Talvez seja só que eu tenha medo de... de...

— Gostar de mim?

Aliviado por não ter que terminar minha própria fase, eu automaticamente respondi:

— Sim. — Percebi tarde demais o que havia confessado. — Quero dizer, não! Definitivamente não. Não era isso que eu estava tentando fazer! 

Jungkook riu suavemente.

— A verdade é que, parte de mim definitivamente não fica confortável ao seu redor — eu disse.

Agarrei a bancada atrás de mim para me apoiar.

— Mas ao mesmo tempo eu sinto uma atração assustadora por você.

Jungkook sorriu ironicamente.

— Você é metido demais — eu disse, usando minha mão para empurrá-lo um passo para longe.

Ele prendeu a minha mão contra seu peito e puxou minha manga pelo pulso, cobrindo minha mão com ela. Tão rapidamente quanto, ele fez a mesma coisa com minha outra manga. Ele segurou minha camiseta pelos punhos, minhas mãos capturadas. Minha boca se abriu em protesto.

Me puxando para mais perto, ele não parou até que eu estivesse diretamente na frente dele. De repente ele me levantou na bancada. Meu rosto estava no nível do dele. Ele me fixou com um sorriso negro e convidativo. E foi aí que percebi que esse momento estivera dançando nas beiradas das minhas fantasias por diversos dias já.

— Tire seu boné — eu disse, as palavras saindo antes que eu pudesse impedi-las.

Ele o deslizou ao redor, a aba para trás.

Me movi para a beirada da bancada, minhas pernas balançando de cada lado das dele. Algo dentro de mim estava me dizendo para parar – mas eu varri essa voz para o fundo da minha mente.

Ele esparramou suas mãos na bancada, bem do lado de fora dos meus quadris. Inclinando sua cabeça para um lado, ele se moveu mais para perto. O cheiro dele, que era todo de terra escura úmida, me inundou.

Inalei duas respirações agudas. Não. Isso não estava certo. Isso não, não com o Jungkook. Ele era assustador. De um jeito bom, sim. Mas também de um jeito ruim. Um jeito muito ruim.

— Você deveria ir — eu respirei. — Você definitivamente deveria ir.

— Ir para cá? — Sua boca estava no meu ombro. — Ou para cá? — Ela se moveu para o meu pescoço.

Meu cérebro não conseguia processar um pensamento lógico. A boca do Jungkook estava perambulando para o norte, sobre a minha mandíbula, sugando gentilmente minha pele...

— Minhas pernas estão adormecendo — eu soltei. Não era uma mentira total. Eu estava experimentando sensações de formigamento por todo o meu corpo, inclusive as pernas.

— Posso resolver isso. — As mãos do Jungkook se fecharam nos meus quadris.

De repente meu celular tocou. Eu pulei ao som dele e tateie-o no meu bolso.

— Oi, meu príncipe. — minha mãe disse alegremente.

— Posso te ligar de volta?

— Claro. O que está acontecendo?

Desliguei o telefone.

— Você precisa ir embora — eu disse ao Jungkook. — Agora.

Ele deslizou seu boné de beisebol de volta. Sua boca era o único traço que eu conseguia ver por debaixo dele, e ela se curvou em um sorriso travesso.

— Você não está usando maquiagem.

— Eu devo ter esquecido.

— Bons sonhos essa noite.

— Claro. Sem problema.

O que ele tinha dito?

— Sobre aquela festa amanhã à noite...

— Eu pensarei nisso — consegui dizer.

Jungkook enfiou um pedaço de papel dentro do meu bolso, seu toque mandando sensações quentes pelas minhas pernas.

— Aqui está o endereço. Eu estarei te procurando. Venha sozinho.

Um momento mais tarde escutei a porta da frente fechar atrás de mim. Um rubor feroz subiu até o meu rosto. Perto demais, eu pensei. Não havia nada de errado com fogo... contanto que você não chegasse muito perto. Algo para se ter em mente.

Eu me inclinei contra os armários, tomando fôlegos curtos e rasos.


Notas Finais


E as coisas vão rolando na brotheragem hahah! Sobre essa cena deles: queria, e muito em! Sacanagem em... Mas vamos deixar em off;)

Beijos e até o próximo capítulo!


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...