História Sussurro - Taekook - Capítulo 11


Escrita por:

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS), Sussurro (Hush, Hush)
Personagens Jeon Jungkook (Jungkook), Kim Taehyung (V)
Tags Bts, Jeon Jungkook, Jungkook, Kim Taehyung, Kookv, Readaptação, Taekook, Vkook
Visualizações 164
Palavras 2.542
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 16 ANOS
Gêneros: Drama (Tragédia), Fantasia, Ficção Adolescente, Lemon, LGBT, Saga, Sobrenatural, Suspense, Terror e Horror, Violência, Yaoi (Gay)
Avisos: Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Sexo, Tortura, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Oii xuxus! Voltei! Foi mal de novo pela demora;-; Descupe qualquer erro e até o próximo capítulo😘😘

Capítulo 11 - Capítulo 10


Fanfic / Fanfiction Sussurro - Taekook - Capítulo 11 - Capítulo 10

Fui puxado do sono pelo som do meu telefone tocando. Ainda perdido em sonhos, enfiei meu travesseiro por sobre a minha cabeça e tentei bloquear o som. Mas o telefone tocou. E tocou.

A ligação foi para a caixa postal. Cinco segundos mais tarde o toque começou novamente.

Estiquei um braço pelo lado da cama, apalpei até achar minha calça jeans, e tirei meu celular do bolso.

— Sim? — eu disse em um grande bocejo, deixando meus olhos fechados.

Alguém estava respirando nervosamente na outra linha.

— O que aconteceu com você? O que houve com trazer algodão-doce? E enquanto estamos nesse assunto, que tal me dizer onde está para que eu possa ir estrangulá-lo com minhas próprias mãos!

Bati a palma da minha mão contra minha testa algumas vezes.

— Achei que você tivesse sido raptado! — Baek continuou.  — Achei que você tivesse sido raptado! Achei que você tivesse sido assassinado!

Tentei achar o relógio no escuro. Esbarrei num porta-retrato na cabeceira, e todos os porta-retratos atrás dele caíram como dominós.

— Eu meio que fui atrasado — eu disse. — Na hora em que voltei para a arcada, você tinha ido.

— Atrasado? Que tipo de desculpa é “atrasado”?

Os números vermelhos no relógio flutuaram em foco. Era pouco depois das duas da manhã.

— Eu dirigi pelo estacionamento por uma hora — Baek disse. — Yoongi andou pelo parque mostrando a única foto que eu tinha de você no meu celular. Tentei te ligar no celular um zilhão de vezes. Espera aí. Você está em casa? Como chegou em casa?

Eu esfreguei os cantos dos meus olhos.

— Jungkook.

— Jungkook, o perseguidor?

— Bem, não tive muita escolha, tive? — eu disse concisamente. — Você foi embora sem mim.

— Você soa animado. Realmente animado. Não, não é isso. Você soa agitado... aturdido... excitado. — Eu conseguia sentir seus olhos se alargarem. — Ele te beijou, não foi?

Nada de resposta.

— Ele beijou! Eu sabia! Eu vi o modo como ele olha para você. Eu sabia que isso ia acontecer. Vi há um quilômetro e meio de distância.

Eu não queria pensar nisso.

— Como é que foi? — Baek pressionou. — Maçã ou salada mista?

— O quê?

— Foi um selinho, bocas se separaram, ou tinha língua? Esquece. Não tem que responder isso. Jungkook não é o tipo de cara que lida com preliminares. Tinha língua envolvida. Certeza.

Cobri meu rosto com as minhas mãos, me escondendo atrás delas. Jungkook provavelmente achava que eu não tinha autocontrole algum. Eu tinha sucumbido em seus braços. Tinha derretido como manteiga. Logo antes de ter dito a ele que ele deveria ir, eu estava bem certo que tinha feito um som que era uma cruza entre um suspiro de pura felicidade e um gemido de êxtase.

Isso explicaria seu sorriso irônico arrogante.

— Podemos falar sobre isso mais tarde? — perguntei, apertando a ponte do meu nariz.

— De jeito algum.

Eu suspirei.

— Estou morto de cansaço.

— Não acredito que está pensando em manter suspense.

— Estou esperando que você esqueça disso.

— Zero de chance.

Tentei visualizar os músculos no meu pescoço relaxando, prevenindo a dor de cabeça que eu sentia se arrastando.

— Ainda vamos às compras?

— Te pego às quatro.

— Achei que não fôssemos nos encontrar até as cinco.

— As circunstâncias mudaram. Estarei ainda mais cedo se conseguir escapar do tempo em família. Minha mãe está tendo um colapso nervoso. Ela culpa minhas notas ruins nas habilidades parentais dela. Aparentemente passar tempo juntos é a solução. Deseje-me boa sorte.

Fechei meu celular com tudo e deslizei profundamente para a minha cama. Imaginei o sorriso irônico imortal do Jungkook e seus olhos negros brilhantes. Após me debater na cama por diversos minutos, eu desisti tentar ficar confortável. A verdade era que, enquanto Jungkook estivesse na minha mente, conforto estava fora de questão.

Quando eu era menor, a afilhada de Nam, Lalisa, estilhaçou um dos copos da cozinha. Ela varreu todos os fragmentos de vidro exceto um, e ela me desafiou a lambê-lo. Imaginei que ficar caído pelo Jungkook era um pouco como lamber aquele fragmento. Eu sabia que era estúpido. Sabia que iria me cortar. Após todos aqueles anos uma coisa não tinha mudado: eu ainda era atraído pelo perigo.

De repente eu me senti reto na cama e alcancei meu celular. Acendi o abajur.

A bateria mostrou estar totalmente carregada.

Minha espinha formigou ameaçadoramente. Meu celular deveria estar descarregado. Então como a minha mãe e Baek tinham conseguido ligar?



Chuva batia nos toldos coloridos das lojas ao redor do cais e derramava na calçada abaixo. As lamparinas de gás antigas que estavam dispostas em ambos os lados da rua brilhando vivamente com nossas sombrinhas colidindo, Baek e eu nos acotovelando pela calçada e sob o toldo listrado rosa e branco da Victorias's Secret. 

Um estrondo de trovão nos mandou voando para adentro.

Bati os pés para tirar chuva dos meus sapatos e estremeci do frio. Diversos difusores de óleo queimavam num display no canto da loja, nos cercamos com um cheiro exótico e robusto.

Uma mulher com calça preta e uma regata preta de stretch veio para frente. Ela tinha uma fita de medida enrolado ao redor do seu pescoço, e começou a pegá-la.

— Meninos, vocês gostariam de uma medição grátis...

— Guarde a maldita fita de medida — Baek ordenou. — Eu já conheço o meu tamanho. Não preciso ser lembrado.

Eu dei um sorriso à mulher que era parcialmente apologético enquanto seguia o Baek, que estava se dirigindo à dispensa de liquidação nos fundos.

— Um tamanho 42 não é nada de que se envergonhar — eu disse à Baek. Peguei uma cueca box azul e cocei a etiqueta de preço.

— Quem disse algo sobre estar envergonhado? — Baek disse. — Não estou envergonhado. Por que estaria? Os únicos outros garotos gays de dezesseis anos com bundas tão grandes como os meus estão infiltradas de silicone e todos sabem disso. Por que eu teria razão para ficar envergonhado. — Ele vasculhou uma dispensa. — Acha que eles têm alguma cueca aqui que faça as minhas bundas diminuírem?

— Isso se chama cueca esportivo, e eles têm um péssimo efeito colateral chamado mono bunda — eu disse, meus olhos escolhendo uma cueca preta apertada.

Eu não deveria estar olhando para lingeries. Elas naturalmente me faziam pensar em coisas sexy. Como beijar. Como o Jungkook.

Fechei meus olhos e repeti nossa noite juntos. O toque da mão do Jungkook na minha coxa, seus lábios provando o meu pescoço...

Baek me pegou desprevenido com um par de cuecas de estampa de leopardo turquesa arremessado no meu abdômen.

— Essas ficariam boas em você — ele disse. — Tudo que precisa é uma bunda como a minha para enchê-las.

O que eu estivera pensando? Eu tinha chego pertíssimo de beijar o Jungkook. O mesmo Jungkook que poderia estar invadindo a minha mente. O mesmo Jungkook que tinha me salvado de mergulhar a morte no Arcanjo – porque era isso que eu tinha certeza que tinha acontecido, apesar de eu não ter nenhuma explicação lógica. Me perguntei se ele tinha, de algum modo, interrompido o tempo e me capturado durante a queda. Se ele era capaz de falar com os meus pensamentos, talvez, ele fosse capaz de outras coisas.

Ou talvez, pensei com um arrepio, eu já não possa confiar na minha mente.

Eu ainda tinha o pedaço de papel que o Jungkook tinha enfiado dentro do meu bolso, mas de jeito nenhum eu ia à festa hoje à noite. Eu secretamente gostava da atração entre nós, mas o mistério e a lugubridade pesavam mais. Eu ia descartar o Jungkook do meu sistema e dessa vez eu falava sério. Seria como uma dieta de limpeza. O problema era que, a única dieta que eu já fizera falhara. Uma vez eu tentara ficar um mês inteiro sem chocolate. Nenhuma mordida. No fim de duas semanas, eu sucumbi e me entupi de mais chocolate do que teria comido em três meses.

Eu esperava que a minha dieta nada-de-chocolate não fosse uma previsão do que aconteceria se eu evitasse o Jungkook.

— O que você está fazendo? — perguntei, minha atenção voltada para a Baek.

— O que parece que estou fazendo? Estou tirando as etiquetas de preço de liquidação dessas cuecas em liquidação e colocando nas cuecas que não estão em promoção. Desse jeito consigo cuecas sexys ao preço de cuecas vagabundas.

— Você não pode fazer isso. Ela vai escanear os códigos de barra quando você for ao caixa. Ela saberá o que você está aprontando.

— Códigos de barra? Eles não escaneiam códigos de barra. — Ele não soava muito seguro.

— Escaneiam sim. Eu juro. De coração. — Imaginei que mentir fosse melhor do que observar o Baek ser arrastado para a cadeia.

— Bem, pareceu uma boa ideia...

— Você tem que comprar essa — eu disse à Baek, jogando um fragmento de seda nela, esperando distrai-lo.

Ele levantou a fantasia de faxineira sexy. Minúsculos caranguejos vermelhos ornavam o tecido.

— Essa é a coisa mais nojenta que já vi. Gostei daquela cueca preto que você está segurando, por outro lado. Eu gostei que você deveria comprá-lo. Vai pagar e eu continuarei olhando.

Eu paguei. Então, pensando que seria mais fácil esquecer do Jungkook se eu estivesse olhando algo mais benigno, eu vaguei até a seção de loções.

Eu estava cheirando uma garrafa de Anjos dos Sonhos quando senti uma presença familiar próxima. Era como se alguém tivesse derrubado uma concha de sorvete pelas costas da minha camiseta. Era o mesmo solavanco trêmulo que eu experimentava sempre que o Jungkook se aproximava.

Baek e eu ainda éramos os dois únicos clientes na loja, mas do outro lado da janela de vidro para espelho, vi uma figura encapuzada sair de um toldo sombreado do outro lado da rua. Recém-transtornado, fiquei imóvel por um minuto inteiro antes que me recobrasse e fosse achar o Baek.

— Hora de ir — eu disse a ele.

Ele estava virando uma prateleira de camisolas.

— Uau. Olha isso, pijamas de flanela, desconto de cinquenta por cento. Eu preciso de pijama de flanela.

Eu mantive um olho grudado na janela.

— Acho que estou sendo seguido.

A cabeça de Baek levantou-se.

— Jungkook?

— Não. Olhe pro outro lado da rua.

Baek espremeu os olhos.

— Não vejo ninguém.

Nem eu mais. Um carro tinha passado, interrompendo minha linha de visão.

— Acho que entraram na loja.

— Como sabe que estão te seguindo?

— Uma sensação ruim.

— Parecia com alguém que a gente conhece? Por exemplo... uma cruza entre a Pippi Meialonga e a Bruxa Má do Oeste obviamente seria a Kim Dahyun.

— Não era a Dahyun — eu disse, os olhos ainda fixos do outro lado da rua. — Quando deixei a arcada na noite passada para comprar algodão-doce, vi alguém me observando. Acho que a mesma pessoa está aqui agora.

— Está falando sério? Por que só está me dizendo isso agora? Quem é?

Eu não sabia. E isso me assustava mais do que tudo.

Direcionei minha voz para a vendedora.

— Tem uma porta traseira na loja?

Ela levantou seu olhar de organizar uma gaveta.

— Somente funcionários.

— A pessoa é homem ou mulher? — Baek queria saber.

— Não sei dizer.

— Bem porque acha que estão te seguindo? O que querem?

— Me assustar. — Parece razoável o bastante.

— Por que iriam querer te assustar?

Eu quis dizer: Quem não está tentando me assustar?

— Precisamos de uma distração — eu disse à Baek..

— Exatamente o que eu estava pensando — ele disse. — E sabemos que sou realmente boa em distrações. Me dê sua jaqueta jeans.

Eu encarei-a.

— De jeito nenhum. Não sabemos nada sobre essa pessoa. Não vou deixar você sair vestido como eu. E se estiverem armados?

— Às vezes a sua imaginação me assusta — Baek disse.

Eu tinha que admitir, a ideia que eles estivessem armados e prontos para matar era um pouco forçado. Mas com todas essas coisas sinistras acontecendo ultimamente, eu não me culpava por me sentir tenso e presumir o pior.

— Eu saberei primeiro — disse a Baek. — Se me seguirem, você os segue. Eu me dirigirei colina acima na direção do cemitério, e então os encurralaremos e teremos algumas respostas.

Um minuto mais tarde Baek deixou a loja usando a minha jaqueta jeans. Fora o fato dele ser alguns centímetros mais altos, e um corpo mais definido e forte, ele se passava por mim. De onde eu estava agachado atrás da prateleira de camisolas, observei a figura encapuzada sair da loja do outro lado da rua e seguir atrás do Baek. Eu arrastei perto da janela apesar do moletom e do jeans largos da figura terem como objetivo parecer andrógenos, o andar era feminino. Definitivamente feminino.

Baek e a garota viraram a esquina e desapareceram, e eu corri até a porta. Do lado de fora, a chuva tinha virado um aguaceiro.

Acelerei o passo, ficando debaixo da minha calça jeans umedecendo. Desejei ter usado botas.

Atrás de mim o cais se estendia para o oceano cinza-cimento. Na minha frente, a faixa de lojas acabava na base de uma colina íngreme e capinada. No topo da colina, eu conseguia distinguir a cerca alta de ferro do cemitério local.

Destranquei o Neon, acionei o degelador no máximo, e coloquei os limpadores de para-brisas a todo poder. Dirigi para fora do estacionamento e virei à esquerda, acelerando pela colina sinuosa. As árvores no cemitério agigantavam-se a frente, seus galhos enganosamente ganhando vida pelos loucos golpes dos limpadores. As lápides de mármore branco parecia ser golpeada pela escuridão. As lápides cinza dissolviam-se na atmosfera.

Do nada um objeto vermelho foi arremessado no para-brisas. Ela bateu contra o vidro diretamente na minha linha de visão, então voou por sobre o carro. Pisei nos freios e o Neon deslizou para parar na espádua da estrada.

Abri a porta e saí. Corri para frente do carro, procurando pelo que tinha me atingido.

Houve um instante de confusão enquanto a minha mente processava o que eu estava vendo. Minha pulseira vermelha estava emaranhada nas ervas daninhas. Estava quebrada, um lado tinha colapsado do jeito exato que eu esperava que tivesse se tivesse sido atirado contra outro objeto mais pesado.

Através do ataque furioso da chuva eu ouvi um soluço abafado.

— Baek? — eu disse. Corri pela estrada, protegendo meus olhos da chuva enquanto passei meu olhar pela paisagem. Um corpo estava deitado amarrotado logo à frente. Eu comecei a correr.

— Baek! — caí de joelhos ao lado dele. Eu estava do lado dele, suas pernas juntas de seu peito. Ele resmungou.

— O que aconteceu? Você está bem? Consegue se mexer? — Joguei minha cabeça para trás, piscando a chuva. Pensa! Eu disse a mim mesmo. Meu celular. Lá no carro. Eu tinha que ligar para emergência.

— Vou chamar ajuda — eu disse à Baek.

Ele gemeu e apertou a minha mão.

Me abaixei sobre ele, segurando-o apertadamente. Lágrimas queimaram atrás dos meus olhos.

— O que aconteceu? Foi a pessoa que eu segui? Fizeram isso com você? O que fizeram?

Baek murmurou algo ininteligível que poderia ter sido “bolsa de mão.” Como visto, sua bolsa de mão estava sumida.

— Você vai ficar bem — me esforcei para manter a minha voz firme.

Um sentimento sombrio ameaçava tomar conta de mim, e eu tentava mantê-lo sob controle. Eu tinha certeza de que a pessoa que me observara no Delphic e que me seguira nas compras era a responsável. Mas me culpava por ter colocado Baek em perigo. Voltei correndo ao Neon e disquei o número da emergência no celular.

Tentei manter a voz sem vestígios de histeria enquanto dizia:

— Preciso de uma ambulância. Meu amigo acaba de ser assaltado e agredido.


Notas Finais


Beijos e até o próximo capítulo meus prestígios<3


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...