História Sweating Bullets - Capítulo 6


Escrita por:

Postado
Categorias Ghost, Iron Maiden, Megadeth
Personagens Adrian Smith, Bruce Dickinson, Dave Murray, Dave Mustaine, David Ellefson, Janick Gers, Kiko Loureiro, Nicko McBrain, Personagens Originais, Steve Harris
Tags Ellefstaine, Guerra, Marty Friedman, Militar, Nick Menza, Terrorismo, Tobias Forge, Yaoi
Visualizações 6
Palavras 1.939
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Crossover, Drama (Tragédia), Hentai, Lemon, LGBT, Literatura Feminina, Luta, Mistério, Musical (Songfic), Policial, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Slash, Suspense, Terror e Horror, Violência, Yaoi (Gay)
Avisos: Adultério, Álcool, Bissexualidade, Drogas, Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Mutilação, Nudez, Sexo, Suicídio, Tortura, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Boa leitura !

Capítulo 6 - Natal Sueco - Pt. I


Fanfic / Fanfiction Sweating Bullets - Capítulo 6 - Natal Sueco - Pt. I

Tobias Forge





Francamente. Já estávamos em dezembro. Isso significava que teríamos que dar um período de uma semana de férias para os novatos irem para suas casas e verem suas famílias. Comemorarem o natal, trocar presentes. 


Não sei porque todos nós temos que fazer isso. Nem todos são cristãos. Existem os ateus. Como eu e grande parte da Nameless Ghouls. A única coisa boa disso tudo era que podíamos nos reunir na casa do Ômega e todos da Rattlehead e Nameless Ghouls participávamos de nossa celebração sueca.


Ainda era dia 20, mas todos nós já estávamos loucos atrás dos presentes, decorações e comidas. Acordei cedo, vesti uma calça jeans básica, uma camiseta cinza, coloquei um sobretudo verde militar - meio óbvio a maioria das nossas roupas serem em tom de verde militar - e calcei minhas botas pretas de cano alto.


Peguei as chaves de meu Jeep Cherokee e dirigi até a casa de Dave. Ele morava há pelo menos duas horas da base e há meia hora da minha casa. Morávamos em bairros próximos. 


Ele mora em Kenwood, bairro repleto de casas históricas e obras primas da arquitetura e eu moro em Streeterville, próximo ao Lake Michigan. A propriedade dele era bem luxuosa, em estilo contemporâneo - com estrutura mista, feita de concreto aparente, metal e outros componentes leves, a casa possuia um desenho contemporâneo e com muitas áreas envidraçadas.  Os carros dele - Um Ford Mustang Shelby GT500 e um Mercedes Benz SLS AMG, os dois em preto fosco - ficavam parados no gramado da frente.


Ele morava sozinho com os filhos e seu irmão morava numa casa há alguns quarteirões da casa dele. Parei meu carro na frente da casa dele e desci do carro, indo até o portão.


- Bom dia, Tobias - O vizinho dele, já um senhor de idade, estava passando, fazendo sua caminhada matinal.

- Bom dia, senhor Hill - Respondi educadamente. 


O senhor Hill era um daqueles senhores que vivem sozinhos. Seus filhos já estavam encaminhados na vida. Os dois garotos fazendo faculdade em Nova Iorque e ele era viúvo. Mas apesar de solitário, ele tinha uma vida boa. Caminhava pela manhã, jogava xadrez com o clube da terceira idade do Lincoln Park, a noite tomava chá com a senhora Lucinda, que morava no final da rua. 


- Tenha um bom dia, senhor.

- Igualmente, meu jovem.


Assim que ele passou por mim, vi Dave saindo de sua casa e caminhando até o portão. Ele estava vestindo uma camiseta do Motorhead, calça jeans branca e all stars vermelhos. Algo meio estranho de se ver. Dave não era muito fã de all stars, mas enfim... Ele estava com Clara no colo e Jonathan caminhava ao seu lado segurando sua mão.


- Bom dia, crianças - Fazia um tempo que não via os jovens Mustaine's. Talvez nem tanto tempo assim. Acho que pelo menos se passou um mês desde que não os via.

- Bom dia, titio Tobias - Clara estendeu os braços pra mim assim que Dave abriu o portão.

- Como estão? - A peguei no colo e lhe dei um abraço apertado - Que saudades eu estava de vocês - Dei um largo sorriso quando Jonathan correu e abraçou minha perna.

- Bom dia, titio - Ele era mais tímido que Clara. Talvez porque ele seja mais novo. Quem sabe.

- A gente vai no seu carro, certo? - Dave disse trancando o portão de sua casa.

- A não ser que a gente compre uma árvore de natal hoje, vamos sim - Sorri. Era uma das poucas vezes que sorria ou fazia uma piada, quando estava perto de crianças.

- Que milagre, fazendo piada - Dave disse enquanto caminhávamos até meu carro.

- Estou animado... Se tem algo que gosto, isso se chama fazer compras - Disse destravando o carro e abrindo a porta detrás para as crianças.


Clara e Jonathan entraram no carro e já colocaram o cinto. Assim fizemos eu e Dave também. Claro que todos os anos fazíamos as mesmas coisas. Este ano não seria diferente. Pelo menos não achamos que seria. Sempre íamos ao South Loop Market para comprar o que tínhamos que comprar e voltávamos para a Kenwood. Passávamos na casa de Marty, deixávamos algumas das compras lá e começávamos os planejamentos para a ceia da véspera de Natal e o almoço de Natal. 


- Não vamos levar vinho português - Falei assim que cruzei a E 18th Street com a Michigan Ave.

- Não mesmo. Vamos levar um vinho branco, Schloss Johannisberg Er Riersling Trocken - Dave disse assim que estacionei o carro numa vaga na rua mesmo.

- Eu não sei nem pronunciar isso, mas tanto faz - Dei uma risada e desliguei o carro - Desde que não seja português.


Descemos do carro juntos e enquanto Dave segurava seus filhos pelas mãos, corri para pegar um carrinho. Entramos no supermercado e começamos a fazer nossas compras.


Pegamos frutas, noz moscada, canela, biscoitos, gengibre, tudo o que, naturalmente, um sueco compraria para sua ceia de natal. Por fim, pegamos o tal vinho que Dave queria. Duas garrafas para ser exato.


- Sabe que o vinho vai ficar na sua conta, certo? - Questionei, ao passarmos pelo caixa.

- Qual é. Eu sempre pago pelo vinho - Dave disse, pegando Clara no colo e segurando a mão de Jonathan.

- Até porque, nenhum de nós é louco como você de pagar 700 dólares num vinho - Passei as compras para a atendente do caixa.

- É para isso que eu trabalho - Dave pegou dois grandes sacos de Doritos e deu a mulher que passava nossas compras - Para sustentar meus filhos e nosso vinho - Ele deu uma risada.

- Pelo menos concordamos nisso - Rimos e logo pagamos pelas compras.





                                                                 [...]



Voltamos para meu carro e nos direcionamos para a casa de Marty. Descemos do carro e fomos até o portão da casa dele. Tocamos a campainha e após algum tempo, Marty nos atendeu, ainda vestindo seu pijama. Ele nos cumprimentou e nos conduziu para dentro de sua casa. Clara e Jonathan correram para a sala, onde havia um pequeno gatinho deitado. Ele era todo preto, havia apenas uma mancha branca em seu bigode. Seus pelos eram bem compridos e, só quando Clara o pegou no colo, percebi que o pequeno gatinho, não era pequeno. Era um maine coon. 


Desviei minha atenção das crianças e do gatinho, quando ouvi a voz de Dave me chamando na cozinha. Dei mais alguns passos e logo cheguei a cozinha. Deixei as sacolas em cima da bancada de mármore e comecei a guardar as coisas junto de Dave. Após algum tempo, Marty apareceu, vestindo uma calça jeans cinza, camiseta branca polo e uma jaqueta de couro, e começou a nos ajudar a guardar as coisas. 


- Aí, Tobias - Marty disse ao pegar três garrafas de cerveja de sua geladeira.

- Diga - Respondi, ao mesmo tempo em que ele nos entregava as garrafas.

- Ainda tem aquele Lp do Creedence? - Puta merda, bem lembrado. Essa era uma banda que todos nós adorávamos.

- O Cosmo's Factory?

- Ele mesmo. Podia trazer ele, esse ano - Marty abriu a tampa da garrafa na própria bancada e tomou um gole de sua cerveja.

- Não perderia essa chance por nada nessa vida - Bebi minha cerveja após abrir a garrafa do mesmo jeito que Marty havia feito - O problema é que eu deixei ele na base.

- Isso não é problema, é só ir lá e pegar - Dave comentou.

- Vai você pegar então, gênio - Adorava provocar Dave.

As long as I remember! The rain's been comin' down! - Era tão errado ele usar trechos de música para me zoar. 

Someone told me long ago! There's a calm before the storm! - Respondi a altura, citando um trecho de Have You Ever Seen the Rain.

I want to know! Have you ever seen the rain? - Marty se juntou a nossa brincadeira. Sem demora, já estávamos um ao lado do outro, levantando nossas garrafas e cantando Have You Ever Seen the Rain.




                                                                  [...]



                           

                      Dave Mustaine




Não demorou muito para os dias se passarem. Conseguímos finalizar tranquilamente as decorações de natal de nossas casas. Tínhamos tudo pronto para mais um natal, digamos, em família. Afinal, somos uma família. Como hoje era dia 24, fui acordar meus filhos um pouco mais cedo do que de costume. 


Acordei Clara primeiro, depois acordei Jonathan. Os dois correram para o banheiro, para fazerem suas higienes matinais e fiquei esperando que voltassem para ajuda-los a se vestirem. Assim que voltaram para o quarto, fui verificar se haviam escovado os dentes da forma correta.


- Abram a boca, huh - Pedi, me abaixando a altura deles - Não esqueceram de nada certo? - Perguntei assim que abriram a boca.

- Sim, papai - Os dois me responderam juntos. Observei bem os dentes de cada um e vi que haviam feito exatamente do jeito que havia lhes ensinado.

- Parabéns meus amores - Sorri e dei um beijo na testa dos dois - Do jeitinho que papai ensinou.


Os abracei forte e dei-lhes um beijo na bochecha. Os coloquei sentados na cama e me levantei, indo pegar as roupas deles no closet. Para Clara, peguei uma camiseta cinza com a estampa do álbum Physical Graffiti, do Led Zeppelin, uma calça jeans azul claro e meias azuis também, com estrelas douradas. Para Jonathan, peguei uma camiseta sem estampa preta, uma calça jeans azul clara e uma blusa com a estampa do álbum Keeper Of The Seven Keys, Pt I, do Helloween. Coloquei as roupas em cima da cama, ao lado deles.


- Você primeiro, Johnnie.


Ele desceu de cama e ficou com os braços para cima, bem a minha frente. O ajudei a tirar a camiseta do pijama e peguei a camiseta preta, o ajudando a vesti-la. Logo o ajudei a tirar a calça do pijama e ajudei a vestir a calça jeans. Passei as mãos por seu cabelo e sorri, dando-lhe um beijo na testa. Em seguida, ajudei Clara a se vestir. Peguei um casaco de moletom para cada um e uma jaqueta de couro, pois nunca se sabe quando pode esfriar ou começar a chover. 


Peguei Johnnie no colo e segurei a mão de Clara, os levando para a cozinha. Coloquei Johnnie no chão e soltei a mão de Clara. Coloquei a jaqueta e blusa de moletom deles em cima de uma das cadeiras da cozinha, enquanto os dois começaram a brincar com nosso gatinho, Danno. 


- Papai, podemos comer panquecas? - Clara disse, andando atrás de Danno, que dava voltas pela bancada.

- O que quiser, meu amor - Peguei uma frigideira e os ingredientes necessários, dentro do armário da cozinha. 

- Podemos levar o Danno? - Johnnie correu pegar Danno no colo e o deitou em seus ombros.

- Claro que sim - Sorri ao ver Danno todo folgado nos ombros de Johnnie.


Preparei nosso café da manhã e coloquei tudo em cima da mesa. Johnnie e Clara se sentaram lado a lado, enquanto me sentava na ponta da mesa. Após tomarmos nosso café, lavei os pratos, peguei a blusa e jaqueta deles e, enfim, saímos de casa. 

Coloquei Johnnie e Clara em suas cadeirinhas, em nosso Mercedes Benz SLS AMG, e prendi Danno ao seu cinto adaptado no banco do passageiro. Deixei suas blusas e jaquetas entre as cadeirinhas. Assim que entrei no carro, no lado do motorista, começou a cair uma garoa fina. Pelo visto ficaríamos um bom tempo dentro de casa.




                                                                [...]



Notas Finais


As músicas citadas são, respectivamente, Who'll Stop The Rain e Have You Ever Seen The Rain?, ambas da banda Creedence Clearwater Revival


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...