1. Spirit Fanfics >
  2. SWEET; bokuto koutarou. >
  3. Capítulo seis.

História SWEET; bokuto koutarou. - Capítulo 7


Escrita por: kikipwpyu

Notas do Autor


boa tardee! voltamos com uma semana cheia turbulências e novos sentimentos! espero que estejam preparados e que vocês gostem do capítulo.

boa leitura à todos.

Capítulo 7 - Capítulo seis.


Fanfic / Fanfiction SWEET; bokuto koutarou. - Capítulo 7 - Capítulo seis.

A aula ocorreu normalmente hoje, eu havia participado bastante também, creio que até os professores estranharam esse meu humor diferente dentro da sala de aula. Na verdade, o dia tinha sido maravilhoso para mim, coisas boas acontecendo, isso me acalma. Sorri enquanto terminava de resolver um exercício de matemática, por sorte eu havia entendido a matéria, então estava fácil de resolver. Ainda tinha mais uma aula para finalmente eu ir para minha casa, ah, eu tinha que sair com Bokuto hoje, ou melhor, o acompanhar até a academia. Ele realmente parecia uma criança, suspirei olhando para a janela ao meu lado lembrando por flashes em minha cabeça do que havia acontecido ontem. Nessa hora eu já havia me desligado de tudo e só focava minha atenção ali enquanto ainda podia sentir sua mão em minha cintura me conduzindo à dança.

Mas levei um susto pulando na cadeira quando senti o professor me cutucar e pedir para mim prestar atenção em meu caderno e terminar de resolver a atividade. Pedi desculpas e voltei minha atenção à minha tarefa respirando fundo. Ainda era difícil não conseguir me desligar do mundo e começar à prestar atenção em outras coisas.

O sinal tocou e o professor se despediu e os alunos começaram a conversar enquanto o outro professor não vinha, aproveitei tão momento para dar uma olhada no meu celular. Tinha alguma mensagens. Abri o aplicativo e vi que era uma do Tsukki e o resto era do Bokuto. Achei estranho justamente meu irmão me mandar mensagem do nada, ele nunca fazia isso. Cliquei na mensagem e li do quê se tratava.

"Amanhã eu tenho um jogo. Você até hoje não devolveu minha blusa. Me dê hoje mesmo."

Dei uma risadinha ao me lembrar que realmente não tinha dado a sua blusa para ele. Na verdade eu nem lembrava mais disso, mas esperava que a blusa não tivesse sumido. Mas meu sorriso desapareceu ao saber que eles também tinha um jogo amanhã. Que droga. Bokuto também me convidou. O que eu faria? Obviamente seria em quadras diferentes em lugares diferentes. Suspirei logo indo ver as mensagens do Koutarou.

"Eu não aguento mais fazer tarefa"
"Isso é muito chato"
"A professora caiu da cadeira KKKKKKKKKKKKKK"
"Você está em que aula agora?
"Pegaram meu celular"

Revirei meus olhos rindo enquanto olhava para a tela. As mensagens que ele mandava eram realmente bastante aleatórias, mas chegavam a ser um tanto engraçadas também.

"Eu vou para a aula de geografia agora"

A professora entrou na sala e eu coloquei meu celular desligado em cima da mesa olhando para frente. Essa professora era bastante chata. Não só porque eu não gostava dela, mas também por que ela era muito enjoada, não pode fazer absolutamente nada que ela já está arranjando um ótimo motivo para brigar com o aluno. Sinto muito pelo marido dela.

Meu celular vibrou e eu já poderia saber que era Bokuto, virei a tela rapidinho e desci a barra de notificação vendo o que havia me escrito.

"Que aula horrível"
"Ela é chata KKKKKKKKKK"
"Boa sorte! Te espero na saída."

Guardei meu celular de novo me sentindo um pouco mais ansiosa em poder sair da sala e ir me encontrar com aquele cara que parecia realmente uma coruja. A semelhança era incrível. Fui para o mundo da lua enquanto me questionava sobre isso, olhando novamente para a janela. Mas por causa disso, foi o motivo da minha expulsão da sala de aula.

[...]


─ Aquela velha. ─ resmunguei me sentando no banco do corredor com a minha mochila em cima do meu colo. Havia levado um bilhete em minha agenda como se eu tivesse a pior coisa do mundo. Só me desconcentrei por um segundo e ela vem com essa. Dá próxima vez eu finjo que estou doente só pra não ficar na aula dela.

Enquanto o horário de acabar a aula ainda estava longe eu resolvi mexer no meu celular e baixar um joguinho para passar o tempo mais rápido. Depois de me entediar com aquele jogo eu resolvi escutar música com meu fone de ouvido. Olhava para o chão distraída, estava tão irritada que queria socar alguém. Respirei fundo e resolvi pensar em outra coisa que não fosse isso. As pessoas passavam por mim no corredor me olhando como se eu fosse um bicho de sete cabeças, isso me deixava ainda mais irritada, dava vontade de gritar com todos eles. Parece que meu dia bom estava indo por água abaixo.

Ainda para piorar tinha o assunto do jogo. Eu nunca faltava um jogo da Karasuno, sempre dando força para eles junto com a Saeko. Sorri com tal pensamento jogando minha cabeça para trás. Mas eu disse que iria ao jogo do Bokuto. Eu já tinha ido uma vez, mas dessa vez é diferente, eu sei quem é ele, eu iria para torcer por ele. Eu realmente não sabia oque eu faria. Mordi meu lábio fazendo uma careta quando uma pessoa tropeça no meu pé quase me derrubando da cadeira. Levantei minha cabeça olhando furiosa para a pessoa que havia feito isso.

Era uma menina, ela começou a me pedir desculpas dizendo que estava distraída e não tinha visto meu pé, eu apenas balancei minha cabeça ignorando tudo isso. Suspirei vendo no relógio do meu celular que faltava 12 minutos para o sinal bater. Deixei minha mochila no banco e decidi ir no banheiro da escola. Esperava que ninguém pegasse ela lá. Andei em direção do banheiro vendo que tinha alguma meninas passando maquiagem e arrumando seus cabelos. Elas eram tão bonitas. Olhei para baixo entrando dentro de uma cabine escutando ela falando de garotos, do tanto que eram afim delas.

Às vezes eu pensava que ser bonita resolveria 90% dos meus problemas.

Depois de usar a cabine eu abri a porta vendo que não tinha mais ninguém lá. Lavei minhas mãos depois de passar sabão líquido. Sequei com o papel logo jogando no lixo, indo me olhar no espelho. Meu cabelo estava um pouco desarrumado, e eu via marcas nítidas em meu rosto. Se eu também passasse maquiagem, eu ficaria bonita? Me assustei ao sentir meu celular vibrar no bolso da minha saia. Logo o peguei atendendo.

"Aonde você está? — Bokuto perguntava do outro lado da linha, sua voz era carregada com preocupação.

"Eu estou no banheiro, por quê?" — perguntei enquanto ainda me observava no espelho fazendo algumas caras e bocas.

Ele suspirou.

"Eu achei só sua mochila. Que susto, eu achei que você tinha sido sequestrada!!" — ele quase gritou. — O sinal bateu, você não escutou? — disse com a sua voz normal.

"Não, eu já estou indo." — disse abrindo a porta do banheiro saindo e desligando a chamada.

Com ainda meu celular em mãos, eu andava em meio aos alunos que se amotoavam no corredor saindo de suas salas. Eles se esbarravam em mim e eu neles. Saindo com maior sufoco pude enxergar o maior no fim do corredor acenando para mim com a minha mochila em sua mão. Sorri levemente indo até ele em passos apressados. Quando cheguei ele me entregou a mochila e me puxou para fora da escola segurando meu pulso.

─ A gente já vai agora? ─ perguntei vendo ele ir em direção a sua moto pegando os capacetes me entregando um.

─ Não, primeiro vamos comer! ─ ele disse animado virando seu rosto para mim mostrando o seu belo sorriso estampado em seus lábios. ─ Tem um restaurante muito bom aqui perto, tenho certeza que você vai adorar. Vem, sobe.

Depois de colocar a minha mochila em minhas costas e arrumar o capacete em minha cabeça, eu subi na moto segurando em seus ombros me ajeitando e achando um jeito confortável para me segurar nele.

─ Pode me segurar à vontade, não quero que você caía. ─ ele falou me olhando pelo retrovisor da moto. Eu suspirei me abraçando à ele como nas últimas vezes aproximando meu corpo ao dele deitando minha cabeça em sua costas. ─ Assim está bom! Vamos comer! ─ ele ligou a moto e como esperado ela fez um barulho alto, começando em uma velocidade média até ir aumentando aos poucos. Não sentia medo mais, eu sabia que ele não iria me deixar cair e eu também não iria me soltar dele, apenas esperava para chegar no tal restaurante.

Quando chegamos, ele guardou a sua querida preciosidade e tirou o capacete para mim mesmo sabendo que eu sabia fazer essa mínima coisa, mas não falei nada, apenas o deixei fazer. Fomos juntos para dentro sendo recebidos por uma moça muito simpática.

─ Boa tarde, o casal pretende se sentar nas mesas com a vista, no meio, ou mais afastados dos outros? ─ perguntava sorridente e eu tentava esconder minha cara de vergonha à trás da cabeleira de Bokuto esperando se pronunciar diante daquilo.

─ Pode ser. ─ ele sorriu puxando meu braço e eu o olhei sem entender o porquê de ele estar fazendo isso. ─ Vamos querer nos sentar afastado dos outros. ─ ele falou e a mulher assentiu com a cabeça nos acompanhando para os lugares mais reservados do local.

Eu me sentei na cadeira olhando em volta e pude escutar a mulher dizendo que traria o cardápio para nós. Assim que ela se afastou eu dei um tapa no ombro de Bokuto que me me olhou sem entender.

─ Por que não disse a verdade? Não somos um casal! ─ eu sussurrei para ele que se aproximou de mim olhando em volta antes de se pronunciar.

─ Aqui, casais ganham desconto! Não ia perder essa oportunidade. ─ ele falou em um muxoxo fazendo com que sua alegria de antes fosse embora aos poucos. ─ Não fica brava.

Eu suspirei me afastando me ajeitando na cadeira vendo a mulher de antes vir até nós novamente com o cardápio em mãos entregando para o Koutarou em minha frente que me olhava me fazendo revirar os olhos. Ele escolheu comida mexicana para a gente, eu nunca tinha comido, mas ele tinha me garantido que era muito gostosa, então apenas concordei espetando a comida chegar enquanto ele brincava com os dedos da minha mão. Eu realmente não me importava com aquilo, olhava em volta vendo as pessoas que estavam naquele lugar.

─ Aqui é realmente bom. E bonito. ─ falei ainda olhando em volta. ─ Mas deve ser caro, dessa vez eu vou ajudar a pagar também. ─ olhei para ele que me olhava com os olhos bem abertos me olhando também. ─ O que foi? ─ perguntei.

─ Nada, só percebi que você tá' com o cabelo solto hoje. ─ ele falou e eu me toquei, acho que ele nunca tinha me visto de cabelo solto. ─ Seu cabelo é bonito, você fica bonita assim. ─ ele falou simples ainda me encarando.

Com certeza minhas bochechas se encontravam rubras agora, eu cortei aquele contato olhando um pouco para baixo sentindo meu coração bater forte em meu peito. Um pequeno sorriso se formou em seus lábios e ele apertou minha mão que ainda estava na dele.

─ O-obrigada. ─ me senti ridícula por ter gaguejado. Suspirei tirando minha mão que estava na dele e ele respeitou tirando também suas mãos da mesa olhando para o lado. Soltei um suspiro alto vendo que a tensão grande que estava entre nós. Era horrível ver ele tão quieto.


[...]


Comemos tranquilamente e eu comentei que a comida mexicana era mesmo deliciosa, assim como ele havia dito. Conversávamos normalmente, deixamos aquilo para trás e pagamos a conta, juntos, depois de bastante insistência vindo dessa vez por minha parte. Saímos de nossos assentos e fomos em direção a saída, nos despedimos da mulher e fomos para fora indo até aonde Bokuto havia guardado a sua moto. Enquanto andávamos, ele me falava das várias vezes em que as pessoas ficavam chocadas com a sua habilidade no vôlei. Era bom escutar ele falando sobre algo que ele gosta bastante.

─ E você? Tem alguma coisa que você goste bastante também? ─ perguntou se sentando na moto colocando o capacete na sua sua cabeça que estava direcionada à mim.

Na verdade eu não sabia, havia muitas coisas que eu gostava de fazer, mas ao mesmo tempo, eu também não gostava. Enquanto pegava o capacete de sua mão eu pensava no que poderia falar. Talvez ler, ou ouvir música, dançar.

─ Eu gosto de ler. ─ falei simples me sentando atrás de si me agarrando ao seu corpo forte. ─ Ouvir música também. Acho que essas duas coisas me fazem bastante bem. ─ mordi meu lábio e escutei ele dar uma risadinha.

─ Entendi, um dia quero que você me mostre suas músicas favoritas, vou adorar escutar. ─ ele virou um pouco a cabeça para me encarar e eu sorri levemente concordando.

─ Quem sabe um dia. ─ falei levantando uma sobrancelha e ele deu novamente outra risadinha ligando a moto indo para a tal academia que ele me levaria para acompanhá-lo.


Eu não estava confortável. Tinha um monte de caras mais velhos lá, e eles me olhavam muito. Bokuto era sonso demais para perceber tal coisa, então eu apenas me escondia na frente do mais alto enquanto ele conversava com um homem. Ele olhou para mim enquanto eu olhava para o chão pensando numa forma mais concreta de não chamar tanto assim a atenção. Talvez eu deveria ter passado em casa antes e pegado uma roupa mais adequada para este tipo de lugar, mas nem deu tempo, foi tudo tão de repente.

─ Está tudo bem? ─ me assustei ao escutar sua voz tão próxima do meu ouvido e seu rosto tão próximo ao meu. ─ Você parece incomodada. ─ se afastou me encarando.

─ Não, está tudo bem. ─ sorri pequeno olhando para ele. ─ Você vai malhar agora? ─ perguntei parando em sua frente. ─ Ou vai ficar conversando?

Ele levantou uma sobrancelha e um sorriso provocativo se curvou em seus lábios. Koutarou colocou as mãos na sua cintura. Eu apenas cruzei meus braços com um sorriso debochado olhando do mesmo jeito para ele.

─ Para, nesse quesito você ganha. Você é irmã do Tsukki. ─ se deu por vencido já no começo me fazendo rir e ir até o mesmo socando de leve seu braço.

─ Bobo. Vamos logo.

─ Tá bom, tá bom, vamos.


[...]


Eu apenas encarava. Disfarçava algumas vezes. Mas era quase impossível desviar a atenção dele. Ele daquele jeito, poderia fazer qualquer uma perder totalmente a compostura, e eu estava assim, literalmente, mas por sorte ele não percebia minhas olhadas nada discretas pra cima dele, aliás, era o que minha mente pensava. Ele levantava os halteres sem muita dificuldade, o que era admirável, se fosse eu ali, já teria quebrado metade de meus ossos. Na verdade ele conseguia ser bonito até assim, eu não podia negar o quanto ele era bonito, de qualquer jeito mesmo.

Me sentia tão boba por pensar desse jeito, quem visse poderia até achar que eu estaria apaixonada por ele. Mas eu não estava, nao é?

─ Você tá' me olhando de um jeito estranho. Espero que não esteja pensando em uma forma de me matar por algum motivo. ─ ele disse se levantando e eu lhe entreguei uma toalhinha que o mesmo logo começou a passar no rosto e no pescoço.

─ Não é nada disso, oras. ─ revirei meus olhos disfarçando ao máximo. ─ Aliás, tenho certeza que você vai se sair muito bem amanhã no jogo. ─ sorri já animada. ─ Não veio a hora de ver seu cortes super incríveis!

─ É, mas mesmo assim eu ainda fico um pouco nervoso, e se eu errar um levantamento fácil? Akaashi vai me achar um péssimo Ace. ─ me olhava com a sua feição triste e eu podia jurar que ele choraria ali mesmo.

Suspirei colocando minha mão em seu ombro olhando diretamente para os seus olhos engolindo seco com tal contato de primeira.

─ Não, ele não vai achar isso. Você é incrível. ─ disse suavemente e vi ele aos poucos começar a arregalar os olhos um pouco surpreso. Era apenas verdade, Bokuto era maravilhosamente incrível do jeito que era, ninguém podia mudar isso, por mais que ele às vezes seja pior que uma criança, quando está em quadra, ele é totalmente diferente. Um sorriso foi crescendo no rosto dele, ele parecia estar com energia agora.

─ Isso! Eu sou Incrível, eu vou ganhar amanhã e mostrar para todos o quanto eu sou demais! ─ ele falava energeticamente cada palavra enquanto se mostrava para mim. Era bom ver ele assim, eu literalmente estava me acostumando.

─ Esse é o espírito! ─ bati de leve em seu ombro tirando minha mão dali sorrindo para ele. Eu ainda achava incrível o quando que ele conseguia me fazer bem. ─ Aliás, que horas vai ser o jogo de vocês? ─ perguntei. Essa poderia ser uma chance de eu conseguir ir nos dois jogos.

─ Se eu não me engano, vai ser à tarde, agora as horas eu não sei. Quando me falarem eu te aviso. ─ deu uma piscadela para mim e eu assenti. ─ Por que? Vai se encontrar com o namorado? ─ sacaneou com a minha cara e eu lhe dei um tapa no braço.

─ Não é isso seu idiota. ─ virei meu rosto emburrada e ele riu da minha cara. Suspirei pegando meu celular vendo às horas. Já iam dar cinco da tarde. Eu realmente hoje dia passado o dia inteiro com ele. Sua atenção não estava mais em mim, ele estava olhando para o seu celular também, ele sorria para a tela. Eu apenas preferi ficar em silêncio.

Me sentei novamente cruzando minhas pernas segurando meu joelho enquanto olhava para as outras pessoas que malhavam, tinolá, anjos ! gostaria de pedir um pouco do tempo de vocês paha bastante mulheres também, queria ter pelo menos metade da disposição que elas tinham.

─ Eu só vou trocar de blusa e a gente já vai. Me espere aqui. ─ falou enquanto desligava seu celular me dando um sorrisinho pequeno. Vi ele se afastando e suspirei aguardando a sua volta. Resolvi mandar uma mensagem para o Tsukki falando sobre a tal blusa.

"Tá bom, quando eu chegar em casa eu preocuro e você vem buscar. Ok? Que horas vai ser o jogo amanhã?"

Ele não ia me responder agora, então apenas remexi nas outras redes sociais esperando Bokuto voltar. Fui ver meu perfil no Instagram e vi a minha última que eu havia postado. Foi há alguns meses atrás, eu estava ao lado se Asahi e Sugawara estava ao meu outro lado. Daichi estava agachado junto com Enoshita e Kinoshita. Meu irmão estava do lado do Kageyama e não estava com uma cara boa. Hinata estava na frente do de cabelo preto juntamente com Yamaguchi. Tanaka estava em cima de uma cadeira com Nishinoya em cima de suas costas. Ukai também estava na foto junto com Kiyoko, Takeda e Hitoka. Aquele dia havia sido incrível, eu nunca há há me divertido tanto. Me assustei ao ver Bokuto também olhando para a foto ao meu lado. Como ele havia chegado daquele jeito sem nem ao menos fazer algum barulho?

─ Você gosta bastante deles não é? Principalmente desse ao seu lado. Asahi Azumane. ─ ele perguntava com um sorriso provocativo me encarando.

─ C-claro que não! Somos só amigos. ─ coloquei uma mecha do meu cabelo atrás de minha orelha evitando contato visual com o mesmo. Mas um que estava prestes a descobrir.

─ Tudo bem, se você está dizendo. ─ se levantou estendendo a mão para mim. ─ Vamos senhora apaixonada. ─ eu peguei sua mão revirando meus olhos. Do mesmo jeito que eu achava que ele estava tirando uma com a minha cara, eu podia ver que não havia brilho nos seus olhos quando ele falava isso, sua risada não era verdadeira.

Ele caminhou comigo de mãos dadas até o estacionamento, ele estava quieto e apenas andava calmamente comigo ao seu lado. Eu tinha dito algo de errado?

─ Talvez ele goste de você. ─ ele pronunciou. ─ Você é legal, bonita, simpática, é engraçada quando quer e é estilosa. ─ coçou a cabeça. ─ Enfim, vamos embora. ─ ele sorriu me dando o capacete. Eu sorri levemente pegando.

Eu acho muito difícil o Asahi gostar de mim.


[...]


Estávamos já no elevador conversando sobre coisas bestas tipo qual era o melhor doce do mundo. Bokuto conseguia ser chato até em um debate. Quando chegamos no nosso andar ele me ajudou a abrir a porta de casa como se fosse uma coisa muito difícil de se fazer, mas apenas o deixei.

─ Muito obrigada, foi muito bom ficar com você hoje. ─ disse entrando dentro de casa. ─ Descanse bastante hoje, ok? ─ disse e ele que logo concordou com a cabeça. Me inclinei um pouco para frente e deixei um selar em sua bochecha ─ Se jogar bola de madrugada, eu te mato. ─ sorri piscando para o maior que se encontrava desnorteado olhando para mim. Eu segurei minha risada.

─ P-pode deixar. ─ ele falou colocando a mão na sua bochecha beijada por mim se virando para a sua porta. Eu sorri fechando a minha porta suspirando, senti meu celular vibrar e por sorte, era uma mensagem do meu irmão.

"Vai ser de manhã."


Notas Finais


até o próximo 🌷


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...