1. Spirit Fanfics >
  2. Sweet Bite - Imagine Jeon Jungkook >
  3. Cinco

História Sweet Bite - Imagine Jeon Jungkook - Capítulo 5


Escrita por:


Notas do Autor


B O A
L E I T U R A

Capítulo 5 - Cinco


Fanfic / Fanfiction Sweet Bite - Imagine Jeon Jungkook - Capítulo 5 - Cinco

Quando o sol nasceu, eu ainda estava acordada, pensando no que Rosalie fez com a minha mão. Ouvi os sentinelas circulando os corredores enquanto murmuravam. Sentei na cama e olhei para a janela. A aldeia era tão longe do palácio, e confesso que adoraria ver com meus próprios olhos o meu povo. 

Pelos comentários que ouvia dos criados, a situação estava crítica. O povo nos odeiam, odeiam meu irmão e como ele governava. E eu não os julgava, também odeio o modo como meu irmão trata esta cidade. Jungkook não tem amor pelo nosso povo e os deixam sofrer com a miséria. Por esse desleixo, um grupo de aldeões decidiram fazer o que achavam ser o certo. 

Jungkook deu-lhes o nome de rebeldes, não era a primeira vez que um grupo desses invadia o palácio. Pelo que eu fiquei sabendo na noite passada, eles queriam matar meu irmão. Mas era impossível. Jungkook ficaria no poder para sempre e nada e nem ninguém poderia mudar isso. Nem mesmo eu.

Muitos homens foram mortos pela as mãos do meu irmão, ou melhor, pelos dentes. Jungkook os sugou até não restar uma gota de sangue nos corpos. Creio que foi um ótimo dia para ele. Matou sua sede e mostrou que ainda era o mais poderoso do nosso reino. Claro que alguns dos rebeldes fugiram e a prova disso era o homem que encontrei na floresta. Porém, ele não me fez mau, pelo ao contrário, ele até se curvou em respeito. Mas parecia que também estava zombando da minha cara, tanto que até me deixou naquela rede.

— Alteza? Estar acordada? — Escutei uma voz feminina do outro lado da porta do meu quarto, junto a algumas batidinhas suaves.

Eu me remexi na cama e me dei o luxo de esquecer pelo menos um pouco das barbaridades que aconteceu. 

— Sim, pode entrar. — Permiti. Passei as mãos no cabelo e os coloquei em frente dos meus ombros. 

As madeixas escuras caíram sobre meu peito e como eu havia me mexido para ver melhor a criada que entrou, o cabelo deslizou meu ombro, indo novamente para trás. Observei a criada com uma bandeja e algumas tigelas e pratos. A moça era um pouco gordinha, tinha o rosto redondo e fofo, com grandes bochechas rosadas. Ela não era velha, sua aparência era de uma adolescente de dezessete a dezoito anos. 

Ela sorriu envergonhada ao perceber que eu estava a encarando. 

— Desculpe incomodar, minha princesa. — Sua pele se ruborizou. Eu ri da sua fofura. — O rei Jeon mandou que eu trouxesse seu café da manhã.


O gosto da refeição estava bem gostoso. E não era um simples mingau com alguns pães. Tudo estava muito bem recheado. O que deixou meu corpo disposto. Estava me sentindo forte e satisfeita com o alimento. Ao ver que eu tinha terminado, a criada pegou a bandeja do meu colo e antes que ela saísse pela porta, ela parou , parecendo que havia se esquecido de algo.

— Alteza, o rei Jeon deseja sua companhia em seu aposento.

— Agora? — Perguntei e ela assentiu. — Certo. Irei me vestir e depois irei direto para o seu quarto. — Sorri, depois parei e a encarei meio duvidosa.

— Sim, alteza? — Ela percebeu.

Pigarreei.

— Onde é o quarto do meu irmão? 

A criada ria da minha cara, mas não fiquei zangada, até eu estava rindo da minha ignorância. Não tinha culpa, fui embora da minha casa e quando voltei meu irmão já era rei, certamente ele mudou de aposento.

— No antigo quarto dos meus pais? — Chutei. 

Ela negou brevemente.

— Não! É nesse mesmo andar, apenas vá reto e a princesa verá a porta no final do corredor.

Assenti e agradeci. A criada fez a reverência e saiu, me deixando sozinha. 

Coloquei os pés para fora da cama, caminhei até o banheiro e me despi. Depois de alguns minutos, duas criadas entraram e me ajudaram no banho. 

Quando terminei, uma das criadas me vestiu e a outra cuidou do meu cabelo. A criada penteou minhas madeixas com delicadeza e prendeu uma parte com uma presilha, no formato de uma borboleta roxa. Meu vestido também era roxo, o que combinou perfeitamente. Elas me perfumaram e então eu estava pronta.

Fechei a porta atrás de mim e segui o corredor a frente. Parei em frente a enorme porta e bati delicadamente. Escutei a voz rouca de Jungkook do outro lado. Ele disse entre e então, eu entrei, fechando a porta. Direcionei meu olhar para a frente e deparei com Jungkook sem camisa, apenas de calça. Minhas bochechas queimaram e baixei os olhos.

— ________! — Ele disse meu nome alegremente. 

Jungkook tocou meu queixo e eu o encarei, evitando olhar para o seu peito pálido e forte. Passei a língua sobre os lábios e pigarreei algumas vezes. 

— Não precisa ficar nervosa. — Disse ele, soltando uma risada alta.

Meus olhos se arregalaram. Tinha esquecido que ele percebia tudo

— É que… — Hesitei, mas continuei. — Não estou acostumada com seu novo físico. 

Ele riu mais uma vez.

— Irmãzinha, não precisa ficar assim. — Proferiu, calmamente. Como se fosse fácil. Não era ele que estava no meu lugar.

Antes que eu dissesse alguma coisa, Jungkook me puxou até sua cama e me sentou no colchão macio. Olhei ao redor; as paredes eram douradas com alguns detalhes prateados. Sua cama era enorme e algumas armaduras velhas estavam espalhadas no canto do chão, e só assim percebi que também no canto, havia uma estante com livros grossos de capa dura. As janelas eram enormes e estavam fechadas.

— Esse lugar precisa de uma limpeza. — Comentei, brincando. 

— Nhaa, — Birrou. Eu ri. — Tá ótimo do jeito que estar. 

Dei de ombros.

— Você que sabe. 

Jungkook riu mas logo ficou sério. Me fitou , captando cada movimento meu. Fiquei desajeitada e constrangida com sua atenção. Ele não fazia ideia do quanto me deixava nervosa por apenas me encarar com aqueles olhos vermelhos. Do mesmo jeito que eram assustadores, também eram bonitos. 

Em um movimento rápido, meu irmão sentou ao meu lado e eu me assustei quando ele pegou em meu rosto e me encarou profundamente mais de perto. Meu peito subia e descia ligeiramente, o que deixou meu irmão bastante satisfeito com o efeito que causava em mim. 

O polegar gelado do vampiro, acariciou minha bochecha e eu suspirei fechando os olhos. Gostava muito quando ele me tocava, mas sabia que não podia ser tão liberal, senão Jungkook iria se aproveitar. 

— Por que se nega a me amar? — Foi o que escutei antes dele avançar para os meus lábios.

De início, fiquei com os olhos abertos, mas logo os fechei, não querendo pensar em nada, apenas em Jungkook e o quão seus lábios eram frios e ao mesmo tempo tão gostosos de se beijar. Jungkook apertava meu rosto contra o seu enquanto sua outra mão, passava-se em minha cintura, costas e nuca. 

Suguei sua língua com a mesma intensidade que ele sugou a minha. Chupei, mordi e nos lambuzamos com nossas salivas. E depois, Jungkook desceu a boca para o meu pescoço. Tombei a cabeça para trás e gemi arrastado, gostando da sensação. 

— J-Jungkook… — Chamei seu nome de uma forma sôfrega, quando ele desceu seus beijos para a minha clavícula, afastando a manga do meu vestido. 

— Huh? — Ele murmurou, sem prestar atenção.

— Não podemos! 

— Shhh…

— Jeon... — Continuei. 

— Silêncio, irmãzinha. — Ele disse, sem me olhar, continuando o que estava fazendo. — Não posso parar, eu preciso de mais, eu preciso de você...

— Mas... — Balbuciei, tentando achar uma brecha para escapar das mãos de meu irmão.

— Eu te amo, _______, e isso nunca vai mudar. O coração que já existiu em meu peito é seu e sempre será. Se entregue para mim! Deixe-me tirar a sua pureza, minha princesa?!

Me calei ao perceber que não queria que ele parasse. Parte minha quer muito realizar seu desejo. Não era carência e nem pena, eu realmente queria Jungkook, queria parar de ser virgem e queria saber a sensação de tê-lo dentro de mim. 

Sem esperar, Jungkook me puxou da cama e me virou de costas, apoiando minhas curvas que se encaixavam perfeitamente em seus ângulos.Ele me despiu ligeiramente, retirando meu vestido com ansiedade e depois o corpete que teve mais dificuldade. Quando tudo foi jogado para o lado, ele apertou meus peitos. Acariciou e beliscou cada mamilo, enquanto me excitava.

A energia era incrível. Virei e me atrevi a ser ousada. Abaixei-me e me ajoelhei, tirando a calça preta, libertando a enorme ereção. Passei a mão no pau grosso e apertei a cabecinha, ouvindo Jungkook urrar. 

— Eu quero chupá-lo. — Desviei os olhos do membro grande de meu irmão e o fitei, sendo pega com seus olhos. 

— Claro, amor. Ele é todo seu. 

Coloquei o membro na boca,enfiando toda a sua extensão, sentindo-a tocar minha garganta. E o que não cabia eu masturbava. Fiquei surpresa que aquela carne era quente e macia, diferente do resto do seu corpo. Jungkook soltou meu cabelo da presilha e fez um rabo de cavalo, me ensinando como gostava. Passei a mão massageando , alternando entre suas bolas e coxas, e isso arrancava gemidos altos e sôfregos do vampiro. 

Lambuzei seu pau com minha saliva. Lambi a cabecinha rosada e apertei suas bolas. Jungkook tombou a cabeça para trás e gemeu, acelerando as estocadas em minha boca. As vezes eu engasgava com o tamanho mas logo fui me acostumando. Senti as veias grossas em minha língua, sua carne quente, a cada sucção que fazia , já estava sentindo o gosto do pré-gozo em minha boca.

— Chega. — Sussurrou baixinho. 

Ele me puxou para cima e me beijou com tanto desejo , que chegou a machucar meus lábios com seus caninos afiados. O vampiro me conduziu novamente para a cama e afastou minha peça íntima, depois afastou minhas pernas com os joelhos, explorando minha intimidade molhada. Ele afundou dois dedos em minha entrada, arrancando-me um grito alto. Sentia uma queimação, meus pés contorciam freneticamente. 

— Apertadinha. — Sorriu. — Se está apertando meus dedos tanto assim, não vejo a hora do meu pau entrar em você. 

Eu também não via a hora… mas não estava com pressa. 

O moreno sussurrava um monte de palavras sujas em meu ouvido, que me deixava mais ansiosa para tê-lo. Ele levou a língua até meu clitóris e deu lambidas , sugadas e chegou a mordê-los, eu enlouquecia cada vez mais. 

Passei minha mão sobre meus seios e chamei seu nome.

— Jungkook, eu preciso de você. 

Ele não me respondeu, se posicionou em cima de mim. Sentia seu peito gélido e definido em cima de meu corpo despido. A excitação era crescente. Passei as mãos em seus fortes braços e parei ao chegar em sua nuca, onde lhe agarrei para um beijo necessitado. 

— Você não sabe o quanto esperei por isso. — Confessou, ofegante enquanto dirigiu-se seus lábios para o meu pescoço.

— Eu também… — Balbuciei. 

— Minha infância toda eu sonhava com você assim: em meus braços, totalmente entregue. — Sussurrou rente ao meu ouvido, mordendo meu lóbulo e o chupando.

O pálido me olhou com um sorriso satisfeito nos lábios e senti minha intimidade ser penetrada por seu pênis. Pensei em fincar minhas unhas em suas costas, portanto mudei de ideia ao lembrar do que aconteceu com minha mão que teve contato com sua pele dura.

— Ah, tão apertadinha. Delícia. — Jungkook mal conseguia falar. 

Ele estocava-me com rapidez , alternando os beijos entre meus lábios, pescoço e seios. Eu adorava quando ele estava em meus seios, podia ouvir perfeitamente seus arfares e gemidos roucos bem próximos a mim.

E, sentia perfeitamente seu pau ficar cada vez mais grosso e quente. Era gostoso tê-lo daquele jeito… uma sensação maravilhosa e inexplicável. Suas mãos passavam em minhas coxas e vez ou outra ele mordiscava e deixava tapas fortes, deixando minha pele marcada com sua mão grande.

Jungkook me penetrava lentamente, revirando os olhos. Com a minha cara fechada, ele riu voltando com as estocadas rápidas. 

Uma, duas...

Três, quatro...

Cinco, seis…

Amava ouvir nossas carnes se batendo. Era um barulho tão prazeroso aos meus ouvidos. 

Estava cansada e uma sensação totalmente indescritível me tomou. O vampiro continuou a me estocar, com toda sua energia. Para Jungkook, ele podia me amar o dia todo sem cansar. Um líquido desceu por minhas coxas, me deixando mais melado do que estava. Minha franja grudada em minha testa e minha respiração acelerada alertava o quanto eu estava acabada. Mas Jungkook continuava a me penetrar , com os olhos fechados. 

A franja escuro dos seus cabelos caiu sobre seu olho, ficando totalmente grudada e molhada em sua testa. Ele gemia sôfrego, porém, não parecia cansado. E então eu me toquei que não sabia se Jungkook cansava. Ele era um vampiro, um ser sobrenatural, totalmente forte e disposto para tudo. 

Senti mais uma sensação nova; outro líquido me preencheu por completo. O moreno abriu os olhos, revelando a cor do sangue. Jungkook foi parando com as estocadas aos poucos e se retirou de mim, totalmente suado. Ele se jogou ao meu lado na cama e me cobriu com um edredom enquanto ficava exposta a sua nudez. 

— Eu amo você. 

Eu virei para o lado oposto de Jungkook e deixei as lágrimas quentes descerem minhas bochechas.

— E eu amo você. — Disse a pura verdade, soluçando cada vez mais alto.



Notas Finais


Bem, desculpa, foi um hot rápido. Mas, eu queria saber se vocês estão gostando da estória???


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...