1. Spirit Fanfics >
  2. SWEET; bokuto koutarou. >
  3. Capítulo cinco.

História SWEET; bokuto koutarou. - Capítulo 6


Escrita por: kikipwpyu

Notas do Autor


recomendo vocês ouvirem "SLOW DANCING IN THE DARK" e "For the first time" da playlist da fanfic que está no meu perfil, enquanto leem.

boa leitura!

Capítulo 6 - Capítulo cinco.


Fanfic / Fanfiction SWEET; bokuto koutarou. - Capítulo 6 - Capítulo cinco.

A noite estava agradável hoje, eu estava na varanda olhando para a rua e para o céu também. A lua estava linda hoje, eu adorava admirar as noites de lua, eram simplesmente perfeitas. Eu já havia jantado, estava apenas descansando, logo já me preparar para dormir, com certeza essa noite eu iria dormir feito um anjo. Me espreguicei entrando dentro da sala novamente desligando a luz central, deixando só que a televisão iluminasse o ambiente. Fui logo me sentar no sofá pegando meu celular indo mexer em alguma rede social para passar o tempo, mas pude ouvir uns barulhos diferentes na atmosfera, ou melhor, vinham da casa da frente. A não, logo agora?

Eram risadas, altas, e uma eu até que podia identificar, era do Bokuto, já a outra eu não fazia ideia de quem poderia ser. Akaashi? Poderia ser, eu nunca havia escutado a risada dele, mas, eu acho que ele não era muito do tipo de rir dessa altura, então não era ele, mas de uma coisa eu tinha certeza: era uma risada masculina. Revirei meus olhos desejando que essa farra toda acabe antes de eu ir me deitar na cama. Suspirei me deitando no sofá clicando no meu aplicativo de mensagens. Cliquei na foto de perfil do Bokuto, ele estava com uma blusa azul escura apertada, sorrindo na frente do espelho e o celular na mão direita. Ele não estava online e também não tinha me mandado mais mensagens desde aquela hora. Eu também não iria incomodar.

Me levantei do sofá de novo deixando meu celular de lado me levantando indo para fora de novo, mordi meu lábio me apoiando na parede olhando para a vista novamente enquanto começava a pensar em algumas coisas, mais especificamente em como eu iria conseguir dormir hoje. Fiz uma careta escutando cada vez mais as risadas serem invadidas em minha audição. De certa forma, Bokuto sabia que eu não gostava de barulhos muito tarde, porque eu precisava dormir, então tenho certeza que ele tem consciência disso e não ia estrapolar os limites. Sim, é isso, não tinha oque eu me preocupar.


[...]


─ Bokuto Koutarou seu idiota! ─ disse alto dentro do meu quarto agarrando o travesseiro contra meu rosto enquanto gritava sobre ele. Já se passavam das meia noite e nada desses bestas ficarem quietos, foi burrice minha achar que ele iria fazer silêncio, ou melhor, se lembrar de tal coisa. Bufei em raiva pegando meu celular na mesinha ao lado da minha cama. Desbloqueei ele e fui diretamente ao contato dele lhe mandando mensagens.

"vc já sabe que horas são?"
"eu preciso dormir!"
"poderia falar pro seu amigo, sei lá, parar de rir desse jeito? daqui a pouco todos iram reclamar, não somente à mim"
"façam menos barulho pelo menos."

Ele não olhou ainda, coloquei meu celular ao meu lado e sai da cama indo até o banheiro. Passei uma água no rosto respirando fundo me olhando no espelho. Eu estava com sono, mas como poderia dormir? Com fones era perda de tempo, eu ficaria cantando a noite inteira. Isso era uma droga. Suspirei voltando para o quarto bocejando. Minha tela piscou, deveria ter sido ele, pulei na cama pegando meu celular. Ele tinha me respondido.

"hey [Seu Nome]! Desculpe, não sabia que estávamos fazendo tanto barulho assim KKKKKKKKK"
"vamos parar, não precisa ficar brava!!!"
"vc não tá brava comigo não né?????"
"pq vc não vem aqui? aproveita e conheça meu amigo."
"estamos te esperando!!!"

Ele só poderia estar brincando com a minha cara! Não é possível que ele estava me fazendo sair de casa à essa hora para conhecer o amigo dele?! Balancei minha cabeça negativamente com tamanha decepção. Suspirei jogando meu celular na cama indo até a luz a ligando, fui até meu guarda-roupa e peguei uma blusa larga cinza e uma calça larga também da cor preta. Prendi meu cabelo e olhei no espelho do guarda-roupa. Eu não acredito que eu estava fazendo isso. Eu não sei quem é mais idiota.

Sai do meu quarto com meu celular em mãos indo para a sala pegando a minha chave e ligando a lanterna e destrancando minha porta sem muita dificuldade, abri a porta e sai logo a fechando respirei fundo me virando para a porta de Bokuto. Toquei a campanhia mordendo meu lábio um pouco nervosa. Ele logo abriu a porta aparecendo, me assustei um pouco ao ver pela primeira vez ele com o cabelo abaixado. Ele tinha ficado bonito daquele jeito, ele sorriu ao meu ver.

─ Estou feliz que você tenha vindo. Jurei que recusaria. ─ colocou a mão em sua cintura me olhando provocativo. ─ Entre. ─ logo deu espaço para eu entrar dentro de seu apartamento. Estava arrumado do mesmo que eu tinha visto da última vez. Estava tocando uma música baixa dando um contraste bom no lugar que estava iluminado pela led vermelha. Mas logo avistei um homem alto, moreno, de cabelo escuro, parado na bancada da cozinha fazendo alguma bebida, logo o olhar dele cruzou o meu e eu desviei. Então era ele que ria daquele jeito? Me sentei no sofá cruzando minhas pernas. Ele era tão intenso, dava para perceber só de olhar. Suspirei achando que talvez não tenha sido uma boa ideia isso.

─ Oya Oya, então é essa a sua grande amiga que você tinha me falado bro? ─ o tal homem veio em minha direção trazendo um copo, que eu julguei ser vinho, me entregando. Eu peguei o olhando e ele sorriu de canto para mim. ─ Você é muito bonita.

─ Hey! ─ Bokuto se aproximou empurrando o amigo para longe de mim. ─ Você tá' assustando ela bro, sai de perto. ─ brigou com o amigo.

Eu dei um sorrisinho vendo eles começarem uma pequena discussão ali. Eu achava que ele tinha si Akaashi como amigo mais próximo, mas acho que me enganei, aliás, pelo jeito que ele tinha, era óbvio que ele teria grandes amigos.

─ Obrigada. ─ disse chamando a atenção de ambos. Bebi um pouco do vinho e coloquei em cima da mesinha de centro, não estava afim de beber muito. ─ Vocês poderiam parar com isso, logo o síndico pode reclamar. ─ me encostei no sofá cruzando meus braços fechando meus olhos. Eles suspiraram. Quando abri meus olhos, o moreno estava sentado ao meu lado, só que um pouco mais afastado. Bokuto estava sentado, ou melhor, escorado em uma poltrona com as pernas meio abertas.

─Aliás, como você se chama? ─ o de cabelo escuro se virou para mim perguntando.

─ [Seu Nome], prazer. ─ disse sorrindo levemente para ele que sorriu também. ─ E você? Como você se chama?

─ Kuroo. ─ falou simples. ─ Eu jogo na Nekoma, não sei se você conhece, mas eu sou um ótimo capitão, até mil vezes melhor do que aquele ali. ─ sussurrou para mim me fazendo rir.

─ Nekoma.. acho que já ouvi falar. Quero um dia poder ter a oportunidade de poder te ver jogar. ─ disse logo voltando a me sentar para frente pegando meu copo de vinho bebendo mais um gole.

─ Bro, sua amiga é bastante simpática. ─ Kuroo falou chamando a atenção de Bokuto que estava concentrando no bichinho que estava lhe atormentando. ─ Ele deve ser bastante desajeitado e barulhento não é?!

─ Eu era! ─ ele saltou da poltrona. ─ Mas depois de uma bronca, eu aprendi a ser menos barulhento. Não é mesmo? ─ perguntou sorridente para mim e eu balanceu minha cabeça positivamente. ─ Aliás, você sabia que ela é irmã do Tsukki? Eu fiquei chocado quando soube. ─ Kuroo me olhou surpreso mas logo riu.

─ Eu percebi uma certa semelhança. Tanto na face quando na personalidade. Você é realmente azarado Kou. ─ lamentou para o amigo que não tinha entendido, eu também não tinha entendido até perceber que na fala dele havia um certo duplo sentido.

Eu o olhei feio, não acreditando que ele estava tentando mencionar algo à mais com a minha relação com o seu amigo. Suspirei revirando meus olhos. Sorte que ele era sonso demais para perceber algo assim. Ele somente riu de nossas caras e pegou uma garrafa que parecia ser de whisky despejando sobre seu copo bebendo tudo em seguida em um só gole. Bokuto se sentou novamente na sua poltrona ainda meio aéreo.

─ Eu acho que já vou. ─ Kuroo disse olhando as horas no relógio. ─ Kenma deve estar vindo me buscar. ─ sorriu jogando a cabeça para trás. ─ Você não vai mais precisar ouvir minha risada alta. ─ apontou o dedo para mim rindo.

Eu arregalei meus olhos sentindo meu rosto esquentar. Que vergonha, não acredito que o Bokuto tinha mostrado minhas mensagens para ele, baixei um pouco meu rosto envergonhada por isso.

─ Ele realmente não se importa, [Seu Apelido]. ─ Bokuto disse olhando para mim. ─ O bro é gente boa. ─ sorriu.

─ Verdade senhorita. Bom, eu já vou indo. ─ se levantou. ─ Foi um prazer te conhecer, depois a gebte marca um dia melhor para sair, aí eu chamo o Kenma. ─ olhou para mim e depois para o de cabelo cinza e preto. ─ Tchau Kou, até outro dia. Tchauzinho mocinha. ─ acenou para mim indo em direção a porta, Bokuto também o acompanhou até a porta. Pude ver que Kuroo havia sussurrado algo no ouvido do Koutarou e ambos começaram a dar risadinhas.

Desviei minha atenção dele para o meu celular, já eram quase duas da manhã e eu estava caindo de sono no sofá. Quando escutei a porta se fechar, olhei para ele que vinha em minha direção. Ele estendeu a mão para mim e eu acabei pegando achando que ele estava me ajudando a sair do sofá. Mas nada ele disse apenas continuou segurando minha mão me trazendo para perto do seu corpo pousando sua mão na minha cintura, eu me assustei com o contato repentino, ele não falava, o que me deixava ainda mais aflita. Ele pegou minha mão e colocou em seu ombro. Agora eu havia entendido.

Era uma forma de dizer que ele queria dançar comigo.

Um pouco apreensiva eu segurei mais firme no ombro dele, começando a dar alguns passos lentos de dança vendo que ele estava logo me acompanhando também. Acho que ele não tinha achado palavras certas para pedir isso, então apenas agiu. Achei fofo da parte dele. Sorri deitando minha cabeça no seu peito lentamente. Era tudo estranho naquele momento, mas não podia negar que eu estava achando tudo aquilo muito bom. Eu podia julgar que ele estava com os olhos fechados apenas aproveitando o momento, o silêncio era incrivelmente boa naquele momento, a música baixa ainda tocava e os nossos corpos dançavam calmos em passos sincronizados.

Eu podia sentir sua respiração bater contra a minha orelha e eu acabei me arrepiando ao sentir isso, eu podia sentir as batidas do seu coração, não estavam tão aceleradas, mas dava pra sentir uma leve agitação. Suspirei fechando meus olhos enquanto ainda permanecia com minha cabeça em seu peito, sua mão que estava em minha cintura subiu para minhas costas indo até minha nuca, fazendo uma breve carícia. Eu tirei meu rosto de seu peito e abri meus olhos encarando aquelas orbes douradas me olhando com intensidades, ele sorriu. Eu ainda não entendia por que me sentia assim, minhas mãos foram para o seu peitoral pousando ali. A música já havia parado de tocar e eu não conseguia dizer nada, eu estava perdida em seu olhar e acho que a mesma coisa acontecia com ele.

─ Por que está me olhando assim? ─ perguntei com minha voz saindo falha, eu estava nervosa e eu com certeza estaria com minha bochechas vermelhas.

─ Eu não sei. ─ ele falou com sua voz saindo mais rouca que o normal. Eu pisquei várias vezes lhe dando um empurrãozinho me afastando um pouco, o contato de suas mãos grandes desapareceram de minha pele, eu estava ainda meio atordoada. ─ Mas bom, está tarde, tenho certeza que você tem que ir dormir agora.

Eu peguei meu celular em cima do sofá e me virei para ele concordando com a minha cabeça. Suspirei e ele fez o mesmo logo indo até a porta abrindo ela para mim. Eu fui até ele e o olhei quando saí.

─ Obrigada. ─ sorri levemente.

─ Obrigado por ter dançado comigo, e também por ter vindo aqui. ─ sorriu passando a mão em seu cabelo levemente. ─ A gente se vê mais tarde, boa noite.

─ Sim, boa noite para você também. Até. ─ acenei com a minha mão me virando para ir para minha porta, mas logo uma dúvida apareceu em minha mente, talvez fosse a oportunidade perfeita para saber sobre isso. ─ Ei! ─ me virei para trás novamente vendo ele se assustar e abrir a porta novamente me olhando com uma cara sugestiva. ─ Posso.. te perguntar uma coisa?

Ele balançou a cabeça para mim esperando pacientemente a pergunta que eu iria lhe fazer. Eu queria ir embora e deixar isso para lá, mas ele ia ficar no meu pé me perguntando o que eu queria.

─ Ontem..à noite, v-você estava sozinho? ─ olhei para baixo me sentindo uma idiota por estar perguntando isso.

─ " Ontem à noite".. ah! Eu estava só sim. ─ coçou a nuca olhando para cima. ─ Por quê? Você queria algo? ─ perguntou.

─ Ah, não era nada demais não, deixa pra lá, na verdade eu nem lembro mais ao certo oque eu iria falar para você. ─ menti mais nervosa ainda balançando minhas mãos em minha frente sorrindo fraco. ─ Boa noite! ─ me virei indo até minha porta abrindo ela com a chave e entrando.

Soltei um suspiro me encostando na porta me abaixando aos poucos me sentando no chão. Então ele estava sozinho. Mordi meu lábio fechando meus olhos encostando minha cabeça na madeira. O dia havia sido cheio hoje, tantas coisas aconteceram, e só nessa madrugada, dava metade de todas as coisas. Só de pensar que estávamos dançando juntos daquele jeito, um frio percorre em minha barriga. Respirei me levantando do chão trancando a porta e indo para meu quarto, eu tinha que pelo menos dormir um pouco para parar de pensar tanto nisso.

Encostei a porta e me joguei na cama colocando meu celular para carregar pegando minha coberta me cobrindo me virando para o outro lado, fechei meus olhos e suspirei.

"Por que você está me olhando assim?"
"Eu não sei."


[...]


Comia meu café da manhã enquanto via as notícias em meu celular. Por sorte eu consegui dormir rápido essa noite, mesmo que por pouco tempo. Minha cabeça doía um pouco por conta do vinho que eu havia bebido, mas conseguia suportar isso, qualquer coisa eu passava na farmácia antes de ir para a escola. Levei as louças até a pia e lavei tudo calmamente, ainda tinha tempo.

Depois de arrumar a cozinha, fui até o banheiro arrumar meu cabelo e passar uma maquiagem leve, me olhava no espelho me sentindo uma palhaça por estar fazendo isso, eu não ficava boa com maquiagens. Suspirei passando só um rímel e um batom claro. Deixei meu cabelo solto, somente penteei ele. Passei um pouco de perfume e sai do banheiro. Peguei minha mochila que estava em cima do sofá e fui até a porta saindo e a trancando. Guardei a chave e vi que desta vez Bokuto não apareceu de repente atrás de mim. Sorri com tal pensamento entrando dentro do elevador.

Sai do prédio indo direto para a estação de trem. Andava tranquilamente pela rua, olhando para todos os cantos, eu achava muito bom andar, colocar os pensamentos no lugar até ver Asahi saindo de uma loja de doces, eu me assustei que quase meu coração saiu pela boca. Sorri mordendo meu lábio andando até ele que logo percebeu minha presença e sorriu também. Ele era tão lindo quando sorria.

─ Bom dia Asahi-san! Oque anda fazendo por aqui? ─ perguntei animada olhando para ele que segurava uma sacola.

─ Bom dia [Seu Nome], ah, eu estava comprando alguma coisas para comer no caminho para o colégio, aliás, você está indo para a estação também? ─ perguntou.

─ Estou sim, podemos ir juntos se você quiser. ─ sentia meu coração dar cambalhotas de felicidade dentro de mim, finalmente poderia ter um momento com ele.

─ Eu quero sim, se não for incômodo para você, não quero atrapalhar. ─ disse ele coçando a sua nuca u pouco envergonhado.

─ De jeito maneira, vamos juntos. ─ falei pegando seu braço o puxando para irmos para a estação, ele riu mas logo começou a me acompanhar.


Foi incrivelmente bom ter ficado esses minutos com ele. Ele é bastante simpático, me ofereceu docinhos e conversamos sobre várias coisas, quando nos despedimos, ele me deu um afago em meu cabelo é eu quase não me contive em ficar vermelha. O começo do dia estava maravilhoso já. Entrei para dentro da escola sorrindo apaixonada andando animadamente para dentro passando pelo corredor pegando a chavinha do meu armário logo o abrindo. Peguei meus livros e fechei o armário de novo, suspirei indo em direção à minha sala.

─ Hey! [Seu Nome].

Eu sabia muito bem de quem era aquela voz e aquela forma de falar era única de somente uma pessoa. Bokuto. Me virei vendo ele com um misto quente na mão e a alça da sua mochila estava em sua..testa?

─ Ah, oi Bokuto. ─ disse simples. ─ Aconteceu alguma coisa? ─ perguntei devido a sua cara de afobação.

─ Sim! Amanhã eu tenho uma jogo! E você irá! Para me ver! ─ dizia exclamando tudo com um grande sorriso no rosto. ─ Diga por favor que vai.

─ Eu não sei, eu tenho que ver. ─ fingi que não estava dando tanta importância assim. ─ Talvez eu vá para ver o JOGO. ─ dei ênfase a última fala e vi ele abaixar totalmente a cabeça e eu ri. ─ Estou brincando, é claro que eu vou bobo.

─ Isso aí, você vai ver o que o Incrível Ace pode fazer! ─ começou a se exibir em minha frente.

Balancei minha cabeça sorrindo vendo Akaashi se aproximar de nós comendo um misto quente também, ele parou ao lado de Bokuto e me cumprimentou.

─ Vamos Bokuto-san, a aula já vai começar.

─ Tá bom, tá bom. Tchau [Seu Apelido], a gente se vê mais tarde! ─ acenou para mim falando com a sua boca cheia. Eu ri acenando de volta para ambos.

Voltei a andar para frente indo para a minha sala que já tinha algumas pessoas sentadas conversando, me sentei em minha cadeira e peguei meu celular enquanto o professor não vinha. Tinha mensagens do Bokuto de alguns minutos atrás. Achei estranho mas logo as abri.

"Hey [Seu Nome], tudo bem? Vamos sair hoje mais tarde? Eu vou ir malhar, venha comigo"
"Diga que sim"
"Akaashi não irá poder ir comigo e eu não gosto de ir só"
"Áudio"
"Áudio"

Sorri logo escrevendo uma resposta para ele.

"Pode ser."

Vi o professor entrar e logo guardei meu celular dentro da mochila pegando o meu caderno. Passei a língua por meus lábios pensando em como seria isso. Ficar com Bokuto de novo, isso não está dando certo.



Notas Finais


até segunda! 🌷


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...