História Sweet Cat ; Kth - Capítulo 4


Escrita por:

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS)
Personagens Jeon Jungkook (Jungkook), Kim Namjoon (RM), Kim Seokjin (Jin), Kim Taehyung (V), Personagens Originais
Tags Abo, Bangtan Boys (BTS), Drama, Fanfiction, Ficção Cientifica, Hetero, Romance
Visualizações 9
Palavras 1.143
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Aventura, Drama (Tragédia), Ficção, Fluffy, Hentai, Romance e Novela, Universo Alternativo
Avisos: Álcool, Bissexualidade, Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Boa leitura... ♡

Capítulo 4 - Extinct cat breed


Fanfic / Fanfiction Sweet Cat ; Kth - Capítulo 4 - Extinct cat breed

Sem dificuldade avisto o antigo, porém, bem preservado prédio azul no qual residia á quase 3 anos, sorrindo minimamente e acelerando meus passos pela rua vazia. Aperto com delicadeza o corpo trémulo do gato contra o meu, no intuito de aquecê-lo e protegê-lo dos ventos cortantes e frios que passavam por nós, desorganizando os fios de meu cabelo e ameaçando retirar minha touca.

Suspiro aliviada ao finalmente alcançar a portaria da construção, sendo notada por Sr. Kim, o gentil porteiro que assim que me ver, caminha em minha direção.

— Pequena Bae... — sua voz ecoa pelo ambiente silencioso do térreo enquanto vem até mim — O que tem ai dessa vez, huh? — indagou o senhorzinho curioso e sorri minimamente impedida de reverenciá-lo pelo ser em meus braços.

— Iria ser espancado por duas adolescentes. — informo ao ver o olhar do senhor sobre o animal em meus braços. — Não podia deixá-lo sozinho depois de salvá-lo. — disse dando de ombros, abaixando meu olhar para o gato atento.

— Não esperava menos de você pequena... — elogiou terno, me fazendo corar e sorrir um pouco sem graça.

— Obrigada... — murmurei baixo retribuindo a ternura no tom.

Desde o dia em que cheguei ao prédio, Sr. Kim me tratou com indiferença em relação á nossas espécies distintas e sempre agiu com gentileza e educação, por isso o tenho como um pai para mim. 

— Então... — retorna a falar, desviando o olhar do meu para o felino — Devo comunicar o síndico sobre a chegada de um novo morador? — indaga com divertimento na voz e rir baixo balançando a cabeça em negação.

— Não precisa, é apenas mais um dos outros casos... — informo e ele assente, já sabendo do que se tratava.

— O número de animais feridos ou abandonados que você trás para o prédio aumentou bastante esse mês, não? — indagou sério e pensativo, fazendo-me soltar um longo e pesado suspiro.

— A intolerância humana contra as outras espécies, parece estar se expandindo á cada dia, não se voltando apenas para os híbridos mas também para os animais. — respondi-lhe tristonha, ouvindo o senhor a minha frente suspirar decepcionado.

— A cada dia que se passa, sinto mais vergonha de minha espécie. — comenta com desgosto e opto por não comentar sobre o assunto.

— Bom... Tenho que ir, logo cairá uma tempestade e eu esqueci as janelas abertas. — justifico em uma despedida breve, notando o senhor entreabrir os lábios, sendo interrompido pelo ecoar alto e estrondoso de um trovão.

— Omo! — exclama assustado me encarando surpreso. — Você adivinhou de novo? Até a moça da TV errou.

— Sorte... — brinco dando de ombros, observando os olhos do senhor se estreitarem.

— Sorte... Sei. — murmura em tom desconfiado, me encarando com os olhos atentos. — Devo chamar o Namjoon? — pergunta-me retornando a expressão normal e o olhar para o gatinho que havia adormecido em meus braços.

Namjoon é o filho mais velho do Sr. Kim e dono da melhor clínica veterinária da cidade, sendo meu melhor amigo e parceiro no projeto de ajuda aos animais elegido por sua clínica. O homem atrapalhado e gentil costuma vir ao prédio visitar ao pai e a mim que sempre estou com a causa de algum animal em mãos.

— Não precisa. — encaro as ruas que lentamente eram molhadas pela chuva — Posso cuidar deste aqui sozinha, o estado dele não é grave e não é recomendado fazer Namjoon vir debaixo de chuva me ajudar. — explico retornando meu olhar para o gato dormindo em meus braços.

Agora parece tão inofensivo, mas as marcas de garras no torço de minha mão direita me provam o contrário.

— Conhecemos muito bem o meu filho... — murmura risonho e o acompanho erguendo o olhar do felino para si. — Não sei como os animais sobrevivem nas mãos dele. — brinca e riu baixo.

— Namjoon é dedicado no que faz, está fora de sua capacidade permitir que algum mal aconteça a qualquer animal que entre naquela clínica precisando de ajuda. — digo confiante e um sorriso orgulhoso se forma nos lábios do mais velho á minha frente.

— Verdade... — concorda simples e suspiro.

— Bom... — começo fazendo o senhor me encarar. — Eu tenho que ir ou meu apartamento vai estar alagado quando eu chegar. — brinco seguindo em direção ao elevador, fazendo o senhor rir e acenar em minha direção.

— Fique bem pequena Bae... — diz gentil enquanto eu adentrava a cabine metálica do elevador.

— O senhor também. — digo antes das portas se fecharem.

Como de costume viro-me para o espelho analisando minha figura catastrófica, observando os fios bagunçado de meu cabelo e a touca vermelha quase solta em minha cabeça, logo escorregando o olhar por meu corpo e parando o mesmo sobre o ser dorminhoco e de pelo sujo em meu colo.

Ajeito o animal em meus braços, não contendo um gemido de dor ao sentir meu antebraço latejar por estar carregando á longos minutos, o felino que de leve tem só á aparência. Entretanto, por mais que desejo não me falte, não posso sequer chamar o gato de gordo, já que o desconfortável peso de seu corpo provinha dos músculos fortes que podia sentir mesmo sob o tecido de meu sobretudo.

As orelhas médias e levemente inclinadas para frente mesmo com a aparente inconsciência do animal se mantinham atentas, movendo-se de acordo minha respiração baixa ecoava pelo cubículo metálico. Porém o que me chamou atenção foi a cauda longa que se movia suavemente contra meu braço, manchando o tecido negro de minha roupa com algum tipo de pó, bastante semelhante com cimento ainda sem uso. A coloração da mesma, se tornava cada vez mais escura á cada vez que ela esfregavasse contra meu tecido, acabando por se limpar.

— Espera aí... — murmuro baixo franzindo o cenho. — Você é da raça *bobaim? — pergunto como se o animal dormindo pudesse me responder.

Um pequeno sorriso se forma em meus lábios ainda encarando o pequeno animal, sentindo-me vibrar em expectativa de que minha hipótese louca esteja certa, porque se estiver, em meus braços dormindo feito um bebê se encontra um gato da raça que foi extinta da Coreia junto aos híbridos da mesma, á quase uma década.

•·•·•❂•·•·•

Bombaim é uma raça de gatos de pelagem curta e preta, que teve origem nos Estados Unidos, mas foi criado a partir do cruzamento entre o gato burmês — original da Tailândia — e um shortair americano. A raça após definida e oficializada pelo EGF — estudo genético felino — teve algumas moléculas de DNA recolhido e selecionado para ser implantado no DNA humano, alterando os cromossomos e as capacidades corporais e mentais, criando e implementando a raça felina á espécie híbrida.


Notas Finais


• As informações sobre a raça Bombaim são verdadeiras e originais da Wikipédia apenas no primeiro parágrafo, o restante é tudo parte do roteiro.

❝I purple you, winter bears.❞ ♡


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...