História Sweet Coffee - Capítulo 3


Escrita por: ~

Postado
Categorias Mamamoo
Tags Mamamoo, Romance, Yuri
Visualizações 19
Palavras 919
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Orange, Romance e Novela, Yuri
Avisos: Álcool, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Capítulo 3 - 3. Fruit Boom


Uma semana havia se passado desde que Solar tinha ido a cafeteria com Hwasa, nesses sete dias a atendente de cabelos azuis não saia dos seus pensamentos, muito menos as ultimas palavras trocadas por elas que fora carregada de segundas intenções – pela parte da outra, claro, até porque Solar não gosta de meninas. Então porque está pensando tanto sobre aquilo.

A única explicação para aqueles pensamentos voando pela sua cabeça é a abstinência do café fodendo com seu raciocínio. É logico, só pode ser isso! Abstinência de cafeína, Solar ri de si mesma enquanto o ônibus para na sua estação, acabara de sair do trabalho e precisa chegar a faculdade em 10 minutos ou estará mais atrasada que o aceitável.

Sua cabeça é acometida por uma pontada aguda e ela sabe muito bem o que aquilo significa: café.

Solar só se vê com uma única opção, terá que ir na cafeteria da Moonbyul, que droga. Gostaria de tudo menos aquilo, menos aquela dor de cabeça – que não tem nada a ver com café. Talvez um pouco... seus pés, sem que ela perceba, a leva para o caminho da cafeteria, que por algum motivo ela se lembra, mesmo tendo ido lá apenas uma vez. Quando seu cérebro processa para onde está indo já é tarde, Solar suspira pela sua distração e pelo seu maldito corpo querer satisfazer seus desejos sem o aval do cérebro. Confere no relógio e sabe que não chegará a tempo para registrar presença na primeira aula, então apenas se deixa levar até a doce cafeteria.

O barulho do sininho a desperta do seu torpor e sua postura que antes estava despreocupada com passos firmes agora se desmancha com o olhar da atendente recaindo sobre si. Suas pernas parecem desaprender a andar e ela corre desajeitadamente até a mesa mais próxima, sente-se envergonhada sem nenhum motivo aparente.

Pega o cardápio e tudo que faz é esconder seu rosto atrás dele, não consegue nem ler, os pensamentos em turbilhoes. Fecha os olhos e respira fundo – coisa que faz com tanta frequência que já tornou-se um habito.

O estado de reflexão de Solar é interrompido quando Moonbyul para de frente sua mesa e a observa por cima do cardápio, sente seu rosto esquentar quando a voz da garota pergunta:

- Já sabe o que quer, senhorita?

- Hum... ah... eu... – uma mão imaginaria sai do seu cérebro e a soca – Acho que um...

- Não – a garota a interrompe e coloca a mão no cardápio, abaixa-o – Você precisa ter certeza, é café. É importante.

- Eu não sei o que eu quero.

- Bem, que tal o Fruit Boom? – Moonbyul aponta o copo cor-de-rosa representado no cardápio – É um novo sabor, eu mesma criei. Saiu bastante essa semana.

- Claro, pode ser – Solar finalmente abaixa o cardápio e encara a atendente – Você deve entender mais dessas coisas.

- Tem razão – ela nem anota o pedido quando volta para o balcão – Já levo seu café.

Enquanto Moonbyul some cozinha adentro a jovem de cabelos rosa parece soltar todo o ar do seu pulmão que esteve preso, esmagado, com a presença da outra. Deus, o que seu cérebro tem?

- Aqui está, Solar – ela treme ao ver que a garota lembra seu nome – Um Fruit Boom muito bem feito.

- Obrigada – sua mão treme enquanto pega o café.

Moonbyul olha em volta e Solar é movida a fazer o mesmo, a cafeteria está vazia. A atendente sorri e guarda o bloco de notas no avental, com um grande suspiro de alivio senta-se na cadeira de frente Solar e apoia os cotovelos na mesa. A garota sente vontade de gritar e simplesmente se esquece como se toma café, sente-se desajeitada e tem medo de derrubar tudo.

- Prove – soa como um comando.

Solar sente vontade de protestar, mas por algum motivo ela não o faz. Tenta não pensar no porque está agindo dessa maneira e concentra-se no fato de que precisa urgentemente se lembrar como tomar o maldito café.

- É muito bom – fala sinceramente após beber um grande gole.

- E tem a cor do seu cabelo – Byul aponta para o copo e Solar sorri inconscientemente.

- É verdade – sorri mais ainda e a outra retribui o sorriso.

Nota que, infelizmente para a sua sanidade mental Moonbyul pretende ficar ali até que ela vá embora, ou até que outro cliente apareça. Ela odeia beber café rápido, então precisa de uma desculpa convincente para ir embora, antes que suas mãos caiam de tanto tremer.

Olha para o relógio e depois para a garota de cabelo azul.

- Obrigada pelo café, está incrível – ela vasculha a mochila a procura do dinheiro – Mas eu preciso ir se não vou me atrasar para a próxima aula – a mentira é contada enquanto ela coloca o dinheiro na mesinha.

A garota parece um pouco decepcionada, pega o dinheiro sobre a mesa vagarosamente e o coloca no avental junto do bloco de notas. Sorri fraco.

- Você estuda na universidade no quarteirão de cima?

- Sim – fecha a bolsa e se levanta pegando o café – Arte.

- Legal. Arte é legal.

Solar ri pelo nariz e olha nos olhos dela.

- Eu sei.

Ela passa pela porta ouvindo o sininho como um som distante e sentindo o olhar penetrante de Moonbyul sobre si, olhar que a segue até que passe pela vitrine, o ultimo lugar que a atendente poderia manter os olhos sobre ela. E, sem querer admitir para si, ela gostaria daquele olhar sobre si mais vezes.


Notas Finais


Foi isso genteeee, deixem um comentário e tudo mais.
Até o próximo.


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...