História Sweet Creature - Capítulo 3


Escrita por:

Postado
Categorias Harry Potter
Personagens Alvo Dumbledore, Barão Sangrento, Carlinhos Weasley, Dama Cinzenta, Draco Malfoy, Fílio Flitwick, Fred Weasley, Frei Gorducho, Gina Weasley, Godric Gryffindor, Gui Weasley, Harry Potter, Helga Hufflepuff, Hermione Granger, Jorge Weasley, Luna Lovegood, Minerva Mcgonagall, Molly Weasley, Nick Quase Sem-Cabeça, Percy Weasley, Personagens Originais, Ronald Weasley, Rowena Ravenclaw, Rúbeo Hagrid, Severo Snape, Sibila Trelawney, Ted Lupin
Tags Alvo Dumbledore, Aventura, Drama, Fadas, Família, Fred Weasley, Harry Potter, Hermione Granger, Jorge Weasley, Molly Weasley, Romance, Rony Weasley, Severo Snape
Visualizações 5
Palavras 1.879
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Comédia, Drama (Tragédia), Famí­lia, Fantasia, Ficção, Hentai, Magia, Mistério, Misticismo, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Universo Alternativo, Violência
Avisos: Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo, Tortura, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


Boa Leitura!

Capítulo 3 - Capítulo lll


Minutos, horas, dias. Eu estava absolutamente desorientada. 

É engraçado o fato de aqui dentro tempo não alterar. Desde a conversa ligeiramente esclarecedora que tive com aquele ser monstruoso, que se auto intitula Senhor das Sombras, sinto que estou perdida dentro de mim mesma, se é que é possível uma pessoa se perder dentro dela mesma. Apesar de realmente não saber nada a respeito desse tal coração da fada, sinto em meu intimo que toda essa maluquice de fato, tem a ver comigo. 

E embora não queira acreditar, pressuponho que meus pais sabiam sobre toda essa história. Só fico imaginando do porquê de não terem me contado, talvez por acharem que nunca iriam nos encontrar ou para me proteger. Realmente são só suposições. 

Já tinha se passado algum tempo desde que o Senhor das Sombras deixou minha cela, totalmente insatisfeito com minha total ignorância ao fato de não saber o paradeiro do coração. Estou faminta e a todo o momento meu estômago vazio faz barulhos constrangedores. 

 "-Vou lhe deixar um momento sozinha para decidir qual caminho irá seguir, no entanto lembre-se, que todo esse longo período que passei observando os humanos, me serviu para aprender alguns truques bem eficientes em arrancar algumas respostas, e eles não são nada agradáveis- falou dando um sorriso cínico." 

  

 Lembro-me de sua fala, e sinto o receio me preencher, aquilo claramente foi uma ameaça e não sei o que esperar que um ser que provavelmente nem possuía uma alma. Forço novamente meus braços para baixo, na tentativa de solta-los, mas de nada adianta. Preciso pensar rapidamente em uma maneira de sair daqui, talvez se eu continuar a puxar meus braços uma hora a corda ceda. 

Já deve fazer alguns minutos que estou tentando arrebentar essa maldita corda, porem o máximo que consigo são alguns estalos vindo da mesma e um pulso possivelmente deslocado. Ofegante, suada e agora com dor continuo a batalha incessante de me livras das amarras. 

-Vamos lá- Um puxão 

-Vamos lá- Outro, escuto outro estalo vindo da corda. 

-Droga de corda- Rosno cansada e no momento seguinte escuto o barulho da porta da cela abrindo novamente. E lá estávamos nós novamente, cara a cara.  

-E então, já pensou na resposta que irá me fornecer? - Perguntou-me e, não eu não tinha uma resposta. 

-Eu falei antes e vou repetir novamente, você pegou a pessoa errada, e exijo que me solte - falei o mais firme que consegui. 

-Ora, Ora, a gatinha esta soltando suas garrinhas- homem gargalhou como se zombasse de minha falsa coragem e agarrou meu queixo com brutalidade- Olhe aqui criança, eu lhe avisei o que iria acontecer se não me contasse a verdade, espero que esteja preparada para arcar com as consequências, pois isso vai seu muito divertido, ao menos para mim. 

Eu não tinha noção de qual era a extensão do poder dele e nem do que ele seria capaz de fazer, senti meu sangue congelar em minhas veias assim que percebi o que estava acontecendo. Ele não mentia quando se intitulava Senhor das Sombras, já que literalmente as sombras pareciam obedece-lo. 

Ele afastou-se um pouco de mim estendeu sua mão ossuda para o lado da cela onde a tocha não iluminava e diante de meus olhos eu vi algo incrivelmente assustador acontecer. As sombras rodearam sua mão e foram tomando forma, demorei um pouco para distinguir o que ele estava segurando, se assemelhava a um flagelo, tinha um cabo firme, pelo que pude perceber, e sua extensão era longa e maleável, totalmente negra. 

Temi pelo que poderia acontecer, rezava para que ele não fizesse o que estava imaginando. O homem esticou os lábios em um sorriso de satisfação, e se direcionou a parte de trás de meu corpo. Em um puxão arrebentou os botões de meu vestido, suas unhas longas "acariciavam" meu dorso, e instantaneamente me encolhi diante de seu toque. 

Senti que afastou o seu corpo do meu e vibrei internamente, imaginando que tudo não passava de outra ameaça. Porém minha teoria foi por terra quando ouvi o barulho do flagelo cortando o ar, e percebi logo mais quando senti uma ardência incomum, que estava sendo vítima se um ser altamente destrutivo, sádico e inescrupuloso. Um grito rasgou minha garganta quando senti o segundo golpe me atingir e, logo vieram outros. Tentava ao máximo segurar meus gemidos de dor, não iria dar o prazer a ele de me ver suplicar por piedade. 

Em algum momento meu cérebro simplesmente desligou, fico grata por isso pois me poupou de sentir o resto de minha tortura. O Senhor das Sombras deve ter se cansado pois, quando abri meus olhos estava sozinha novamente. Tentei me mexer, porém senti uma dor azucrinante me preencher e, um liquido quente e viscoso escorrer por minhas costas. A verdade veio como um soco, era meu fim, não havia sequer a possibilidade de escapar daqui e muito menos quem me ajuda-se. 

Rompi em um choro silencioso, e no mesmo momento me amaldiçoei por ser tão patética. Estava cansada de perder quem eu amava, cansada demais de segurar o choro e me fingir de forte, contudo nesse momento estava cansada de chorar, cansada demais de rezar para que alguém me tirasse desse inferno, cansada demais de me sentir esgotada, tanto fisicamente quanto psicologicamente, e também estava cansada de lutar. 

Lutar como se a solução para os meus problemas fosse cair do céu. E eu fiquei ali chorando, como se isso fosse resolver alguma coisa. Realmente não iria resolver nada, mas aliviava um pouco minha alma angustiada. De uma hora para outra minha vida sofreu um enorme vendaval, tudo que eu amava foi tirado de mim, e tudo que eu acreditava parecia não ter sido a real verdade. Como um castelo de cartas que, que basta um mínimo sopro para tudo vir abaixo. 

Não desista criança. 

Agora estou ficando maluca, escutando vozes onde nem sequer há uma alma viva. 

Feche seus olhos e concentre-se, eu estou aqui e você pode me ver. 

Falou novamente a voz feminina aveludada. Não tinha nada a perder então, porque não fazer o que ela estava me pedindo. Fecho meus olhos e tento me manter concentrada. Uma imagem distorcida preenche minha visão e, logo vai ganhando forma. Era uma mulher extremamente bela, estava vestida em uma túnica branca com detalhes dourados, alta e possuía longos cabelos brilhantes como o sol e olhos azuis, na verdade ela me parecia muito familiar. 

-Mãe? - Arrisquei 

Ah, minha doce criança, eu sou sua irmã, sua mãe, sua avó, sou aquela que protege sua família a muitas gerações, tenho certeza que já ouviu falar de mim. 

Aquela parada logo a minha frente era realmente a Deusa Aine, uma chama de esperança de ascendeu em meu interior. 

-Por favor me ajude, eu lhe suplico minha senhora- Faço o pedido. 

Eu vim até você para isso criança, porém não sou capaz de tocar em nada, nesse mundo sou apenas um espectro de luz, não tenho um corpo material, por isso quero que faça tudo que eu lhe pedir. 

-O coração, pode me explicar o que significa, porque o Senhor das Sombras tanto o almeja...- Sou interrompida antes de continuar a questiona-la. 

Tudo ao seu tempo minha criança, não é o momento certo de você saber sobre isso. Agora peço que preste muita atenção, você já abriu um portal alguma vez? 

 -Sim, mas foram pequenas distâncias- Falo lembrando-me dos treinamentos que fazia com mamãe. Em teoria se parecia muito com a aparatação que papai me ensinou, só que tínhamos que canalizar   energia suficiente para a abertura de um portal. Quanto mais longe era o destino, mais energia consumia. O grande problema no momento é de que não estou em prefeitas condições para conseguiu abrir o portal, o fato de estar fraca e machucada não ajudava em nada. 

Primeiro preciso te ajudar a soltar as amarras, só assim você vai poder abrir o portal. Vou lhe emprestar um pouco de minha graça, espero que seja o suficiente para conseguir sair daqui. 

-Mas a senhora disse que não poderia tocar em nada desse plano, como vai fazer para me ajudar? - Pergunto a ela confusa. 

Não duvide de nossa ligação minha criança, não preciso lhe tocar para ajudá-la. 

Assim que disse isso, a bela Deusa se pôs a minha frente e estendeu sua delicada mão para perto de meu peito, sua figura altiva e encantadora foi tomada por uma suave luz e, no mesmo momento senti uma energia revigorante me preencher, de maneira que sequer sentisse resquícios da exaustão que me assolava anteriormente. 

Puxe a corda agora, não temos muito tempo a energia que lhe ofereci é deveras limitada, irá durar pouco. 

Assim que forcei meus braços para baixo, senti a corda ceder e fui com os joelhos de encontro ao chão pedregoso. Ainda ofegante pelo esforço, não tive tempo para me recompor pois a Deusa Aine me informou que esse surto de adrenalina duraria poucos minutos. Questionou-me se tinha um lugar seguro para ir, mas nada me veio à cabeça. O único lugar que conhecia era nossa casa na floresta. Forcei minha mente a pensar em algum lugar, e como uma luz no fim do túnel lembrei de uma conversa que tive com meu padrinho em sua última visita. 

“-Minha querida, espero que um dia eu tenha a chance de lhe levar conhecer o mundo extraordinário que existe além dessa floresta. Quem sabe um dia estudar em Hogwarts, tenho certeza que faria amigos incríveis. Você e os Weasleys se dariam muito bem, torço para que um dia sua mãe deixe a levar para conhecer ao menos a Toca, a família Weasley é sempre muito acolhedora com seus visitantes, tenho muito apreço por eles.” 

-É possível ir para um lugar que sequer conheço, que apenas ouvi falar? - Pergunto hesitante. 

Claro que sim criança, porém vai precisar de uma dose a mais de concentração. Está pronta? 

Respondo em afirmativo, faço tudo de acordo com que mamãe me ensinou. Fecho os olhos, junto minhas palmas da mão e respiro fundo, tento visualizar a energia dentro de mim. Respiro fundo novamente, agora que consegui visualizar preciso expandi-la e leva-la em direção as palmas de minhas mãos. Lentamente, sinto ondas de calor preencherem meu corpo, a energia parece fluir com calma e intensidade, assim que ela atinge minhas palmas ainda juntas, mentalizo a Toca. 

É agora ou nunca, deposito minhas mãos no chão úmido de minha cela, a luz que as preenchia se expandem e tomam forma circular assim que toco o solo. Um barulho ensurdecedor toma o local, e uma ventania incomum sopra meus cabelos assim que o portal é totalmente aberto. 

-Deu certo- Falo com a euforia me dominando 

Sim, você conseguiu. Agora não perca mais tempo e vá minha criança, só não esqueça que onde houver luz também haverá sombras. Sempre que seu coração sentir hesitação lembre-se, basta olhar para dentro de si que encontrará a resposta.  

-Adeus e obrigada por me ajudar- Falo para a formosa mulher, apesar de sentir que não seria a última vez que nos veríamos. 

Adeus e boa sorte em sua jornada. 

Deixo meu corpo mergulhar por entre a luz cegante do portal, e rezo para que depois de toda essa tempestade que virou minha vida, o sol volte a reconfortar meu coração.  


Notas Finais


Até o próximo capitulo!


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...