História Sweet Dancer - Capítulo 11


Escrita por:

Postado
Categorias Once Upon a Time
Personagens Anna, August Wayne Booth (Pinóquio), Capitão Killian "Gancho" Jones, Cora (Mills), Daniel, David Nolan (Príncipe Encantado), Elsa, Emma Swan, Henry Mills, Ingrid / Rainha da Neve / Sarah Fisher, Lilith "Lily" Page, Mary Margaret Blanchard (Branca de Neve), Mérida, Milah, Neal Cassidy (Baelfire), Príncipe James, Regina Mills (Rainha Malvada), Robin Hood, Ruby (Chapeuzinho Vermelho), Sr. Gold (Rumplestiltskin), Zelena (Bruxa Má do Oeste)
Tags Drama, Emma Swan, Era Uma Vez, Jennifer Morrisson, Lana Parrilla, Lesbicas, Lgbt, Morrilla, Once Upon A Time, Ouat, Regina Mills, Romance, Swanmills, Swanqueen, Swen, Swens
Visualizações 437
Palavras 4.446
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: LGBT, Romance e Novela, Universo Alternativo, Yaoi (Gay), Yuri (Lésbica)
Avisos: Álcool, Bissexualidade, Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Nudez, Sexo
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


Boa noiteee amores!!! Desculpa a demora maior desta vez, eu estava focada em tirar minha outra fic do Hiatus, rsrs, e também em postar uma nova Morrilla! Mas cá estou agora trazendo a vocês um capítulo lindo e cheio de emoções para nossas meninas! E hoje tem vídeos para vocês lá embaixo nas notas finais, das partes escritas em negrito e com *! Peço que vejam, é importante principalmente o da Pink, para que vocês possam visualizar nosso SwanQueen amado! E importante: visualizem a Emma fazendo o papel do rapaz do vídeo! Muito obrigada por todos os favoritos e lindos comentários! Vcs me incentivam sempre, mais e mais!

Enjoy it! Boa leitura!

Capítulo 11 - A primeira dança


Fanfic / Fanfiction Sweet Dancer - Capítulo 11 - A primeira dança

Ao final da terceira semana de aulas do Curso Intensivo na New York Ballet Company, os alunos estavam eufóricos e muito ansiosos. Já era de conhecimento geral que todos eles, durante o decorrer do Intensivo, iriam participar de inúmeros espetáculos e apresentações, específicos do Curso deles e também com os integrantes oficiais e profissionais da Companhia. E isso era sempre motivo de grande honra e alegria. E, no dia anterior, Zelena e Cora adentraram a sala enquanto eles faziam a aula do professor August, para dar uma excitante noticia.

O primeiro espetáculo o qual eles participariam já estava preparado e pronto para ser coreografa e passado a eles, e já participariam junto com todos os bailarinos oficiais da Companhia. Cora e Zelena fizeram mistérios e disseram que no dia seguinte eles iriam ficar sabendo de tudo, através da professora Mérida, uma das coreógrafas principais deste primeiro espetáculo anual. Isso causou um alvoroço e animação sem limites entre todos, que estavam altamente curiosos para saberem qual seria o primeiro grande espetáculo que iriam dançar.

A New York Ballet Company era famosa por fazer, além dos trabalhos clássicos de ballets de repertório, uma temporada de espetáculos que envolviam temas diferenciados e muitas vezes polêmicos, de autoria da própria academia e de seus mestres e que não eram de ballet clássico, e sim, de jazz, ballet moderno, contemporâneo e estilo livre. Nova York e diversas outras cidades e lugares em que a Companhia levava suas grandes obras aguardavam sempre ansiosamente por estas apresentações diferenciadas. No ano passado, o tema foi o aquecimento global, um espetáculo emocionante onde todos dançavam com o apelo principal de cuidarmos melhor do nosso planeta, intitulado: Nosso Planeta, Nossa Casa. E o tema deste ano seria revelado por Mérida a eles daqui a pouco, enquanto todos a esperavam na sala, sentados ao redor das paredes e conversando de forma animada,  tentando adivinhar o que poderia ser a temática deste ano que os aguardava.

Ao final de alguns minutos, Mérida, a mestra de Jazz Dance entrou na sala seguida de sua esposa Mulan, mestra da parte de Teatro e August, do Contemporâneo.

Todos se levantaram animados. Mérida entrou em seu jeito leve e despojado de sempre: calças jeans rasgadas de cintura baixa, tênis all star vermelhos, um top preto recoberto por blusinha azul solta nos ombros, os cabelos da coloração vermelho fogo crespos compridos e espalhados unidos a sua inseparável tiara verde. Todos a adoravam. A ruiva era a professora mais jovem da Companhia, com apenas vinte e nove anos de idade, e uma das coisas que os alunos mais gostavam em suas aulas, é que o colorido era liberado: collants vermelhos, verdes amarelos, de qualquer cor, assim como shorts ou meia calça. Os cabelos também eram liberados ao gosto dos alunos: coques, rabos de cavalo, tranças, soltos, ou como quisessem usar. Não precisava ter toda a rigidez de uma aula de ballet clássico ao qual já estavam habituados, como o coque das meninas muito bem preparado e sem nenhum fio solto, collant preto, rosa ou bege e meia-calça rosa sem nenhum furo. Sentiam-se mais livres por alguns momentos e isso era muito bom.  Mérida parou em frente a sua sala com Mulan e August um de cada lado, enquanto sorria animadamente para os alunos agora de pé, que lhe sorriam de volta. Via-se nitidamente que Mérida estava totalmente ansiosa e com um brilho intenso nos grandes olhos azuis, louca para revelar o espetáculo a eles. Até suas sardas pareciam brilhar mais.

─ Bom dia, queridos meus! – disse animada e todos responderam.

─ Bom dia! – Em uníssono.

─ Ah, não! – Mérida cruzou os braços em meio a uma cara falsamente indignada. – vocês não estão com a animação necessária de quem está prestes a começar a ensaiar para o primeiro espetáculo da Companhia de Dança mais importante do país! Vamos tentar de novo... BOM DIA CLASSE DA TURMA DO CURSO INTENSIVO! – Mérida berrou, rindo junto com Mulan, August e todos os alunos na sala.

─ BOM DIA PROFESSORA MÉRIDA! HUHUUULLLL!!! – Todos berraram, e Mérida colocou as mãos nos ouvidos e fez um sinal de jóinha representando um “agora sim!”. Todos os encontros com Mérida eram sempre divertidos.

─ Muito, muito melhor... – a ruiva continuou, animada. – agora, vamos ao papo sério, meus amores! Sentem-se! – todos obedeceram, atentos. – As chefas Cora Mills e Zelena já deram a primeira noticia, e eu fiquei com a parte mais legal... vocês querem saber o tema da temporada de espetáculos diferenciados deste ano?

Todos assentiram vigorosamente.

─ Pois bem... – continuou, sorrindo. – o tema deste ano é um assunto que me causa alegrias e tristezas ao mesmo tempo. Alegrias porque o mundo mudou muito e vemos cada vez mais aceitação e liberdade dentro disso que vamos tratar. E tristeza, porque, infelizmente, ainda existe uma parcela de ignorância e preconceito em relação a isso, e, a meu ver, não era para existir mais, nem uma parcela mínima, nem um dedinho a mais! Portanto, amados... o tema deste ano será... a classe LGBT e assuntos relacionados a isso, e sua trajetória de lutas para serem aceitos, suas dores, conquistas, vitórias e amores! – houve um burburinho geral na sala, entre muitos sorrisos, todos pareceram gostar muito, principalmente Killian, que soltou um gritinho alto e até levantou-se para rodopiar e bater palmas. – e o nome do espetáculo será... Mil Cores e Mil Amores! Bem-vindos ao primeiro espetáculo de vocês aqui e á grande responsabilidade de representar um tema tão importante!

─ Quem eu vou poder beijar, professora? – Killian soltou e todos gargalharam.

─ Bom, vamos ver se você consegue conquistar alguém durante o espetáculo, Killian, mas as cenas em si não terão beijo... – Mérida brincou e piscou, e Killian jogou as mãos para o outro em sinal de falsa decepção. – mas continuando... gente, sei que sou uma pessoa que adora ser palhaça, mas agora vou falar sérios com vocês. Quero que vocês se entreguem de corpo e alma para este tema, independentemente se vocês são heteros, gays, lésbicas, bissexuais, simpatizantes, assexuados ou extra-terrestres! Livrem-se de qualquer tipo de preconceito, receio ou muros que possam ter com relação a esse assunto, vamos encarar uma temática que, pode ser séria, mas também pode ser muito alegre e divertida, e neste espetáculo, nós vamos  trabalhar muito isso: diversão, liberdade, soltura, inúmeras expressões, portanto, esqueçam por um momento toda a rigidez que o ballet clássico impõe. Será literalmente, um espetáculo de mil cores e mil amores, e muito, muito brilho e purpurina, minhas crianças! Quem está com a gente? – e apontou para Mulan e August.

Todos aplaudiram muito e assoviaram.

─ Eu trabalharei muito com vocês a parte da expressão corporal e facial especifica para este espetáculo, em grupo e individuais. – completou Mulan, sorrindo.

─ Vamos ter muito do Contemporâneo e Moderno! Aguardem muitas aulas comigo e com a professora Victória. – disse August.

─ E este ano, eu estarei totalmente a frente junto com meus colegas, pois o foco principal da dança será o Jazz! – complementou Mérida, feliz.

A animação foi geral. Estavam todos ansiosos para começar.

─ Bom, meus queridos... – Mérida ia falando, e tirou uma folha de papel escrita da parte de trás do bolso da calça jeans desbotada. Abriu e passou os olhos pela folha, enquanto se dirigia aos alunos novamente. – eu fiz umas anotações aqui, e vamos começar pelo seguinte: um dos atos principais do espetáculo será feito por três pares de duos diferente, que será: um homem e uma mulher, representando um casal hetero, duas mulheres, representando um casal lésbico e dois homens, representando um casal gay. Esta parte será o ápice do espetáculo, pois aqui vamos apresentar os diferentes tipo de amor e o quanto, ao mesmo tempo, eles se tornam iguais no fim das contas. Cada Duo dançará um por vez, depois, os seis juntos representando a união e a quebra dos preconceitos. Eu e minha esposa Mulan andamos observando atentamente vocês durante essas primeiras semanas de aulas, notando suas expressões corporais e faciais, e, durante muitas horas de conversa e análise de todos, nós separamos aqui três pares que acreditamos serem os ideais para fazerem esses papéis juntos...

Neste momento, Fiona olhou diretamente para Regina e quase perdeu o ar. Tinha muitas esperanças de ser escolhida para fazer o par com ela, assim como Tinker também olhou para Emma, achando que poderia ser escolhida também para estar com a loira. Todos os alunos presentes na sala prenderam as respirações e esperavam ansiosos serem escolhidos para dançar parte tão importante do mais novo espetáculo da Companhia.

─... portanto, nós vamos fazer os testes com vocês.  – Mérida deu continuidade. - Eu e Mulan levamos em conta muitas coisas ao analisar, como por exemplo, a combinação, uma aparente química, a entrega e diversas outras coisas. Então, vamos lá... pensamos, para representar o casal hetero, David Nolan e Mary Margareth! – isso não foi novidade para ninguém ali, o casal era maravilhoso junto e todos bateram palmas enquanto os dois sorriram um para o outro e deram-se as mãos. – para representar o casal gay, Killian e Kristoff!  - os dois rapazes piscaram um para o outro, Kristoff, um loiro bonito, também era assumidamente gay e Killian já tinha dado uns beijos nele ano passado. Mais aplausos. – E, para representar o casal lésbico...

Tensão na sala. Quase podia-se ouvir a respiração pesada de Fiona e Tinker, no meio do silêncio.

─ Emma Swan e Regina Mills! – Mérida anunciou, ouviram-se aplausos e assovios estrondosos, vendo-se de forma nitida que todos apoiavam totalmente que o “casal” de mulheres fosse aquele. Killian socou o ombro de Emma no meio de um “Aeeee, sapatão!” e Ruby abriu um sorriso malicioso.

Emma e Regina estacaram onde estavam, como estátuas paralisadas. As bocas em um “O” perfeito e com o coração quase saltando fora do peito. Olharam uma para a outra com a mesma expressão. Ambas estavam geladas.

Fiona quase xingou alto tamanha era a raiva que sentiu, olhou para Emma fuzilando-a, e deu um soco na parede enquanto todos continuavam aplaudindo. Tinker ficou triste, na verdade não por estar apaixonada por Emma, as duas só tinham tido um lance, ficou triste por não dançar essa parte tão importante do espetáculo, mas em compensação, alegrou-se pela amiga, que foi escolhida junto com Regina. As duas dançavam divinamente bem e iriam ficar maravilhosas juntas no palco, tinha que admitir isso. Bateu palmas e assoviou junto com todos. E claro que muitos também estavam bufando e morrendo de inveja dos escolhidos, e não se manifestaram de forma alguma.

Depois de todo o alvoroço das revelações, Mérida retomou a palavra:

─ Muito bem, meus amores! Vamos ao trabalho, todos de pé! Mexam essas rabas! Aquecimento em 1, 2, 3, 4, 5, 6, 7, 8...!

Os jovens bailarinos imediatamente colocaram-se de pé para executar o aquecimento*  ensinado pela professora Mérida na primeira semana de aula e o qual já estava perfeitamente decorado por todos, e assim que a ruiva ligou o som, os alunos entraram no ritmo e do clima da bela música colocando seus corpos a mexer.

─ Explêndido! – continuou Mérida após o término da musica. – excelente! Agora peço a gentileza de vocês todos sentarem-se ao redor da sala e aguardarem um momento até que eu, Mulan e August possamos dividi-los em suas partes. Agora, vamos nos focar rapidamente nos três duetos principais e filmaremos suas danças para posteriormente passar os vídeos para Cora e Zelena.

─ O que? Nós já vamos dançar? E vamos ser filmados? Como assim? – Regina soltou alto e de repente, assustada.

─ Isso mesmo, senhorita Mills! – Mérida lhe sorriu. – mas permita-me explicar como será. Eu vou dar á cada duo uma música já escolhida por mim, minha esposa e August. Vocês terão apenas cinco minutos para conversar e trocar alguma ideia entre si. Não quero nada ensaiado, nada cronometrado. Nós queremos entrega, queremos paixão, brilho nos olhos e improvisação! Queremos que vocês se entreguem aos seus personagens! E para isso, nada melhor do que se entregar ao momento, sem decorar nada, sem amarras, e sem ensaios antecipados.

─ Mas, professora... – Regina ia dizendo, em pânico.

─ Não se preocupe, Regina, eu não mordo... vai dar tudo certo. – Emma surpreendeu a todos ao dizer isso e rir, fazendo todos rirem com ela e deixando uma Regina vermelha e morta de vergonha, fazendo bico.

─ É isso mesmo, não se preocupe, a senhorita Swan não te morderá! – Falou Mérida, brincalhona. E voltou-se para os três pares – Podem conversar com seus pares. Vocês não saberão a música escolhida até o som começar a rolar. Enquanto isso, eu, Mulan e August conversaremos com o restante do grupo! Galera, chega mais! – e chamou a todos com um assovio para juntarem-se aos três professores mais ao canto da sala, enquanto os três pares que iriam se apresentar: Regina e Emma, David e Mary e Killian e Kristoff, ficaram cada um em um local afastado para conversarem.

─ Então... – começou Emma para Regina, dando um sorrisinho sem graça e encolhendo os ombros.

─ Então... que eu não sei quem teve a brilhante ideia de juntar nós duas em um casal gay pra espetáculo! Faça-me o favor! Que absurdo! Nós não combinamos em nada! Será que eu não vou me ver livre de você nunca? – a morena bufou, irritada.

─ Meus Deus, gente, isso tudo é gay panic? – riu a loira e Regina revirou os olhos. – admita Regina, admita que nós temos química e a decisão de sermos um casal lésbico foi unanime por parte do júri! – riu.

─ Você não tem jeito, Swan! Química? Aonde? Eu nem gosto de você!

─ Eu também não gosto de você, mas isso não vem ao caso agora... – Emma sorriu marota. – o que importa é que teremos que fazer isso, você gostando ou não.

─ Vamos logo com isso então, já passou os cinco minutos? Estou louca para ir ver meu namorado e sair daqui... – a morena estava completamente tensa, e Emma percebera isso.

─ Que ansiedade, caramba! Que medo idiota, eu já te falei que não mordo, e seu namoradinho não vai fugir... isso é só um papel, Regina! Aliás, fica tranquila, que não farei nada que você não queira... se não quiser que eu te agarre, não vou te agarrar... – ao ver o sorriso de safada que Emma direcionou a ela, Regina estremeceu e sentiu aquele familiar formigamento no baixo ventre.

─ Acho muito bom mesmo... – balbuciou.

─ Mas falando sério agora... você confia em mim?

─ Porque a pergunta? – olhou-a desconfiada.

─ Só me responda, Regina... confia em mim? – ao ver que Emma realmente falava sério, Regina relaxou um pouco. Por mais que tivesse suas desavenças com a loira, tinha que admitir que uma coisa que Emma levava a sério era a dança, ela sabia e sentia isso.

─ Confio.

─ Ótimo! Pois vou te carregar!

─ Que? – a morena achou que havia entendido errado e ficou nervosa. Agora sim, Emma só poderia estar ficando maluca. – Está doida, garota? Você não tem a força de um homem para fazer carregadas e levantadas, e...

─ Você é menor que eu e leve como uma pluma, acredite, eu consigo...

─ Emma, eu não vou me jogar em cima de você, eu...

─ Eu não vou te deixar cair, Mills. Confia... em mim! – Emma falou pausadamente e olhando muito fundo nas orbes castanhas de Regina, e não teve como a morena não paralisar e mergulhar profundamente no oceano esverdeado dos olhos da loira.

─ Emma...

Emma arqueou uma sobrancelha e cruzou os braços, sem cortar o contato visual. A loira estava muito convicta e passava uma confiança descomunal a Regina. Ela mesma só poderia estar ficando louca de compactuar com aquilo.

─ Está bem! Eu devo estar ficando louca, mas Swan, se você me derrubar, eu juro que...

─ Não vou te derrubar. – respondeu simplesmente e sorriu sincera.

Não deu tempo de Regina revidar mais nada pois a professora Mérida voltava depois de exatos cinco minutos e se direcionava aos três duos.

─ Prontinho pessoal! O resto do grupo sente-se ao redor da sala para assistir. Meio da sala livre, por favor. Primeiro casal a se apresentar: Mary Margareth e David Nolan. Vamos lá, gente! Vocês seis, quero ver dança, muita dança! Soltem-se! Mostrem-nos o que vocês têm! - A ruiva entregou um pen drive para Mulan, que ligou-o diretamente na caixa de som. August preparava o celular para filmar.

Descalços, Mary e David encantaram os corações ao dançarem Impossible – James Arthur *, em uma conexão única e própria que só os dois possuíam. Via-se nitidamente o amor que sentiam um pelo outro esvair-se por seus poros enquanto juntos, dançavam e se entregavam. Por muitas palmas e gritos foram recebidos após apresentarem-se.

O próximo duo a se apresentar foi Killian e Kristoff. Para os dois rapazes, a música escolhida foi uma orquestrada de linha contemporânea* . Dançaram de forma forte e precisa, também descalços, apenas de shorts. A dança foi conectiva e os dois homens conseguiram passar uma imagem excitante de masculinidade e entrega. Foram extremamente aplaudidos.

─ Regina e Emma... por favor!  - Mérida sorriu e chamou as duas garotas para o centro. Inspirando profundamente, as duas se dirigiram para lá, tremendo de ansiedade e nervosismo. Uma mescla gostosa de tensão e excitação tomava conta do corpo das duas naquele momento. Só de pensar em dançar assim, pela primeira vez tão próxima a Emma, Regina sentia um calafrio gostoso lhe transpassar a espinha. Mal sabia ela que a loira sentia o mesmo naquele momento.

─ Descalças também? – Emma perguntou para a morena, já preparando-se para retirar as sapatilhas de meia ponta dos pés.

─ Sim! – Regina respondeu convicta e rapidamente tirou as suas, atirando-as longe, incitando a loira a fazer o mesmo e sorrir. Regina desfez o rabo de cavalo do cabelo e deixou os curtos fios  negros soltos. Emma excitou-se com aquilo e sorriu, deixando o seu cabelo em um rabo de cavalo bem alto. Regina trajava um collant vermelho aberto nas costas, saia curta preta de dança e sem meia-calça. Emma vestia um collant roxo escuro de alças finas, shorts preto colado e também estava sem meia-calça.

Preparavam-se para dançar e se entregar á música, e Mérida, vendo que ambas estavam prontas, soltou o som.

A música era nada mais nada menos que Try, da cantora Pink , uma música forte e poderosa que as duas adoravam. Já ao ouvir o começo dela, sentiram os corações bater mais rápido e tudo ao redor desaparecer, deixando a canção fluir por seus corpos, suas veias, suas almas, e começaram a dançar *...

Emma e Regina conectaram-se de forma imediata, excitante, sensual, linda. Era impressionante como seus corpos pareciam se buscar dentro da música, a querer encontraram-se, de forma natural, harmoniosa, como se tivessem ensaiado aquela dança por muitas e muitas vezes. Sorriam, olhavam-se, perdiam-se uma no olhar da outra, aprofundavam-se, fundiam-se, de forma deliciosa de sentirem-se, e de fazer quem as assistia, sentir também.

Juntavam seus corpos, bailavam no mesmo ritmo, na mesma sintonia. O momento mais temido por Regina, o de deixar Emma carrega-la, caiu por terra ao olhar para os olhos confiantes da loira instigando-a a vir e a se entregar a ela na dança, correu e pulou em seus ombros pela primeira vez. E ali deixou que Emma a conduzisse, e a loira o fez perfeitamente, surpreendendo a morena e a todos na sala com sua força fora do comum . Emma carregava Regina, a rodopiava por seus ombros e a levantava como se nada estivesse acontecendo, como se estivesse carregando uma folha de papel muito leve. As duas não percebiam porque estavam muito entregues ao momento, mas, todos na sala, professores e alunos, possuíam os rostos cobertos por sorrisos maravilhados e palmas eram batidas e gritos e assovios eram ouvidos o tempo todo, a cada movimento harmonioso dos corpos das duas bailarinas. As jovens possuiam os corpos conectados por uma espécie de mágica, onde uma luz imaginária parecia querer uni-las a todo momento, a cada segundo.

Saltavam, rodopiavam, jogavam-se ao chão, na mesma sincronia perfeita, sentiam cada segundo da emoção daquela dança e da música. Grudavam seus corpos querendo fundir-se, e, a cada vez que Emma passava as mãos bailantes pelo corpo de Regina, a morena estremecia e gemia baixinho, e isso não passava despercebido por Emma, que sorria satisfeita. Emma possuía a força de um homem, e carregou Regina e a segurou por diversas vezes mais, e a morena não mais tinha medo de cair, muito pelo contrário, as mãos de Emma lhe passavam segurança, e em seus braços deixou-se ficar sem medo, jogando-se neles muito a vontade pelo resto da dança.

Emma e Regina por vezes ficavam com os rostos extremamente próximo, sentindo a respiração acelerada uma da outra, compartilhando do bater descompassado de seus corações. Algo acontecia ali além da emoção da música e da dança, algo mudava dentro delas, alguma coisa muito forte e poderosa e ambas sentiam isso, e deixavam externar todas aquelas sensações. Em determinado momento, Regina fez um movimento onde deitou-se no chão de barriga para cima e Emma veio por cima dela, e a morena precisou segurar-se para não soltar um gemido alto ao sentir o corpo bem delineado e musculoso da loira roçar e passar por sobre o seu, enquanto, no ritmo da dança, Emma ia descendo e passando de leve os lábios perto de sua pele. Toda a dança que executavam possuía uma mistura deliciosa e bela de sensualidade e emoção a flor da pele. Era uma coreografia intensa, forte, e de certa forma, poderosa.

Ao final, depois de muito entregarem-se de corpo e alma naquele momento único, a dança terminou com Emma pegando Regina no colo e a morena aninhando-se a seu pescoço, grudada nela. Regina desceu e fingiu que iria embora, e Emma encenou um movimento sofrido, até que, para o grand finalle, Regina virou-se inesperadamente e voltou correndo para os braços da loira, atirando-se em cima dela, com as pernas abertas e presas em sua cintura e os braços ao redor do seu pescoço, e Emma a recebeu, abraçando-a bem apertado e colada ao seu corpo.

Assim finalizaram a belíssima coreografia que criaram e improvisaram, abraçadas, o peito arfando, suadas e com um turbilhão de emoções indecifráveis gritando dentro de si. E, enquanto ainda perdidas uma na outra, sentindo seus corpos colados e de olhos fechados, respirando descompassadamente, aplausos estridentes e muitos gritos de loucura eram ouvidos ao seu redor. Todos estavam maravilhados com o que acabaram de ver. Fiona saira da sala no meio da coreografia, praticamente chorando de raiva.

Depois de longos segundos, Emma delicadamente colocou Regina no chão, mas ainda não desgrudaram os olhares, perdidos uma na outra, em outro mundo. Somente saíram de seus devaneios ao escutarem a voz forte e feliz de Mérida.

─ Eu posso dizer com toda certeza... – ia dizendo a ruiva, e ela, Mulan e August possuíam os olhos marejados, assim como muitos na sala. Realmente havia sido uma apresentação emocionante. – que nunca vi um duo dançar com tanta química e tanta energia, tanta emoção, como vi vocês duas agora! Eu presenciei uma cena maravilhosa de encher os olhos! Vocês entregaram-se com a alma, e era exatamente isso que eu queria sentir! – todos aplaudiram e gritaram novamente. – parabéns, meninas, parabéns! E por favor... quero que guardem bem o que fizeram nessa coreografia, pois vou usa-la de forma integral, se adaptar, será coisas mínimas!

Emma e Regina agradeceram e sorriram, mas possuíam os rostos vermelhos por uma certa timidez que as acometeram. Não conseguiam olhar uma para a outra depois do que acabara de acontecer e depois de toda aquela emoção confusa que ambas sentiram ao dançar juntas.

─ E, senhorita Swan... –agora foi a vez de August se manifestar, curioso. Emma o olhou. – agora, me diga uma coisa porque estou muito curioso, assim como todos nesta sala, garanto... de onde tirou toda essa força para carregar e rodopiar a senhorita Mills desse jeito?

Todos olharam Emma, curiosos por sua resposta. A loira realmente surpreendeu a todos com isso.

─ Bem... – Emma começou a responder. – além da dança, eu praticava, na minha cidadezinha natal, aulas de Muay Thay e Judô. Também adoro a parte de lutas e as adicionei na rotina desde os onze anos de idade três por semana no clube da cidade. Foi onde adquiri muita força. Só parei com essas aulas ao me mudar para cá.

Todos assentiram, maravilhados, e Regina olhou para Emma, não escondendo um sorrisinho de canto. Isso muito explicava a definição muscular da loira. Com o ballet, você adquiria uma boa definição, mas nitidamente os desenhos musculares de Emma continham resultados de algo a mais. Eram diferentes e davam um ar extremamente sexy.

─ Regina, eu já vou avisando que só empresto a minha loira desta vez, hein? Não é porque Emma tem força de homem que ela vai passar a fazer esse papel, lembre-se que ela ainda é minha partner principal e sou eu quem a carrego! – Killian gritou do canto da sala, rindo, e todos o acompanharam na risada, inclusive Regina.

Assim, a professora Mérida finalizou o período daquele dia deixando o grupo que iria dançar outras partes a encargo de Mulan e August, enquanto ela começava a organizar a coreografia que iria juntar os três duos, no final daquele ato, após cada um dançar com seu par separadamente. A música ainda não estava definida.

Ao saírem da sala, Emma e Regina ainda estavam tímidas uma com a outra. Ambas ainda não conseguiam entender aquele momento que viveram. Quando  finalmente conseguiram se olhar, Emma falou, nervosa e mordendo o lábio:

─ Então... acho que nos saímos bem, hã?

Regina tinha que admitir que gostava muito do jeito de Emma quando esta ficava vermelha e sem graça. Achava fofo.

─ Sim... podemos dizer que sim.

─ Então, agora que já dançamos juntas... você passou a me detestar menos?

Regina fingiu pensar e riu.

─ Bom... já que você não me deixou cair como um saco de batatas... posso dizer que eu já te detesto um pouco menos. Mas não se acostume, Swan.

─ Que honra, Mills! – sorriu travessa. – pois eu arrisco mesmo  dizer que até já gosto um pouquinho de você...

─ Eu não disse que gostava de você... disse que te detesto um pouco menos... – arqueou uma sobrancelha.

─ Admita que o seu ódio está quase virando amor...

─ Eu tenho que escutar isso...

─ Admita, senão eu faço cócegas em você enquanto dorme...

Regina acabou não resistindo e começou a gargalhar do jeito criança da loira.

─ Tchau, Swan! – e virou-se ainda rindo, sumindo pelos corredores da Companhia.

─ Tchau, Mills... – Emma respondeu baixo e distraída, olhando fixamente para a bunda avantajada de Regina, que rebolava até sumir de vista.

 

 

 

 

 

 

 

 


Notas Finais


O que acharam das nossas garotas dançarem juntas??? Não dá pra suspirar??? Comentem, meus amores! E não deixem de acompanhar minhas outras fics, Doces Desejos (Que acabei de tirar do hiatus) e a minha mais nova Morrilla, Entre Flores e Espinhos! E claro, as minhas terminadas e ones também rsrs! Corram lá no meu perfil e peguem todos os links, amores!

Um beijo grande e até o próximo!

Links dos vídeos:

Aquecimento da aula: https://www.youtube.com/watch?v=gnShYclU4pM

Dança da Mary e David: https://www.youtube.com/watch?v=g6EJA6KZzAw

Dança do Killian e Kristoff: https://www.youtube.com/watch?v=KEJsUTRBWCI

Dança da Emma e Regina: https://www.youtube.com/watch?v=LVt72YWlcFA


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...