História Sweet Desires - Capítulo 19


Escrita por: ~

Postado
Categorias Once Upon a Time
Personagens Mary Margaret Blanchard (Branca de Neve), Regina Mills (Rainha Malvada), Robin Hood
Tags Outlaw Queen, Outlawqueen, Regina Mills, Robin Hood
Visualizações 216
Palavras 3.183
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 16 ANOS
Gêneros: Romance e Novela, Universo Alternativo
Avisos: Linguagem Imprópria
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


Olha quem voltou hahahah. Esse capitulo é cheio de emoções, por isso espero que vocês gostem! E segundo o meu cronograma ele é realmente o penúltimo capitulo, então ...

Abraços

Capítulo 19 - A Final - part 2


Fanfic / Fanfiction Sweet Desires - Capítulo 19 - A Final - part 2

Focado na imagem projetada a sua frente, ele percebeu que suas lembranças não faziam jus ao quanto a mulher de estatura mediana e cabelos negros era realmente bonita. Em silencio ele deixou os olhos percorrerem todo o corpo dela, numa tentativa de memorizar os detalhes, que pareciam ter se esvaído da memoria que ele carregava dela. Nesses milésimos ou quem sabe segundos, as sinapses em seu cérebro foram todas ativadas e o corpo dele começou a reagir, o coração disparou no peito, a respiração se tornou errática, e os braços se moveram sem a autorização dele, na direção dela. Queria toca-la.

“Robin”

Ouvir o seu nome ser chamado por uma terceira voz o despertou do que parecia ser um momento de hipnose. O tempo que parecia esta em suspensão voltou a correr normalmente, e de repente era como se ele tivesse voltado ao controle de suas ações. Tentando balancear a irritação e o alivio por alguém ter interrompido momento, ele se virou em direção a voz e encontrou Amber, uma das assistentes de produção.

“Nós precisamos ir!” Ela disse conferindo algo no Ipad que carregava sempre consigo, e quase não notando a presença de Regina.

“Tudo bem.”

“Por aqui!” Ela seguiu em frente e Robin a acompanhou. Antes de sair do corredor no entanto, ele olhou uma ultima vez sob os ombros e viu que Regina permanecia na mesma posição desde o momento que ele havia dito o nome dela.

Cerca de quinze minutos mais tarde, Amber posicionou Robin do lado esquerdo de Paula, e comunicou que logo eles começaram a filmar. A gravação do ultimo programa havia sido dividida em duas parte. A primeira aconteceria no estúdio 5, uma vez que foi nesse estúdio que a produção conseguiu montar de forma mais dinâmica a estrutura com fogões, geladeiras, fornos e tudo mais que fosse necessário para a ultima prova. Essa primeira parte, também seria gravada com mais ou menos algumas horas de antecedência.

No estúdio 8, aconteceria a segunda parte do programa. Nesse estúdio, a produção do programa havia organizado arquibancadas a fim de acomodar os parentes e amigos dos três finalistas, alguns figurantes, e é claro todo os participantes que já haviam sido eliminados. Essa parte do programa seria ao vivo, assim aumentaria mais adesão do publico e consequentemente o engajamento deles a respeito de quem venceria aumentaria o ibope.

Robin estava tão distraído repassando os acontecimentos de minutos atrás em sua mente, que se quer se deu conta de que alguém estava falando com ele, apenas quando sentiu alguém toca-lhe no braço é que voltou sua atenção ao momento presente.

“Sim?” Ele disse olhando para Paula que o encarava com um sorriso no rosto e um olhar divertido.

“Você ouviu alguma palavra do que Amber te disse nos últimos dois minuto?” Ela perguntou.

“Não.” Ele disse com um sorriso que deixava implícito o pedido de desculpa. “Eu estava distraído.”

“Nós percebemos! Enfim, ela só estava repassando algumas instruções que eu sei que você decorou, e se não tiver decorado é só fazer o que eu faço.”

“Então eu preciso arrumar minha franja a cada cinco segundos?” Ele perguntou em tom de deboche e movimentou a mão nós cabeços imitando algo que observou que ela sempre fazia.

“Engraçadinho você  -ela disse rolando os olhos- vamos ver se esse humor se mantem quando Regina chegar aqui.”

“Aqui?”

“Ah! Esqueci que você não estava prestando atenção – O tom de voz de Paula era levemente tingido pela ironia- Ele estão movendo os ex-participantes para cá. Querem que eles nos ajudem a ‘avaliar’ os finalistas.”

“Ok.” Ele concordou em um quase sussurro.

 De repente era como se todos os seus sentidos estivesse em alerta, os olhos começaram a varrer constantemente o ambiente a procura de qualquer mínimo sinal de que ela estava presente. Quando finalmente a viu caminhando junto aos outros participantes, todos vestido com dolma, o corpo dele tencionou, e ele desejou mais do que qualquer coisa que as próximas horas passassem voando.

-x-

Regina entrou no estúdio onde os três finalistas assim como os jurados aguardavam pelo sinal de que as filmagens iriam começar, e sentiu algo que até então, desde sua eliminação ela não havia sentindo, magoa.  Sentiu a tristeza rastejar sob sua pele, ao olhar os três finalistas, e pensar que se fosse em outras circunstancias, ela poderia perfeitamente ser um deles. Respirando fundo, e fechando os olhos, ela tentou afastar esses sentimentos negativos, não queria deixa-los corroê-la, não naquele momento.

“É tão bom ver você, eu estava com saudades!” Ariel disse abraçando Regina de repente, e as palavras transmitiam tanta verdade, que o coração da morena bateu mais forte.

“Eu também senti!” Regina disse sorrindo e abraçando de volta a amiga, num gesto que ela esperava transmitir tanta verdade quanto havia sentido.

Ethan pediu para que fizessem silencio, e indicou com os dedos a contagem regressiva de cinco segundos, dando assim inicio as gravações. Regina sentiu a respiração engatar, e desviou os olhos atentamente até os jurados.

Giuseppe iniciou a prova com um pequeno discurso de parabenização aos finalistas e logo em seguia o estendeu a todos os participantes. A comoção tomou o ambiente, e antes que qualquer outro jurado pudesse dizer algo uma salva de palmas pode ser ouvida. Segundos mais tarde, Robin tomou o controle da situação e comunicou aos três finalistas que antes das provas em si, eles passariam por um desafio, que daria vantagem a um deles na primeira prova.

O desafio era sobre precisão, Ruby, Marian e Daniel, precisaram separar ingredientes como açúcar, trigo, chocolate em pó e outros em quantidades exatas estipuladas pelos jurados, sem qualquer utensilio, ou seja, sem balanças, xicaras, copos ou qualquer outra coisa. A única ferramenta que os finalistas tinham a sua disposição era o olhar e a experiência.  

Ruby foi a que mais se aproximou das quantidades estipuladas, e Regina vibrou de felicidade de onde observava  a prova pela amiga. Após o desafio, Paula começou a discorrer sobre a primeira prova, que consistia basicamente em três caixas surpresas. Dentro de cada caixa havia uma quantidade x de ingredientes, e eles variavam  nas três caixas. Os participantes deveriam ser capazes de produzir uma sobremesa que pudesse ser usada no cardápio de um restaurante 4 estrelas usando apenas os ingredientes dessa caixa.

A vantagem de Ruby, por ter ganho a prova, era de poder olhar quais eram os ingredientes de cada caixa, e optar por aquela que ela acreditava ser a caixa com os melhores ingredientes. Depois de Ruby escolher a sua caixa, os outros dois participantes tiveram a oportunidade  escolher e então o tempo de prova foi dado.

Ao final de uma hora e meia os jurados se reuniram frente aos finalistas para provarem. O Verrine de Ruby com creme pâtissière saborizado com café,  creme pâtissière com estrato de baunilha,  e por ultimo o creme de laranja, feito com a laranja sanguínea e marzipã, foi o ganhador. Incialmente os jurados duvidaram um pouco da receita dela, pela combinação de sabores, mas no fim o amargor do café com o azedo da laranja harmonizou tão bem que não teve como outra sobremesa ser a escolhida.

A decisão para a ultima vaga na final ficou então entre Daniel e Marian. Em silencio Regina rezou para que Daniel levasse a melhor, mas não deu muito certo e Daniel acabou sendo eliminado.  Ele agradeceu aos jurados pela oportunidade, e começou a caminhar em direção aos participantes eliminados para que pudessem acompanhar a final. No meio do caminho, no entanto, ele foi atingindo por Regina, que se jogou nos braços do amigo dizendo o quanto esta orgulhosa dele. Robin que acompanhava tudo de longe sentiu a raiva varrer-lhe o corpo, afinal Regina parecia ter dificuldade apenas de falar com ele, uma vez que com os amigos tudo parecia perfeitamente normal.

-x-

Diante da plateia, Robin sentia como se ao invés de horas, dias tivessem passado desde o inicio da gravação daquele ultimo episodio. Ele e os outros jurados estavam a postos esperando o envelope com o resultado chegar, e então anunciar a grande vencedora. A prova tinha sido acirrada, ambas cometeram erros que ninguém esperava que confeiteiras que chegaram até a final de um programa como aquele cometessem. Mas todos sabiam que era a pressão extra que a final colocava sobre os ombros delas.

As competidoras precisaram montar uma mesa de doce para uma data especial, que podia ser de um noivado a um aniversario infantil, a mesa devia ter pelo menos 4 tipos diferentes de doce, sendo um desses  feitos sem açúcar e lactose. E também precisavam alimentar cerca de oitenta pessoas. Elas tinha direito ainda a uma ajudante, podendo assim escolher qualquer um dos ex-participantes.

Não foi surpresa para ninguém quando Ruby escolheu Regina para ser sua ajudante. Além de boas amigas, as duas tinham uma sincronia maravilhosa na cozinha e, portanto, trabalhavam muito bem juntas. Regina agarrou a oportunidade como uma forma de se redimir em relação a sua eliminação.

“Boa noite America, convidados, participantes e finalistas - Paula saudou a todos quando recebeu um sinal de Ethan que dizia que eles estavam no ar – Depois de um trajetória paradoxal, que em alguns momentos pareceu tão efêmera, e em outros pareceu tão infindável, nós do Sweet Desires, temos o orgulho e satisfação de dizer que já temos o nome da ganhadora, no entanto, gostaríamos de  fazer alguns agradecimentos antes.

“Gostaríamos agradecer primeiramente a produção, que idealizou esse projeto e se permitiu arriscar. Gostaríamos de agradecer a oportunidade de ter participado dessa experiência e termos com ela aprendido muito, tanto no nível profissional quanto no nível pessoal. Gostaríamos de agradecer a todos que nos acompanharam nessa jornada, e que de certa forma nos permitiram fazer parte de suas vidas. Gostaríamos por fim, de agradecer a todos os participantes que fizeram dessa aventura e que nos deram muito mais do que podem imaginar” Robin disse a ultima frase de seu discurso olhando na direção da Regina, certificando-se que ela entendesse o que estava nas entrelinhas daquela frase.

Após o discurso de Robin um breve vídeo com lembranças dos melhores momentos passou no telão, ao fim uma salva de palmas se espalhou pelo ambiente, e era possível ver algumas pessoas enxugando discretamente as lagrimas que corriam pelo rosto. Alguns participantes se abraçaram e riram comentando sobre os momentos que haviam acabado de assistir.

“Bom, sem mais delongas vamos ao nome da vencedora da noite e do prêmio de primeira Confeiteira amadora do Sweet Desires.”

“ A vencedora da primeira edição do Sweet Desires é ....”

“RUBY!” Os três jurados disseram ao mesmo tempo, e então o ambiente explodiu em uma algazarra de comemoração. Serpentinas e confetes caíram do teto, e os participantes eliminados invadiram o palco para abraçar a amiga.

“Eu estou tão feliz por você!” Regina disse em meio as lagrimas quando finalmente teve a oportunidade de abraçar a amiga.

“Esse prêmio é nosso Nina.”

-x-

Situado 57 East 57th street, ou se você preferir o nome popular Billionaire’s Row, o Four Seasons, um dos melhores hotéis de Nova York, estava pronto a receber todos os convidados para a after party do Sweet Desires. O ambiente reservado para a recepção começava a encher aos poucos com os convidados, que iam desde pessoas comuns, como os parentes dos participantes, a astros do cinema e da música.

Regina recebeu uma mensagem logo após deixar os estúdios de Rebecca, dizendo que tanto ela quando Mary já estavam no hotel. Por isso ao chegar à recepção ela pediu desculpa a Ariel e Ruby, deixando-as para poder ir procurar as outras duas amigas.

 “Nina!!!!!!” Regina ouviu a voz de Rebecca e quando virou na direção da voz, viu a amiga caminhando rumo a ela segurando dois copos.

“Serio? Dois copos?” Regina perguntou rindo.

“Um é pra você babe – a ruiva disse estendendo o copo na direção da amiga – Sex on the beach.” Ela disse em um tom mais alto do que o seu tom de voz normal rindo.

“Quantos desse você já bebeu?”

“Um dúzia, eu acho.” A ruiva respondeu dando de ombros

“Serio? Você deixou ela beber tudo isso em o que?  Vinte minutos?”

“Ela é maior de idade e vacinada!” Mary respondeu rolando os olhos.

“Você esta parecendo a minha mãe, quando eu tinha quatorze anos – Rebecca respondeu fazendo uma careta-  hoje é noite de extravasar, relaxa um pouco, beba e se divirta e depois que sabe você pode fazer sexo selvagem com o seu cozinheiro gostosão.”

“Urg! Cala a boca!” Regina disse rindo, e então as outras duas caíram na risada com ela.

Entre uma bebida e outra, a noite passou quase que num piscar de olhos. Regina se divertiu como há muito tempo não fazia. Ela apresentou Mary e Rebecca aos amigos que tinha feito durante o programa, e eles rapidamente se conectaram. A conversa entre eles fluía de tal forma que parecia que eles se conheciam a muito mais tempo do que apenas um par de horas.

“AH! EU AMO ESSA MUSICA! VAMOS DANÇAR!” Rebecca gritou por cima do som alto que o Dj mixava e puxou Regina e Ruby pelas mãos. Mary e Ariel seguiram atrás das três e as cinco se misturaram as outras pessoas que estavam na pista de dança.

Regina estava um pouco alterada pela bebida, e pela euforia que a noite havia construído nela. Ela movimentava o corpo na pista de dança no mesmo ritmo da batida da musica que estava sendo tocada. Sentia-se livre. As mãos da morena hora eram jogadas pro ar, e hora corriam pelo seu próprio corpo sem nenhum pudor. De olhos fechados, ela só se deu conta de que não estava mais dançando sozinha quando mãos masculinas a seguraram pelo quadril.

Não precisou abrir os olhos para saber de que eram aquelas mãos, o arrepio que correu pelo  corpo dela em reação ao toque lhe deu a resposta. Ela sentiu a respiração dele no seu pescoço, e precisou segurar o gemido que queria lhe escapar.

“Você esta linda essa noite.” Ele disse dando um rápido beijinho do pescoço dela

“Robin, não ... isso é errado” Ela disse com  a respiração pesada, tentando esconder o desejo de que ele continuasse ali.

“O programa acabou.”

“Eu sei, mas...”

“Nós precisamos conversar!” Ele disse virando-a em seus braços, fazendo com que ela ficasse de frente para ele.

“Sim” Ela disse de repente perdida no olhar dele.

“Vem, eu tenho uma suíte reservada aqui. Vai ser melhor conversamos em privado.”

“Tudo bem.” Ela concordou e se permitiu ser levada por ele até o quarto dele.

A suíte de Robin era uma das mais luxuosas que Regina já havia visto. Tudo parecia tão limpo e caro, que ela se recusava a tocar em qualquer coisa ali com medo de quebrar. A primeira coisa que Robin fez quando entrou no quarto foi se livrar do paletó e abrir alguns botões da sua camisa. Regina que acompanhava tudo em silencio sentiu a respiração engatar em expectativa.

“Eu não posso esperar mais.” Robin disse avançando em direção a Regina.

Ele segurou o rosto dela entre suas mãos, e os lábios dos dois se encontraram em um ato quase desesperado. Devoravam a boca um do outro, como se suas vidas dependessem daquilo. Uma das mãos de Robin deixou o rosto dela, e desceu em direção a cintura da morena, puxando o corpo dela para mais perto do seu. A resposta de Regina a tal ação foi um gemido sufocado.

Quando eles se separam a respiração de ambos era ofegante, e um sorriso satisfeito se espalhou pelo rosto dos dois. Robin riu e puxou Regina para si novamente, mantendo-a presa em um abraço.

“Eu senti sua falta” Ele disse e beijou a testa da morena.

Abraçados eles se sentaram no sofá que havia numa espécie de antessala, em silencio eles esperaram a respiração normalizar. Precisavam conversar, ambos sabiam disso, mas enquanto o silencio era o ator principal daquela cena, eles tentavam dizer com carinhos o quanto haviam sentido falta um do outro.

“Nina, por que você nunca me respondeu?”

“É complicado.”

“Regina...”

“Você precisava focar no programa, eu já havia sido eliminada e ficar longe de você já doía o suficiente, eu não podia lidar com ter você na minha vida naquele momento.”

“Sobre sua eliminação, o que aconteceu naquele dia? Quero dizer, você sabia fazer aquela receita você já havia feito-a quando estava lá na fazenda. E porque você escolheu a Marian naquele dia como sua dupla, quando era perceptível que vocês não se davam bem.”

“Robin, eu .. quer dizer.. é ...”

“Nina a verdade!”

“Tudo bem - Respirando fundo, ela saiu do abraço de Robin e se virou na direção dele – Naquele dia que fomos ao Pub, Marian nos viu no banheiro. Quando chegamos na fazenda ela veio me confrontar. Ela acreditava que com o fato de estarmos juntos eu estava tendo alguma vantagem. Então, ela me fez escolher  entre você e a competição.”

“Regina... você esta me dizendo que você provocou a sua saída do programa?” O tom de voz de Robin mudou de repente, e a morena não conseguia identificar qual era o significado daquilo.

“Sim, quero dizer, eu podia ter escolhido a competição e ter dito a ela que tudo entre nós estava acabado, mas você não aceitaria o fim, e eu não conseguiria lutar contra você, eu acabaria cedendo. E ninguém podia me garantir que mesmo terminando com você ela não faria alguma jogada tentando de descredibilizar. E Robin, eu sou só um garota do interior, e você ... bem, você é um confeiteiro renomado com uma reputação a zelar.”

“Eu não acredito que você fez isso! Porra Regina nós tínhamos um acordo,  um acordo que você estipulou! Se algo assim acontecesse nós resolveríamos juntos! Como um casal. Mas então na primeira ameaça você pula na frente do trem e tenta para-lo sozinho.”

“VOCÊ ACHA QUE FOI FACIL?VOCÊ ACHA QUE E QUIS ISSO?” Regina de repente sentiu todos os sentimentos que vinha sufocando desde a eliminação explodirem em seu peito. “ Você acha que eu realmente quis arruinar a única chance que me colocou incrivelmente perto de realizar meu maior sonho?”

“Nós deveríamos ter resolvido isso juntos porra!”

“Não dava tempo Robin, eu não podia marcar um chá da tarde com você, e pedir pra você analisar a situação e tentar resolver.”

“Você não confiou em mim.”

“Não era questão de confiança, que merda!” Os dois se encaravam com fúria, mas um olhar mais atento seria capaz de perceber que atrás de toda essa raiva havia magoa e tristeza no olhar dos dois.

“Eu não sei se posso lidar com isso” Ele disse após um tempo de silencio.

“O que você quer dizer?” Ela disse sentindo as lagrimas pinicarem no canto dos olhos.

“Eu preciso de um tempo para pensar.”

“Você esta terminando comigo?” A voz de embargou devido ao choro entalado na garganta.

“Não se pode terminar algo que nem começou.” Robin disse e caminhou em direção ao banheiro fechando a porta atrás de si.

Uma Regina atônita permaneceu no centro da sala, com o rosto banhado em lagrimas tentando processar o que havia acontecido.

-xx-



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...