História Sweet Revenge - Capítulo 10


Escrita por:

Postado
Categorias Os Heróis do Olimpo
Personagens Afrodite, Annabeth Chase, Apollo, Artemis, Atena, Bianca di Angelo, Calipso, Charles "Charlie" Beckendorf, Connor Stoll, Dakota, Grover Underwood, Hazel Levesque, Jason Grace, Leo Valdez, Luke Castellan, Nico di Angelo, Octavian, Percy Jackson, Piper Mclean, Reyna Avila Ramírez-Arellano, Silena Beauregard, Thalia Grace, Travis Stoll, Will Solace, Zeus
Tags Annabeth, Charles, Jasiper, Leo, Leyna, Percabeth, Piper, Reyna, Silena, Voltaporcima, will
Visualizações 32
Palavras 1.635
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 16 ANOS
Gêneros: Aventura, Comédia, Ficção Adolescente, Romance e Novela, Universo Alternativo
Avisos: Álcool, Drogas, Heterossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Spoilers
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


Oi gente.
Sei que demorei, mas eu estava de mudança, e tava com bloqueio, mas do nada veio criatividade, e então o capítulo tá pronto. 
É pra compensar a demora, esse CAP tá grande. 
Ps. :Sem banner porque tô celular.
Ps não consegui pensar num título de capítulo melhor
Ps: Isso é irrelevante, mas alguém quer ser minha amiga? Minha melhor amiga me abandonou por macho, e eu sempre pedir a opinião dela sobre o que achava, então não sei se esse cap tá bom. Pra mim tá, mas ela sempre dizia sim ou não pra postagem =1

Capítulo 10 - Nunca prometa bêbada


JASON

Raiva. Era tudo o que eu sentia naquele momento. Raiva de mim mesmo por acreditar que Piper teria voltado por mim. Raiva do sorriso de vitória que Ethan exibiu quando a beijou.

Aperto o volante até os nós de meus dedos ficarem brancos. A imagem dela o beijando estava fixa em minha mente. Tudo o que eu queria voltar e quebrar a cara daquele desgraçado.

Soco o volante repetidas vezes tentando acalmar a minha mente, o que não estava dando muito certo. Eu realmente precisava me acalmar.

O Bluetooth do carro começou a tocar, piscando o nome de Percy na tela. Sem vontade alguma de conversar com o mesmo, recuso sua chamada. Em menos de um minuto, ele liga novamente.

Conhecendo Percy, saberia que, se não atendesse logo, o mesmo ficaria ligando-me até atendê-lo.

— Percy, não estou com cabeça... – digo assim que o atendo.

— Diga que ela esta com você! – Escuto a voz no outro lado da linha

Volto a olhar para a tela verificando o número da tela. Estranhando que o nome que estava na tela era de Percy, mas a voz que tocava no auto-falante era feminina.

— Desculpe... – Digo confuso

— Não se faça de burro, Jason – a voz do outro lado diz – Piper está com você?

— Antes de tudo, não sei quem é você, mas gostaria de receber respeito – digo revirando os olhos – E não, ela não está comigo. Porquê estaria?

— Ela foi atrás de você, fomos atrás dela, mas não estamos encontrando-a – A garota diz. Paro o carro rapidamente, prestando mais atenção no que ela diz. – Escute, Jason, se Piper se machucar novamente por sua culpa, eu acabo com sua chance de ter filhos.

— Annabeth, o que quer dizer com isso? – Pergunto preocupado, e também torcendo para que tivesse acertado a garota que conversava comigo.

— Piper se machucava depois de tudo que fez a ela – Meu coração parou um segundo quando escutei o que ela disse, mas não era isso que eu estava preocupado. Não nesse momento. Me preocuparia com isso depois.

— Não é isso, Annabeth – Exclamo – Como assim ela foi atrás de mim?

— Ela falou que você não poderia ir embora sem ouvir poucas e boas dela – Ela suspira do outro lado da linha.

— Até onde procurou? – Pergunto dando a volta com o carro.

— Em toda a casa – Diz ela – Percy está comigo procurando nas ruas, andamos umas três quadras atrás dela.

— Estou voltando – Exclamo acelerando um pouco o carro.

— Jason, eu estou preocupada. Piper está andando pela rua sozinha, eu estou com medo que algo aconteça a ela. – Escuto sua voz embargada – Piper nunca bebeu na vida. Ela devia estar realmente mal.

— Nada vai acontecer com ela, esta bem? – Afirmo rezando para que seja verdade. – Eu não vou deixar.

— Eu te odeio, mas obrigada. – Ela diz, e logo em seguida desliga o celular.

Diminuo a velocidade quando estou chegando na casa de Piper. Estaciono o carro algumas quadras antes, para ficar melhor de procurá-la.

Começo a procurá-la, em qualquer espaço que poderia encontrá-la, sem sorte alguma.

Já estava irritado e preocupada de não achá-la, mas não iria desistir, nem que eu ficasse a noite toda procurando-a.

Já havia passado pela sua cara três vezes, na rua de trás cinco, nas laterais já havia perdido a conta. Derrotado, sigo em direção ao carro para ligar pra Annabeth.

No caminho, chuto um pequena pulseira prateada. Pego-a e vejo que seus pinjentes são os idênticos que havia dado para Piper, não só idêntico, como são os mesmos.

Olho para o lado, e vejo entre os arbustos uma luz entre eles.

Entro no meio dos arbusto, e encontro Piper sentada no chão, abraçada com suas pernas, chorando com a cabeça apoiada em seus joelhos, seu celular acendia e apagava como se avisasse a mesma que ela estava recebendo um chamada.

— Piper... - Digo com cautela.

—Por quê...? - Escuto-a sussurrar

— O que...? – Pergunto confuso

— Por que fez aquilo comigo? – Diz ela triste – Por que brincou comigo?

— Piper... eu... – Abro a boca varias vezes, mas nada saia. Eu não sabia o que dizer. – Sinto muito...

— Não, você não sente – diz ela com voz de choro – Se sentisse, não teria brincado com o meu coração.

— Eu não queria fazer aquilo... – digo-lhe

—Então por que fez? – Ela soluça

— Porque eu fui um idiota – Exclamo passando a mão em meus cabelos, claramente eu estava nervoso. – Eu deixei a popularidade e um rabo de saia me manipular. Se eu soubesse que iria me apaixonar por você, eu nunca teria feito isso, Piper. Eu nunca iria lhe magoar, e eu não vou, não mais.

— Se não quer me machucar por que esta com ela então? – Pergunta ela.

— Com quem? – Pergunto confuso.

— Ray... – Ela soluça – na.

Ajoelho-me em sua frente, com dois dedos, levanto sua cabeça para me encarar. Seus olhos estavam vermelhos, pelo choro, mas levemente ‘fora do ar’ por causa da bebida. Tento tirar um fio de cabelo que estava em seu olho, mas ela vira a cara.

— Você já fez sexo com ela? - diz ela seria. Arregalo os olhos '

— Eu não vou responder essa pergunta. - digo sério.

— Tudo bem, eu sei a resposta - ela sorri triste.

— Piper... - começo mais ela me interrompe.

— Responda porque está com ela. – sussurra ela

Respiro fundo me preparando pra historia que eu iria contar, esperando que Piper acredite em mim. Como contar que seu pai manda em sua vida, mesmo quando você esta prestes a ser maior de idade?

Pelo canto do olho, vejo seu celular tocar novamente. Pego-o na mão vendo o apelido de Annabeth na tela. Sem pensar duas vezes, atendo-a

—Piper, onde você está? - Escuto sua voz soar assim que atendo.

— Não se preocupe. Ela está comigo. Encontrei algumas quadras antes de sua casa - respondo-a - Vou leva-lá para casa, mas preciso que você tire o convidados de lá. Não vai querer que eles a vejam assim.

—Tudo bem - Escuto a suspirar - Escuta Jason, se fizer algo com ela, arranjo suas bolas!

—Não vou fazer nada - Digo firme - Eu juro.

Desligo o celular, e coloco o em meu bolso. Volto a olhar para Piper, vendo que a mesma encaravame com pena. Suspiro vendo a mesma encarar o machucado que estava em minha boca, como se a culpa fosse dela.

— Não foi sua culpa - Digo a verdade. Realmente não era dela. - Assim como não é minha culpa estar com Reyna.

— Mas como você é um filho da... - Começa ela, mas acabo interrompendo-a

— Antes de xingar minha mãe e tirar conclusões precipitadas, me escute, ok? Me prometa que vai me escutar - Explico. Ela apenas balança a cabeça em concordância. - Bom, por onde começar...

— Começo já é um começo - Ela diz rindo.

— Certo. Começo. - Suspiro. - Eu gosto de Reyna...

— Eu não entendo Jason - Ela diz atrapalhando-me - Você diz que gosta de mim, e que quer ficar comigo, mas agora está dizendo que gosta da Reyna...

— Você prometeu me escutar!- Afirmo. Ela apenas revira os olhos - Eu gosto dela, mas não dá mesma maneira que gosto de você. Eu gosto dela como melhor amiga, porque é o que ela é pra mim, mas pra ela é pros nossos pais não.

"Sei que Reyna gosta de mim, e eu fico triste por isso, mas não estou com ela por escolha minha. 
Nossos pais são donos de grandes empresas, e meu pai sempre quis se juntar com a empresa do pai dela, porém Sr. Ramírez só aceitará se juntar a empresa do meu pai, se de alguma forma eu me juntasse com a filha dele.

Entende agora Piper? Eu não estou com ela porque quero, estou com ela pra ajudar na empresa do meu pai. "

—Ela sabe disso? - Pergunta ela - Sabe que está com ela por causa da empresa do seu pai?

— Não, ela não sabe - Digo triste - Ela acha que estou com ela porque gosto dela.

— Meu Deus! - Ela responde irritada - Isso é horrível! Ela te ama, Jason.

— Eu sei - refiro os olhos - Mas eu não amo ela. Eu amo você.

Assim que digo aquelas palavras, vejo os olhos de Piper se arregalarem. Ficamos nos encarando por alguns segundos, e vejo seu olhar descer para minha boca, e faço o mesmo.

Sua boca carnuda estava chamando minha atenção. Eu queria sentir a textura daqueles lábios novamente, queria saber se ainda eram macios como antes.

A cada segundo estavamos mais próximos um do outro, nossas respirações se misturavam, e a expectativa de beijá-la aumentava ainda mais, mas como eu não tenho sorte alguma, Piper vira seu rosto, e acaba vomitando.

Seguro seu cabelo pra ela não suja-lo. Depois dela jogar tudo que tinha em seu estômago pra fora, ela se apoia em mim.

— Desculpa - sussurra ela.

— Vem, vou levá-la pra casa - Digo pegando-a no colo. Ela encosta seu rosto em meu peito, e sinto meu coração acelerar.

Caminho com ela até sua casa. No começo estranhei que a festa estava vazia em pleno 23h da noite, porém lembrei que havia avisado Annabeth tá tirá-los de lá.

Na porta, Annabeth esperava preocupada. Ela olha-me agradecida quando vê Piper em meus braços e abre a porta sem dizer nada.

Levo Piper em seu quarto, sem problema algum. Deixo-a na cama, mas quando estava indo embora, escuto Piper resmungar:

— Ainda tenho muitos perguntas. Uma delas é por que eu não consigo te odiar? - Ela murmura. - Você vai me machucar novamente.

— Eu não vou - Digo firme tirando sua franja do rosto, escuto-a rir, e sorrio junto.

—Queria poder acreditar em você - ela diz fechando os olhos

— Como posso fazer você acreditar em mim? - Pergunto com expectativa.

— Prove. - ela sussurra.

— Então vá em um encontro comigo!? - Digo em expectativa, ela ri do meu desespero. - Assim respondo todas as suas perguntas.

— Tá bom - Sorrio quando ela concorda

— Prometa!

— Tudo bem. Eu prometo. - Ela diz fechando os olhos sorrindo.

—-*--

Leiam as notas finais 


Notas Finais


' Mas direta que a Piper impossível.
Então, o que estão achando? Alguém ainda lembra do capítulo anterior? Jason disse algo que não aconteceu aqui, quem aceitar o que ganha um prêmio.
Ah, gente, Jason disse que vai responder todas as perguntas de Piper, e as perguntas de Piper vão ser de vocês, então façam perguntas que vocês iria querer fazer para Jason se fossem a Piper.
Então é isso. Até a próxima e beijinhos


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...