História Sweet Revenge - Capítulo 3


Escrita por:

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS), Sou Luna
Personagens Kim Seokjin (Jin), Luna Valente, Matteo Balsano
Tags Bts, Drama, Sou Luna, Universo Alternativo
Visualizações 115
Palavras 1.673
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Crossover, Drama (Tragédia), Romance e Novela, Universo Alternativo
Avisos: Adultério, Heterossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Olá, segurem as pedras, porque a Lu demorou, mas não foi de propósito.
Mas não irei prolongar, vamos ao capítulo *--*

Capítulo 3 - Capítulo 3


Não faço ideia a que horas Matteo chegou, mas pouco me importava. Um dia atras até me importaria e choraria por horas me perguntando onde estaria e o que e com quem estaria fazendo até ouvi o barulho de sua entrada em casa quando chegasse tarde da noite.

Só de lembrar noites e noites que acabei dormindo na sala o esperando para jantar, e quando finalmente aparecia em casa tudo o que recebia em troca por minha preocupação era olhares de desdem e reclamações... Eu via a infelicidade nos olhos dele, como também sei que ele via a infelicidade em mim. Mas ainda sim, Matteo não tomava uma atitude, fora a minha covardia em pedir a separação por acabar me iludindo de que um dia ele poderia voltar a ser o marido maravilhoso de antes e que nosso casamento teria mais uma chance.

Triste engano...

Pouco me importando para o seu horário de chegada, tudo o que me lembro da noite anterior foi que após chegar em casa, subi para o meu quarto e ainda fiz algumas pesquisa, após, tomei um calmante e dormir profundamente só acordando no dia seguinte bem cedo.

Continuo a beber o meu café, quando percebo Matteo entrando na cozinha. A principio ele não me dirige se quer um “bom dia” tão pouco faço esforço para eu mesmo tomar esta iniciativa. Percebo ele abrir a geladeira, porem continuo a verificar alguns anúncios no jornal, nada que tenha relevância em meus planos, mas que me trouxesse ideias e planos para o meu futuro.

-Dormiu cedo ontem a noite? – solto um suspiro ao ouvir a voz calma do meu marido.

Não olho para ele, mas com a mesma calma em sua voz, respondo.

-Sim... Não tinha nada pra fazer...

Ouço seu sorriso nasalado e debochado, já me preparo para alguma critica provocativa.

-Engraçado dizer isso, quando tem uma casa enorme para cuidar e limpar... Se trabalhasse, ai sim diria ser justificativo não fazer nada porque estava trabalhando... – não queria olhar para ele e tão pouco responde-lo, mas antes que desmoronasse, optei por dizer algo.

-Não seja por isso Matteo... Pretendo não ficar mais tempo do que deveria dentro de casa sem fazer nada... Realmente já passou a hora de voltar a trabalhar...

-Uhf! – ele bufou, mas não de um modo critico e sim debochado, como se estivesse duvidando. – Essa é boa...

Eu o olho por menos de dois segundos optando em não entrar em sua provocação. Estou cansada de seu joguinho e falta de respeito... Sinceramente vejo o quanto realmente amei o Matteo aponto de ter esperanças que ele entenderia que jamais seria capaz de cometer tamanha crueldade, mas ele não enxergava isso e duvido que um dia enxergaria, e caso acontecesse já será tarde demais.

Continuando a ler os anúncios do jornal, sinto o olhar do Matteo sobre mim. Não sei o que ele está pensando e o motivo de me encarar.

-Está diferente! – ele volta a quebrar o silencio entre nós. – O que está acontecendo?

Dessa vez sou eu quem não evito em soltar um sorriso debochado.

-Desde quando se preocupa pelo que pode está acontecendo comigo? – questiono o encarando e dobrando a página do anuncio que estava lendo o deixando em cima da mesa disposta em dar mais atenção no meu café da manhã.

Ele rolou os olhos tomando um gole de seu suco.

-Não estou preocupado, só achando estranho que não esteja como sempre está se lamuriando por ai ou chorando pelos cantos da casa.

Mordo levemente minha língua contendo o desejo enorme de mandar tudo se foder e jogar na cara dele que sei que ele tem uma caso com uma vadia loira e que quero o divorcio, mas não... Isso não irá me levar a maravilhosa vingança que estou planejando. Então, respiro fundo e levanto da minha cadeira pegando a caneca e o prato onde coloquei meu omelete para deixa-los na pia.

Mais uma vez sinto seu olhar sobre mim, então sigo com o plano de lavar aquela louça e deixa-lo sozinho apreciando o seu café da manhã.

Se ele continuou a estranhar minha atitude, não sei, pois quando voltou a falar novamente comigo o assunto já era outro.

-Antes que pergunte, essa noite terei que ficar após o expediente. Não sei que horas eu volto, talvez acabe dormindo na empresa... – sorrio ainda de costa para ele...

Matteo realmente acha que sou burra mesmo para acreditar em sua balela de hora extra no emprego, porem meu sorriso é mais alegria do que deboche, pois terei muito mais tempo para executar meu plano de vingança.

-Tá bom! – digo secando minhas mãos com pano de prato. – Se corre o risco de virar a noite na empresa, sugiro que leve uma roupa extra.

-Pois é! Boa ideia... – rolo os olhos e saio da cozinha.

Não tinha um destino especifico para ir naquele momento, até porque tudo o que tinha de fazer era esperar o Matteo sair pra começar a organizar todas as coisas que preciso para finalizar meu plano.

Alguns minutos se passam e vejo Matteo sair da cozinha voltando a subir as escadas indo para o andar de cima. Provavelmente escovar seus dentes e pegar as coisas que precisa levar para o trabalho. Continuo a fingir está fazendo algum afazer pela sala, até vê-lo novamente descer as escadas com uma pequena sacola a qual sempre usa para ir a academia, obviamente levando a muda de roupa que sugeri levar e itens de higiene pessoal.

Nesse momento me arrependo de ter sugerido a ele levar estas coisas, porem ainda sim não será um grande problema.

-To indo! – ele disse assim que desce a escada e caminha até onde deixou seu mólio de chave de casa com a do carro.

-Bom trabalho... – sussurro não me dando ao trabalho de olhá-lo.

Continuo de costas para ele, porem sinto um frio subir por toda minha coluna. Pelo reflexo do vaso de cristal a qual tenho em mãos, vejo Matteo logo atras de mim, e subitamente giro o meu corpo já preparada para tacar o vaso nele caso tente algo contra mim, mas a minha virada fez com que sua expressão mudasse para surpresa e ao mesmo tempo sem graça como se tivesse sido pego no flagra e também não fizesse ideia do que estaria fazendo.

-O que tá fazendo? – pergunto um pouco assustada.

Matteo ainda parece um pouco atordoado e sem graça, esperava que ele viesse com suas grosserias, mas não, simplesmente sua postura passou a causar em mim certo incomodo, pois ali diante de mim, meu marido não parecia aquele homem frio e sem coração que passou a ser há meses, e sim o antigo Matteo, capaz de sentir envergonhado e não saber se aproximar de mim quando cometeu um erro a mim. Todavia, antes que meu coração burro e iludido voltasse a palpitar, vejo seu rosto voltar a ter a mesma expressão do Matteo sem coração.

-Nada... Só vim ver se tava ainda nesse mundo... To falando com você e não me responde. – disse ríspido.

Franzi a testa, porque pelo que lembro ele não falou nada além de que comunicar que estava indo trabalhar, e eu respondi baixo, mas numa altura que até um surdo poderia ser capaz de escutar.

-Oras... Está louco? Lhe desejei um bom dia de trabalho após dizer que está indo. – disse aborrecida, como se tivesse sido pego na mentira e jamais fosse admitir, ele fecha mais a sua expressão.

-Eu disse outras coisa... Mas quer saber? Dane-se! – ele dar as costas para mim marchando irritado até a porta, e após passar por ela a fecha em um rompante.

Não faço ideia do que acabou de acontecer... Posso está com a minha mente concentrada em meus planos de vingança, mas ainda sim sou ainda capaz de compreender tudo o que ele tenha dito antes de começar com aquela discussão. Tenho certeza que ele não havia dito nada além do que já tinha dito e eu o respondi.

Seja como for, dane-se!

Caminho até a janela pra conferir se o Matteo já havia indo totalmente, mas ao chegar a janela fico surpresa ao vê-lo dentro do carro e meio hesitante de liga-lo. Engulo em seco, pois seja o que for o que está acontecendo com ele, só espero que ele não mude de ideia de ir trabalhar ou ainda voltar para casa essa noite.

 

MATTEO

Luna está estranha, distante, indiferente... Não sei o que está passando com ela. Não deveria me importar, até porque ela merece tudo o que tenho oferecido a ela, ainda mais depois do que fez com o nosso filho.

É difícil perdoá-la... Mesmo quando a via diversas vezes chorar e jurar que não sabia que estava gravida... Uma parte de mim berrava dizendo que ela diz a verdade, mas a dor de te-la visto perder o nosso filho me cegou de tal maneira que já não mais me reconheço.

Posso está fazendo varias besteiras por ai, mas ainda sim eu sei que ainda a amo... Nem mesmo estando com Mercedes fez diminuir essa dor e calar a voz que berra em minha mente dizendo que sou um babaca pelo que estou fazendo com a minha esposa.

Por conta desse amor que acabo me vendo em situações que até minha própria razão desconhece.

Eu a escutei me desejar um “bom trabalho”, mas ainda sim, senti a necessidade de ir até ela e beijá-la como sempre fazia. Mas a parte escrota em mim me paralisou e assim causando todo aquele alvoroço desnecessário.

Agora aqui no meu carro, sinto que não posso continuar assim... Não posso continuar a destruir a vida da Luna como estou fazendo, eu não consigo perdoa-la mesmo sabendo que não tenho o que perdoar já que ela não tem culpa, mas ainda sim, sei que perdoando ou não, tenho que libertá-la desse sofrimento.

Finalmente, ligo meu carro decidindo que o melhor por hora é ir trabalhar e mais tarde talvez cancelar meu encontro com Mercedez e vir pra casar dar um fim nessa tortura infernal...

Agora, basta saber, se irei conseguir...


Notas Finais


Pois é minha gente, parece que Matteo tem plena noção da merda que faz e o quanto já está passando dos limites... Mas será que ele irá conseguir ter alguma atitude sensata antes que Luna execute seu plano? Parece que ele pretende não seguir com seus planos noturnos com a amante, mas... Vão ter que esperar para ver o que vai rolar. kkkkkk

OBS: Sei que vou demorar um pouco pra atualizar, mas não irei abandonar *--* Bjs !!!


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...