1. Spirit Fanfics >
  2. Sweet Sins- Frerard >
  3. Gostosuras ou travessuras?

História Sweet Sins- Frerard - Capítulo 13


Escrita por: e BabydoChany


Capítulo 13 - Gostosuras ou travessuras?


Cruzei os braços com força contra meu peito e meneei minha cabeça negativamente diversas vezes. 


—Quantas vezes vou ter que repetir? Não quero participar dessas suas brincadeiras. Isso é humilhante!— Gerard sorriu de orelha à orelha, deixando seus pequenos e quadradinhos dentes à mostra. 


—Não há nada de errado com isso. É completamente normal, Frank— aproximou-se de mim.


—Não! Isso é frustrante— bufei. —É meu aniversário. Nós deveríamos fazer coisas que eu gosto.


—Mas você estava completamente animado há poucos minutos— minha expressão se fechou ainda mais.


—Isso foi antes de descobrir as suas reais intenções...— sussurrei e encarei as suas orbes verde-oliva flamejantes. 


—Vamos. Por favor. Vai ser divertido...— odiava Gerard e as suas fantasias sexuais fetichistas. —Vai ficar uma gracinha— empurrou a muda de roupas em minha direção. Fitei a vestimenta por alguns segundos. —Vai ser tudo voltado só para o seu prazer— ele implorou mais uma vez com o cenho franzido.


—Meu prazer?— respirei profundamente, ainda hesitante com aquela situação. Ele assentiu lentamente, curvando seus lábios leve e libidinosamente. —Isso parece estar pequeno demais— analisei o tecido escuro com cuidado. 


—Você é pequeno, Frank— bagunçou seus fios negros ainda mais. 


—Está pequeno até para mim...— seu olhar intensificou-se ainda mais sobre mim, sua íris pareciam pegar fogo. Encolhi-me um pouco, já me arrependendo de tê-lo contestado.


—Desculpa...— ele puxou a minha mão com força, fazendo com que eu me levantasse, depois, carregou-me do chão como uma princesa em direção ao banheiro. 


—Está tudo bem... Você vai fazer isso para mim?— beijou a ponta de meu nariz e a minha clavícula bem marcada algumas vezes. 


—Vou, senhor— disse meio ofegante. Ele sorriu exageradamente ao ouvir o apelido. Já havia dito que gostaria que o chamasse assim, mas eu nunca o fazia.


Fechou a porta com força, deixando-me sozinho no banheiro monocromático. Olhei-me no espelho e ainda havia alguns roxos de ontem, Gerard tinha um apetite sexual insaciável. Despi-me com cuidado e tomei um banho quente. Só queria ficar um pouco menos nervoso, afinal, ele não iria brigar comigo no meu aniversário, iria? Terminei meu banho e pûs-me a vestir o sutiã branco e sem bojo que ele me dera. Depois coloquei aquele short colado, o qual seguia até o meu umbigo, ele deixava a silhueta de minha pequena bunda bem marcada. Não demorou muito até que eu percebesse uma peculiaridade naquela roupa: havia um furo exatamente no local onde a minha entrada se localizava. Minha bochechas ficaram tão vermelhas que eu poderosa ser facilmente confundido com um tomate. Depois de alguns segundos, percebi exatamente o motivo daquilo... Um plug anal copiando um rabo pompom de um coelhinho. Gerard iria pagar por isso. Naquele ponto eu já queria desistir, mas encaixei a peça em mim e coloquei a tiara com grandes orelhas esbranquiçadas. Abri a porta e deparei-me com o meu namorado, sempre sorrindo sádico. Ele me fitava de cima a baixo como se eu fosse um pedaço suculento de carne.


—Você está admirável, meu floquinho— sua voz saiu suave. —Angelical. Venha aqui. Sente em meu colo— andei com passos lentos até me aconchegar onde ele demandara. —Você está vermelho escarlate. Sabia disso? É lindo— segurou o meu queixo carinhosamente e selou nossos lábios. —A criatura mais majestosa vista por mim— soltei uma risada curta. —Feliz aniversário, coelhinho— beijou a minha clavícula e mordiscou a pele exposta. 


—Halloween é o melhor dia do ano...— apertei os ombros fortes dele. —Podemos ver filmes de terror?— forcei minhas sobrancelhas juntas e lancei um sorriso meio bobo para ele.


—Claro...— ele não parava de me beijar e correr seus dedos longos por minhas costas. —Podemos ver Frankenstein. É seu filme favorito, não é?— seus olhos pesaram contra mim, mas não pude responder, pois fomos interrompidos pelo som da campainha.



—Devem ser as crianças...— arqueei minhas sobrancelhas, correndo para me levantar, mas fui interrompido pela mão de Gerard ao redor de meu pulso.


—Você não vai querer que elas te vejam assim— tinha um sorriso sacana no rosto. Percebi que ele falava a mais pura verdade e corei outra vez. —Vamos fingir não estar em casa, okay?— forçou-me contra a cama e continuou a beijar o meu abdômen, forçando sua língua contra as tatuagens eternizadas ali. —Além do mais, é Halloween e eu escolhi travessuras...— tirou o plug de mim, fazendo-me suspirar. 


Fincou suas unhas em meu quadril, impulsionando minha bunda para cima. Sorriu mais uma vez, enquanto eu já ofegava. Ele adorava assistir às minhas reações. Colocou seu dedão e começou a forçar contra a minha entrada, meu membro já estava ereto e latejava dentro da roupa. Adicionou o indicador e moveu seus dedos dentro de mim, atingindo áreas frágeis diversas vezes. Eu soltava gritos e gemidos, então tentei controlá-los ao colocar só mão sobre a boca.


—Calma, coelhinho...— tirou os dedos lentamente e fez algo completamente inesperado. Comecei a sentir a sua língua ali, ele lambia com voracidade e desejo. Ele colocou-a dentro de mim e continuou mexendo, era quente e molhada.


Eu gemi alto e implorei para que ele acabasse logo com aquilo e me rasgasse ao meio com o seu membro. Ele parou e arrancou o short de mim, começou a massagear o meu pênis, massageando a cabeça, espalhando o pré-gozo. Continuou a me lamber com movimentos cada vez mais precisos e rápidos. Eu estava todo molhado e ofegante, meus olhos lacrimejavam. 


—Gee...— implorei por ele mais uma vez, porém ele continuou sem se importar. —Eu vou...— não tive a chance de terminar a frase, pois acabei por gozar sobre todo o rosto dele. — E-Eu sinto muito...— meu rosto estava tão vermelho. Gerard iria me matar agora, eu sou tão idiota. 


A sua reação foi completamente diferente do que eu pensei. Ele lambeu em volta da sua boca com desejo e limpou os vestígios do líquido com a mangá de sua camisa. Meu coração batia rápido demais por conta de toda a adrenalina daquele momento. 


—Shhh...— ele se aproximou e beijou a minha bochecha algumas vezes e mordeu-a. Depois, ele selou nossos lábios demoradamente. —Eu te amo— sussurrou no pé do meu ouvido e me abraçou. 


—Eu também te amo, Gee— corri minhas mãos por suas costas para o abraçar. Percebi a sua ereção forçando contra a minha barriga e o fitei. 


—Não tem nada demais. Eu te disse que hoje a noite seria voltada apenas para o seu prazer, coelhinho... Mesmo que você tenha ficado extremamente apetitoso com essa roupa— ele arrumou meus cabelos. — Eu vou dar um jeito nisso sozinho— eu iria questioná-lo, mas sabia como Gerard queria o melhor para mim e não suportava objeções, então me calei. 


Ele se levantou e foi para o banheiro, enquanto eu fui me limpar e vestir um pijama limpo. Liguei a televisão e coloquei o meu DVD favorito, Frankenstein. Apertei o travesseiro contra as minhas pernas enquanto esperava por meu namorado. Ele voltou relaxado e sorriu bobo para mim. Com aquela cara idiota de apaixonado e geek viciado em Star Wars, ninguém nunca imaginaria as ideias malucadas que ele tinha na cama. Foi até o guarda-roupa e pecou uma tigela cheia de doces, a qual fez meus olhos esbugalharem. 


—Gee! Você comprou doces!— eu sorria loucamente, pois já sabia que ali dentro só teriam os meus favoritos. —Pensei que você tivesse escolhido travessuras— falei brincalhão. Ele sentou-se ao meu lado, tirando o filme do pause. 


—É seu aniversário. Acho que posso abrir uma exceção— puxou-me para o seu colo, enquanto eu me deliciava com o meu doce de caramelo favorito.



Notas Finais


Estou tentando melhorar a minha escrita. Deixei mais explícito esse smut e tenho certeza que tds vcs preferem assim.


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...