História Sweet Smell - ABO - Capítulo 1


Escrita por:

Postado
Categorias Got7
Personagens Jackson, JB, Jinyoung, Mark, Youngjae
Tags 2jae, Abo, Alfa, Beta, Choi Youngjae, Got7, Im Jaebum, Jackson, Jackson Wang, Jaebum, Jinyoung, Kpop, Mark, Mark Tuan, Markjin, Markjinson, Markson, Ômega, Park Jinyoung, Youngjae
Visualizações 697
Palavras 1.480
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Comédia, Crossover, Drama (Tragédia), Ficção, Ficção Adolescente, Fluffy, Lemon, LGBT, Romance e Novela, Universo Alternativo, Yaoi (Gay)
Avisos: Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Mias uma fanfic na áreaaaaaaaaa auhauahaa espero que curtam essa bagaça auahuaha

---------- BOA LEITURA ----------

Capítulo 1 - Um...


Fanfic / Fanfiction Sweet Smell - ABO - Capítulo 1 - Um...

Capítulo um.

 

Minutos atrás Mark estava em uma festa aleatória de sua faculdade. Ele não queria ter ido. Primeiro, porque não conhecia ninguém no local. E se tratava de uma festa tomada por alfas. Havia alguns betas e pouquíssimos ômegas acompanhados de seus alfas.

 

O de cabelos rosa tivera uma sensação ruim sobre a festa desde o inicio. Talvez fosse o destino tentando lhe alertar, porém, o rapaz ignorara e fora assim mesmo. Em sua cabeça, lhe pareceu importante passar algum tempo com seus colegas de faculdade.

 

Mas algo dera errado.   

Seu cio chegara adiantado. 

 

E um ômega desacompanhado, no cio e cercado por alfas bêbados não seria uma combinação muito boa. Na verdade, era nitroglicerina pura. E a explosão causada por essa mistura seria capaz de levar o prédio, onde acontecia à festa, a baixo.

 

Principalmente porque os alfas iriam disputar, literalmente, no soco e mordidas quem iria ficar com o ômega no cio. Isso se não se reunissem e atacassem o rapaz. Por conta disso, O Tuan simplesmente correra para o mais longe dos alfas que conseguira.  

 

Assim que começou a sentir as primeiras pontadas na barriga, o intenso calor e a necessidade absurda de tirar suas roupas, o menor se amaldiçoou amargamente.

 

Aquela ideia de ir a uma festa com pessoas que não iam muito com a sua cara e que só o viam como um objeto inferior, fora a mais estúpida de toda a sua vida. Por sorte, sua casa era a poucas quadras do lugar. Se ele corresse, chegaria a tempo e antes de perder o controle e se jogar sobre o primeiro alfa que visse. E foi o que Mark fez. 

 

    Enquanto saía apressado da festa, ele esbarrava em corpos que dançavam ao ritmo de uma música qualquer. Seu corpo estava tremulo. O rosado sentia pontadas atrás da outra.

 

Era como se seu interior implorasse para que seus desejos libidinosos fossem acalmados. Os alfas que não estavam tão entorpecidos por álcool, foram os primeiros a começarem a farejar o cheiro forte que o rapaz já exalava. A excitação do ômega estava começando a rodopiar pelo ar e a atingir com força total as narinas dos presentes no local.

 

O menor apertou o passo – coisa que se tornava mais complicada a cada segundo passado – e conseguiu sair do prédio. Ele pode ouvir rosnados vindos do lado de dentro. Talvez fosse por outro motivo, mas ele não ficaria lá para descobrir. 

 

Então, o ômega passou a correr desesperado pelas ruas.

O máximo que suas pernas lhe permitiam.

 

Cada passo dado por ele era um pesadelo. Seu corpo estava dolorido. Sua cabeça praticamente gritava por sexo. E tais pensamentos estavam tomando conta de todo o seu ser.

 

 As pontadas na barriga estavam mais intensas. Tanto que o Tuan deixava um ou outro urro dolorido escapar junto aos gemidos. Seu cheiro estava ficando cada vez mais forte. Logo que, sua entrada já estava começando a liberar sua lubrificação natural.

 

Rosnados de alfas em suas casas eram ouvidos pelo menor. E isso o estava deixando em pânico. Ainda faltava um bom caminho até sua residência. E naquele momento, seu corpo estava ficando fraco e molenga por culpa da excitação. Fora que o rapaz estava precisando usar de forças que não tinha para não arrancar suas roupas e tentar se aliviar ali mesmo na rua. 

 

 

O ômega finalmente chegara ao quarteirão de sua casa.

O alívio que ele sentia era quase bom demais para ser verdade.

 

Então, ele apertou o passo. Tentou ignorar a dor que sentia e acima de tudo, os rosnados ferozes de alfas que farejavam seu cheiro. Ele se esforçou para retirar o seu celular do bolso enquanto ainda corria.

 

Mark discou o número de sua mãe umas duas vezes antes de acertar. Seu cérebro não estava funcionando direito naquele momento. Depois de dois toques, a mulher atendeu. 

 

- Ma-mãe... -começou ele, mas fora interrompido por um gemido. 

 

- Markie, o que está acontecendo? -questionou sua mãe já preocupada. 

 

- Meu he-heat chegou mais cedo de no-novo.

 

- Ai meu Deus! -berrou a mulher. - E você está na festa cheia de alfas.

 

- Não. -negou o outro. - Eu saí assim que comecei a sentir que estava chegando. –apertou mais o passo. - Estou quase em ca-casa.

 

- Mark, você é um irresponsável. -disse a mulher.

 

- E como é que eu ia adivinhar que... -o menor soltou um gemido arrastado e mais alto do que deveria.  - Que chegaria mais cedo, mãe? 

 

- Eu vou entrar no carro e te encontrar no caminho.

 

- Não precisa. Estou... -mais um gemido alto escapou por seus lábios. - Estou chegando. Só abre o portão porque vou correr direto para o meu quarto.

 

O ômega nem esperou uma resposta de sua mãe.

Apenas desligou o telefone rapidamente.  

 

O de cabelos rosa  rezava para que ninguém tivesse ouvido seus gemidos escandaloso. Porque isso, com certeza, iria atrair algum alfa para si. E essa era a última coisa que ele precisava naquele momento. Logo que, havia chegado à rua de sua casa.

 

Mas como nesses momentos a situação só tende a piorar, o menor passou correndo por dois homens. Os rapazes estavam na rua bebendo o que pareceu ser cerveja, contudo, quando sentiram o cheiro do ômega, as garrafinhas se quebraram no chão. Suas pupilas se escureceram. Eram dois alfas.

 

O pânico tomou conta do ômega.

E tudo piorou quando os dois homens passaram a correr em sua direção. 

O menor apertou o passo e começou a correr desesperadamente. 

 

Tuan sabia se defender. Seu pai era militar e quando descobrira que seu filho era ômega, ele fizera de tudo para ensina-lo algumas coisas úteis contra alfas. No entanto, o rapaz estava quase chegando ao cio completo e não seria capaz de se defender.

 

Ainda mais porque o cheiro dos alfas estava aguçando seus desejos. Seus olhares maliciosos estavam o chamando para si. E as ereções indiscretas estavam quase atraindo o rapaz. Então, a melhor opção era continuar correndo feito louco. 

 

Os dois homens rosnavam. Um deles estava ganhando certa proximidade. O rosado já estava exausto. Seu corpo gritava por alívio. E o cheiro dos alfas estava o atraindo de uma forma insuportável. Sua mente implorava para que ele parasse e fosse atrás dos homens, mas Mark usava de suas últimas forças para ignora-la e continuar correndo.

 

Uma mão agarrara o capuz da blusa que ele usava. Com a força do puxão o rapaz se desequilibrou e precisara parar para não cair. E fora nesse momento que o outro alfa o alcançou também. 

 

Mas felizmente, havia uma luz no fim do túnel. 

Uma esperança.

 

Um terceiro alfa surgira do nada. Ou pelo menos era o que parecia, logo que, estava de noite e muito escuro. O rapaz se jogou sobre os outros dois homens rosnando ferozmente.

 

Tuan ficara estático por alguns segundos. Ele ainda estava de costas para o que estava acontecendo. Seu coração quase saltava para fora do peito com batidas aceleradas.

 

Os rosnados ficaram mais altos. Juntos com palavrões e frases maliciosas. E por sorte, o ômega saiu do breve transe, entretanto, permaneceu de costas. Ele não queria saber quem eram aqueles homens. 

 

- CORRE! -uma voz grave de alfa fora ouvida pelo menor.

 

Ele julgou ser o terceiro que surgira.

Por instinto ele simplesmente voltara a correr.

 

Os rosnados foram ficando cada vez mais baixos. O menor fechou os olhos por uns instantes enquanto corria. Algumas lágrimas escorriam por suas bochechas. Por pouco ele não fora atacado por dois alfas.

 

Se bem que boa parte de si queria ter ficado com os homens desconhecidos. Porém, depois do cio, Mark iria morrer de nojo de si. Logo que, ele não queria estar com alfa nem um. A menos que fosse a pessoa certa para si.

 

Ele não deveria se entregar para dois estranhos na rua.

E por pouco conseguira escapar das garras alheias.

Graças a outro estranho. 

 

Pouco depois, ele avistou o portão de sua casa aberto e sua mãe parada com um taco de baseball em mãos e uma expressão morta de desespero. 

 

- Markie... -berrou a mulher aliviada.

 

No entanto, o rapaz não respondeu.

Ele apenas passou por ela, entrou em casa e correu escada a cima. 

 

A porta de seu quarto fora fechada violentamente. E trancada logo em seguida. Tuan não queria mais pensar em nada do que acontecera. Ele estava relativamente bem e em sua casa.

 

Ainda mais porque, sua mente não o deixaria pensar em mais nada por um longo tempo. O rapaz retirou suas roupas às pressas e as jogou o mais longe possível. As peças estavam encharcadas de suor. Tanto pela correria, quanto pelo heat. A ereção que os tecidos escondiam, saltou para fora. O de cabelos rosa a agarrou e se atirou na cama.

 

Ele abriu seu criado mudo e retirou alguns brinquedos. 

Aquele seria um longo cio.

 

- CONTINUA -


Notas Finais


a bagaça já começa na correria auhauahuahauhaa
e aí? O QUE ACHARAM? contem pro tio auhauahuaha
em breve mais, talvez essa semana ainda auhauhaa
beijinhos de luz


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...