1. Spirit Fanfics >
  2. Swimming In The Star. - Reescrevendo. >
  3. Vírus

História Swimming In The Star. - Reescrevendo. - Capítulo 2


Escrita por: e jugheadTNBH


Notas do Autor


OLHA SÓ QUEM VOLTOOOUU!
Então, gente, eu estava a muito tempo querendo continuar essa história, porém percebi que ela tinha perdido muito o rumo, então conversei com a Amanda, que meio que se tornou minha co-autora oficial e ela topou me ajudar. Porém, como vocês notaram, recomeçamos ela. Eu estava relendo e encontrei vários erros, então entrei em surto😂😂😂. Então, juntas recomeçamos essa história e é claro, vamos continuar ela e a Dynasty juntinhas.

Capítulo 2 - Vírus


Fanfic / Fanfiction Swimming In The Star. - Reescrevendo. - Capítulo 2 - Vírus

Enid Grimes

Senti meu coração palpitar dentro da minha caixa torácica. Aquilo não poderia ser real.

Carl estava me beijando, Carl era meu irmão... Carl era meu irmão e estava me beijando!

Droga... Meu irmão está me beijando.

Corei e arregalei os olhos e separei nossos lábios, vendo o olhar surpreso do mais velho e o sorriso que se formava em sua face.

O empurrei e sai do quarto dele correndo em direção ao meu o deixando sozinho para nos arrumarmos para a escola.

Droga, ainda tinha a escola.

(...)

Estávamos tomando café da manhã, só faltava Carl na mesa.

- Filha, você está usando o permufe do seu irmão? - Minha mãe perguntou, e eu quase engasguei com a torrada.

- Ahn,... Por que a pergunta? - Questionei o comentário dela, não era possível que eu ainda estivesse cheirando à Carl. Eu tomei banho e quase tirei meu próprio couro com a buxa.

- Nada filha... Mas você está com o cheiro dele, só isso. - Disse e sorriu carinhosamente.

- Ah sim, mãe... Eu devo ter usado algum permufe dele, mas não me lembro bem. - Inventei uma desculpa idiota, e logo Carl se juntou à nós na mesa.

- Bom dia. - Ele disse, eu e nossos pais retribuímos, ele se sentou ao meu lado e tomamos o café normalmente.

Depois do café da manhã Carl e eu pegamos nossas coisas, nos despedimos de nossos pais e com um beijo saímos de casa.

(...)

Carl Grimes

Depois que chegamos na escola, continuamos sentados um do lado do outro, mas ela tentava a todo custo não me olhar.

Durante a aula de Biologia fiquei encarando ela por alguns minutos e a mais nova ficou vermelha e virou o rosto, enquanto eu ria baixinho da situação e da vergonha dela.

Quer dizer, não tinha motivo pra vergonha.

Eu a amava, e ela também me amava. Certo?

(...)

Já estávamos na última aula, e apesar de gostar de Filosofia... ela estava um verdadeiro tédio.

-Professora... - Enid levantou a mão e a professora à olhou. - Posso ir no banheiro? - Ela pediu e a mulher mais velha assentiu, logo, ela saiu quase que correndo da sala.

Quando a professora Tay se virou para escrever no quadro novamente, me levantei silenciosamente e sai da sala sem pedir à mais velha.

Andei pelos corredores encontrando Enid encostada em um dos armários, rapidamente, me aproximei e tomei os lábios da garota calmamente enquanto colocava as mãos na cintura da mais nova.

Quase que rezando para que ainda demorasse para acabar a aula, e o corredor não ficasse cheio com outros alunos.

- Carl Grimes?! Posso saber o que é isto?! - Ouvi a professora me chamar num tom raivoso, e me virei para respondê-la, mas a feição dela mudou rapidamente de raivosa para surpresa, quando disse - Enid?! O que é isso aqui?!

- Isso... - Começou Enid receosa. - Somos,... Nós? - Ela disse, a professora a olhou com desaprovação, pronta para um sermão mas foi interrompida por um grito de Enid, que puxou a manga da minha blusa apontando para algo que virava o corredor atrás da mulher à nossa frente.

Eu não saberia dizer o que é aquilo, parecia um humano apodrecido e em decomposição, e talvez fosse.

Mas sai do meu transe assim que ouvi os gritos da Sra. Tay, após se virar na direção que Enid ainda apontava, não tendo tempo de desviar e... Bem, é, sendo devorada pelo... O que quer que aquilo seja.

- Corre Carl! - Gritou Enid saindo na frente e eu fui atrás dela. Saímos da escola e começamos à correr até nossa casa.

E no caminho vimos outros daquelas coisas devorando outras pessoas distraídas e outras se defendendo.

Outras também corriam, como nós.

Logo chegamos em casa e vimos nossos pais com as malas já prontas.

- Vocês também viram, não foi? – Enid arregalou os olhos.

- Vimos, saiu na televisão... Meu Deus, que bom que vocês estão bem! – Mamãe disse e nos abraçou, enquanto meu pai descia com mais uma mala.

- Acho que tá todo o indispensável aqui – Ele diz e suspira.

- Não queria ter que sair daqui assim... – Minha irmã deixou escorrer uma lágrima. – Crescemos aqui... E agora...

- Vai ficar tudo bem, querida – Mamãe a abraçou – Você ainda tá com o cheiro do seu irmão – Engoli em seco.

- Bem, eu sei que dói, mas temos que ir... – Papai colocou uma arma na cintura. – Vamos lá... – Vim puxando duas malas, papai duas e mamãe e Enid vinham cada uma com uma bolsa de costas e uma mala. Colocamos tudo no carro e saímos por ai sem rumo. No meio do caminho, encontramos Ron e Sophia.

- Carl, Enid! – Ron sorriu e abraçou minha irmã, fiquei me remoendo de ciúmes quando isso aconteceu, mas logo vi Sophia correr em minha direção e me abraçar também. Revirei os olhos.

- Onde estão os pais de vocês? – Meu pai perguntou.

- Bom, minha mãe... – Sophia suspira – Eu não sei... Não a vi desde que tudo isso aconteceu...

- E meus pais, bem... Sumiram também – Ron diz e suspira. Encarei nossos pais e eles assentiram, como se os deixassem ficar aqui.

- Mas pai, aqui no carro só tem lugar pra cinco pessoas e com Ron e Sophia já vamos pra 6... – Disse e o encarei.

- Enid, senta no colo do seu irmão – Mamãe disse e Enid corou, então veio pro meu colo.

- Se eu ficar duro... A culpa é sua – Sussurrei no ouvido dela e ela pareceu corar ainda mais.

- Bom, todos prontos? – Meu pai perguntou.

- Sim – Respondemos todos juntos. Ele deu partida e voltamos a andar, porém paramos em frente a uma floresta. Não dava pra continuar de carro. Beleza.

Saímos do carro e papai pegou uma arma da mala. Por ser xerife, ele tinha muitas, pra nossa sorte. Ele me entregou a mesma e me encarou, entregou outra a Ron e sorrimos juntos, iriamos meio que proteger as meninas. Colocamos as armas nas nossas cinturas e fomos andando com as malas. Minha irmã viu um cachorro e sorriu.

- Enid, melhor você não se aproximar... – Mamãe disse ao ver a garota andar lentamente até o cachorro.

- Ele parece ser mansinho – Ela sorri e se abaixa. – Oi, garoto. Aah, você é uma garota – Ela abraça o animal, que a lambe. A mesma ri, deixei um sorriso escapar ao ver minha irmã feliz. Porém, em uma fração de segundos, toda a felicidade se foi. Um tiro foi ouvido e eu vi o corpo de minha irmã cair no chão, junto com o animal que ela abraçava.


Notas Finais


Beijooo❤😘
Bye ♤ 💕


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...