História SZ...uncontrollable love...SZ - Capítulo 1


Escrita por:

Postado
Categorias Originais
Personagens Personagens Originais
Tags Amor, Colegial, Drama, Escolar, Gay, Homemxhomem, Romance, Yaoi, Yuri
Visualizações 110
Palavras 1.381
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Bishoujo, Bishounen, Comédia, Drama (Tragédia), Ecchi, Esporte, Famí­lia, Festa, Ficção, Ficção Adolescente, Fluffy, Harem, Hentai, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Yaoi (Gay), Yuri (Lésbica)
Avisos: Álcool, Bissexualidade, Drogas, Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Pansexualidade, Sexo, Violência
Aviso legal
Todos os personagens desta história são de minha propriedade intelectual.

Notas do Autor


Ohayo nee-chan, essa é a minha primeira fic yaoi espero que gostem...

Capítulo 1 - Primeiro dia de aula


Fanfic / Fanfiction SZ...uncontrollable love...SZ - Capítulo 1 - Primeiro dia de aula

Eram 6:30 da manhã quando meu celular tocou pela décima nona vez, levantei da cama lentamente apalpando o colchão para tentar encontrá-lo, me desesperei quando vi a hora e sai correndo pro banheiro enquando tentava vestir uma camisa.

Era o meu primeiro dia de aula e eu ja estava muito atrasado, arrumei meu cabelo em frente ao enorme espelho que havia no meu armário e desci até a cozinha a onde minha mãe me esperava impaciente.

-Liam porque demorou tanto pra se arrumar? Não ouviu eu te chamando?

-Ouvi sim mãe, é que meu celular não despertou!- Eu sei, eu sei, é feio mentir, mas não podia dizer pra ela que fui dormir tarde porque passei a noite toda jogando, ela tiraria meu pc na certa!!

-Toma seu café rápido, vou ir tirar o carro da garagem!

-Não presisa me levar mãe!!

-E correr o risco de você chegar mais atrasado do que você já ta? Sem chances! Termina logo e vai pro carro.

Apenas fiz que sim com a cabeça e tomei meu café, não queria começar uma discussão com ela logo de manhã, minha mãe e eu não nos damos muito bem, meu pai morreu já faz alguns anos, eu e ela brigamos quase todos os dias desde então. Acho que se ele ainda estivesse aqui tudo seria diferente e nós poderíamos ser uma família normal e não toda essa bagunça que nós somos agora!

Minha mãe parou o carro bruscamente na frente do portão me tirando dos meus pensamentos, desci do carro e dei um breve tchauzinho pra ela com a mão e fui em direção ao colégio, era como ver os portões do inferno se abrindo diante dos meus olhos, várias crianças correndo pra lá e pra cá como se não ouvesse amanhã, dei graças a deus por saber que o intervalo do ensino fundamental e do ensino médio eram separados, eu não suporto criança correndo, não que eu queira bancar o adultão mas não sei lidar com crianças.

Olhei em volta pelo pátio, nenhum rosto conhecido, eu não fazia ideia da onde era a diretoria e sinceramente, jugando pelo olhar daquelas pessoas que eu nem conhecia, diria que nenhuma delas tava afim de me contar, procurei a pessoa menos mal encarada que eu pude e resolvi pedir informação.

Havia um garoto loiro que estava alegremente distribuindo alguns panfletos enquanto a multidão de adolescentes ia aos poucos se desfazendo uma vez que o sinal veio a tocar, me aproximei.

-De...desculpe-me!

-Sim? Posso ajudá-lo? Gostaria de um panfleto sobre o baile do dia dos namorados?

-Ah...er...obrigada! Mas na verdade gostaria de perguntar se pode me dizer a onde fica a diretoria?

Disse ainda meio envergonhado, ele gentilmente me deu um largo sorriso, acho que notou meu nervosismo, talvez pelas minhas pernas que insistiam em se mexer sozinhas!

-Claro que posso- ele disse ainda sorrindo pra mim-Venha comigo por favor, é logo ali!

Havia algo de reconfortante em sua voz que me fez segui-lo quase que automaticamente, ele foi abrindo caminho na multidão de alunos que desviavam dele assim que percebiam sua presença.

-Chegámos!

Ele disse apontando uma enorme porta a nossa frente eu apenas agradeci e observei ele sumir no meio das pessoas antes de entrar na diretoria.

A diretora me olhou com um pouco de impaciência e fez sinal pra que eu me sentasse como se ela estivesse me esperando ali a horas.

Peguei a minha lista de aulas e fui em direção a sala que a diretora havia me indicado, no caminho passei por uma porta de vidro onde podia ver o meu reflexo, tentei dar uma última ajeitada nos meus cabelos o que aparentemente não funcionou, então desisti e prendi ele todo em um coque mal feito, meu cabelo sempre foi bem grande e eu nunca quis cortar, é uma das coisas que eu mais gosto em mim se eu pudesse salvar algo em mim seria meu cabelo, o resto vocês podem jogar no lixo junto com a minha dignidade depois de perceber que a porta a minha frente estava sendo aberta lentamente, meu cu trancou de um jeito que não passava nem sinal de wifi.

-Ah, desculpe, te assustei?

Ele disse tentando segurar o riso ao perceber a minha palidez, era o garoto de hoje mais cedo, sim, era ele, aquele sorriso gentil era inconfundível e ficou gravado na minha memória instantaneamente.

-E...eu que devo me desculpar- falei ainda com vergonha da situação.

-Que isso! Não presisa, se eu tivesse um cabelo tão bonito assim iria parar em todos os espelhos que visse só pra ficar ajeitando!

Fiquei um pouco surpreso com o elogio e senti meu rosto queimar, eu devia estar parecendo um pimentão de tão vermelho, o garoto então estendeu a mão e se apresentou formalmente.

-Eu sou Tomas Pillegi.

-Liam...Parker...

-Prazer em conhecê-lo!

-O prazer é todo meu.

Apesar de aparentar ser mais novo que eu ele falava com muita formalidade e segurança, como se já estivesse acostumado a lidar com esse tipo de situação.

-Então, senhor Parker, ainda está perdido?

-Ah..bem...- senhor?eu estava prestes a dizer-lhe para me chamar apenas de Liam quando ele colocou sua mão gentilmente em meu ombro e com a outra apoiou a minha lista de aulas a qual eu ainda estava segurando, ele passou seus olhos rapidamente por ela e falou.

-Olha só, parece que temos as mesmas aulas no primeiro período...-seu rosto se iluminou em um grande sorriso que me deixou um pouco tonto- Eu estava indo pra sala agora mesmo, gostaria de ir comigo?

-Bom...é claro, se não lhe incomodar...

"Se não lhe incomodar" Wtf?porque caralhos eu estava falando assim? Franzi um pouco a testa pensando no que eu acabei de falar e mordi o lábio inferior.

-Ta tudo bem?-ele disse em um tom preocupado assim que viu minha expressão- está sentindo algo?

-Ah...não, não se preocupe só estava pensando em algo.

-Bom...se é assim então, vamos?

Apenas assenti positivamente com a cabeça e o segui, ele andava alegremente segurando suas pastas contra o peito, me pergunto o porque dele me intimidar tanto, ele era menor que eu tinha cara de ter uns 15 anos no máximo, seus cabelos loiros meio ondulados na altura da orelha balançavam com o ritmo dos seus passos, ele me olhou com seus pequenos olhos cor mel o que me fez desviar o olhar, acho que sem querer acabei encarando ele por tempo de mais e ele percebeu.

-Tem algo em meu rosto?

-Er...-além de beleza? Meu deus porque eu to pensando isso?...sorri sem graça quando percebi no que estava pensando- Não...eu só...posso fazer uma pergunta?

Ele sorriu e acenou positivamente com a cabeça.

-Quantos anos você tem? É que...sabe...você disse que a gente tem as mesmas aulas então...

Ele riu.

-Quantos anos acha que eu tenho?

-Não sei! No máximo 15...

Ele deixou escapar uma pequena gargalhada, mas dava pra ver em seu rosto que estava envergonhado, eu definitivamente não devia ter perguntado

-Eu...bem...sinto muito lhe decepcionar mas eu tenho 18.

O QUE? Não é possível esse pirralho ser mais velho que eu, eu estava prestes a questioná-lo quando ele se virou pra mim e perguntou.

-E você?

Ele levantou sua cabeça para me olhar nos olhos e eu abaixei a minha pro mesmo já que ele era bem mais baixinho que eu.

-De...dezessete...

-Que? Sério?-Ele não escondia o tom de surpresa em sua voz- Achei que você fosse bem mais velho.

Ele sorri envergonhado.

Depois disso a gente continuou conversando sobre coisas aleatórias até chegar na sala de aula, ele abriu a porta e fez sinal para que eu entrasse, eu olhei para dentro da sala e vi o professor me encarando.

-...E você? Quem é?

-E...eu sou o...o aluno novo...Liam Parker...senhor...

-Está atrasado senhor Parker!

-Eu sei eu...

Estava me preparando pra dar alguma desculpa quando Tomas me interrompeu.

-Desculpe senhor Smith eu o atrasei! Pedi para que me ajudasse a carregar alguns livros até a biblioteca, sinto muito.

O sr: Smith pareceu desistir de nos dar bronca e fez sinal para que entrássemos, me sentei na única carteira vaga que havia no fundo da sala e me afundei nela apenas esperando que as aulas terminassem.

Fiquei observando Tomas por um tempo e me perguntando como ele podia ser tão gentil e confiante ao mesmo tempo. Ele era um cara estranho, um estranho bom...de certa forma.

Entre bolinhas de papel sendo jogadas e barulho de giz sendo passado no quadro negro, me peguei pensando em como o sorriso de Tomas me chamará atenção, era...admito...muito fofo, o modo como ele sorria, porque estou pensando nisso? Dizer que o sorriso de um cara é bonito não me torna gay... né?


Notas Finais


Espero que tenham gostado da história o próximo capítulo já esta sendo produzido, obrigado por ler sz
(Ps:desde já, perdão por qualquer erro que contenha na história obg)


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...