História SZ...uncontrollable love...SZ - Capítulo 5


Escrita por:

Postado
Categorias Histórias Originais
Personagens Personagens Originais
Tags Amor, Colegial, Drama, Escolar, Gay, Homemxhomem, Romance, Yaoi, Yuri
Visualizações 72
Palavras 1.463
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Bishoujo, Bishounen, Comédia, Drama (Tragédia), Ecchi, Esporte, Famí­lia, Festa, Ficção, Ficção Adolescente, Fluffy, Harem, Hentai, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Yaoi (Gay), Yuri (Lésbica)
Avisos: Álcool, Bissexualidade, Drogas, Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Pansexualidade, Sexo, Violência
Aviso legal
Todos os personagens desta história são de minha propriedade intelectual.

Notas do Autor


...Oie meus pudinzinhos sz espero que também gostem do novo capítulo porque eu to amando escrever isso...

Capítulo 5 - Sob a chuva


Fanfic / Fanfiction SZ...uncontrollable love...SZ - Capítulo 5 - Sob a chuva

-Você pode pegar o shampoo que ta na minha mochila pra mim por favor?

-Ah...é isso...posso sim!

Vasculhei a mochila dele procurando pelo frasco de shampoo, tinha algumas pastas, caderno, estojo, algo que parecia ser um chaveiro, algumas balinhas de hortelã e finalmente...achei o shampoo! Passei pra ele por cima do box que não era muito alto, dava pra eu ver nitidamente seu cabelo molhado por cima do box, ele agradeceu e eu entrei no box ao lado pra tirar o suor do meu corpo.

(...)

-Poxa você desmanchou as trancinhas que pena!

-Que?

-As tranças, você tava com tranças no cabelo.

-Ah sim, tive que desfazer.

-Eu não sou muito bom com cabelo mas se quiser eu posso tentar refazer.

-Sério?

-Sim, você só presisa ficar paradinho.

-Okay.

Tava sentado no banco da quadra enquanto Tomas tentava refazer as trancinhas no meu cabelo, se bem que parecia mais que ele tava acariciando ele do que tentando refazer as tranças, meu corpo começou a ficar pesado e eu peguei no sono.

POV Tomas

O cabelo do Liam é uma gracinha, e ele fica muito fofinho de trancinhas, eu estava refazendo as tranças no cabelo dele com muito cuidado pra não puxar sem querer e doer, percebi que ele começou a fazer um pouco de peso sobre a minha perna, tentei olhar pro rosto dele e vi que ele estava dormindo, resolvi não acordá-lo já que a culpa dele estar com tanto sono era minha por causa de ontem...droga, eu ainda preciso ir pra sala de reunião falar com o Pietro! Mas eu não posso simplesmente deixa-lo aqui, e ele ta tão bonitinho dormindo, não quero acordar ele, merda! O Pietro me paga por isso!

Passei a mão no cabelo dele e cheguei com meu rosto próximo do seu, soprei gentilmente seu ouvido para ver se ele acordava.

-Ei, bela adormecida, acorda...Liaaam...acorda...

POV Liam

Abri meus olhos lentamente quando ouvi uma voz doçe chamando meu nome, seus cabelos voavam com a brisa que vinha juntamente com o sol da tarde iluminando sua face, por um momento achei que estava vendo um anjo.

-Se eu morri, porque o céu se parece com a quadra da escola?

Murmurei baixinho enquanto me levantava. Tomas sorriu.

-Você não morreu cara só caiu no sono.

Olhei para seu rosto ainda tonto de sono e passei minhas mãos sobre meus olhos.

-Desculpe te acordar, eu...preciso ir...sabe, falar com o Pietro.

-Ah, tudo bem...

Nós descemos lentamente a escadaria da quadra em direção ao corredor onde ficavam as salas, ele seguiu para sala de reunião e eu me direcionei para o banheiro. A água da torneira estava fria, mas era o que eu precisava para terminar de acordar, não encontrei mais Tomas depois que nos separamos no corredor, não vi ele na hora da saida também, acho que ele deve estar ocupado com a reunião.

Andei até em casa chutando todo tipo de pedra que eu encontrava no caminho, cheguei em casa e me joguei na cama tentando esquecer meus problemas e adormeci.

(...)

Acordei com o barulho da minha mãe tirando o carro da garagem, sério? Ela vai sair de novo? Mas ainda é quinta...minha mãe namorava um cara e achava que eu não sabia, saia com ele todo fim de semana e eu ficava em casa sozinho, geralmente jogando, mas ficar sozinho o tempo todo é tão chato. Lembrei do guardanapo no meu bolço com o numero de Tomas, droga que horas são? Ainda eram 8:47, isso, acordei a tempo dessa vez, resolvi chamá-lo.

Oi Tomas> Liam

Fiquei deitado na cama encarando o celular esperando ele responder mas...ele não respondeu.

Resolvi descer e procurar algo pra comer na geladeira, minha mãe tinha deixado um bilhete na mesma dizendo que tinha lazanha no forno e que ela tinha deixado dinheiro no criado mudo do quarto o que me fez deduzir que ela não voltaria hoje. Esquentei a lazanha e fui comer no quarto enquanto via alguma série. Mas meus planos foram interrompidos assim que ouvi o barulho do meu celular.

Tomas> Ola, desculpe mas, quem é?

Não pude conter o sorriso que se formará em meu rosto quando li aquela mensagem.

Ah, sou eu, o Liam> Liam

Tomas> É mesmo, te pedi pra mandar mensagem hoje, desculpe tinha me esquecido.

Tudo bem, mas então, que dia a gente vai sair?> Liam

Tomas> Que dia ta bom pra você?

Sinceramente qualquer dia pra mim ta bom >Liam

Tomas> Certo

> Então pode ser hoje?

Que? Hoje? Tipo agora?>Liam

Tomas> Sim...

Tudo bem >Liam

Ele me passou o endereço onde eu iria encontrá-lo, não sabia ao certo como me vestir então coloquei uma roupa social simples, pus meus ténis e peguei a chave de casa e o celular junto com a minha carteira. Ja estava descendo as escadas correndo quando me lembrei.

-Perfume...é...perfume é sempre bom Liam não esquece...

Subi as escadas novamente e passei meu perfume, tava passando pela cómoda do quarto e abri ela.

-Eu acho que eu não vou precisar disso...

Coloquei o pacotede camisinhas de volta na gaveta, eu só ia sair com Tomas não ia fazer nada de mais, e mesmo que rolasse de alguma garota se interessar por mim eu não ia deixa-lo sozinho pra ficar com ela, isso seria muita filha da putagem. Fechei a casa e pedi um táxi, passei o endereço para o taxista e ele dirigiu calmamente até lá, se ele tivesse percebido a minha impaciência talvez tivesse ido um pouco mais rápido, mas o importante é que eu cheguei! O táxi parou em frente a uma casa noturna onde parecia estar rolando uma balada muito louca, deduzi isso pelas pessoas bebadas se agarrando do lado de fora, olhei em volta e não o vi em lugar algum, até que ouvi meu nome ser chamado da porta do local.

-Liam, ei Liam, aqui! Vem!

Era Tomas, pelo jeito ele ja estava lá dentro, o segurança fez sinal para que eu entrasse enquanto eu ouvia as pessoas da fila reclamando no fundo, Tomas rapidamente pegou minha mão e saiu me puxando pra dentro, fomos em direção a uma mesa onde ja havia varias garrafas vazias, pelo jeito ele ja estava lá a algum tempo.

-Você bebe?

-Hm...não muito.

Não queria recusar ou parecer uma criancinha mas eu não costumo beber muito, só as vezes em algumas festas que eu ia. Tomas me deu uma garrafinha de Ice limão enquanto segurava um copo com o que parecia ser vodka, é, ta bem claro que ele acha que eu sou criança! Franzi a testa e levei a garrafa até a boca tomando um pouco, Tomas ficou me olhando enquanto eu bebia.

-Você ta aqui a muito tempo?-perguntei apontando as garrafas vazias em cima da mesa.

-Não, essa bagunça ai não é minha não.

Ele falava com a voz rouca claramente bebado. Bebi mais um gole.

-Achei que a gente ia tomar um café!

-Eu sei é que...-ele parou de falar no meio da frase.

-Aconteceu alguma coisa?

-É só aquela velha chata do caralho!

Tomas disse com a voz um pouco mole, nunca tinha visto ele falar daquele jeito.

-Quem? Sua mãe?

-É...ela acha que...só porque...ela é a diretora daquela merda de escola...eu sou obrigado a ajudar...a fazer aquela festinha estúpida.

Então a diretora Pillegi era realmente mãe dele. Lembrei de quando vi ele entregando os panfletos, ela deve ter mandado ele o fazer. Eu achei que ele fazia essas coisas porque ele gostava de ajudar os outros. Tomas girava o copo de vodka impaciente como se estivesse esperando algo. Ele então pôs o copo em cima da mesa e me puxou pela mão.

-Vem vamos dançar um pouco! Isso não é hora pra ficar deprimido!

Ele parecia estar falando mais com ele mesmo do que comigo, apenas concordei e fui.

Passei a festa toda tentando evitar que ele bebesse mais, e então falei que queria ir pra casa.

-Mas já? Queria ficar um pouco mais com você.-Ele disse se apoiando em meu ombro quase caindo- Você não quer ficar comigo?

-Eu...eu quero Tomas, mas você não consegue nem parar em pé!

Olha só quem fala, depois da 3 garrafinhas de ice eu ja tava mais tonto que peão de rodeio quando cai do touro, eu não sei beber, eu vejo anime, só bebo toddy não me julgue!!!

Nós saimos da casa noturna com ele ainda apoiado em mim, ele aceitou ir pra casa com a condição que eu fosse andando até lá com ele, como se eu fosse deixar ele ir sozinho até lá! Mas no caminho começou a chover e tivemos que parar pra fugir da chuva, entramos em um lugar completamente escuro onde eu não conseguia ver um palmo na minha frente e era bem apertado, mas o lugar era coberto então tava valendo pra ficar livre de se molhar.

Tomas estava logo na minha frente e pude sentir sua respiração um tanto quanto ofegante. Essa não, será que ele vai...? Congelei ao pensar nisso, e se ele o fizesse? O que eu ia fazer?

Senti seu rosto se aproximar do meu e meu corpo estremeceu, fechei meus olhos, não tinha pra onde fugir, então só fiquei ali parado esperando acontecer...


Notas Finais


o próximo capítulo já esta sendo produzido e o que eu posso dizer sobre ele é...EU NÃO TO BEM...
Mais uma vez...desculpe qualquer erro que contenha na história...


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...