História T h r e e - Capítulo 12


Escrita por:

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS)
Personagens J-hope, Jimin, Jin, Jungkook, Personagens Originais, Rap Monster, Suga, V
Tags Amor, Drama, Jungkook, Lemon, Ménage, Plottwist, Revelaçoes, Romance, Taehyung, Taekook, Three, Threesome, Traição, Três, Trio, Vkook, Yaoi
Visualizações 912
Palavras 2.700
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Comédia, Crossover, Drama (Tragédia), Famí­lia, Ficção Adolescente, Harem, Hentai, Lemon, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Universo Alternativo, Yaoi (Gay)
Avisos: Adultério, Bissexualidade, Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Eu sei que eu disse que só iria atualizar no sábado, porém quando esse capítulo ficou pronto eu não me aguentei de ansiosidade e tive que vir postar :3

Obrigada pelos 27 comentários no capítulo anterior, fiquei muito feliz com tanto retorno positivo *--*

Eu espero que vocês gostem desse também

Vamos conversar nas notas finais!

Boa leitura <3

Capítulo 12 - XII - 'Cause I'm afraid ill leave


Fanfic / Fanfiction T h r e e - Capítulo 12 - XII - 'Cause I'm afraid ill leave

 

 Porque eu tenho medo de amar

Porque eu tenho medo de ir embora

Estou vivendo com essas mentiras

Que só eu acredito

E eu não quero andar

Mas eu não quero correr

Porque eu tenho medo de falhar

Em frente a todos

 

 

Kat Von D – Vanish

 

 

 

Ele apertou o volante da Ferrari 488 GTB com mais força do que imaginou assim que observara a jovem com quem se relacionava sair do carro naquela noite, cuja brisa fria chicoteava os galhos das árvores que ainda se encontravam sem folhas devido ao inverno que passara a pouco tempo. Sabia que tudo o que ela havia lhe dito não passara de mentiras, não era um tolo e muito menos infantil a ponto de não perceber o que estava acontecendo o tempo todo bem em cima de seu nariz, porém aquilo não era um problema seu, não até aquele momento.

 

Jungkook sabia que confrontá-la não faria o menor sentido, não resolveria seus problemas questionar a garota coisas que ela não saberia responder, porém havia uma pessoa que lhe devia respostas, e ele as teria nem se tivesse que tirá-las a força. Desconfiara desde o princípio que alguma coisa estava errada, ele conhecia Taehyung bem demais e de acordo com algumas mudanças em suas atitudes nas últimas semanas, logo ele conectara os pontos.

 

Não que ele imaginasse que a garota com os olhos mais lindos que ele já tivera oportunidade de ver estivesse transando com ele e com o homem com quem ele dividia sua vida desde sempre, de longe algo assim passara por sua cabeça, porém agora, olhando tudo com um pouco mais de desconfiança do que costumara ter quando se tratava de seu hyung, tudo fazia muito sentido.

 

Ele não a culparia, de forma alguma pois no fim de tudo, era era só mais uma pequeno detalhe na confusão que era a vida de Kim Taehyung.

 

Amaldiçoou o mais velho por tê-lo feito de idiota, por ter omitido um relacionamento externo dele, eles haviam combinado que contariam tudo um pro outro, não é mesmo? Por que ele havia escondido um relacionamento tão sério a ponto dele entregar algo tão importante quanto aquilo para ela? Aquele era o símbolo da droga do relacionamento deles, e era a obrigação de Tae dizer a ele quando algo mudasse.

 

Os minutos em que ele passou dirigindo lhe serviram pra pensar e pra ficar ainda mais enlouquecido de raiva do que já estava quando viu o colar no pescoço de Angeline, contrastando com o tom da pele dela... O mesmo colar que ele próprio usava frequentemente e que agora estava parado sobre a cômoda de seu quarto por ele ter quebrado a corrente prendendo-a nos botões de sua camisa sem querer.

 

Jurava nunca ter estacionado seu carro tão mal, na verdade o que ele mais queria era jogá-lo contra a Mercedes de Taehyung e obrigá-lo a pagar o concerto de ambos os veículos apenas para puni-lo por ser um falso desgraçado.

 

Basicamente socou o painel do elevador ao escolher o andar onde ficava o apartamento em que eles dividiam, e quando passou pela porta em direção a sala de estar, a primeira coisa que fez foi retirar o acendedor de lareira do suporte e acertá-lo com força no vaso ridículo que Tae ganhara de sua avó no natal passado.

 

Sem se importar em quantos milhões aquela porcaria valia.

 

O som que a cerâmica fez ao ser quebrada se espalhou pelo cômodo, alarmando o estudante de medicina que revisava alguns conteúdos em seu quarto quando ouviu o barulho. Desceu as escadas pulando de dois em dois degraus, vestido com sua pantufa de coelho e um pijama de seda. Seus olhos se arregalaram ao encontrar Jungkook com um acendedor de lareira na mão, que lhe olhava de forma furiosa.

 

Jungkook não costumava encará-lo daquela forma.

 

Então ele fingiu não ver que o presente dado por sua avó estar completamente destruído, queria apenas dar as respostas que o moreno precisava para que eles resolvessem aquele impasse de uma vez por todas, afinal, ele não suportaria se ver brigado com o mais novo, aquilo estava completamente fora de cogitação.

 

— Você está bravo, não é? — Iniciou o diálogo se martirizando por começá-lo de forma tão idiota.

— Não Taehyung, eu não estou bravo. — Iniciou num semblante sério. Taehyung? Qual fora a última vez em que ouvira seu nome inteiro ser proferido dessa forma por ele? O que acontecera com o Tae? O que acontecera com o amor? — Estou furioso.

 

O futuro médico encarou o estudante de engenharia num misto de surpresa e receio. Não tinha ideia do que havia feito de errado, então decidiu não fazer nenhuma pergunta idiota. Caminhou entre os cacos do objeto e retirou o acendedor de lareira das mãos do mais novo, colocando-o de volta no suporte. Não queria correr o risco da briga ser feia demais e acabar com aquela porcaria enfiada em seu olho, então deveria manter aquilo o mais longe possível deles. Apesar de saber que eles não teriam uma briga violenta — até porque não suportaria a ideia de ferir Jungkook ~ ou ser ferido por ele — a prevenção lhe era a melhor solução. Taehyung soltou a respiração, que até então nem mesmo ele sabia que segurava, e se sentou no sofá, enquanto ainda encarava o homem em sua frente.

 

— Angeline. — Foi tudo o que Jungkook precisou dizer para que Taehyung compreendesse no mesmo instante do que se tratava.

— Jimin me prometeu que não diria nada... Jungkook eu — iria tentar se explicar porém foi interrompido.

— Jimin não me disse nada, eu mesmo descobri ao encontrar o colar no pescoço dela.

— De onde você a conhece? — Questionou sério enquanto observava o moreno caminhar pela sala se certificando de pisar de forma pesada em todos os cacos de cerâmica espalhados pelo chão, fazendo um barulho que irritara Taehyung, o fazendo fechar os olhos por sentir tamanha gastura.

— Eu a conheci em uma boate no dia em que você viajou a Busan.

O loiro rolou os olhos irritado se lembrando da conversa em que tiveram por telefone no dia seguinte de sua viagem, conversa essa em que Jungkook lhe contara os detalhes sobre uma transa com uma garota que aparentemente era estrangeira no banheiro da boate.

 

É óbvio que ele ignorara tal fato, que o mais novo estava com mais mulheres em uma semana do que ele era capaz de contar nos dedos, portanto aquilo era um choque pra ele.

 

Angeline tinha o poder de deixá-lo sem saber como agir, ela era doce, educada e sabia como se comportar, o sexo era incrível e ela era muito inteligente, além de falar com ele sobre assuntos que o interessavam, então quando ele descobriu que gostava dela mais do que gostava das outras prostitutas com quem costumava transar, logo tratou de deixar isso claro para si mesmo, presenteando-a com um colar contendo um pingente idêntico ao que ele mesmo utilizava. O mesmo que Jungkook possuía.

 

Ele não imaginava que ela estava com outro garoto, e muito menos que a pessoa em questão seria seu garoto.

 

Se sentiu um pouco amargurado ao saber sobre isso, confessava, porém ele também não havia sido sincero com ela, não havia dito sobre seu relacionamento com Kookie, e apesar de concordar que aquela era uma terrível e ridícula coincidência, sabia que além de ter que dar boas explicações ao mais novo, também precisaria ter uma séria conversa com ela, afinal, ela havia errado em ter omitido o fato de estar com ele e com outra pessoa, só que ele estava errado também.

 

— Eu gosto dela Jungkook-a. — Falou em um suspiro se afundando ainda mais no sofá. — Eu queria ter dito isso a você antes, nós nos envolvemos rápido demais e quando eu menos imaginei já estava mais apegado a ela do que eu poderia imaginar.

— Eu entendo, e me sinto da mesma forma que você hyung, Angel-ah é uma garota incrível. — Grunhiu se jogando no sofá a frente do que Taehyung estava sentado. — É uma coincidência infeliz que isso tenha acontecido conosco novamente.

— Não falaremos sobre isso hoje Jungkook.

— Já passou da hora de falarmos sobre isso hyung! — Exclamou levando as mãos até o topo de sua cabeça, escorregando-as pelos fios escuros de seu cabelo em sinal de frustração. — Você me prometeu que não colocaria outra pessoa entre nós novamente, você me prometeu que não esconderia nada de mim, e olha só como eu descubro toda essa merda!

— Eu entendo seu lado, e imagino o quanto deve ser frustrante... Só que aconteceu.

— Aconteceu? É essa a sua justificativa? — Focou os olhos em Taehyung rindo ironicamente. — Puta merda Taehyung!

— Não estou dando uma justificativa, estou apenas lhe dizendo as coisas tal como elas aconteceram.

— Só que eu não estou satisfeito com suas respostas Tae, não estou pelo simples fato de que eu confio em você cegamente, acreditando que tudo o que diz respeito a você e que envolva nós dois é claro o suficiente pra ambos, e você decide mentir pra mim.

— Eu não menti pra você JK, eu nunca menti pra você.

— Ah, tem certeza? — O tom de voz de Jungkook era ressentido, o loiro sabia disso, e de forma alguma queria que as coisas seguissem por aquele rumo. Apenas imaginar uma vida sem Jeon Jungkook já lhe deixava frustrado o suficiente para não conseguir pensar em nada que não fosse resolver o quanto antes aquela situação.

— Não me olhe assim Jungkook... — Tae passou as mãos pelos fios cumpridos de seu cabelo irritado. — Você sabe como eu me sinto quando você age dessa forma.

— Você só pode estar de brincadeira. — O mais novo ralhou irritado. — Você tomou uma decisão que não envolvia apenas você sozinho, sem me consultar, omitindo coisas pra mim. Como quer que eu olhe pra você?

— Quero que você me olhe da mesma forma de sempre Jungkook... Depois de tudo o que vivemos juntos eu espero que você jamais duvide do meu amor. — O moreno balançou a cabeça em negação, apertando os próprios dedos para controlar qualquer ato impulsivo. — Nós não podemos brigar por isso. — Se levantou do sofá, caminhando até o mais novo, abaixando-se ao seu lado e pegando sua mão. — Nós não podemos brigar por motivo algum.

— Eu tenho medo de tudo dar errado Tae, eu não quero que você esconda nada de mim porque eu quero estar preparado caso algo aconteça.

— Não vai acontecer nada Jungkook... Eu te amo.

 

Ele gostava de tentar passar segurança para o namorado, ele não costumava ser muito confiante quando se tratava do relacionamento dos dois, mesmo sabendo que era pouco provável que um dia este chegasse ao fim. Apesar de tudo ele não queria tomar decisões erradas e confundir ainda mais a cabeça de Jungkook, que já era inseguro demais.

 

— Não vamos nos separar, não é hyung? — Os olhos de Jungkook brilharam olhando para ele numa súplica que quase o fez desatar em lágrimas.

 

Ele sabia o quanto tudo aquilo era difícil para Jungkook, ele basicamente só tinha a si e um pai atarefado que só pensava no dinheiro e nos patrimônios financeiros da família. A ideia de separação jamais passaria pela cabeça dele, então ainda era difícil tocar no assunto que tanto machucava o moreno. No início ambos recusavam os próprios sentimentos pelo medo da rejeição, porém quando a situação ficou insuportável a ponto da amizade deles estar prejudicada, eles assumiram um para o outro o que sentiam.

Eles se amavam.

Um amor puro, e nem um pouco inocente.

— Eu jamais vou me separar de você.

Apenas ele conhecia o quão receoso era Jungkook em relação aos sentimentos. Ele tinha medo de se entregar, medo de errar, e por isso, acabava se afundando em sonhos que ele não tinha para si, e se esforçando ao máximo para que todas as expectativas de sua família para com seu sucesso tivessem cada vez mais fundamento, o que o deixava frustrado e apavorado pelo medo de não ser bom o suficiente.

E o mais velho sabia que ele não era o suficiente para dispersar tantas frustrações.

E por isso a ideia de relacionamento aberto fora imposta por ele tão rapidamente, pelo medo do garoto que tanto amava se entregar a depressão. A princípio as coisas foram difíceis, ele não se sentia confortável em estar com qualquer pessoa que não fosse Tae, porém após acostumar-se, envolver-se sexualmente com quem quer que fosse lhe trazia uma indescritível sensação de liberdade. Já Taehyung não se importava, Jungkook era mais do que o suficiente para si, então ele apenas fechava os olhos e fingia não ver o que acontecia ao redor pois enquanto Jungkook estivesse feliz, ele também estaria. Já haviam passado por muitas coisas juntos, construíram sonhos e fizeram planos para si, planos estes que jamais seriam concretizados se não tivessem um ao outro. Eles se completavam, eram como almas-gêmeas, e nada seria capaz de abalar tal relacionamento.

Até que o maldito triângulo apareceu.

Nunca uma figura geométrica causara tanto ódio em Jungkook, até porque ele mesmo era apaixonado por elas. Foi difícil demais para eles conseguirem reajustar o relacionamento após tudo aquilo, porém mesmo com tamanha dificuldade jamais pensaram, nem que por um mísero segundo, deixarem um ao outro. Usar aquele colar mostrava o quão fortes eles eram, o quão eterno aquele amor poderia ser desde que continuassem próximos um ao outro.

— Então vamos resolver isso o quanto antes hyung, eu não quero continuar me sentindo assim... — Afirmou se referindo as barreiras que um relacionamento ás escondidas com uma terceira pessoa causava em sua própria relação.

— Jungkook-a, eu realmente gosto da Angeline. Não quero abrir mão dela. — O loiro suspirou olhando para o cenho franzido do namorado, que parecia entender sua situação.

— Ela me disse desde o início que tinha um relacionamento com alguém Tae, eu disse que não me importava devido a forma como as coisas são entre eu e você... Se eu soubesse que era você eu não teria me envolvido com ela, de forma alguma.

— Hey, amor... eu realmente não me importo com isso, certo? Se for pra fazer algo assim, nós faremos juntos.

— Você tem certeza que quer colocá-la nisso hyung? Você sabe o quão complicado isso é.

 

De fato ele sabia. Se Jungkook o pedisse para escolher a resposta seria mais do que imediata, ele jamais cogitaria trocar o moreno por quem quer que fosse. Porém ele estava confuso, desejava Angeline como jamais imaginou que desejaria uma mulher, ela o enlouquecia, e assim como as coisas aconteciam com ele, também aconteciam com o mais novo, que se sentia da mesma forma em relação a garota que para eles, era semelhante a uma droga por ser tão viciante.

 

Era difícil admitir porém as sensações que ela causavam em ambos era semelhantes as que eles sentiam quando estavam um com o outro. As chances de tudo aquilo dar errado eram absurdamente gigantescas, porém eles precisavam tentar.

 

— Se não der certo...

— Nós dois continuaremos juntos.

— Independente do que aconteça Jungkook, eu sempre volto pra você.

 Eu sei.

 

E então ele simplesmente se sentou no colo do moreno, colando seus lábios da forma como eles sabiam fazer tão bem. Suas línguas dançavam entre si enquanto ambos provavam do gosto que tanto conheciam, separando-se apenas quando o ar faltara.

— Eu amo você. — Taehyung sussurrou enquanto ainda permaneciam com as testas coladas.

— Eu te amo muito mais.

E daquela forma ficara decidido, enquanto após fazerem amor durante toda a madrugada — apesar das lamúrias de Taehyung em relação ao vaso milionário destruído por Jungkook — optaram por irem juntos a faculdade no dia seguinte no intuito de conversar com a estudante de jornalismo, colocarem tudo em pratos limpos e fazerem a proposta que iria ditar o começo de um novo relacionamento entre eles, ou o fim do que eles já haviam vivido. Só esperavam que Angeline tivesse a mente aberta e entendesse toda aquela situação, que não os julgasse e aceitasse a proposta que eles fariam já que, naquela altura do campeonato, eles teriam dificuldades em ficar sem ela.

 

O que eles não poderiam imaginar, é que eu caminharem em direção ao refeitório da universidade no dia seguinte, seriam recebidos por uma Angeline furiosa, que com os olhos vermelhos e lágrimas grossas escorrendo por seu rosto, encarava-os num pedido mudo de respostas.

 


Notas Finais


Vamos falar sobre lemon? Vamos!

Eu iria escrever um nesse capítulo, porém sei que muita gente não gosta e eu quero conseguir agradar todo mundo então achei melhor perguntar primeiro...
Caso não se incomodem eu escreverei um em breve, caso não gostem eu não detalharei nada por enquanto, porém não tem como fugir disso, então deixem nos comentários o que pensam a respeito <3


Gostaram desse capítulo em terceira pessoa? Caso queiram eu posso escrever mais dessa forma, particularmente eu gosto bastante e bom, é isso....

Não vou dizer que atualizarei no sábado porque é muito provável que eu faça antes disso

Então até breve <3


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...