1. Spirit Fanfics >
  2. Tá com ciúme? >
  3. Eu quero arruinar a nossa amizade

História Tá com ciúme? - Capítulo 1


Escrita por: piscesxvi

Notas do Autor


Gente hehe mais uma olha só escrevi tudo isso HOJE TIPO AGORA!!! nem revisei então relevem alguns errinhos tá? mais tarde eu releio tudo com calma e talz. outro universo alternativo eremin e dessa vez com toques de comédia, espero que gostem bastante, por ora temos só um prólogo com SMUT iii rapaz olha só kkkkkkkk boa leitura

Capítulo 1 - Eu quero arruinar a nossa amizade


Fanfic / Fanfiction Tá com ciúme? - Capítulo 1 - Eu quero arruinar a nossa amizade

Capítulo 01: Eu quero arruinar a nossa amizade

Praticamente todos os seus amigos mais próximos já tinham zoado Armin e Eren devido à união que os dois tinham. Tudo porque os dois amigos eram apenas isso: amigos. A natureza daquele...  relacionamento — ou seja lá o que era aquela merda — chegava a incomodar qualquer um que passasse pelo menos cinco minutos perto dos indivíduos por culpa de seus toques nada amigáveis, ou melhor, talvez amigáveis até demais. 

    Porém o pior de tudo, era quando alguém finalmente enlouquecia (lia-se: Levi) e perguntava (lia-se: berrava) o que eles eram. Noivos? Amigos com benefícios? Namorados? Tico e Teco?

    E então vinha a resposta de Eren, coberta do que parecia ser confusão genuína. Ora bolas, pra que tanta dúvida sobre o relacionamento que tinha com Armin? 

“Somos melhores amigos,” era o que respondia sempre. “Apenas.”

    Amigos que sentam no colo do outro, amigos que dormem agarradinhos a cada vez que a oportunidade se fazia presente, amigos que conheciam toda a família do outro, amigos que davam comidinha na boca do outro, amigos que andavam de mãos dadas, amigos que ficavam até três da manhã sonhando em adotar um cachorro (“E um gato!” Armin sempre insistia), amigos que faziam carinho no cabelo do outro, amigos que passavam os aniversários juntos afinal eram a pessoa mais importante para o outro, amigos que dividiam roupas, amigos que moravam juntos, amigos que tinham fofocas internas, amigos que… ah, enfim. Coisa de amigo, não é? Bros for life. 

    Mas, aparentemente, para Jean e cia, trabalhar somente para viajar o mundo com Armin ou ser pior que um cão de guarda possessivo não era comportamento de “só amigos, bros.”

    E por mais que negasse, no fundo, bem, bem lá no fundo mesmo, Yeager sabia que todo o ciúme que sentia cada vez que Armin arrumava um namoradinho ou namoradinha, não era infundado. Porque ele sentia tanta raiva toda vez que Arlert não o dava atenção ou então quando alguém tentava roubar seu lugar. Ou até mesmo o motivo de suas próprias namoradas terem terminado consigo porque, aparentemente ele só se importava com o loirinho que chamava de melhor amigo. 

    Agora, com o pau de Armin na sua boca, ele finalmente entendia o porquê. 

    — Caralho, eu te amo! — Exclamou seus pensamentos em voz alta, mas devido ao membro que tinha ao redor dos lábios, acabou saindo algo como “carrrnhn ee ti aahnu”, enviando vibrações por todo o comprimento do outro, ouvindo o gemido satisfeito de Armin como resposta. 

    Muitos diriam que aquele cenário não seria o melhor de todos para ter uma revelação como essa, porém Eren nunca fora conhecido por ter a mente mais brilhante do grupo. Acabou engasgando tamanha surpresa e suas bochechas arderam em vergonha devido a isto, sempre soube que era bi (“Pelo menos isso,” ouviu a voz de Mikasa em sua mente. Estranho.), mas aquela era a primeira vez que pagava um boquete e era um boquete para o recém descoberto amor de sua vida, não queria pagar mico. 

    Contudo, Armin apenas sorriu — aquele sorriso brilhante e quente de tal forma que Sol nenhum nunca poderia se comparar — e puxou o rosto de Eren para perto do seu.

    — Vem cá… — Sussurrou rente os lábios vermelhos do moreno, para logo em seguida beijá-lo com uma fome que chegou a deixar a mente do Yeager zonza tamanho o desejo que sentiu. Apertando com força a cintura fina de Armin que liberava uns gemidinhos manhosos toda vez que fazia isso e Eren bebia cada som que sabia daquela boca gostosa do loiro. 

    As mãozinhas apressadas de Armin foram até o abdômen definido do moreno, arranhando e dedilhando em meio ao ósculo, fazendo com que Eren suspirasse e se arrepiasse tudo ao mesmo tempo. Sentir o toque quente de Arlert em si, era algo que nunca soube que precisava tanto. O loiro interrompeu o beijo para levantar a camisa preta do outro e após isso se pôs a admirar o “amigo”, se é que ainda podia chamá-lo assim.

    Vê-lo despido já era habitual, nunca falhava em lhe ferver as bochechas principalmente agora que pela primeira vez, os dois se encontravam numa posição tão comprometedora. Eren nunca ficou tão bonito quanto agora; de lábios e rosto incrivelmente vermelhos, chupões aquarelando seu pescoço, o cabelo longo absolutamente bagunçado e os piercings brilhando mesmo no quarto relativamente escuro, Armin sabia que teria sonhos com isto depois. 

    Mas agora encontrava-se ocupado demais em admirar o pequeno espaço molhado no moletom de Eren. Empurrou este contra seu colchão, surpreendendo-o e sentando sobre o seu quadril, rebolando no seu pau e não pode evitar o riso solto ao ouvir um gemido sôfrego como resposta. 

    Armin mordeu os lábios e se concentrou na sensação do membro rígido de Eren deslizando entre suas nádegas, porém insatisfeito devido aos tecidos no meio do caminho. Abaixou o corpo e sussurrou rente ao ouvidinho do moreno: 

    — Tira a calça pra mim, Eren? — Ronronou o pedido e mordeu o lóbulo alheio lentamente. 

    Yeager acatou a ordem com tanta “empolgação” que quase derrubou o loiro por acidente, todavia este apenas riu da atitude do outro. Estava feliz que finalmente podia ter esse momento com o garoto. 

    Assim que ambos finalmente se viram livres dos empecilhos conhecidos como roupas, Armin levou sua mão até as partes baixas daquele sob si, massageando e apertando. Eren se engasgou em meio aos próprios gemidos, sentindo os estímulos daquelas mãos tão macias e pequenas em seu pau e o fato do loiro distribuir vários beijinhos ao pé do seu pescoço não o ajudavam em nada.     Mal haviam começado, mas não pôde impedir as lágrimas de prazer que se acumularam nos cantos dos olhos verdes, por toda a vida, sempre se comportou como um bebê chorão, mas Armin o deixava vulnerável de uma forma que não achava ser possível. 

 Todavia, quando se tratava do amigo, tudo era diferente. Logo o sexo não podia ser diferente. 

Seu prazer explícito deve ter despertado o desejo de tortura de Armin, pois Arlert ao observar o cabelo escuro grudar contra a testa orvalhada de Eren, diminuiu a velocidade de seus movimentos, aparentemente desinteressado em fazer com que o moreno alcançasse o ápice. Agora, ia lentamente e o provocava com a pontinha de suas unhas na pele sensível, vendo o quadril de Eren mexer-se descoordenado, tentando alcançar alívio que não lhe era permitido pelos toques do loiro. 

— Armin, ahn- — gemeu impaciente para o divertimento do outro garoto. 

— Você quer mais? — Sabia que Eren não iria implorar, pelo menos não ainda. Mas não podia evitar implicar com ele de outras formas. Era engraçado como Yeager era alto, forte e intimidador para muitos, com tantos adereços de prata pelo corpo parecendo um delinquente. Mas ali, naquele momento, se reduzia a uma bagunça de gemidos e suspiros só para Armin, que o controlava apenas com os dedos de sua mão direita. — E se eu fizer assim?

— Porra! — Xingou ai sentir a mão do loiro apertar a cabeça de seu pau para logo em seguida esfregar a digital de seu dedão contra a mesma agressivamente, mais interessado em surpreendê-lo com a intensidade do ato do que proporcioná-lo prazer de fato, mas para Eren todas as emoções como prazer, dor ou amor se misturavam ali, incapaz de diferenciá-las. 

— Eu não sabia que você tinha um piercing logo aqui, Eren… — Disse brincando com o pedacinho de metal. — Achei que contávamos tudo um para o outro, não é? 

Armin deslizou a palma contra a glande melecada de pré-gozo, estava tão vermelha, tão necessitada por uma liberação que até mesmo sentiu uma pontinha de pena do seu Eren, por isso largou o membro deste e beijou os lábios dele, porém o ósculo se tratava mais de suspiros desesperados do que um beijo propriamente dito, respirando na boca um do outro enquanto suas línguas se encontravam. 

— Eu imagino como vou me sentir com isso dentro de mim — terminou de dizer, sorrindo travesso. Sentou-se sobre o quadril do outro novamente e conteve a felicidade no momento em que as mãos de Eren foram automaticamente até sua cintura, sem nem pensar duas vezes. 

 Com a mão direita, começou a punhetar ambos ao mesmo tempo. Despreocupado ao gemer em alto e bom som vendo ver a maneira como Eren jogou a cabeça para trás, mostrando todo o pescoço coberto de uma paleta de cores roxas e vermelhas, ele teria que usar gola alta no dia seguinte por culpa dos dentinhos de Armin. O loiro levou a mão esquerda até a própria entrada já molhada por lubrificante, visto que havia se preparado antes do amigo entrar em seu quarto, mas após ver que Eren era maior do que os vibradores que mantinha ali, decidiu enfiar mais dois dedinhos só por via das dúvidas. 

Olhou para baixo encontrando as íris esverdeadas que lhe encaravam de volta com uma intensidade que lhe fez tremer, parecia que Eren nem sequer pensava, totalmente envolvido no único momento que realmente importava: agora.  

— Eu quero ficar por cima de você assim. — Honestamente, ele já havia imaginado aquilo de várias maneiras diferentes, mas queria poder olhar para o moreno da maneira que fazia neste instante. Empurrando seus ombros para baixo, sentando no seu pau, era assim que almejava fazer. — O que acha?

    Eren preferiu nem dizer o que achava, só o fato dele não ter gozado até agora já era um incrível feito para a humanidade e com Armin daquela maneira sobre si, sendo tudo que podia tocar, sentir, ouvir e cheirar, tomando conta de todos seus sentidos… lhe destruía por dentro, mas queria que o outro estivesse lá para colocar cada peça de volta no lugar. 

    O curto cabelo loiro de Armin assemelhava-se a uma auréola, porém agora Eren sabia que ele poderia ser qualquer coisa, mas anjo não era uma delas. 

    Mas como um clarão de consciência (coisa rara para ele), divergindo totalmente da direção que seu pênis queria ir, ele precisava perguntar, pois sua amizade com Armin era mais importante do que uma foda. 

    — Armin, — começou a dizer, surpreso com a própria voz rouca e pesada de desejo — tem certeza que você quer fazer isso? Digo, somos… amigos, certo?

    — Qual o problema? — Sussurrou tal como um sonho feito somente para o outro, deslizando suas unhas curtas contra o abdômem de Yeager. — Amigos podem fuder, não podem? Vamos ficar mais próximos do que nunca agora. Eu quero isso, quero você. Você me quer também, Eren?

    “Ai caralho,” pensou. Porém o beijo para qual puxou Armin foi resposta o suficiente para o loiro que sentou sobre o pau de Eren, sentindo o deslizar do piercing dentro de si. Ambos gemeram em meio ao ósculo, mas não pararam. 

    Armin se pôs a rebolar em círculos, sentindo lágrimas se formarem nos próprios olhos azuis devido ao tamanho que lhe invadia, porém a ardência lhe proporcionava mais prazer do que dor, um alívio que lhe sufocava, porém era perfeito. Eren o abraçou pela cintura, unindo ainda mais os corpos, fazendo com que o pau molhado do loiro deslizasse contra os dois abdomens. 

    Permaneceram nesses movimentos por algum tempo, até que o moreno decidiu marcar o outro assim como havia sido feito consigo, desceu a boca faminta atrás da orelha e pela clavícula e se pôs a pintá-lo de vestígios de seus dentes e chupões, sentindo a possessividade aflorar dentro de si da maneira mais gostosa.

    — Rebola pra mim, Armin? — Pediu e o loiro nunca poderia dizer não. 

    Arlert subiu e desceu sobre o pau de Eren e sentiu este dedilhar os seus mamilos sensíveis e a própria garganta tornou-se rouca com o quantidade de sons que deslizavam sem permissão para fora de sua boca. Estava expelindo sua própria essência entre eles, pensando no perfume de Eren que ficaria em seus lençóis e travesseiros após tudo isso. 

    — Eren! — Gemeu manhoso, sentindo o amigo lhe acariciar da melhor forma possível em seu interior, atingindo cada partezinha que lhe fazia enxergar estrelas sob suas pálpebras. Dando tudo de si, mesmo que suas pernas ardissem, só pensava em seu ápice, concentrado em sentir o outro lhe preenchendo. 

    De repente, sentiu falta dos dentes do Yeager no seu pescoço, mas este agarrou seu cabelo para trás e sentou-se, colando o peito contra o de Armin. Eren fincou os dois pés no colchão e começou a fuder a entrada quente e molhada do loiro, metendo com força. Não podendo evitar fechar os olhos com a maneira que o outro lhe apertava. 

    — Mais, Eren. Mais forte! — Pediu rouco, sentindo cócegas com o cabelo longo do outro. 

— E se eu fizer assim? — Repetiu as palavras de Armin como vingança, serpenteando suas mãos nas coxas roliças do loiro seguindo até sua bunda, desferindo um tapa no local. O som ressoou por todo o cômodo. Eren estava determinado a meter bem naquele ponto que faria lágrimas descerem pelo rosto bonito do outro. Queria arruina-lo mais do que qualquer coisa. 

 — E-Eren, uhnm! — Chamou-o, abraçando os ombros do de madeixas escuras, apenas recebendo a força de suas estocadas. 

Com muita energia, Eren inicia a fuder o loirinho com ainda mais rapidez e se torna difícil para respirar, a respiração de Armin fica presa na garganta e sua cabeça fica zonza com a temperatura quente, o suor brilhando pelo seu rosto.

— Porra, você fica tão gostoso assim, Min — desabafou ao ver este se derreter em seus braços, tentando não chorar de prazer.

— Só pra você… — Sussurrou de volta, deixando que essas palavras transmitissem o que ainda não conseguia dizer. 

— É? —  Provocou, tentando não sorrir. Eren apertou o quadril de Armin contra a sua pélvis, para que ele não saísse do lugar e com isso pôs se a penetrá-lo com vigor e a nova posição é como o próprio paraíso para o loiro que não conseguia mais formar frases que não fossem quebradas ou interrompidas pelos próprios gemidos, ele apenas rezava contra o peito de Eren para que o moreno não parasse de fudê-lo. — Só pra mim? Meu para fuder, para beijar… é isso, Armin?

O loiro apenas choramingou como resposta e mordeu os próprios lábios para não permitir que um som ainda mais vergonhoso saísse, apertando os braços de Eren, desesperado para segurar algo, tentando manter qualquer traço de sanidade. 

— Então fala, Armin. 

— S-Seu — respondeu trêmulo com os estímulos. 

— De novo — Eren abraçou o corpo de Armin contra o seu, desesperado por contato, estava quase lá, mas não queria acreditar que seriam apenas amigos depois disso, não queria acreditar que seria a última vez que poderiam fazer isso. 

— Só seu, Eren! — Disse enquanto arranhou os braços do outro, sentindo o próprio membro esfregar contra os abdomens e quando olhou para o rosto de Eren, os dois chegaram ao ápice. Armin sujou a barriga de ambos e mesmo que pudesse finalmente sentir Eren se derramando dentro de si, este não parou com os movimentos. Determinado a continuar fudendo Armin através de seu orgasmo e com isso, as lágrimas que tanto segurou finalmente caíram. 

    Antes que Armin começasse a sentir dor devido a sensibilidade, Eren parou. Despejando toda a sua essência no loiro. Ambos respiravam fortemente e arrepios corriam por seus corpos, mas não se soltaram. Ainda não. 

    Com cuidado, Arlert remou-se do colo alheio e, sem forças, caiu no peito de Eren, mas pouco podia se importar com isso quando sentia a porra saindo de sua entrada maltratada e os dedos longos de Eren massagearem suas costas. 

    O de cabelo escuro se afastou com cuidado e pegou sua blusa do chão e limpou toda aquela bagunça antes que ficasse desconfortável mesmo que suas pernas ainda tremessem um pouco. Foi até o banheiro e voltou ao quarto do loiro com uma toalha molhada, passando o pano delicadamente pela testa e peito suados do amigo, o ato de cuidar de Armin tão natural para si, que nem ao menos caiu a ficha até que deitou na cama novamente. 

    Caralho, ele havia transado com o seu melhor amigo. Porra, caralho, puta que pariu, fudeu. Ainda bem que sua mãe não podia escutar seus pensamentos ou então ela já estaria puxando sua orelha até que a pobrezinha caísse. 

    No dia anterior, ele havia ajudado a montar seu cenário já que ele possuía experiência por causa de suas próprias lives na Twitch, mas acontece que Armin não queria fazer stream de jogos, não, ele queria fazer stream… de outras coisas: o seu corpo. Algo que deixou Eren um tanto quanto neurótico, para não dizer totalmente doido. 

    Afinal Armin não precisaria fazer isso se estivesse precisando de dinheiro, afinal Yeager ganhava o suficiente para sustentar os dois, afinal esse sempre foi um dos seus objetivos: bancar o loiro para que pudessem ir ver a porra do oceano quantas vezes quissessem ou até mesmo comprar uma casa em frente a praia. 

    Mas a diferença era que nada e nem ninguém estavam forçando Armin a fazer isso, muito pelo contrário, ele queria. Então Eren como um bom namo-, digo, como um bom melhor amigo, já que ele não era apenas bom, mas sim o melhor de todos os amigos, deu total apoio e ajudou o loiro a posicionar as câmeras e todo o aparato de iluminação. E hoje mais cedo, ele passou em frente ao quarto do Armin e ouviu um “Ai!”

    Entrou desesperado já achando que ele havia caído e batido a cabeça, sangrando no chão quando o encontrou de quatro com três dedos dentro do seu… enfim. 

    Deu no que deu e agora, Eren podia dizer sem qualquer tranquilidade que estava prestes a ter um ataque cardíaco sério, precisava de um médico. 

    — É, então… — Armin começou a dizer, um tanto tímido levando em consideração o que tinham acabado de fazer. — Isso foi intenso, né?

    Mas o amigo não respondeu, pois estava ocupado surtando até amanhã. Mil vezes porra, caralho. Eren nem sabia que estava apaixonado por Arlert todos esses anos e aí a primeira coisa que ele inventava de fazer era meter naquele c-

    Enfim.

    Ao mesmo tempo em que Yeager queria pegar aquela amizade deles, fritar e depois fazer purê para que assim eles pudessem florescer num lindo matrimônio. Sentiu medo, mas não foi qualquer medo, foi um medo do caralho. Não podia nem ao menos pesquisar no site WikiHow: “Fudi meu melhor amigo, como proceder?”

    — É — respondeu.

    — Acho que seria melhor se nós conversássemos sobre isso talvez? — Armin propôs, sempre o sábio. Mas Eren não queria discutir e conversar NADA. O que o loiro iria dizer? “Desculpe, Eren. Foi calor do momento e não, não quero ser seu namorado e muito menos seu amigo”? De jeito nenhum! 

    Se não poderia entrar num relacionamento com o outro iria pelo menos fazer o que estava ao seu alcance para manter a amizade, afinal Arlert mesmo havia dito que amigos podiam fuder, né? Então pronto! Tudo resolvido. 

    — Ainda somos amigos, certo? — Perguntou o moreno. 

    — Somos sim, claro, mas- 

— Ótimo — interrompeu-o, temeroso que algo terrível saísse de lábios tão lindos como do Armin, não iria aguentar uma rejeição. — Quer comer sushi? Vai ser por minha conta!

Perguntou, mas nem ao menos deu tempo para o loiro responder. Apenas deu uma risadinha que não teve graça alguma, prendeu e desprendeu o cabelo e saiu do quarto tropeçando e esbarrando no nada. Deixando o loiro sozinho no quarto com uma expressão resignada 

 


Notas Finais


Gente essa ideia de botar um piercing no piupiu do eren foi muito de última hora tipo eu pensei ah já que tô aqui mesmo então vamos sabe??? e vcs viram que eu deixei o piupiu dele grande tbm pra ver se assim ele para de compensar através de outras coisas mas continua o mesmo nervosinho de sempre claro né tbm não faço milagre kkkkkkkk MAS ARMIN EU FIZ ISSO POR VC MEU FILHOOO

agora vamos lá queria dizer que esta fanfic só existe pq eu sempre quis algo nessa temática streamer x gamer pq eu amo amo amo demais e também que ela começou por causa de uma outra fanfic pq eu mandei pros meus amigos "olha só a fic que eu achei" e depois foi "kkkkk imagina um eren gamer todo estressado" e deu no que deu então @tharishoto não sei se você está lendo isso mas é da sua fic mesmo que eu tô falando, obrigada por ela, é boa demaaaais, vou deixar o linkzinho aqui pra quem quiser ler: https://www.spiritfanfiction.com/historia/meu-frifas-21856975

agr é isso me digam o que vcs acharam e se querem saber o que acontece depois deixem ai nos comentários beijoooos


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...