História Taehyung e o Cosmos Atrevido - Capítulo 1


Escrita por:

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS)
Personagens Kim Seokjin (Jin), Kim Taehyung (V)
Tags Fluffy, Kim Seokjin, Kim Taehyung, Taejin
Visualizações 74
Palavras 1.104
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Bishoujo, Fluffy, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Slash, Universo Alternativo, Yaoi (Gay)
Avisos: Homossexualidade, Linguagem Imprópria
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Capítulo 1 - Rostinho de porcelana; único.


Fanfic / Fanfiction Taehyung e o Cosmos Atrevido - Capítulo 1 - Rostinho de porcelana; único.

Tem dias em que se levanta com o pé esquerdo e então tudo vira de cabeça pra baixo, o cosmos se irrita e o dia com certeza, terá desastre atrás de desastre. Assim foi o dia de Taehyung, que já de manhã, encarou o chuveiro queimado e teve de escolher entre um banho bem gelado ou um de canequinha; acabou ficando com uma terrível ducha gelada de dois minutos.

Abriu o pote de manteiga e viu só as raspinhas, o requeijão já estava vazio na pia e o pão teria que descer no seco mesmo; a essa altura, já pensava consigo o que estava acontecendo, mas o fato de estar atrasado, não o permitiu desenvolver o raciocínio.

No caminho pro trabalho, até se esqueceu de que o dia começara estranho, o trânsito andava bem, o tanque cheio, na rádio um sambinha animado, tudo muito bom, mas não por muito tempo; faltando quatro quadras para chegar, o carro decide que não quer mais continuar e para numa esquina qualquer, o deixando entre a cruz e a espada – salvar o carro ou manter o emprego – já que o primeiro dependia do segundo, deixou o maldito naquela esquina mesmo e usou as pernas nada acostumadas, em uma corrida.

Mesmo estando com um banho precário na conta, um pão quase entalado na garganta e um pulmão sem ar, conseguiu começar o trabalho a tempo e seu chefe só o olhou de esguio, como quem diz “foi por um fio garoto”.

No decorrer do dia, Taehyung perdeu o intervalo do café e, quando chegou na cozinha, não restava uma mísera rosquinha doce ou um gole de café; a copiadora engoliu seu relatório e o chefe o fez descer e subir quatro vezes ao departamento jurídico, onde ficam os funcionários mais temidos de toda empresa.

Tudo que o acinzentado queria era uma pausa do mundo ou que um ovni o viesse buscar; mas quando o cosmos decide, não há o que fazer, como bem dissemos. Seu horário termina às 17h, mas o carro ainda estacionado na esquina, o atrasou em duas horas; o trânsito depois das 19h é o próprio inferno, então só conseguiu pisar de volta em seu, não tão doce, lar às 20h45. Com um saldo negativo, a incerteza de que o carro fora mesmo arrumado, sem um chuveiro quentinho e pra fechar, sem jantar.

Só lhe restava rir para não chorar; se sentou no sofá com os cotovelos apoiados nas coxas e a mão na cabeça, sem saber o que de fato teria que fazer para que o dia não terminasse tão trágico quanto o seu decorrer. Decidiu encarar um banho de caneca já que, o dia esfriara e novo banho de gelo o deixaria com o humor ainda pior.

Mas é aquela coisa, o jogo só acaba, quando termina; no meio da quinta canecada quentinha, um relâmpago, seguido de um trovão assustador, deu início a uma tempestade não anunciada e, antes que pudesse retirar o shampoo de flor do cabelo, a energia da casa cai, deixando nosso pobre protagonista, com espuma no cabelo e uma última caneca na mão.

Depois de esbravejar palavras como – filho de uma mãe, baralhos do inferno, caceta de dia – saiu do banho com o cabelo não muito bem enxaguado, tateando as paredes e batendo o dedinho no batente. Foi a caça de uma vela, depois de não encontrar o bendito celular em lugar algum; tudo que achou foi, uma vela aromatizada já no fim, que duraria não mais que uma hora.

Perto das 22h, Taehyung estava jogado no sofá, com seu pijama de dinossauros, com a barriga roncando, os olhinhos cheios de lágrimas, com o som da chuva forte batendo nas janelas e a vela ameaçando se apagar a todo momento.

Ouvir o toque da campainha, fez com que seu coração gelasse, afinal, que fim melhor pra um dia desses, do que um psicopata batendo na porta à uma hora daquelas. Demorou a atender e só ao ouvir a campainha ser pressionada desesperadamente, é que tomou fôlego para encarar seu destino.

Abriu a porta com toda sua coragem, preparado para usar seu karatê kid no vilão; mas pra sua surpresa, viu a sua frente, o rostinho de porcelana de seu hyung Seokjin, todo ensopado e com muitas sacolas na mão.

- HYUNG!!

- Me deixa entrar desgraça, você não olha o celular não? Eu te mandei umas dez mensagens sua peste! – Seokjin foi adentrando a casa, largando as sacolas enquanto esbravejava com o mais novo.

- Tá sem luz, eu perdi meu celular aqui... 

O mais novo ia dizendo, enquanto se aproximava do outro, quase tremendo de felicidade, afinal, quem mais poderia salvar aquele dia, senão o homem mais doce de sua vida, com aquele jeitinho de ser, que espantava qualquer má sorte no tapa de chinela.

- AAAAA hyung!!! – Surpreendeu o mais velho, pulando em seu pescoço, com lágrimas sofridas nos olhos.

- Oxe, meu deus, porque você tá assim? É medo de chuva é?

- Não é que meu dia foi um grande fracasso eu não pude tomar banho direito comi pão seco meu carro quebrou meu chefe me odeia não me deixam café e eu gastei trezentos reais que eu não tinha pra arrumar aquela velharia daí eu cheguei e nem tem janta e a luz acabou – A frase saiu sem pausas, o deixando vermelho e sem ar.

- HAHAHAHAHAHAHAHHAH

- PORRA HYUNG, 'CÊ TA RINDO!

- Desculpa, desculpa meu amorzinho, mas aaaa, você é mesmo um neném!

A cena era cômica, Taehyung agarrado ao mais velho, enquanto esse, gargalhava e afagava o cabelo do outro, como se fosse um filhotinho de cachorro bem fofinho e manhoso. Mas como eu disse no início, o cosmos sabe bem o que faz; veja bem, trabalhou com os dois, já que no meio de seu sofrimento, tudo em que Taehyung pensava era no sorriso bonito do hyung e enquanto o mais velho estava lá em sua confeitaria, preparando bolos, tortas e afins, tudo que ele pensava era em como seu docinho de leite estava passando o dia; o destino entrelaçado dos dois, sabe o que faz e tudo sempre tem aquele porquê, mesmo que não faça sentido.

A noite foi terminando, com Taehyung bem acomodado nos braços do hyung, enquanto era alimentado com a comida caseira que tanto ama, à luz de flash, do celular do mais velho. Os dois aproveitaram a chuva forte, para dormirem agarradinhos, depois de um par de beijinhos, esquecendo da má sorte do dia e mantendo apenas as lembranças da noite que os deixou ainda mais apaixonadinhos e com a certeza de que estão com quem realmente devem estar.


Notas Finais


viram como eu sou ousada nos palavrões? 😊
domingo de manhã e suas viagens na batatinha; cuidado com o cosmos! 💟


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...