História Take Care Of Yourself. - Capítulo 1


Escrita por:

Postado
Categorias Miraculous: Tales of Ladybug & Cat Noir (Miraculous Ladybug)
Personagens Adrien Agreste (Cat Noir), Marinette Dupain-Cheng (Ladybug)
Tags Adrien Agreste, Adrinette, Hentai, Marichat, Marinette Dupain-cheng
Visualizações 675
Palavras 2.143
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Fluffy, Hentai, Literatura Feminina, Magia, Misticismo, Romance e Novela
Avisos: Heterossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


EAEEEEEEEEEEEEEEEEEEE

sdd de postar nas madrugadas qq

um hentaizinho bem deboas p vcs q

espero que gostem!
boa leitura!
perdão por qualquer errinho!~~ <3

Capítulo 1 - Único; seguindo as ordens.


Em que Adrien Agreste manda Marinette se foder.
~~~~~~~~~~~~~~~

Marinette nunca havia sido uma garota rebelde, muito pelo contrário. Houve pouquíssimas exceções em que Marinette havia desobedecido alguém ou algum veredito.

De fato, era deveras obediente. Adrien sabia disso, e gostava demais de tal atributo na namorada.

Não que quisesse uma total submissa, algo que Marinette não era. Defendia seus pontos, debatia, corria atrás do que achava certo. Era a verdadeira garota dos sonhos de qualquer garoto, mesmo sendo deveras queixo duro em alguns momentos. A teimosia dela era alto delirante, capaz de despertar um enlevo deleitoso na alma do Agreste.

Marinette era como fogo, e ele era uma das poucas superfícies capaz de suporta-la. Um verdadeiro furacão de emoções, misturada a um tornado poderoso de sentimentos. Deixava-o maluco em diversos sentidos.

E para ele, não existiam momentos piores do que quando precisava deixar Paris para algum desfile onde era escalado pelo pai para representar a marca. Odiava deixar sua boneca graciosa sozinha, sem sua companhia em noites frias e melancólicas. Gostava de sempre aparecer em sua casa no começo da noite, enche-la com beijinhos de boa noite após se destransformar, assistir algum filme clichê ou apenas ficar agarradinho a ela naquela época frienta do ano. Desfrutava ao estar com ela em seus braços, aconchegada a seu peito enquanto o vento soprava contra a janela fechada no meio da noite.

Também, apreciava com estimo quando estavam sem roupa, fazendo muito mais do que dormir ou trocar caricias delicadas sob o edredom delicado que os envolvia quase todas as noites de inverno naquela caminha aconchegante.

— Londres é tão linda...

Marinette murmurou, a voz fina misturada com um certo desejo. Estava deitada na cama, tal qual sempre dividia com o Agreste em boa parte da semana. Usava o clássico pijama vermelho que havia comprado com Alya em uma loja qualquer de departamento, e que não era menos que seu xodó. Gostava do fato da calcinha do conjunto ser confortável e não a incomodar durante a noite, a blusa solta deixava-a com um sentimento de liberdade.

Seria ainda mais bela se você estivesse aqui... — A voz do maior soou pelo autofalante do celular, de um modo arrastado e tampouco gracioso. Marinette percebeu o suspiro pesado que ele soltara, e fechou os olhos. Imaginou que ele estava ao seu lado. — Deveria ter vindo.

— Não queria incomodar.

Você sabe que nunca incomoda. E sua passagem seria por minha conta, meu cache pelos dias na passarela é mais do que suficiente para passagens e ótimos passeios.

— Mesmo assim, não acho isso confortável. — Fora a vez dela de suspirar. — Podemos mudar de assunto, por favor? Conte-me mais sobre a cidade...

Está como quando viemos na época de colégio. Claro, algumas mudanças aqui e ali aconteceram, mas de resto... idêntica. — A voz de Adrien parecia tão melodiosa para si... — O ruim é que está um frio do caralho. Queria que você estivesse aqui me esquentando, princesa.

Marinette soltou uma clássica risadinha envergonhada.

— Não sou tão quente assim.

Eu posso afirmar que é. — Respondeu-a também com uma risadinha. — Mas... sério...

— Hmmm?

Quando eu disse esquentar... estava querendo dizer em todos os sentidos da palavra...

— Adrien... — As bochechas adotaram um rosa que ela sabia não ser perceptível por ele. Fechou os olhos, afundando a cabeça no travesseiro. — Não começa... estamos longe e...

Pausou a frase abruptamente.

E...?

— Você não vai poder terminar o que quer que sua mente perversa esteja querendo começar...

A gargalhada dada por Adrien quebrou os segundos de silencio que se estenderam tortuosamente quando ela terminou sua sentença arrastada. Era uma risada gostosa, despretensiosamente rouca e um tanto arrogante. Aquela típica pitada de sarcasmo estava naquela mistura de adjetivos que ela poderia usar para caracterizar aquele som tentador que ele havia feito.

É... eu não posso, mas tenho plena certeza que você pode... — A voz brincalhona não denunciava as promiscuas ideias que ele deveria matutar, ela tinha certeza que aquela cabeça pensante estava trabalhando como uma maquina em um plano maligno para acabar com o restinho de calma que ela tinha no corpo. — Espera uns minutos, vou te ajudar...

Marinette não pode dizer algo. A ligação foi interrompida. Ela sentou-se na cama resignada, de um modo fugaz. Olhou ao redor do quarto, em busca de qualquer sinal de Tikki. Percebeu a kwami vermelha deitada na espécie de cama improvisada que ela havia montado. Soltou um sorriso. Tikki conseguia ser tão fofa...

Voltou a atenção para o celular quando ele vibrou. Indicava duas mensagens de Adrien, respectivamente uma foto e um áudio. Mexeu-se inquietamente sobre o colchão, matutando se era lá uma boa checar. Acabou cedendo para a mente que tanto a persuadiu. Destravou a tela, abriu contato e respirou fundo antes de checar.

Mordiscou o lábio inferior. A foto — nada — convencional era explicita e autoexplicativa: exibia o quadril de Adrien no quarto escuro do hotel, as calças abaixadas junto a cueca. O foco era o membro ereto cuja base ele envolvia com uma das mãos. A cabeça rósea preguiçosamente soltava um pouco do pré-gozo, deixando a pele circuncisada molhadinha, e chamativa. Conseguia ver resquício do liquido do loiro escorrendo pelo membro suntuoso, as veias do falo saltadas e bem visíveis.

Marinette salivou, o coração a mil no peito. Ficou inquieta, sentia algo no ventre. Uma certa vontade, um desejo quase ardente. A frenesi que ele — e somente ele — conseguia instigar em si.

Mudou o foco da foto para o áudio. Olhou — novamente — aos arredores. Parecia temer que alguma figura monstruosa surgisse da parte escura do cômodo, mas logo percebeu ser apenas uma neura pelo nervosismo. Rebateu a mente com uma afirmação sagaz de que tinha vinte e dois anos e não temia mais a monstros.

Levou o auto-falante para perto da orelha delicada, tateou a tela até conseguir apertar o play.

Marin... — A voz do Agreste fez com que mordiscasse o lábio com força. Era tentadora, e rouca. Sabia o que ele fazia. O som do quarto denunciava. Se fechasse os olhos, conseguiria a visão perfeita de Adrien deitado presunçosamente na cama, o celular em uma mão e a outra em volta do próprio pau, descendo e subindo pelo membro vistoso. — O-Oh... você é tão gostosinha princesa... não sabe como consigo tão bem te imaginar cavalgando em mim e... o-oh.... você fica uma delicia com os peitos subindo e descendo... você é uma delicia por inteiro, merda... como eu queria estar te fodendo agora e-

— Vadio! — Bloqueou a tela, largando o celular sobre a cama e jogando o corpo contra o colchão. Afundou o rosto no travesseiro. A sensação no ventre estava intensificada. Fechar os olhos apenas fazia com que imaginasse o que não devia, ou melhor, o que não queria.

Levantou o rosto quando o celular vibrou novamente. Pegou-o. Uma nova mensagem do loiro. Desbloqueou a tela, com medo de se arrepender. Era um novo áudio. Novamente, aproximou o auto-falante da orelha e suspirou antes de clicar no play.

Espero que tenha gostado das ultimas mensagens, princesa... — A voz rouca era sua tara, e ele sabia usa-la contra ela. Prendeu um chiado na garganta. — Agora... deveria usar o que tem e ir se foder.

— Me foder... — Bloqueou a tela com raiva, jogando o corpo sobre a cama. O coração ainda acelerado. Fechou os olhos e respirou fundo. — Vou foder você quando pisar aqui, seu... seu...

Não percebeu quando a destra se posicionou sobre a barriga desnuda pela camiseta que havia subido graças aos bruscos movimentos feitos antes.

— Q-Quando você... p-pisar aqui... — Soltava as palavras entre pequenos sorrisos. A mão caminhava pelo ventre, pequenos círculos eram traçados sobre a tez branquela. Mordiscou o lábio com uma pausa quando o indicador chegou na virilha. Dedilhou a derme fofa, respirou fundo. — E-Eu... eu vo-vou... a-ah...

 A destra deslizou ainda mais fundo. Afastou os grandes lábios com o indicador junto ao anelar, deixando o médio aprofundar-se naquela parte intima que quase nunca era explorado de um modo solo. Demorou instantes para localizar-se ali, e teve uma vontade impiedosa de fechar as pernas quando achou o pontinho clamante que era seu clitóris naquele momento. Arfou ao circunda-lo com o médio, e segurou um gemido com toda a força na garganta.

Não queria acordar Tikki, muito menos as colegas da república em que vivia.

Tomou o suficiente de folego para dobrar um dos joelhos. Usou a canhota para arregaçar a calcinha, segurando a barra entre os dedos e deixando o espaço bem mais amplo para sua exploração. Usou o médio junto ao indicador para melhor tocar-se, esfregando a ponta dos dígitos em seu clitóris. Estimulou-o, sentindo cada vez mais sua própria lubrificação escorrendo pelos lábios de sua boceta rosinha. Sentia o sangue concentrado ali, deixando-a cada vez mais necessitada de toques além. Tomou coragem para deslizar os dois dedos de uma só vez para dentro de si.

Um arrepio seguido a uma espécie de formigamento passou por seu corpo miúdo. Os dedos dos pés agarraram o lençol, fixando-se ali. Experimentou retirar os dedos, colocando-os novamente e repetindo o movimento. Cada vez, ia mais forte, mais rápido e até mesmo mais fundo.

— P-Porra... — Chiou, revirando os olhos graças ao êxtase que parecia correr em suas veias. Girou o quadril, umedeceu os lábios, e a imagem de Adrien veio em sua mente novamente.

Deitado na cama, a mão envolta de seu pau, imaginando-a em seu colo.

Ela conseguia imaginar a cena perfeitamente, assim como conseguia imaginar-se sentando no colo dele, subindo e descendo, agarrando o corpo viril que ele tinha. As unhas deslizando pelos músculos do abdômen, tocando a pele exposta...

— A-Adrien... — Soltou o nome em um suspiro, socando os dois dedos com ainda mais força. Buscou com determinação o clitóris, e começou a estimula-lo com o polegar. As sobrancelhas elevaram-se quando uma onda de prazer espalhou ainda mais daquele eloquente sentimento por seu corpo.

A mente pareceu ainda mais aflorada. Agora... estava sobre ele. Deitados na cama do quarto, sob o edredom quente. O rosto do loiro encaixava-se perfeitamente em sua boceta e ela estava melada, o liquido escorria pelos grandes lábios e ele deslizava a língua por toda a pele exposta, chupando-a com necessidade de mostrar que era sim bom naquilo. Arquejou as costas com um gemido um tanto menos contido do que o normal.

— A-Ah... c-caralho... Ad-Adrien.... — O quarto parecia um forno. Estava quente, ela suava. A franja queria grudar na testa, o cabelo espalhado pelo travesseiro parecia comprido demais e quente demais. A respiração estava pesada, e o ventre parecia querer se contrair, ela sabia que estava perto...

Usou de mais afinco a cada movimento que fazia. Demorou apenas alguns minutos para que chegasse no ápice. Soltou o ar em uma rajada quando o liquido quentinho escorreu pelos dedos em uma verdadeira enxurrada, espalhando não só pelos dedos como em sua calcinha. As pernas pareciam tremer pelo orgasmo, a respiração descompassada. Mal percebeu que salivou, deixando parte da baba escorrer pelo canto da boca enquanto sentia-se totalmente em outro mundo.

Retirou os dedos de dentro da calcinha úmida, abrindo os olhos com um suspiro esgotado. Umedeceu os lábios ao ver os dois dedos lambuzados pelo próprio liquido. Quis provar-se.

Levou o indicador a boca, esfregando a pele coberta pela porra viscosa nos lábios delicadinhos, antes de propriamente afunda-lo na boca junto ao medo. A língua circundo-os, trazendo o paladar o próprio sabor. Era adocicado, a consistência era diferente.

Sentiu-se gostosa.

Respirou fundo algumas outras vezes, até tomar coragem para se sentar na cama. Precisava de uma nova calcinha, e também de outro lençol, mas assim que se sentou, saltou ao perceber um par de olhos verdes encarando-a do canto.

— Adrien! — Arregalou os olhos. Estava tendo alguma alucinação?!

— Princesa... — Viu-o aproximar-se com um de seus sorrisos. Estava transformado, e mantinha uma feição extremamente satisfeita. — Que show... uau....

— O-O que está fazendo aqui?! Não deveria estar em Londres?! — Ralhou, um tanto irritada. Ouviu a risada em resposta, e cruzou os braços. Os seios subiram, e só naquele momento reparou que os bicos estavam duros.

— Eu te avisei que voltava hoje e você esqueceu completamente. Quis fazer uma brincadeira e.. uau... — Aproximou o rosto do dela. — Me provou o quão bem você consegue cuidar de si mesma...

— C-Canalha! — Bufou. — C-Como entrou?

— Oras, pela janela. Estava vindo como o seu fiel gatinho te ajudar com o que eu comecei, porém quando cheguei... — Lambeu os beiços na maior cara de pau. — ... você estava tão compenetrada se fodendo que nem mesmo percebeu minha entrada.

Marinette mordeu o lábio.

— E o que vai fazer agora? Vai embora?

Dessa vez, a risada veio com mais deboche do que o habitual.

— Não, princesa... agora que você já se fodeu... — Deitou-a na cama, ficando por cima e levando uma das mãos para o vão entre as pernas dela. Os dedos enluvados tocando e esfregando com suavidade a calcinha encharcada na bocetinha ainda úmida e estimulada. — ... é a minha vez de te foder.


Notas Finais


n pude usar de capa a foto q eu queria, mas ela ta no wattpad caso alguem queira ver M,BFDBFSNFB

espero que tenham gostado!
obrigada por lerem!
comentariox sempre bem vindox!
beijãooo!~~ <3


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...