1. Spirit Fanfics >
  2. Talismã >
  3. Capítulo 65.

História Talismã - Capítulo 65


Escrita por:


Capítulo 65 - Capítulo 65.


Assim que chegamos lá, já dava pra ouvir o furduncio. A decoração estava a coisa mais linda (1) e logo trombei com o Thiaguito correndo e batendo na minha perna, eu ri e o segurei antes dele cair.

- Titia! - disse, levantando os bracinhos.

- Oi, meu amor - abaixei e ele me deu um abraço gostoso.

- Oi pro tio nunca, né? - Thiago riu e levantou os braços pra ele também, que o pegou no colo. - Eaí, campeão. Ta suave?

- Muito. Só ia ficar melhor se entrasse na piscina.

- Essas horas? Piscina é só de dia, rapaz.

- Mas tio, lua é o sol da noite, no final da no mesmo, só ta escuro. - nós rimos, nem deu tempo de pensarmos em um argumento, porque ele desceu do colo do Gabriel e voltou a correr.

- Não vai ter piscina pra ele só, porque eu quero comer, encher a cara e depois pular na agua - Éverton disse e nós rimos.

- Vai ficar na piscina até amanhã, porque não vou carregar ninguém - Marília disse.

- Ótimo, já acordo me bronzeando e fico de banho tomado pro casório - nós rimos.

- Cara porcão, eu ein - Tio Carlos disse e eles riram, logo vi que já tinham pegado intimidade. Fomos cumprimentando um por um e sentamos com eles.

- Mas já to falando, sem passar vergonha no meu casamento, ein? - Gabriel disse.

- Por favor. Sei que vocês gostam, mas vamos poupar - completei.

- Deixa que vocês passam, né? - Arrasca disse.

- Vocês não, vou deixar a honra toda pro meu marido. Não tirem o brilho do meu menino - eles riram.

- Vai se ferrar, Izabela - rimos.

- Se extrapolar tu joga no mar depois, Izinha. - Bruno disse.

- Vou jogar mesmo.

- E você vai bem junto, minha querida.

- Mar vai devolver os dois - Dhiovanna disse e nós rimos.

- Alá, falei que não era pra chamar essa menina, mãe. Só os padrinhos filha, você não leu?

- Meu querido, eu sou amiga intima da noiva. Se fosse por você, nem aqui eu estava. - nós rimos.

- Já podiam liberar os pratos pra gente pegar, né? 3 horas de viagem, to morta de fome - Gabriela disse.

- Nossa, quando a pessoa é farofeira é foda, né? Não nega nunca. Não é self service não, fia. - Tio Carlos disse e nós rimos.

- Mãe, olha seu ex marido me estressando - nós rimos.

- Mas bem que podia ser, né? Já ia logo fazer aquela montanha - Rodrigo disse.

- É um pior que o outro, meu Deus do céu, irmão - Gabriel disse e nós rimos.

- Filho, estamos grávidos, respeita.

- Não, queridão. Gabriela ta grávida, você eu já não sei o que acontece. - Bruno disse e nós rimos. Logo começaram a servir os pratos, um risoto de camarão gostoso pra caralho. Ficamos jantando fazendo baderna ainda, não sei quem gritava mais.

- Por mim, amanhã, no dia de noivo do meu parça Gabriel, nois se juntava na piscina e fazia um churrascão. - Éverton disse.

- Isso, faz mesmo e me leva de 30 em 30 minutos lá no quarto - eu disse e eles riram.

- Capaz da Izabela ficar o dia todo com a gente, subir, só meter o vestido tranquila, se arrumar rapidão, e Gabriel o dia todo fazendo cabelo, sobrancelha, unha. - Rodrigo disse e nós rimos.

- Lógico, né pai? Tem que ficar bonito, não vou esperar minha noiva no altar que nem um jagunço que nem você tava no seu casamento não - rimos.

- Tem sentido, Izabela já nasceu bonita, agora o Gabriel pra ficar bonito leva um tempo mesmo. - Gabi falou.

- Chega, pode indo embora vocês dois, estão desconvidados de padrinhos, bora, mete marcha - ele levantou e nós rimos.

- Mas sério agora, aqui de manhã deve ser lindo, né? Se de noite já é bonito assim... - Gisellen disse.

- Deve ser a coisa mais linda. Já quero foto, viu Dhiovanna? Você que se vire. - Tia Linda disse e nós rimos.

- Jura que é famosa de internet essa aí - Tio Val brincou.

- E não sou não? Internet me ama, querido - nós rimos.

- Lógico que é bonito, casal mais foda que vocês conhecem que escolheu, né? - Gabriel disse.

- Não tinha como ser diferente - completei.

- Não pode dar um pingo de moral, né? Impressionante - Tio Carlos disse.

- Sem condições, Tio Carlos. Esses dois aí é só por Deus. - Arrasca disse.

- Tio Carlos o que, rapá. Agora pronto, marmanjo desses me chamando de tio... Onde foi que eu me meti - nós gargalhamos.

- Mas aê, e a lua de mel, vai ser aonde? - Diego perguntou.

- Ih, quer saber pra que? Vai com a gente? - Gabriel disse.

- Com certeza, me esconder na sua mala.

- Amante é foda, né? Não supera quando o outro casa.

- Não supero mesmo, antes era só eu e o Gab, aí essa aí chegou, olha o que deu.

- Eu sou outra nível né, Ribas? Aceita. Ainda pego a Bruna e tu nem sabe.

- Ooooorra, jogou no bigode - Marília disse gargalhando.

- Bruna... Como você pode??? - se fez de indignado e nós rimos.

- Ah amor... olha essa mulher, não deu pra aguentar não - disse e eu joguei o cabelo, rindo. O Arrasca subiu com o Thiaguito que estava começando a ficar com sono, e logo eu subi com o Guto, que tava mortinho também. Coloquei ele ali no bercinho que tinha do lado da cama deles, peguei a babá eletronica e desci, eles estavam tudo no segundo andar e dei graças a Deus por um lance de escada a menos. Assim que cheguei, os tios não estavam mais e o pessoal já estava tudo com cerveja na mão, peguei uma água de coco e fui me aproximando.

- Porra, só um filho na barriga pra operar milagres, né? - Bruno disse, olhando pra minha mão, eu ri e mostrei o dedo pra ele.

- Seu noivo já já ta bebo, brincando de vira vira ali ó - olhei e estava ele, Marília, Everton e Gisellen brincando, ri e sentei ali do lado dele.

- Tu que vai carregar, sua esposa e ele.

- Nunca filha. Vou carregar nem a Gisellen, vai ficar aí na grama.

- Cê ta falando, mas ta bebendo desde o jantar que eu to bem vendo. Não vai carregar ela porque vai estar igual, né?

- Menina esperta - eu gargalhei e revirei os olhos. Logo o Arrasca desceu com uma caixinha de som que não sei de onde tirou, e a festa se formou, né? Foi vira vira, eu nunca, e todas as brincadeiras alcoolicas possíveis, comigo e a Gbi de juíza, claro. 2 da manhã e todo mundo na piscina, a mercê da gripe no dia seguinte, mas nem aí pra nada, só queriamos comemorar. Quando estava quase dando 3 da manhã, subimos, até porque Deus me livre olheira em pleno casório. Tomamos um banho juntos e deitamos na cama, podre de cansados.

- É amanhã, ein minha preta?

- Nem me fale - ri e virei pra ele.

- Ta nervosa?

- Agora ta batendo, e você?

- Desde que você falou "Sim" - rimos. - Mas, mais ansioso do que nervoso. Quero ver você de noiva logo, curtir a lua de mel, começar uma nova fase.

- Uma coisa de cada vez, meu rapaz - ele riu.

- E o principal, né? Ver nosso filho no mundão logo - disse, acariciando minha barriga, eu sorri e o beijei, que homem, meu pai amado. O clima foi esquentando, ele acariciou minha coxa, enquanto eu me arrepiava, ele tentou abrir minha perna pra entrelaçar elas na sua cintura, mas eu fechei, ele riu, encostando nossas testas.

- Só depois de amanhã mesmo? - assenti e ele riu, beijando minha testa. - Difícil, viu filhote? Sua mãe é difícil - eu ri.

- E seu pai é um... calma, deixa eu pensar em uma palavra que não seja feia - rimos.

- Lindo, isso que teu pai é. Tu vai nascer lindo/linda igual, já se prepara pra fama. - eu ri e dei uma tapinha em seu ombro.

- Para que se for menino, não vai ser cachorro que nem você não. Balada só depois dos 20. Sem namoradinha. Sem nadaaa. - ele gargalhou.

- Cachorro nunca fui - o olhei e ele riu. - Deita aqui, pretinha. - me puxou para o seu peito, eu deitei e fiquei acariciando suas tatuagens.

- Te amo, jogador.

- Te amo, noivinha. - beijou minha testa e me apertou um pouco mais em seus braços. Em poucos minutos, apaguei.

(...)

Acordei com o quarto vazio, levantei, fui pro banheiro, fiz minhas higienes e saí enquanto prendia o cabelo, dando de cara com a Gabriela sentada na cama.

- Ai que susto assombração - ela gargalhou.

- Olha como você fala comigo ein, to gestante.

- Eu também, tenho local de fala - rimos. - O que tu quer aqui, garota?

- Ué, vim te desejar bom dia.

- Bom dia, amadinha. - ela riu.

- Vim te buscar pro dia de noiva.

- Cade teu xará?

- A gente expulsou ele faz tempo, fia. Não sei como não ouviu.

- Mentira? - ri.

- Juro. Rodrigo veio buscar ele tem uns 30 minutos. Duas pedras dormindo. - rimos.

- Vocês são dois porres, não dão paz nem no dia do meu casamento - ela riu.

- Não mesmo, agora vai, se arruma que a gente vai tomar café. - eu ri, me troquei, arrumamos o quarto, saímos, deixei a chave na recepção e a Gabi me levou até o jardim. A mesa do jantar de ontem ainda estava lá, e as meninas estavam todas lá sentadas.

- Olhaaa, a noivinha acordou. - Marília disse.

- Olha a cara de ressaca das cretinas - eu disse e elas riram.

- Mas já? - tia Helena perguntou.

- Essas aí não tem jeito não, tia. Não sei o que deu na cabeça quando escolhi pra madrinhas - rimos.

- Ta falando isso só porque não pode beber, porque se pudesse, ia estar fazendo vira vira com a gente também - Camila disse e eu ri, sentando ali com elas.

- To cheia de fome, que isso - peguei um pratinho e comecei a colocar algumas coisas.

- Nem acredito que estou casando minha segunda criança. - tia disse e nós rimos.

- Criança que faz criança, não é mais criança, ein tia? - Gisellen disse e a Gabi riu, jogando um pão nela.

- Eu vou ser sempre o bebê da mamãe sim, garota. Eu ein. - rimos.

- Ih Gabriela, tu nunca foi. Até quando era nenê já não queria mais ser meu nenê - nós rimos - Mas sério, as duas em uma tacada só foi choque de realidade. - rimos.

- Continuamos sendo suas nenês tia - mandei beijo.

- Como você ta se sentindo, cunha?

- Tranquila, acredita? Só ansiosa pra ver como ta ficando a decoração - rimos.

- Nuncaaa. Proibida, catamos até seu celular pro corno do Gabriel não mandar foto - Bruna disse e nós gargalhamos.

- Mentira? Paraaa, sem meu celular eu não guento ficar não.

- Nunca, seu noivo é fofoqueiro, vai mandar foto, certeza. - Dhiovanna disse.

- Aaaah e o bonitão pode ver e eu não?

- É que ele ta na piscina com os meninos, né? Do lado.

- Injusto, queria eu ficar na piscina.

- E surtar 30 minutos antes porque teu cabelo não fica do jeito que você quer? Nunca. - Gabi disse, eu cerrei os olhos e me dei por vencida, ela estava certa, eu ia fazer isso. Nós tomamos café e só então me dei conta que o dia estava a coisa mais linda e gostosa. Um ventinho fresco, com o tempo bem aberto e ensolarado, zero nuvens, graças a Deus. Assim que terminamos, subimos pro quarto, no mesmo andar que eu e Gabriel estava. Era o último do corredor. Assim que entramos, fiquei de cara. Era enorme, parecia um mini apartamento, com cozinha, uma sala, e o quarto bem grandão. Mas ao mesmo tempo, parecia um salão improvisado. Mesa de maquiagem, umas cadeirinhas de manicure e outras de cabeleireiro.

- Vocês são terríveis, puta merda - ri.

- Podemos começar nosso dia? Não somos a noiva mas vamos aproveitar igual, to nem aí, to gestante, mereço - Gabriela disse e nós rimos.

- Nossa fia, quando você parir vai usar qual desculpa? - Bruna disse.

- Acabei de parir, mereço - rimos.

- Ridícula você Gabriela - Dhiovanna disse rindo. - Aí noivinha, esse aqui é só - disse, me dando um hobbie de cetim dourado, escrito Izinha Furacão, gargalhei.

- Que ódio de vocês - elas riram.

- Para, nada mais justo que seu apelido no roupão - elas riram, quando fui ver, já estava todas vestidas com o roupão, com Beyonce no último volume, Gabi, Gisellen e Bruna fazendo a unha, Tia Linda e Tia Helena fazendo limpeza de pele, e o resto o cabelo, enquanto eu, ganhava uma massagem deliciosa que acho estava me levando pra outro planeta. Ouvi algumas batidas na porta, vi que foram abrir mas nem quis saber, estava focada na massagem.

- Hmm, buquê pra Izinha Furacão - ouvi a voz da Dhiovanna, as meninas começaram a gritar, eu ri e abri o olho. A moça parou a massagem e eu sentei ali na cama, vendo ela vir na minha direção com um buquê de orquídea, ri e peguei. Tinha um bilhetinho do lado.

Meu amor, chegou nosso dia. Nunca fui o mais romantico, o mais apaixonado, mais amoroso. Não pensava em me casar, em construir uma família. Até você chegar. Parece clichê, mas me apaixonei por você no nosso primeiro beijo. Tentei lutar contra o sentimento, eramos novos, você ia embora em algumas semanas e sabia que do jeito que as coisas estavam caminhando, ia sentir mais do que deveria. Mas não consegui, com você não dava pra controlar nada. Me apaixonei, gostei, me apeguei, e você partiu, levando meu coração e mais um pouco. Desde então, nunca senti aquilo novamente, aquilo que nem eu mesmo sei definir. Aquela intensidade, sensação gostosa que era estar ao seu lado. Outras pessoas passaram pela minha vida, eu, na minha inocência, jurei me apaixonar, jurei amar... Mas aí, você voltou, dando aula como sempre. E só aí que eu descobri o que era amor de verdade. Nossas vidas estavam completamente diferentes, nós estavamos completamente diferentes, mas assim que te trombei naquele casamento, parecia que nada tinha mudado. A sensação que senti quando te beijei de novo, foi surreal. Me senti um adolescente bocó beijando a menininha que sempre gostou, e no fundo, era isso mesmo. Nos separamos, ficamos anos longe, mas nada mudou dentro de mim. E aí veio o medo, a insegurança, de você não sentir o mesmo. E quando soube que tudo o que se passava dentro de mim, era reciproco, moleque... Jurei que fosse o homem mais feliz do mundo. Mas aí que o destino me enganou novamente. Na verdade, cheguei no ápice da felicidade diversas vezes com você, seja em momentos simples, a momentos importante. Nossa primeira transa, nosso primeiro eu te amo, minhas conquistas com você do lado, ficar do seu lado nas suas, nossa reconciliação, o pedido de casamento, e agora chego no ápice da felicidade de 15 em 15 dias quando vamos ver o nosso feijão. Nossa história é bem doida, longa, teve seus altos e baixos, mas não mudaria nada nela. Nem os momentos ruins. O tanto que aprendi com você, com nós, é absurdo. E hoje, só tenho a agradecer. Por tudo. Deus não poderia ter colocado uma mulher melhor ao meu lado, e nosso filho não poderia ter uma mãe melhor que você. Tu é o amor da minha vida e sou abençoado demais de poder, hoje, te chamar de minha esposa pela primeira vez. Inclusive, não vejo a hora e provavelmente estou mais nervoso que você. Eu te amo, minha preta. Não exito momento algum ao falar que você é o amor da minha vida e que quero passar o resto dos meus dias com você. Estou esperando aqui embaixo, sou o de terno preto do lado esquerdo do altar, provavelmente o mais emocionado do recinto, não tem como confundir, vem logo...

Com amor, Gabriel Barbosa Almeida.

Terminei aquela carta em meio as lágrimas. Juro, Gabriel se supera, não é possível.

- Caralho, pra você ter chorado, no minimo mandou uma letra do Thiaguinho, né? - Tia Linda disse e nós rimos.

- Quase isso, viu? Seu filho é demais tia, não da não.

- Criei bem, né? Pode falar - nós rimos, eu coloquei as flores ali do lado, nós ficamos conversando mais um pouco, fiz a unha, e um pouco depois elas tiveram que ir se arrumar no quarto do lado, já que esse aqui ia ficar só pro pessoal terminar de me arrumar. Assim que elas saíram, eu fui pra hidro que tinha ali no banheiro, que estava cheia de sais de banho, segundo a Luana, que estava me massageando, eram todos relaxantes. Olha, sinceramente, quero isso todo dia. Relaxei tanto que até dei uma cochilada. Acordei com a porta batendo. Levantei, fui pro chuveiro, tirei a espuma do corpo, tomei um banho gostoso. Passei os cremes que tinham um cheiro delicioso também, coloquei o roupão de novo e assim que sai, encontrei o Bruno (2) sentado na cama. Nós fizemos curso de moda juntos antes de eu ganhar bolsa pra Londres e ele era ridículo de bom em penteado para cabelo crespo e cacheado e maquiagem para o meu tom de pele, tanto que largou a moda e abriu um salão lá em Caxias, era uma das poucas pessoas que confiava pra fazer meu cabelo.

- Que saudade, porraa - disse, assim que o vi.

- Ai, minha pretinha, quanto tempo - me abraçou forte. - Você conseguiu ficar mais gostosa do que era na época do cursinho, que isso, cara? - rimos.

- E você? Ta a coisa mais linda, que cabelão enorme.

- Gostou? - balançou e eu ri. - Cara, quando você me ligou, nem acreditei. Achei que tivesse ficado lá em Londres.

- Nada, voltei no final de 2018. Mas me conta de você, como ta o salão? A vida? A tia Paula?

- Menina, ta tudo ótimo. O salão no começo deu uma capengada, né? Mas agora vive lotado, to até precisando de mais gente pra ajudar as meninas. Lancei uma linha de hidratação só pra cabelo cacheado e crespo, maior sucesso lá no bairro. Aí dois anos atrás conheci um bofe em uma feira lá em São Paulo, menina, era só um sexo casual, de viagem, coisa pouca. Não to com ele até hoje? - eu ri.

- É sempre assim, né?

- Sempre, não aguento mais - rimos - Aí to morando ali em Botafogo com ele. E Dona Paula, que me expulsou de casa por ser viadinho, não sai de lá. Gosta mais dele do que de mim - ri.

- Vocês se acertaram? Amém.

- Nos acertamos. É só eu e ela nesse mundão, né? Eu me fazia de durão lá no curso, mas por dentro morria de saudade, e ela também que eu sei. O que a impedia de me ver era a igreja, né? Mas agora estamos melhores que nunca, unha e carne de novo.

- Ai, gosto assim. Tia Paula é um amor. E como tu não convidou o maridão hoje, garoto?

- Ta viajando, menina. Foi lá pro Sul, em uma feira que vai ter, apresentar nossos produtos. Mas vem cá, que loucura e reviravolta que deu sua vida, ein? Um dia, bolsista de Produção de Moda no Senac, em outro, diretora de criação da Farm e casando com o cara mais gostoso do Flamengo? Porque desculpa amiga, mas que homem, viu? Puta merda - eu gargalhei.

- Cê viu, garoto?

- Oh se vi. Ele que me recebeu lá embaixo. De toalha na cintura, saindo da piscina... Olha, sem condições, fiquei impávido. - rimos. - Não contente, um amor, né? Um amor.

- Ele é mesmo... - disse, com um sorrisinho bobo. - Mas sim, garoto. Minha vida rodou de uma forma que nem eu entendi.

- Mas você merece, né bicha? Por tudo o que passou, pelo talento que você tem. Sério, tu é absurda, Farm é até pouco pra você - eu sorri. - Mas vem cá, vamos começar? Porque estamos aqui tagarelando, já já da a hora do casório e nós dois aqui sentados papeando - rimos.

- Vamos, deixa só eu ver um negócio antes - disse, levantando e indo até a varanda. Tentei abrir a porta, mas estava trancada. - Infernooo. - ele riu.

- Não vai ver a decoração, mona. Tia Helena e Dona Regina já me deram o papo, proibida. - eu revirei os olhos e sentei na cadeira.

- Só queria espiar um pouco.

- Não meu amor, não vai mesmo. Ta cancelada do próprio casamento - eu fiz um biquinho.

- Em compensação, me pediram pra te entregar isso - tirou meu celular do bolso.

- Meu Deeus - peguei o celular e o beijei várias vezes, ele riu.

- Para de ser exagerada, garota - eu ri.

- Respeita meu vício ein - ele riu e eu soltei o cabelo.

- Garota, teu cabelo ta a coisa mais linda - disse, mexendo nele.

- Todo seu.

- É disso que eu gosto. Tem alguma referência? - eu mostrei pra ele a que tinha pego e disse que queria algo semelhante, mas que ele podia mudar o que quisesse. Confiava demais nesse homem, tanto pra cabelo, quanto pra maquiagem. Enquanto ele mexia lá, eu mandei mensagem pro Gabriel.

Oi coisa linda

Lili cantou, celular voltou pra mim

Eu amei as flores, viu? O bilhete então, nem se fala.

Pode deixar que vou te procurar quando descer, ta? kkkkk

KKKKKKK oi minha preta

Me arrancaram do quarto, pude nem me despedir

Ta tudo bem aí com vocês?

Ta, amor kkkkk

As meninas saíram daqui agora pouco.

To fazendo o cabelo já.

"já"

kkkkkkkkkkkkkk

falta uma hora filha.

Eu já fiquei na piscina com os moleques, tomei cerveja, almocei, fiz cabelo e agora vou me arrumar

Você que lute e espere, querida kkkkkkkk

Viu a decoração?

Acompanhei de perto kkkk

Ta ficando muito bonito, amor, sério.

Você vai curtir.

E não precisa agradecer pela carta, viu? Foi de coração <3

Você é surreal <3

Rola uma fotinha, não?

Não perdoa nem no dia do casamento, ein?

Safada demais, mano

KKKKKKKKKKKKKK

vai se fuder

Foto da decoração, filho

KKKKKKKKKKKKKKK

Nunca.

Você que lute e espere, querida

KKKKKKKKKKKKKKK cretina.

Agora tchau que to fazendo meu cabelo

Tu não colocou dread não, né amor?

KKKKKKKKKKKKKKKKK

des cu bra

no altar você vê.

KKKKKKKKKKKKKKKKKKKK Gabriel, Gabriel

Olha lá ein

Da tempo de raspar ainda.

KKKKKKKKKKKKKKK cê vai gostar

Agora tchau, vai se arrumar

Pai te ama, viu?

Também te amo, amor

Até daqui a pouco, noivinho.

KKKKKK até, noivinha.

Amo vocês.

Ri e bloqueei o celular, realmente é esse homem que eu quero passar o resto da minha vida. Liguei o celular de novo e ele estava certo, faltava uma hora pra cerimônia. E juro que esses foram os minutos mais demorados da minha vida. O cabelo era simples, ele fez um coque bem alto e colocou uma tiara ao redor dele. Enquanto ele fazia maquiagem, cantavamos Beyonce e eu contava pra ele como tinha sido lá em Londres, e como tinha conhecido/reencontrado Gabriel. Mas nada tirava meu nervosismo. Meu coração parecia que ia sair pra fora, minhas mãos estavam geladas, puta que pariu. Pelo quarto não ser tão alto, já dava pra ouvir uma falação lá embaixo, o que me deixava mais nervosa ainda.

- Pronta? - disse.

- Prontíssima - ele pegou o espelho e virou pra mim, caralho...

- Pode falar, arrasei, né? - estava tudo do jeitinho que pedi. O coque sem um fiozinho fora do lugar, a maquiagem estava perfeita, com diversos tons nudes, desde a sombra, até o batom, com um marrom um pouco mais claro que o tom da minha pele. Falando em pele, ela nunca esteve tão lisa, juro, to bonito pra caralho e foda-se.

- Arrasou? Querido, tu fez milagre nessa carinha aqui - ele riu.

- Não força também, né cretina? Que você é linda de qualquer jeito, com esse rostinho e esse corpo meu amor, eu casava era pelada e sem maquiagem nenhuma, pelada não vai, de calcinha, pra ninguém falar que sou baixa - gargalhei.

- Não, sério. Obrigada... você arrasou demais - ele riu e nos abraçamos.

- Não precisa agradecer, meu amor. É um prazer participar desse momento com você, sério... O tanto que você merece tudo isso que ta acontecendo, não está escrito. - eu sorri, já sentindo aquele nózinho na garganta - Ih, conheço essa carinha. Nada disso, vem, sem choro, vamos colocar o vestido. - eu ri e levantei. - Vai usar dois? - perguntou, observando os dois sacos pendurados ali no guarda roupa.

- Vou... primeiro esse aqui - peguei o primeiro vestido, abrindo o saco e o pegando com cuidado.

- Vem, deixa eu ajudar. - ele segurou o saco pra mim, o tiramos e ele me ajudou a vestir, calcei os sapatos e Bruno me olhou, abismado.

- O que? - ri.

- Sério, você é ridicula de bonita, não da com você não. E se você falar que desenhou esse vestido maravilhoso, vou desistir oficialmente. - rimos.

- Pois pode desistir, porque foi eu mesmo... Ta bom?

- Garota, você ta maravilhosa... Sério, olha isso - segurou minha mão e me levou até o espelho grandão que tinha ali perto da janela, assim que me vi ,travei. Fiquei olhando cada detalhe, cara, sou eu mesmo? Que isso. Eu estava bonita (3) demais, me sentindo a Tiana em A Princesa e o Sapo. Estava tudo perfeito, o cabelo, a maquiagem, as unhas e bom... o vestido eu era suspeita pra falar, né? Tinha caído direitinho no meu corpo, a barriga mal aparecia, mas o importante é que eu sabia que meu menino estava aqui, me acompanhando em um dos momentos mais importantes da minha vida. Virei de lado e acariciei minha barriga, dando um sorrisinho.

- Izabela, eu passei maquiagem a prova d'agua? Passei, pode chorar à vontade, mas a noite é longa amiga, aguarda um pouco - disse e eu gargalhei.

- Vou deixar pra cerimônia, juro. É que sei lá... agora a ficha caiu.

- Você ta parecendo uma princesa, amiga... Gabrielzinho vai cair pra trás - rimos - Ta tudo lindo, viu? Você, ele, as madrinhas, a decoração então...

- Ai, você viu? - fiz um biquinho e ele riu.

- Vi, ta lindo, sério. Arrasa, viu?

- Obrigada, Bruno. Sério, por tudo, você é incrível, que isso - ele riu - E corre, vai se arrumar que tu também é meu convidado.

- Garota, nem me fala. Ainda bem que já vim com o cabelo feito, porque vou me arrumar tal qual o Flash - eu ri e ele beijou minha testa - Arrasa, minha garota.

- Pode deixar - ri e beijei sua mão, ele pegou a mala dele e saiu correndo, tentei abrir a porta de novo, nada, sacooo. Fiquei me observando no espelho ainda meio incrédula, até ouvir a porta bater.

- Pode entrar - gritei e a porta abriu, olhei e a Tia Helena e a Tia Linda entraram.

- Meu deus... - Tia Helena disse, com a mão na boca.

- Você ta incrível, filha... - sorriu.

- Vocês que estão maravilhosas - sorri.

- Eu to sem palavras, juro - Tia Helena disse com os olhos cheios de lágrimas.

- Parou ein, que eu to segurando o meu choro tem uns 15 minutos já, se vocês chorarem eu não vou aguentar não - elas riram e eu as abracei.

- Carlos ta quase matando um de tão nervoso, última vez que vi ele assim foi no casamento da Gabi - rimos.

- Não muda, né? Ele e Gabriel estão competindo pra ver quem está mais nervoso. Gabriel ta andando de um lado pro outro, enquanto Carlos ta andando em circulos - nós rimos.

- Ele ta lá no altar, já?

- Já, desceu até antes, de tão nervoso - rimos.

- Ai, agora quem ta nervosa sou eu - andei de um lado pro outro e elas riram.

- Calma, meu amor. Vai dar tudo certo. Ta tudo lindo, a carinha de vocês. - Tia Helena segurou minha mão.

- Vacilo de vocês terem trancado a porta. - elas riram.

- Lógico que trancamos. Curiosa do jeito que você é, duvido que não ia abrir.

- To curiosaaa. - elas riram.

- Calma que agora só faltam... 15 minutos.

- Só? - arregalei os olhos e elas riram.

- Já, inclusive, vamos descer, viemos só pra te ver mesmo - disse, beijando minha testa - Vai com tudo, viu? Você ta maravilhosa. Morro de orgulho de você, minha menina. Te amo muito, muito. - eu a abracei.

- Te amo, Helenão. - ela riu e me beliscou, eu ri - Sério tia, eu amo a senhora demais. Obrigada por tudo o que fez por mim, viu?

- Não precisa agradecer... você é minha filha do coração, faria tudo de novo quantas vezes fossem preciso. - eu sorri, já segurando as lágrimas de novo, e olhei pra Tia Linda.

- Eu só vou te abraçar mesmo, pra não te fazer derramar essas lágrimas aí - rimos e ela me abraçou - Você ta linda, meu amor. Obrigada por ter entrado em nossas vidas, viu? Nossa família não seria tão completa sem você. - beijou meu rosto.

- Eu que agradeço, tia. Minha segunda família, sou feliz demais por vocês terem me acolhido nesses anos. Amo você.

- Eu também te amo, minha princesa - beijou meu rosto de novo. - Agora tchau, tchau que teu tio já já escala esse quarto - nós rimos.

- Tchau meus amores, até daqui a pouco - elas saíram e eu peguei o celular pra ver se alguém tinha postado alguma coisa, nada. Alucinação coletiva esse casamento, não é possível.

GabriÉU

Amor

To nervosa

Aiii cê ta no altar já...

Sacooo kkkkkkkk

É isso to nerbosa te amo

- Foi aqui que pediram um buquê? - ouvi a voz do Tio Carlos, olhei, ele estava com meu buque na mão.

- Aqui mesmo - disse, colocando o celular na comoda, assim que ele entrou, seus olhos encheram de lágrima, eu ri e me aproximei dele.

- Fi-filha... Você ta maravilhosa.

- Eu achei também - ri pra descontrair, mas na verdade, estava nervosa e morrendo de vontade de chorar. - Você também ta lindo, velhinho.

- Posso te dar um abraço?

- Claro - disse, o abraçando forte, era um abraço calmo, seguro, de outro mundo. Ele nunca foi de falar mil e uma coisas bonitas, mas só os gestos dele já diziam muito.

- Eu te amo muito, minha pequena... Tenho muito orgulho da mulher que você se tornou. Lembro até hoje daquela pretinha que assim que me via, vinha correndo me abraçar, e que eu pegava no colo como se fosse uma bonequinha. Fico indignado como você se parece com seus pais, é a fusão de todas as qualidades deles. Força, persistência, carisma, porra, tudo de melhor dos dois vocês herdou. E hoje ta aí, uma mulher linda, guerreira. Tenho muito orgulho de você, muito orgulho de ter acompanhado sua caminhada, muito orgulho de ser seu segundo pai... - disse, acariciando meu rosto.

- Eu te amo demais, Tio Carlos. Você é o melhor pai postiço que alguém poderia ter - rimos - Sabe que sou sua fã desde pequenininha, e desde então, a admiração que tenho pelo senhor só cresce. Orgulho sinto eu de ter sido criada pelos meus pais e por você. Tu tem um papel muito importante na minha história, velhinho, e não sei o que seria de mim sem você ao lado. - beijei sua testa, ele estava com os olhos cheios de lágrimas - Mentira que tu vai chorar? - rimos, mas eu estava igualzinho.

- Não, pô. Vou não, que isso - passou a mão no rosto e eu ri. - Vamos? - respirei fundo e ele me olhou - Ta nervosinha é? - rimos.

- Para, ta? To nervosa pra caralho.

- Logo você? Nada disso, bora moleque, da um chute ai pra sua mãe acordar pra vida - nós rimos e ele passou a mão na minha barriga. - Você ta linda, pretinha, e ainda vai entrar com esse galã do lado, tem como dar algo errado? - rimos.

- Realmente, não tem - ele riu, me entregou o buquê e nós descemos e nos posicionamos ali no cantinho, mas dava pra ver tudo. A decoração estava maravilhosa (4) e o dia estava a coisa mais linda. Mas o Gabriel... tinha se superado. Que homem lindo do caralho. Estava com um terno claro, e air force 1 branquinho. O cabelo estava pretinho, na régua, ai, tava lindo porra. A música dos padrinhos começou a tocar e eu vi meus meninos entrando, um mais lindo que o outro, ok, só conheço casal maravilhoso, não tem como. Assim que a marcha núpcial começou a tocar, minhas pernas bambearam, caralho, é agora. Vai Izabela, coragem. Fomos nos aproximando, o Gabriel não parava quieto, olhando fixo pra onde iamos entrar, assim que chegamos na ponta do corredor, ele sorriu.


 


Notas Finais




Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...