História Talking To The Moon - Capítulo 3


Escrita por:

Postado
Categorias Histórias Originais
Personagens Personagens Originais
Tags Drama, Família, Originais, Romance
Visualizações 29
Palavras 2.238
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 16 ANOS
Gêneros: Comédia, Drama (Tragédia), Famí­lia, Festa, Ficção Adolescente, Musical (Songfic), Romance e Novela, Violência
Avisos: Álcool, Drogas, Heterossexualidade, Linguagem Imprópria, Spoilers, Violência
Aviso legal
Todos os personagens desta história são de minha propriedade intelectual.

Notas do Autor


Nome do capítulo: Grandes Olhos Castanhos

Esse capítulo ficou meio grandinho por causa da música, espero que não se importem... É que eu estava em um momento grande de inspiração de um tempo para cá... Aah e musical também então... Rsrsrs

Enfim...

Boa leitura!

Capítulo 3 - Big Brown Eyes



         ~Lisa ON


A noite caiu mais rápida do que eu esperava...

Não queria ir aquela porcaria de festa! Só vou porque o Martin tem razão... Não posso dar prazer aquela bruxa por não ter aparecido, só porque ela não quer...

E como diz a Noami... "É sempre bom ir a festas, para conhecer gatinhos..." E ela tem razão... E olha que esses são gringos hein...

Estava arrumando meus longos cabelos castanhos, deixando-os presos em um coque baixo, pouco acima da nuca, e bem elaborado.

Minha maquiagem era básica: um batom vermelho, lápis, rímel e a sombra esfumaçada nos olhos para não ficar muito escuro.

Meu vestido era preto meio justo e é logo. Não tem muitos detalhes, a não ser pelo decote V, não muito grande, mas que destaca bem meus seios, e também, uma fenda em uma perna subindo até a metade da coxa direita, deixando minha perna a mostra. Era simples a vários olhos (com certeza), mas para mim estava de bom tamanho e eu odeio chamar a atenção!

TRILILILILILILIM ...TRILILILILILIM

- Alô?  falei atendendo meu celular.

- Lisa? É a Noami... Você já está vindo?

- Sim, vou sair agora... De onde você está me ligando?

- Do telefone da casa da Morgan... O pai dela deixou eu usar... Escuta...  ela suspirou um pouco, antes de continuar  Tem cada gatinho gringo aqui, que minha filha... Você não tem noção!

- A noite mal começou e você já está atrás de homem?  revirei os olhos.

- Ah é como dizem... "Temos que ser rápidas, antes que outras sejam".

- Entendi  ri baixinho  Vou desligar, daqui a pouco estou aí!

- Okay, nos vemos...  desligou.

Coloquei minhas sandálias e retoquei meu batom, antes de pegar a bolsa.

Quando coloquei a mão na maçaneta do quarto, hesitei em girá-la. Dei alguns passos para trás e abri a janela do quarto olhando para o céu.

A lua. Aquela linda e maravilhosa, lua.

- Pai? Você está aí? Ah, a quem estou enganando... Você não está...  suspirei Bom eu só queria dizer que tomara que dê tudo certo... Quer dizer, eu a Morgan nos odiamos. Acho que certo não é bem a palavra correta, na minha ocasião  ri baixinho, comigo mesma.  Ah, pai... Eu queria tanto que você estivesse aqui...

Não aguentei a lágrima solitária que insistia em sair, ela escorreu pelo meu rosto seguida de um choro compulsivo

  - Pai... Volta para casa, volta para minha mãe e minha irmã, volta para mim... – o choro aumentava e a lua continuava lá... Parada. Sem me dar um pouco da luz que ela tem e que eu estou precisando.


Tock tock tock... 


- Lisa, são 19:40, você não ia a uma festa?  minha irmãzinha perguntou do outro lado da porta, fazendo a voz sair um pouco abafada.

- Aah... Sim... Eu...  funguei e sequei as lágrimas me levantando de pressa  Já estou saindo...

- Está bem, não se atrase... A mamãe quer se despedir de você...  falou e percebi, que antes de eu bolar alguma resposta, ela já havia saído.

Me olhei novamente no espelho, passando a mão nos olhos tirando um pouco do borrocado  por causa do lápis de olho   que ficou em meu rosto por conta do choro.

Estava (não muito) pronta!

Dei uma última olhada na lua, antes de fechar a janela e sai do quarto em seguida

- Nossa...  minha mãe me encarou perplexa e maravilhada, enquanto descia as escadas do andar de baixo  Você está linda, querida!

- Obrigada, mãe!  falei sorrindo tímida

- Está parecendo uma princesa!  minha irmãzinha falou.

Bii bii...

- Falando em princesa...  minha mãe começou a falar  Sua carruagem a aguarda...!

- A carruagem é só um táxi! Mas okay, eu entro na personagem  ri e abri a porta Amo vocês... – falei e sai sem esperar respostas.

Depois de uns seis minutos dentro do táxi, desci em frente a casa de Morgan, um pouco nervosa.

Eu já estava atrasada, percebi isso por culpa de um bando de estranhos me encarando, quando coloquei os pés no jardim da frente.

Alguns senhores, acompanhados, conversavam alegremente com suas esposas e outros homens. Enquanto outros paravam de falar para me encarar com desdém, porém, outros com olhares... Como posso dizer? Maliciosos? Talvez...

Entrei na enorme mansão, – já que a porta estava aberta – e observei todos os cantos do cômodo da sala, procurando algum conhecido.

Senti um forte esbarrão em meu ombro, me fazendo cambalear um pouco para trás.

- Ei, me desculpe! Se machucou? – um rapaz jovem com um sotaque irlandês me perguntou.

- Não, que isso... Está tudo bem – falei olhando fixamente nos olhos azuis do rapaz... Tão... Profundo.

Ele era alto, cabelos castanhos claros, pele clara até demais e olhos azuis totalmente penetrantes! Como diria a Noami, "Menina, que Deus Grego!". Penso até na resposta da Lolo "Só sabe caçar homem!"

- Ah, que bom... Espero, que me perdoe... Me chamo Ryan McCann – deu um beijo em minha mão – Prazer...

Oh meu pai! Ainda é cavalheiro... Aí sim!

- Prazer... Me chamo Elisabeth Oliver –sorri um pouco. 

- Bom tenho que ir ao banheiro, por isso a correria – rimos – Espero encontrar com você por aí novamente, Elisabeth...

- Também espero... Ah, e por favor, me chame de Lisa, é menos formal...

- Tudo bem – riu um pouco – Nos vemos... Lisa.

- Nos vemos... – nos despedimos.

Cara um menino lindo, falou comigo! O que aconteceu? Será que é o perfume da Victoria's Secret? Sabia que me faria bem ir a Nova Iorque comprar!

Sério, pensem em uma distância de Seattle até Nova Iorque...

Foram dois dias e dezesseis horas de viajem em um ônibus com completos desconhecidos indo para o mesmo lugar!

Mas enfim, esse não é o assunto!

- Lisa! – Noami me gritou, atraindo a atenção das pessoas – Você está linda!

- Obrigada – ri com sua empolgação – Você também!

Ela usava um vestido vermelho justo, com saltos pretos o que lhe davam um charme mais... Peculiar... Num bom sentido. Seu cabelo estava solto com cachos nas pontas e seus olhos negros bem retocados com lápis, rímel e sombra, me faziam lembrar que sua família era de origem japonesa.

- Eu sei né chuchu, estou sempre linda! – falou convecida e eu ri baixinho.

- Claro... Onde está a Lolo?

- Até parece que você não sabe! – me olhou... Desacreditada, eu acho... – Foi se pegar com o Jonathan, óbvio!


          - Não acredito! Mas já?

- Pois é... – ela disse e olhou para frente e derrepente, um sorriso surgiu em seus lábios – Amiga tem um gato, olhando para mim... Acha que eu falo com ele?

- Vai com tudo! – falei e ela riu indo em direção ao rapaz.

Avistei um rosto conhecido e fui em direção a ele.

Era Martin. Ou parecia ser.

Por quê?

Bom... O Martin não é muito de usar ternos, mas tenho que admitir... Ele fica lindo daquele jeito. Ops, não era para ter saído tão meloso.

Ele não notou a minha presença. Estava muito "ocupado" dando atenção ao seu drink e observando as bebidas alcoólicas do mini-bar que tinha dentro da casa.

- Martin...? – o chamei e ele largou seu drink me encarando perplexo com os olhos castanhos um pouco arregalados – O que foi? – ri um pouco

- Você está... Incrível! – falou ele e eu sorri.

- Ah, obrigada... Você também está... Incrível... – falei reparando um pouco nele.

O terno preto o deixava extremamente fofo, a gravata mal colocada o deixava com um ar de menino desleixado. Os cabelos bagunçados do deixavam mais charmoso e fofo

- Valeu – ele falou sorrindo – Senta aqui, e bebe um pouco comigo...

- O que você está bebendo? – perguntei me sentando ao seu lado

- Lagoa Azul... Quer?

- Não sou chegada em álcool, você sabe.

- Aah, só hoje vai... Aproveita que é uma desculpa para você experimentar!

- Ahñ... – hesitei um pouco – Aah, quer saber? Eu vou provar...

Olhei para o barman, e pedi a tal Lagoa Azul...

- Você vai gostar, tenho certeza!

- Vamos ver né... – ri um pouco. Logo depois que a bebida já estava pronta, o barman me entregou e eu tomei o primeiro gole – Por Deus! Como eu não havia experimentado isso antes?

- Gostou? – ele perguntou

- Está brincando? Eu adorei! Você tem que me apresentar mais bebidas como essas...

- Deixa comigo...! – ele riu e começamos a conversar sobre a nossa série do momento Game Of Thrones. Deus que vício em série era aquele que a gente tinha?

Depois de uns trinta minutos conversando e tomando mais umas cinco  taças de Lagoa Azul, não sei como eu e Martin ainda estávamos lúcidos...

- Ei... Vamos dançar?  –  Martin me olhou

- Essas músicas chatas de velho? Nem pensar, e além do mais... – o olhei – Eu não sei dançar...

- Nós damos um jeito! – pegou meu drink e colocou no balcão, em seguida fez o mesmo com o seu se levantando e me puxando para fora do banco.

Fomos até o Sr. Morgan, o pai da nojenta, e Martin sussurrou algo para ele, que em seguida assentiu positivamente e em seguida saiu.

- Ótimo, vamos para a pista... – Martin me arrastou até o meio da sala e todos nos encaravam com olhares estranhos.

Uma música bem conhecida por mim começou a tocar.

- Não acredito! – olhei Martin sorrindo – É a música que a gente cantou na nossa formatura do jardim de infância para a tia Melissa...

- Nossa antiga tia/professora... – sorriu triste – Nosso passado era... Bom...

- Sempre vai ser...  – o abracei.

"Big brown eyes, and a gust of wind,
       And the cherry burns the corner of the page that says ";The end
           Is coming soon,"; but not soon enough.
Restring all your guitars. Pack up all your stuff.

'Cause if Robert's dad is right,
          We might not make it through the night,
         And I'd hate to go alone.
        Please pick up the phone.

Well a box of red, and a pill or three,
       And I'm calling time and temperature just for some company.
       I wish you were here. I wish I was too.
    I'll drink myself to sleeplessness, I always do...


(Grandes olhos castanhos, e uma rajada de vento
E a cereja queima o canto da página que diz; O fim
Está chegando em breve, mas não tão em breve
Restringir todas as suas guitarras.   Arrumar todo seu material

Porque do pai de Roberto é certo
Nós não pudemos fazê-lo durante a noite
E eu odeio ir sozinho
Por favor, pegue o telefone

Bem uma caixa de tinto, e um comprimido ou três
E eu estou chamando o tempo e a temperatura apenas para alguma companhia
Queria que você estivesse aqui. Eu queria estar demasiado
Vou beber minha própria insônia, eu sempre faço...)

Desviei a minha atenção de Martin e encarei ao redor, algumas pessoas pararam para dançar a música envolvente. Continuei a observar e avistei Lorraine e Jonathan dançando enquanto Noami puxava seu "amigo" para dançar também...

You don't want me anymore,
      Since fame and fortune broke down our door.
         You don't give me no respect.
         What did I expect?

If that phone don't ring one more time,
         I'm gonna lose what's left of my mind.
      You made a big impression for a girl of your size,
    Now I can't get by without you and your big brown eyes.

Her hands are cold, her breath is warm,

She's a port in a storm.

I'm worried now, but it won't be long.
         It takes a worried man, you know, to sing a worried song...

(Você não me quer mais

Desde que a fama e fortuna quebraram nossa porta
Você não me dá nenhum respeito
O que eu esperava?

Se o telefone não tocar mais uma vez
Eu vou perder o que resta da minha mente
Você fez uma grande impressão para uma menina do seu tamanho
Agora eu não posso viver sem você e seus grandes olhos castanhos

Suas mãos estão frias, sua respiração é quente
Ela é um porto em uma tempestade
Estou preocupado agora, mas não vai demorar muito
É preciso um homem preocupado, você sabe, a cantar uma canção preocupada...)


Ele, sem falar mais nada, colocou a mão em meus quadris e me puxou para mais perto de seu corpo e eu abracei seu pescoço, e começamos a dançar a música em seu ritmo perfeito

Encarei Martin, e ele me encarou de volta com seus grandes olhos castanhos brilhando a luz do lustre. Nunca tinha reparado que os olhos dele era tão bonitos. Corei com o pensamento e rezei baixinho para que ele não tivesse notado

Acho que rezar não deu muito certo, já que ele me encarou duvidoso e com um sorriso esperto. Por Deus, que vergonha!

I've got issues, yeah.
         Like I miss you, yeah.
        And I wish I weren't so thick.
       I'm making myself sick.

If that phone don't ring one more time,
         I'm gonna lose what's left of my mind.
      You made a big impression for a girl of your size,
    Now I can't get by without you and your big brown eyes..."

(Eu tenho problemas, sim
Como eu sinto sua falta, sim
E eu desejaria não ter sido tão grosso
Eu estou fazendo-me doente

Se o telefone não tocar mais uma vez
Eu vou perder o que resta da minha mente
Você fez uma grande impressão para uma menina do seu tamanho
Agora eu não posso viver sem você e seus grandes olhos castanhos...")


É... Acho que eu fiz "bem" de ter vindo...

Acho... Argh, Malditos olhos castanhos...!


Notas Finais


Espero que tenham gostado! Até a próxima...

Música: https://youtu.be/LwKDp0sqqG0


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...