História Talvez a verdade - Capítulo 5


Escrita por:

Postado
Categorias Histórias Originais
Personagens Personagens Originais
Visualizações 0
Palavras 482
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 12 ANOS
Gêneros: Comédia, Crossover, Drama (Tragédia), Fantasia, Ficção Adolescente, LGBT, Romance e Novela

Aviso legal
Todos os personagens desta história são de minha propriedade intelectual.

Notas do Autor


Boa leitura! 🌻❤

Capítulo 5 - Capítulo cinco.


No outro dia de manhã, foi para escola, e voltou pra casa, e ficou sozinha, a irmã ficava em uma escolinha, onde a menina ia fazer aula de reforço as três da tarde todos os dias, uma desculpa da mãe, para que a menina ficasse de olho no que o pessoal fazia com a irmã mais nova.

A menina estava sozinha em casa, quando recebeu a notícia da pior forma possível, a mãe do garoto, do seu amigo Gustavo, aos plantos, gritando, ela saiu para ver o que estava acontecendo, quando a mãe do garoto disse que o menino tinha desaparecido, o chão da menina desabou, única coisa que conseguia ouvir, era a mãe do garoto desferindo palavrões e frases com o sentindo de que a menina era culpada, ela havia deixando o amigo lá sozinho, ela era uma amiga ruim, ela era uma pessoa ruim, a mãe dizia que ela havia matado seu filho, tinha matado seu único motivo de viver, todos tentavam acalmar a mãe do garoto, enquanto a menina, bom, a menina já estava aos plantos, quando os outros amigos chegaram e a abraçaram.

Seu melhor amigo havia sumido, a única pessoa que lhe passava verdadeira confiança, a única pessoa, a única pessoa que ela havia criado um laço e prometido que iria estar sempre ali, e ela simplesmente o abandonou, não foi uma boa amiga, e aquele sentimento ruim, voltou com tudo, enquanto ela só sabia chorar.

Meses se passaram, e nada de acharem o garoto, e depois de mais alguns meses deram o garoto como morto. Ela havia perdido seu amigo da pior maneira possível, ela se sentia culpada, ela era culpada, e os pensamentos diziam e diziam isso, e ela passou a acreditar e a absorver tudo aquilo, eles eram crianças, ela não queria ter feito aquilo com o amigo, não queria, mesmo ela não tendo feito nada, se sentia culpada, suja, uma pessoa horrível. 

E seu pai, aquele que sumiu quando tinha apenas dois anos, apareceu, e junto com sua aparição repentina, a menina sentiu pela primeira vez um sentimento ruim, um sentimento de desprezo, eles discutiram, ela não queria ver o pai, não queria ouvi-lo, ela estava transtornada por dentro, e a última coisa que ela precisava era de alguém que não esteve lá quando ela mais precisou, alguém que estava de passagem pra faze-lá sentir pior do que já estava se sentindo.

E logo após completar seus onze anos, a menina se fechou totalmente. Metade dela havia morrido junto com o desaparecimento/morte do seu amigo, junto com o sentimento de culpa por tudo que aconteceu, junto da sua vontade de querer ser melhor, e sua outra metade estava começando a morrer, quando a mesma decidiu deixar com que o sentimento ruim (aquela altura ela já sabia o que era, a depressão.) dominasse todo e qualquer sentimento que fosse sentir dali pra frente.


Notas Finais


Obrigado🌻❤🌹


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...