História Talvez Amanhã Seja Tarde - Capítulo 10


Escrita por:

Postado
Categorias Grey's Anatomy
Tags Capmirez, Greysanatomy
Visualizações 196
Palavras 5.065
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Famí­lia, Ficção, LGBT, Romance e Novela
Avisos: Adultério, Álcool, Bissexualidade, Drogas, Estupro, Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sadomasoquismo, Sexo, Suicídio, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


Dessa vez nem demorei muito hahahaha...
Bom amoras vai haver mais um flashback do passado das meninas nesse capitulo..
vamos esclarecer algumas duvidas que ficaram dos ultimos capitulos...
Espero que gostem e me digam o que esta, achando..
JAJA eu respondo os comentários fofos de cada uma de vocês..

PS Quem acompanha the secret tbm vou deixar um recadinho la no final..
Beijos!!

Capítulo 10 - Primeiro Beijo


Fanfic / Fanfiction Talvez Amanhã Seja Tarde - Capítulo 10 - Primeiro Beijo

PDV JESSICA

 

Chegamos a casa de minha mãe e Luke estava quieto, ficou em silêncio o caminho todo, tudo que se ouvia no carro era os gruñidos de Poppy entretida com sua inseparável girafa, eu fiquei com pena mas não posso amolecer, crianças precisam ser educadas, não quero filhos que pensam que podem fazer o que quiserem. Assim que retiro as crianças do carro, vou até a entrada e toco a campainha esperando minha mãe atender, o que ela não demora muito a fazer.

- Bom dia meus amores - Kate sempre tem um sorriso no rosto e isso me passava uma calma e acabou me arrancando um sorriso também.

- Oi mamãe - ajeito Poppy no colo, enquanto seguro o bebê conforto na outra mão e vou entrando quando ela dá espaço.

- Oi filha - beija meu rosto e me abraça de lado por Poppy estar no colo, depois beija a cabeça da pequena - querido o que houve com você? - arregala os olhos quando vê o estado de Luke que mantém a cabeça baixa.

- Pulou em uma poça de lama antes de sair - disse séria olhando pra ele - não quis voltar para trocá-lo porque íamos nos atrasar muito, posso subir e dar um banho nele antes do almoço?

- Me desculpa mamãe - sua voz saiu um pouco chorosa e partiu meu coração mas mantive firme.

- Tudo bem - suavizo um pouco o tom para ele não chorar - mas ainda está de castigo.

- Você está sendo dura - minha mãe resolve intrometer - é apenas uma criança e fez uma travessura - apenas cerro os olhos a repreendendo - vai pra cozinha e se acalme vou dar banho nele e nós conversamos antes do almoço - revirei os olhos porque ela estava me desautorizando mas era mais fácil concordar - vem com a vovó Luke.

Ela estendeu a mão pra ele e vi quando piscou fazendo ele dar um sorrisinho de lado, eu deveria ficar brava mas acho que ela estava certa eu estava sendo muito dura com ele, afinal ele é apenas um garotinho e fez uma travessura que eu estava levando muito a sério, talvez seja porque ando muito estressada. Minha mãe com certeza o deixaria mais animado e isso me deixou mais tranquila, fui com Poppy até a cozinha o cheiro da comida já se fazia presente, ela estava fazendo lasanha, mais uma vez agradando o neto, devo confessar a mim também. Coloquei minha pequena sobre o balcão da cozinha e brinquei com ela fazendo cócegas na sua barriguinha e ela me mostrava suas covinhas quando sorria, não demorou muito minha mãe voltou de mãos dadas com Luke, ele estava de banho tomado e roupas limpas.

- Voltamos - ela anunciou olhando diretamente pra mim e eu entendi a deixa.

- Filho vem até aqui - ele se encolheu um pouco para mais próximo a Kate e eu vi o quanto eu o assustei com meu estresse e me senti culpada, minha mãe o incentivou a andar e ele o fez de cabeça baixa - olha pra mamãe - puxei seu rosto para me olhar - me desculpe por ficar brava com você, eu não vou colocar-lo de castigo, mas você tem que obedecer dá próxima vez e ser mais cuidadoso.

- Tá bom mamãe - ele sorriu verdadeiramente aquecendo meu coração - me desculpa eu não vou mais desobedecer.

- Está desculpado filho - beijei a cabeça dele e ele me abraçou forte.

- Agora porque você não vai lá pra sala assistir um desenho enquanto eu termino nosso almoço - minha mãe sorriu e abaixou para falar com ele - vamos ter sorvete de sobremesa.

- Tá bom vovó - ele saiu correndo em direção a sala, bem mais alegre do que chegou.

Enquanto eu colocava Poppy no bebê conforto que eu tinha trago, sinto o olhos de minha mãe acompanhando meus movimentos é aquele olhar que eu já conheço muito bem, eu já sabia que teria que dar muitas explicações e se não fosse espontaneamente seria sobre um árduo interrogatório, mas ela era paciente esperaria algum tempo antes de despejar suas perguntas sobre mim. Ela voltou a mexer nas panelas mas sem tirar os olhos de mim, confesso que isso ela ainda me intimidava com esse olhar mesmo que eu já fosse uma adulta independente com filhos.

- Diga dona Kate - me virei olhando pra ela agora - o que quer saber?

- Quero saber o que está acontecendo com você? - deu seu melhor olhar inquisidor - porque você não é assim, não desconta suas frustrações no seu filho.

- Eu não.. eu não.. - tentei me justificar mas não sabia como fazer, ainda mais que ela estava certa.

- Jessica Brooke Capshaw seja sincera com a sua mãe - levantou a colher de pau que usava a apontado em minha direção enquanto estreitava os olhos.

- Ok - suspirei frustrada - eu pedi o divórcio para Christopher essa manhã e estou realmente cansada, estressada e frustrada - falei de uma vez e encostei minha testa no balcão da cozinha - eu não queria ter ficado tão brava com Luke e me sinto mal por isso.

- Já esperava por isso - ela falou como se não fosse nada, levantei a cabeça rapidamente olhei pra ela incrédula com sua tranquilidade com o assunto - vocês não estão bem a anos, acho que você demorou para pôr um fim nesse casamento.

- Você está falando sério? - ela deu de ombros - mãe eu terminei um casamento de dez anos e você nem mesmo questiona o motivo - ela deu uma leve risada acho que o meu drama ou as caretas que eu com certeza estava fazendo.

- Filha, eu te conheço o suficiente para saber que se você tomou essa decisão foi depois de pensar muito no assunto - ela se aproximou e envolveu meus ombros em abraço de lado - eu vi também seu casamento afundar com os anos e não acho que você deva se prender a um homem que não te faz mas feliz, eu te amo demais para querer menos do que felicidade para você - ela me deu aquele sorriso de mãe, que faz seu coração ficar quentinho de amor - Chris é um bom homem, mas não está sendo um bom marido, então por favor faça o que seu coração pede e volte a sorrir como sorria a uns três anos atrás - esse tempo preciso me pareceu meio sugestivo mas eu estava tão feliz por seu apoio, que não queria questionar - é tudo que eu quero.

- Obrigada mãe - envolvi meus braços em sua cintura e aconcheguei minha cabeça em seu peito, o fato de estar sentada facilitava - você me apoiar significa muito pra mim.

- Sempre vou estar do seu lado filha - fazia um afago gostoso nos meus cabelos, me transmitindo calma.

 

PDV SARA

 

Eu e Ryan passamos quase a noite toda conversando, aliás discutindo sobre minha traição e cada minuto que passava eu só conseguia me sentir pior pelo que fiz, me fez pensar mais ainda na Jessica e em como ela deve ter se sentido quando estava comigo ainda casada, me perguntava se havia sido difícil pra ela como estava sendo pra mim sentir essa culpa de trair alguém, aí pensava em como eu mesmo não amando Ryan como já amei ela, estava aqui diante dele lutando pra manter meu casamento depois do que eu fiz com ele e eu lembro de como pressionava Capshaw a deixar seu marido para viver um amor totalmente novo e complicado em todos os sentidos, complicado por ser com uma mulher, complicado por ela ser casada, complicado por ela ter um filho, complicado por sermos famosas e sempre temos nossas vidas expostas. Eu estava apaixonada e cega e talvez não tenha percebido que tudo era mais difícil para ela do que era pra mim e provavelmente eu tenha forçado ela além do que deveria e hoje casada eu posso ver isso mais claramente, assim como Ryan é um bom homem pra mim, Christopher é para ela então deixá-lo não era algo que ela podia fazer com tanta facilidade como eu queria que fosse. Acabei me lembrando da primeira vez que nos beijamos.

 

Flashback ON

 

Era reta final das gravações da décima primeira temporada, todos estavam cansados mas felizes pelo bom trabalho, havia um clima de despedida pairando já que Dempsey estava deixando o show depois de onze anos. Sara e Jessica estavam andando em direção aos trailers como sempre faziam depois do trabalho, eram praticamente inseparáveis desde que a loira entrou para o elenco, o fato de fazerem um par romântico apenas intensificou a interação e rapidamente se tornaram grandes amigas. Pararam em frente ao trailer de Ramirez que era o primeiro e ficaram conversando na porta, sobre tudo e nada, sempre tinham muito assunto.

- Alguém já disse que vocês falam demais? - alguém abriu a porta do trailer assustando as mulheres.

- Meu Deus! Fernando o que você está fazendo aí? - a morena foi a primeira a falar, estava ofegante e com a mão no peito.

- Fer que me matar? - a loira não estava diferente depois do susto - eu sou sensível.

- Desculpe - sorriu travesso pra elas - estava esperando no trailer mas vocês não param de falar - revirou os olhos - mudando de assunto eu esperava uma recepção mais calorosa, afinal não é todo dia que esse rostinho bonito está aqui para o deleite de vocês.

- Seu ego está bem né? - a morena disse é o abraçou - mas eu estava com saudade.

- Eu também Fer - o abracei logo em seguida.

- E eu de vocês minhas estrelas - abraçou nós duas juntas.

- Mas agora é sério o que faz aqui? - Sara disse assim que nós separamos - achei que estava no Texas.

- Tive uma folga e vim - deu de ombros - quero sair para beber hoje aproveitar minha folga.

- Tudo bem - sorriu animada - onde vamos?

- Pensei em bebermos na minha casa - ele sentou no degrau do trailer - ainda não vendi, estou apegado - deu uma risadinha - além disso só quero beber mesmo, nada de balada hoje.

- Ótimo - falou animada - assim já dormimos por lá, o que acha Jesse? - agora olhou para loira que estava calada.

- Achei que fosse algo entre vocês apenas - falou um pouco envergonhada.

- Não, você me disse que estaria sozinha em casa hoje - Sara disse séria - vai com a gente.

- Claro que vai - Fer acompanhou a latina - jamais ficaria sozinha em casa, comigo na cidade.

- Ok, então - deu seu sorriso de covinhas.

- Isso aí - levantou e bateu palmas - vamos nos divertir hoje.

Conversaram por mais alguns minutos, decidiram os últimos detalhes para a noite, Jessica estava um pouco relutante de ir pois sabia fazia muito tempo que a latina não via seu melhor amigo e nem passava algum tempo com ele, se sentiu intrometida no meio deles, mas a insistência de ambos a faz concordar, cada um seguiu para sua própria casa e exatamente às 7 PM Sara passou para pegar a loira e seguiram juntas em direção a praia.

- Fer chegamos - a latina foi entrando com a loira lhe seguindo.

- Minhas estrelas venham - puxou as duas para segui-los - vamos ficar na sala a assim aproveitamos a vista do mar.

A sala de estar tinha as portas de vidro abertas para a enorme varanda com vista do mar, era magnífico. Os três estavam se divertindo, sentados em grande sofá virado para a visita linda do horizonte, bebiam e conversavam sobre tudo, eram bons amigos juntos e estavam tendo um bom momento. Fernando estava um pouco distraído no celular e Isso estava intrigando as mulheres.

- Qual é Fer, estamos te entediando? - a latina perguntou.

- Não, claro que não - foi rápido em contestar - é que eu estou saindo com um cara ele se chama Elias e quer me ver hoje - sorriu envergonhado - mas eu disse que estou com vocês.

- Não se prenda por nós - a loira resolveu falar.

- Claro vai se divertir - sorriu - nos arrumamos tudo aqui e vamos pra casa.

- Não de maneira nenhuma - ele foi enfático - vocês ficam são minhas convidadas, eu vou até ele e volto mas quero que durmam aqui, amanhã farei o melhor almoço que já provaram na vida - falou sorrindo.

Acabaram concordando com a proposta ou Fernando não sairia para seu encontro, ele foi se arrumar mais um pouco para o tal Elis e as mulheres continuaram na sala conversando quando ele passou despedindo-se.

- Meninas os quartos já estão arrumados para vocês - elas sorriram maliciosas para ele.

- Aproveite - a latina piscou.

- Irei - deu seu sorriso cafajeste também.

- Divirta-se - a loira desejou.

- Obrigada gostosas - beijou a face de ambas e saiu.

- Bem a cara do Fer nos trocar por sexo quente com um homem charmoso - a latina disse gargalhando, depois que o amigo saiu.

- Acho que sim - concordou sorrindo.

- Ele está feliz - abriu um sorriso carinhoso, que ela sempre dava para as pessoas que ama.

- Ele parece feliz - a loira também sorriu enquanto pegava outra garrafa de cerveja.

- Sabe gosto de ver ele assim, feliz sendo ele mesmo - parecia estar divagando - as vezes penso em contar ao mundo sobre minha sexualidade, para mostrar para pessoas que está tudo bem ser que você é - seu sorriso era mais fraco - queria, que todo mundo pudesse ser feliz sendo ela mesmo, sem medo do preconceito.

- Porque você está pensando nisso agora? - não entendia como assunto chegou ali.

- Eu me lembrei da época em que eu fingia ser namorada dele porque ele tinha medo do que os pais e as outras pessoas iriam dizer ou fazer contra ele - suspirou - depois que ele tomou coragem pra dizer eu vi ele ser realmente feliz e realizado e percebi que eu nunca fiz isso, eu me escondi e me escondo até hoje, mas eu deveria dar algum tipo de exemplo, sei lá - deu de ombros, não sabia bem como se explicar.

- Ok, acho que entendi seu ponto - passou seu cabelo para trás da orelha e encarou a latina - mas Sara você tem seu tempo, assim como ele teve o dele e quando achar que é seu momento de dizer você vai saber fazer isso.

- Você sempre sabe o que dizer pra me fazer sentir melhor - sorriu pra ela aquele mesmo sorriso carinhoso que deu para o Fer, deixando a loira um pouco envergonhada, elas se olhavam em silêncio.

- Sabe de uma coisa? - quebrou o silêncio - eu nunca beijei uma mulher - mais uma vez o assunto estava indo por caminhos diferentes.

- Como não? nos beijamos o tempo todo nas gravações - deu uma risada alta com a careta que a loira fez.

- Você entendeu - cerrou os olhos e apontou pra ela - fora do trabalho, eu já tive curiosidade mas não sei, talvez não apareceu a oportunidade - deu de ombros.

- Vou ter que concordar que beijar alguém com câmeras em cima não conta muito - tentou ser solidária.

- Você me beijaria? - talvez fosse o efeito do álcool mas quando percebeu a loira já tinha soltado aquela pergunta fazendo a latina quase se engasgar com a cerveja que estava na sua boca e olhar pra ela com os olhos arregalados - desculpa eu acho ultrapassei um limite.

- Não.. não.. - depois de se recompor tentou falar - você apenas me pegou de surpresa - sorriu sem graça - mas claro eu te beijaria, você é linda, gentil, inteligente é o tipo de garota que qualquer uma gostaria de beijar.

- Então me beija - mais uma vez falou sem pensar - quero saber como é beijar de verdade uma mulher - dessa vez a expressão envergonhada não estava mais presente apenas um olhar firme e sedutor que a morena nunca tinha visto antes, pelo menos não direcionado a ela.

- Você tem certeza? - engoliu seco, enquanto seus olhos já vagavam pelos lábios convidativos da loira - você é casada - ela queria o beijo, como ela queria mas precisava ter certeza que a loira sabia o que estava fazendo.

Ela não respondeu de imediato apenas se aproximou, sentando mais próxima a latina, pois sua mão sobre a dela que estava apoiada no sofá, fazendo um carinho singelo no local,  olhou dentro dos olhos dela, as respirações estavam mais pesadas, e se misturavam pela proximidade, por poucos centímetros os lábios não se tocavam.

- Tenho - sorriu enquanto olhava para os lábios da latina - vai ser apenas um beijo - seus olhos azuis brilhavam em desejo, a respiração estava mais pesada as pupilas mais dilatadas, o calor emanava por seu corpo, era evidente que ela queria muito isso.

Então ela selou seus lábios nos de Sara, no primeiro momento a latina não teve reação pela surpresa do ato, foi apenas um selinho e ela se afastou, analisou a expressão de Sara, que abriu os olhos vagarosamente, ela sorriu docemente e voltou a encontrar seus lábios carnudos, mas dessa vez a loira serpenteia sua língua pedindo passagem, a latina não se conteve e abriu a boca para receber a língua da outra, sua mão foi para os cabelos loiros onde segurou fazendo com que o beijo fosse aprofundado, as línguas se tocavam de uma maneira única, não brigavam por espaço, elas se encaixam de uma maneira perfeita em ambas as bocas, uma das mãos de Jessica foi de encontro a cintura de Sara, de início apenas tocando de leve, como um apoio, mas quanto mais o beijo esquentava seu aperto também intensificava, fazendo a latina soltar um leve gemido entre os lábios rosados da loira que abriu um leve sorriso satisfeita. A morena não sairia por baixo puxou os cabelos loiros em suas mãos com um pouco mais de força e aproveitou a falta de ar para morder o lábio inferior de Jessica que também gemeu com o gesto e foi a vez dela sorrir. O beijo foi cada vez ficando mais intenso e as mãos já não se continham em apenas um lugar, exploravam o corpo a frente com certa ânsia, quando ar faltava elas apenas se afastavam o suficiente para inspirar e voltavam a se beijar ardentemente. Os corpos eram puxados um para o outro tentando obter mais uma da outra, o corpo de Jessica estava parcialmente sobre o de Sara, sua perna direita sobre as pernas da outra, que puxava sua coxa ainda mais para cima dela. Então Jessica se afastou, deixando Sara completamente desorientada e ofegante depois do ato, ela sorriu pelo estado da latina, com os cabelos um pouco bagunçados, boca entreaberta, tirou sua perna de cima dela e ficou um pequeno tempo em silêncio.

- Você tem um beijo - suspirou - estou sem palavras, foi ótimo.

- Obrigada - era novidade mas a latina ficou envergonhada - você não é nada mal, fazendo a loira gargalhar.

- Vai ser difícil te dar apenas selinhos no trabalho - mordeu seu lábio inferior e a morena se contorceu com a visão - sabendo que te beijar é tão bom.

 

Flashback OFF

 

Me lembro de ficar sem palavras para o que ela disse, mas me lembro também do quanto meu coração ficou disparado, ela conseguiu mexer comigo apenas com um beijo, ali eu soube que aquela loira de covinhas seria minha morte. Quanto ao meu marido acabou indo dormir na casa de um amigo, disse que pensaria sobre tudo que aconteceu e tentaria não focar em quem era a tal mulher que ele insistia que eu ainda tinha sentimentos, mesmo sabendo que ele não estava errado não era algo que eu pudesse admitir se queria o perdão dele, as coisas não estavam bem, mas eu precisava descansar e tentar pôr as coisas em ordem na minha vida e dar o tempo para que ele pensasse no assunto. Ele estava sendo muito calmo considerando o ocorrido, se parar pra pensar eu não sei se reagiria com a tanta racionalidade, no entanto era evidente que nós dois precisávamos de tempo para pensar antes de tomar qualquer decisão, eu sei o que fiz e sei que não mereço o perdão dele, mas eu amo ele dá minha maneira, talvez não seja o suficiente mas não estou preparada para perdê-lo agora.

 

PDV JESSICA

 

Sei que todos dizem isso de suas mães mas minha mãe é a melhor mãe do mundo, a maneira que ela me apoiou e aceitou sem contestar ou tentar me fazer mudar de idéia, simplesmente ficou do meu lado, me deu ainda mais força para lutar pela minha felicidade, como ela disse eu preciso conseguir ela de volta e o primeiro passo para alcançar era me separar definitivamente de Christopher, não seria fácil e ele não aceitaria tão cedo mas era o correto a fazer por mim. Sai da casa da minha mãe renovada, mais alegre e com um estímulo extra para enfrentar o que fosse necessário em casa, meu filho estava bem mais alegre também o que me trouxe paz.

Entrei em casa, com Poppy dormindo nos braços essa menina estava ficando pescadinha, Luke saiu correndo na frente, a casa estava em silêncio total, resolvi subir e por a menina no berço para que ela descansasse melhor, depois desci até a sala onde encontrei Luke falando com Christopher, ele parecia animado contando como foi a tarde na casa da avó, acabei sorrindo com a cena, meus filhos sempre conseguiam o melhor de mim, mas quando Chris olhou pra mim meu sorriso se desfez instantâneamente. Era o momento de ter uma conversa franca com ele sobre nosso divórcio, não queria mais adiar esse assunto, já estava desgastada demais ao ponto de descontar em meu filho e não vou deixar que isso se repita.

- Filho porque não sobe pra brincar um pouco no seu quarto - me aproximei dos dois - preciso ter uma conversa com seu pai.

- Tá bom mamãe - abriu um sorriso lindo e correu em direção as escadas.

- Podemos conversar com mais calma agora - Chris estava sentado na poltrona, tinha uma expressão séria e não disse nada apenas assentiu para que eu continuasse - precisamos resolver como vai ser daqui para frente - me sentei no sofá próximo a ele - quem vai ficar na casa, como vamos dividir o tempo com as crianças, quando a oficialização do divórcio eu preciso procurar um advogado mas pretendo fazer isso rápido, acho que conseguimos resolver isso sem nos machucamos mais - fui totalmente direto ao ponto e ele se manteve quieto por um tempo.

- Porque está fazendo isso com a gente? - olhou nos meus olhos de uma maneira intensa que me deu um pouco de pena.

- Eu só quero reencontrar a felicidade Chris e quero isso pra você também - suspirei e segurei a mão dele que estava apoiada no braço da poltrona - e nós não estamos nos fazendo bem.

- Mas nós podemos tentar consertar as coisas - seu olhar estava quase suplicante - eu posso tentar melhorar, a gente pode sair em uma viagem de família - ele segurou minha mão que estava na sua com força - eu prometo que tudo vai melhorar, eu te amo Jesse.

- Chris não torne as coisas mais difíceis do que já são - tirei minha mão da sua - uma viagem não vai mudar as coisas, você não vai mudar quem é e eu não vou mudar quem eu sou - tentava falar da maneira mais calma possível - eu já te amei muito e tivemos filhos lindos, mas não te amo mais e não quero ficar em um casamento sem amor - sorri triste pra ele - eu sei que você vai encontrar alguém que te ame como você merece.

- Por favor Jesse - ele estava chorando, posso contar nos dedos as vezes que vi ele chorar durante esses anos - me de mais uma chance.

- Não posso - abaixei os olhos não queria vê-lo frágil assim, ele é o pai dos meus filhos e não queria que estivesse dessa maneira - o amor acabou e não faz sentido continuar sem ele, vamos tentar ser o mais práticos possível.

- Como se é prático quando ainda tem sentimentos envolvidos? - ele estava tentando de tudo e me deixando acuada mas não voltaria atrás - pense nos nosso filhos.

- Não os ponha no meio disso - fui firme quando ele tentou me manipular com as crianças - eles ficaram bem se estivermos bem, então não dificulte tudo, e me desculpe por dizer isso mas não há mais sentimentos da minha parte, a não ser um carinho pelo que construímos juntos.

- É difícil acreditar que um casamento de dez anos vai acabar assim - abaixou a cabeça e tentou disfarçar ao limpar as lágrimas.

- Acredite está sendo difícil pra mim também.

Foi difícil, mas Christopher acabou “aceitando” o término do casamento, ele disse que iria tentar me mostrar que mudou até o último instante, o que só me fez sentir pena dele, porque mesmo que ele o fizesse eu não mudaria de ideia, eu simplesmente não o amo mais e não vou continuar casada sem amor,  no entanto ele preferiu sair de casa e me deixar lá com as crianças, decidimos que os dois juntos contaríamos ao Luke sobre o divórcio, marcariam os um dia para ele vir até aqui e falaríamos com o pequeno, seria difícil pra ele também, sempre foi muito apegado ao pai. No primeiro momento ele disse que deveríamos apenas dar um tempo para repensar e não falar com Luke, mas eu o fiz entender que isso não iria acontecer.

Já estava anoitecendo eu estava psicologicamente exausta, Chris fez uma mala e foi para um hotel, por mais que tenha sido difícil eu me senti tão aliviada quando acabou e ao mesmo tempo um certo medo, ele estava a tanto tempo na minha vida que era estranho pensar nela sem ele. Tinha acabado de por Luke para dormir, ele me fez ler um livro bem maior que o de costume para ele, meu menino estava crescendo e precisava mais do que livros cheios de figuras para entrete-lo, me orgulhava do quão inteligente e interessado em tudo ele era, passei para dar uma última olhada na minha pequena e segui para meu quarto. Assim que me joguei na cama meu celular começou a tocar, pensei em ignorar pois estava cansada e já não era tão cedo, mas podia ser algo importante então me estiquei alcançando ele no criado mudo do outro lado da cama, era um número desconhecido e mais uma vez pensei em não atender, não gostava de aceitar ligação números estranhos.

 

Ligação ON

“Alô”  atendi um pouco sem ânimo.

 

“Jessica Capshaw” uma voz feminina desconhecida soou do outro lado da linha.

 

“Sim é ela, quem é?”  fiquei curiosa e voltei a deitar na cama pondo a mão sobre meus olhos.

 

“Aqui é a Giuli, não sei se recorda de mim, no elevador ontem” rapidamente me sentei na cama, preocupada com o fato de uma desconhecida ter meu telefone.

 

“Ó sim, me lembro mas como conseguiu meu telefone? Desculpe mas isso soa estranho” realmente era estranho aquela mulher ter conseguido meu número, mal trocamos meia dúzia de palavras, ok sou famosa mas certas coisas ultrapassam limites.

 

“Calma, não sou nenhuma stalker ou coisa parecida” se justificou rápido, acho que percebeu que fiquei preocupada “sou a gerente do hotel onde foi o baile ontem e você esqueceu a carteira em uma de nossas suítes, eu tentei ligar para o número que havia no registro do quarto mas não consegui contato então me desculpe por isso, abri sua carteira e vi seu nome no habilitação de motorista”.

 

“Lamento por ver aquela foto” brinquei descontraindo, ela parecia envergonhada pelo que fez, eu já tinha até me esquecido da carteira com tantos acontecimentos, ainda bem que ela ligou, ou me daria conta só quando precisasse.

 

“Não você está bem na foto, não queira ver a minha” ao que parece ela relaxou “então como eu dizia, percebi pela foto que era a garota do elevador” dei uma pequena risada e ela me acompanhou “achei seu nome na lista de convidados e lá havia seu telefone de contato, foi isso”

 

“Me soou stalker tudo isso” ela ficou em silêncio e eu caí na gargalhada.

 

“Você me assustou”  deu pra escutar quando ela voltou a respirar.

 

“Desculpe mas não podia perder a oportunidade” tentei controlar a risada mordendo meu lábio.

 

“Ok, você é má” escutei um riso baixo.

 

“Às vezes” acho que suei mais sugestiva do que gostaria, então continuei falando “mas falando sério, obrigada por me encontrar, não gostaria de pegar essa carteira das mãos de quem estava naquele quarto” acho que meu tom de voz saiu mais magoado do que eu gostaria também, então pigarreei e voltei a falar “ posso passar aí amanhã que horas para pegar?”

 

“Bom, já que foi má comigo depois do meu esforço em encontrá-la e depois de fechar seu vestido do elevador” dava pra sentir seu sorriso pelo telefone “eu deveria deixar você esperando um pouco mais”

 

“Então deixe me compensá-la por tudo”  parei para pensar e ela esperou calmamente “posso te convidar para um café amanhã?”

 

“Ó” ela pareceu se surpreender com a proposta, mas logo respondeu ao convite “tudo bem, amanhã às 5:00 PM está bom pra você?” Ela havia sido Gentil comigo em mais de uma ocasião que mal faria um café, talvez ela fosse uma boa companhia para me distrair de tantos problemas.

 

“Ok, combinado” ela parecia animada “te mando uma mensagem com o endereço de um bistrô que eu adoro, acho que vai gostar”

 

“Ok, até amanhã então”

 

“Até amanhã”  sorri para o telefone assim que desliguei, acho que será uma tarde agradável.

 

Ligação OFF







 


Notas Finais


pessoas amadas que leem the secret, não se preocupem eu não abandonei e nem pretendo abandonar a fic, apenas estou passando por uma fase de bloqueio com ela, mas ja tenho um capitulo a caminho, assim que conseguir conclui-lo eu posto o mais rápido possivel..
obrigada popr acompanharem as fics e pelos lindos comentarios,,
amo vcs,,,
BeijoS!!!


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...