História Talvez Não Fosse Amor... Talvez Fosse Carência - Capítulo 4


Escrita por:

Postado
Categorias Harry Potter
Personagens Alice Longbottom, Alvo Dumbledore, Ariana Dumbledore, Barão Sangrento, Fílio Flitwick, Franco Longbottom, Harry Potter, Hermione Granger, Lílian Evans, Lord Voldemort, Merlin, Minerva Mcgonagall, Neville Longbottom, Pedro Pettigrew, Personagens Originais, Remo Lupin, Severo Snape, Sirius Black, Tiago Potter, Walburga Black
Tags Castelo Bruxo, Harry, James, Lilian, Personagens Originais, Severo Snape
Visualizações 16
Palavras 2.111
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 16 ANOS
Gêneros: Drama (Tragédia), Famí­lia, Magia, Mistério, Poesias, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Suspense

Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Capítulo 4 - Capítulo IV - Uma nova chance?




Seus pulmões falharam, seus corações falharam e aceleraram como nunca tinha feito. Suas bocas secaram, ambos mediram um ao outro pro completo. Ali em suas frentes estavam o “pecado” um do outro, o fôlego um do outro, o amor, a felicidade, a paz e tudo de bom que um poderia dar ao outro.

Severo limpou a garganta, ele queria a puxar para seus braços, mais lembrou que ainda estava tanto aula e a diretora estava olhado atentamente para ambos, e estranhado o comportamento deles.

Agatha estava pior que Severo, ela queria pega-lo e fazer tudo aquilo que eles faziam antes de tudo acabar. Ela queria cuidar e amar ele, só que lembrou do que aconteceu, e lembrou que estava ali para ver Benedita Dourado e não resolver o problema deles.

– Vocês se conhecem? – perguntou Benedita em inglês. Já que Severo ainda não entendia muitas coisas em Tupi Guarani. Ele ainda estava estudando o idioma, e estava fazendo um ótimo trabalho para aprender, assim como tudo que ele fazia.

– Sim. – responderam juntos.

– Oh, que fantástico. – sorriu animada.

– Senhoritas eu preciso voltar a dar aula.

– Claro.

– Depois nós falamos, Snape. – ele concordou com a diretora e fugiu rapidamente pra dentro da sala.

Ao entra na sala novamente, não precisou chamar atenção de ninguém, já que os alunos do Castelo Bruxo eram comportados e todos estavam fazendo suas tarefas sobre o feitiço Expectro Patronum e sua função para o bem dos bruxo e por incrível que pareça também a Trouxas.

Severo vai até sua mesa, senta e pega um livro que estava lhe ajudando a aprender a língua Tupi. Severo ficou atordoado depois que viu Agatha, ela tava tão linda naquele vestido verde musgo e de cabelo preso deixado seu rosto delicado ainda mais visível.

Ele trabalhava e estudava com o rosto dela em sua mente, fazendo ele as vezes distrai-se com seus deveres.

Desde que fez o feitiço de localização. E soube que ela estava no Brasil, ele se organizou e aceitou a vaga de Mestre de Poção, mais durante um ano iria ingressar como professor de Defesa Contra As Artes das Trevas até que a professora de Poções se aposenta-se. Mais Benedita estava muito contente em tê-lo nesta cargo.

É se até o final do ano ela achasse que ele deve continuar como professor de Defesa Contra As Artes das Trevas, ele iria.

Uma das coisas que impressionou Severo quando chegou no Castelo Bruxo. Foi que a escola recebia alunos da América Latina toda e por isso a escola ensinava as línguas Portuguesa, Espanhol, Inglês e Tupi Guarani que era a mais usada na escola.

Quando ele decidiu vim para o Brasil. Desejou tanto ver Agatha, é quando viu ficou igual um idiota contemplando sua beleza física. Ele se sentiu um idiota o dia todo... então, decidiu ir até ela. Fez novamente o feitiço localização e foi até a casa dela.

Já em frente à uma outra grande mansão. Severo sorriu, nunca entenderia o porquê dela preferir morar em Mansões enormes. Já que ela morava sozinha com os Elfos.

Ele andou até a porta de entrada da Mansão e bateu na porta. Depois de uns segundos, Maggie uma das Elfas de Agatha, que Severo conhecia. Veio atendê-lo com os olhos arregalados.

– O senhor não deveria estar aqui, menina Agatha vai chorar de novo!

– Como assim, chorar de novo? – Maggie negou com a cabeça.

– Maggie não pode contar os segredos de minha senhora.

– Maggie, o que você... – Severo olhou pra frente e viu Agatha a poucos passos dele. – O que você faz aqui? – Severo engoliu a seco.

– Gostaria de conversa – disse gentilmente. – Será possível? – Agatha pensou um pouco e achou melhor resolver isso logo de uma vez por todas.

– Entre. – lhe-deu as costas e foi sentar-se no sofá o esperando.

Severo entrou e foi até ela e sentou ao seu lado.

– Sou todos ouvidos. – exclamou depois de um silêncio agonizante.

– Eu sei que não tenho esse direito, mais eu percebe uma coisa no momento em que vê que tinha perdido você.

– O que?

– Que eu sou completamente apaixonada por você. – Agatha virou o corpo e rosto na direção dele.

Severo por todo momento a olhava com os olhos ardentes. Ela está apetitosa... estou faminto.

– Não mintas pra mim, não brinque ainda mais com os meus sentimentos. – Severo pegou em suas mãos e ficaram com as mãos dadas.

– Acredite em mim, eu faço qualquer coisa pra provar isso à você.

– Sabe, Sev. O meu amor eu guardo para os mais especiais. – o mesmo ficou confuso.

– Então não sou o único que você ama?

– Amo muitas pessoas, mais meu amor por você é diferente... É mais forte e intenso. E um amor não paternal ou de irmãos, é um amor de companheirismo, um amor que queima para tê-lo.

Severo a olhou atentamente, entendo o que ela queria dizer. – Eu não sigo todas as regras da sociedade e às vezes ajo por impulso. Perdoe-me por tudo? Eu errei confesso. Mais vou entender se preferir me esquecer – suspirou. – Se essa for sua vontade, vou entender e tentar seguir o mesmo exemplo. – e deu um sorriso triste. Ele não queria que ela esquece ele é o deixa-se de uma vez por todas.

– Quando Erro, admito. aprendo, ensino. Todos erram um dia: por descuido, inocência ou maldade. Conservar algo que faça eu recordar de ti seria o mesmo que admitir que eu pudesse esquecer-te. Mais eu não posso, eu tentei, tentei... E como tentei. – riu nervosa. – Mais se você me quer mesmo de volta, Severo – chegou mais perto do rosto dele. – Vai ter que provar. Pois eu não vou aceitar mais ser descartada e ser segunda opção.

– Você não é. E nunca mais vai ser. – levou as mãos dela até os lábios e beijou.

Eles ficaram em silêncio se olhado. Até que uma música começou a tocar.


Amor da minha vida, você me machucou

Love of my life, you've hurt me

Você partiu meu coração e agora me deixa

You've broken my heart and now you leave me

Amor da minha vida, você não vê?

Love of my life, can't you see?

Traga de volta, traga de volta

Bring it back, bring it back

Como aquela música estava tocando eles não sabiam.

Não tire isso de mim, porque você não sabe

Don't take it away from me, because you don't know

O que isso significa para mim

What it means to me

Amor da minha vida, não me deixe

Love of my life, don't leave me

Você roubou meu amor, agora você me abandonou

You've stolen my love, you now desert me

Amor da minha vida, você não vê?

Love of my life, can't you see?

Mais estava mexendo com eles profundamente.

Traga de volta, traga de volta (de volta)

Bring it back, bring it back (back)

Não tire isso de mim

Don't take it away from me

Porque você não sabe

Because you don't know

O que isso significa para mim

What it means to me

Obrigado

Obrigado

Você se lembrará

You will remember

Quando isso é soprado

When this is blown over

Tudo está a propósito

Everything's all by the way

Quando eu envelhecer

When I grow older

Estarei ao seu lado para lembrá-lo

I will be there at your side to remind you

Como eu ainda te amo (eu ainda te amo)

How I still love you (I still love you)

ainda te amo

I still love you

Oh, volte rápido, volte rápido

Oh, hurry back, hurry back

Não tire isso de mim

Don't take it away from me

Porque você não sabe o que isso significa para mim

Because you don't know what it means to me

Amor da minha vida

Love of my life

Amor da minha vida

Love of my life

Ooh, eh (tudo bem)


Eles a todo momento se olhavam. Seus olhos ardiam em puro desejo, mais nenhum tomou iniciativa. Aquela música tinha mexido com eles, parecia ter sido feita pra eles.... para o amor deles.

– Vai me dar a chance de tentar?

– A última. – ele sorriu.

– Obrigado, eu vou fazer o possível e o impossível pra provar o meu amor por você, mesmo que seja difícil tanto pra mim quando pra você.

– Vai soar bastante e dançar muito também... pra provar que você não está brincando comigo, que você está sendo sincero.

– Eu irei.

– E caso você esteja brincando comigo ou me magoar ainda mais, eu vou arrancar sua pele e fritar como petiscos e dar seu delicioso corpo ao meu Basilisco. – sussurrou em seu ouvido, se afastou e contemplou a cara de assustado dele e sorriu maldosa.

Agatha levantou tentando ir até a cozinha, quando escuta pela última vez a voz grossa, forte e rouca de Severo.

– Não te trocaria por ninguém, mesmo que o nosso mundo se destrua, mesmo que esteja longe, mesmo que estejamos mal e nada funcione, sempre será você, nunca se esqueça disso. – Agatha virou olhou-o e sorriu.

– Não irei, Sev.

[...]

Severo Prince Snape, estava fazendo um ótimo trabalho no requisito de reconquista-la. Todas os dias depois de cumpri seus deveres como professor. Ele ia até a casa dela, ficar com ele e fazer diversos programas.

Mais em nenhuma das vezes ele a tocou ou a beijou. Ele queria corteja-la e era isso que ele tava fazendo. É muito bem na verdade! Ele estava respeitado ele como nunca fez, se declarava todos os dias. Fazendo muitas das vezes ela ficar sem palavras... Ele tava tão diferente, mais apenas com ela, ele era diferente.

Mais naquele dia, ela tinha a quase certeza que talvez fosse conhecer o outro Herdeiro da Slytherin.


30 de Dezembro de 1980.


As coisas ficariam bem difíceis.

Agatha estava andando de um lado pro outro pela sala com uma carta de Hogwarts em mãos. O Conselho iria fazer uma reunião e convocou os representantes e Herdeiros, para ir em Hogwarts amanhã as 11 horas. Agatha achou estranho já que era bem estranho convocar os Herdeiros também.

Isso significa que talvez ela tenha finalmente o prazer de conhecer o outro Herdeiro de Salazar Slytherin.

– Esta tudo bem? – ao ouvir aquela voz ela parou e outro pro lado.

– Sev... – foi até ele e por uma iniciativa dela, o abraçou fortemente.

Deixado Severo confuso mais feliz. Ela havia abraçado ele, antes mesmo dele tentar fazer isso. Depois de quase dois meses e meio.

Fantástico 

– Aconteceu alguma coisa?

– Você está liberando até o dia 03 de Janeiro né?

– Sim, por que?

– Quer ir comigo até a Grã-Bretanha? Preciso estar lá amanhã, para uma reunião muito estranha do Conselho de Hogwarts. – disse soltando ele.

– Claro, tudo por você.

– Legal. Podemos ir pra Mansão Slytherin ou...

– Ou podemos ficar na minha casa.

– Tá bom. Maggie? – a Elfa apareceu na sua frente sorridente.

– Chamou, menina Agatha? – Agatha deu a mão pra Severo e olhou pra Maggie.

– Maggie, nós leve para a Casa de Severo, na rua da a fiação, por favor?

– Maggie sabe onde é. – pegou na mão de sua senhora e aparatou, em segundos Maggie os deixou no centro da sala da casa de Severo.

– Obrigada, Maggie. – Precisa de mais alguma coisa, senhora?

– Agora não, mais no momento em que eu precisar eu chamo. – a Elfa concordou e em um estralo desapareceu.

– Por que será que chamaram você para participar da reunião? – Severo pegou em sua mão e a puxou pro sofá. E ambos sentaram um do lado pro outro, porém Agatha virada de frente com ele.

– Não sei – deu de ombros. – A primeira vez que isso aconteceu, eu tinha 15 anos.

– Isso faz um tempo já. – exclamou achando estranho.

– Faz sim, é não foi nada agradável! Só espero que dessa vez, o Conselho não fique me enchendo de perguntas.

– Se você quiser eu posso ir com você.

– Jura?

– Sim. – Eles ficaram se olhando por algum tempo. Ficaram vendo os detalhes de seus olhos, sobrancelha, boca, nariz, rosto e as vezes permitiam-se olhar atentamente para o corpo um do outro também.

– Posso usar o quarto de hóspedes?

– Fica a vontade. – sussurrou desviado os olhos dos lábios dela.

– Então, eu vou me deitar. – ele concordou. – Boa noite, Sev.

– Boa noite, Christie. – usou o segundo nome. – ela levantou-se e se recolheu.

Severo seguiu ela com os olhos até ela desaparecer de sua vista. Depois disso suspirou profundamente. Ele estava vendo a evolução sendo formada e estruturada. Agatha já estava mais solta com ele, aceitava seus elogios e tinha abraçado ele por vontade própria.

É isso já era um grande passo.

Por maiores que sejam as dificuldades do amor vale muito a pena amar. Principalmente se essa pessoa for a minha Agatha.

Severo limpou a garganta e também foi recolher-se. Algo dizia pra si que amanhã iria ser um dia difícil. 



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...