1. Spirit Fanfics >
  2. Tapas, Beijos e Covardia >
  3. Único - Não tenho culpa de sentir tesão só de olhar pra você

História Tapas, Beijos e Covardia - Capítulo 1


Escrita por:


Notas do Autor


Oioi.

Acho que estou obcecada por solangelo. De repente eles tomaram conta da minha vida????? Perfeitos demais!

Essa ideia me surgiu do nada. Sempre vi o Will como um namorado super fofo e protetor, daqueles que não levanta nem a voz pra você. Por isso, juntei o útil ao agradável e essa fic saiu.
Gente, desculpa mas o Nico atirado é minha religião.

Boa leitura!

Capítulo 1 - Único - Não tenho culpa de sentir tesão só de olhar pra você



Na verdade, na verdade mesmo, eu não penso em sexo com Will Solace 24h por dia.

Talvez seja 12h. Ok, quantas horas eu penso nisso não é o ponto aqui, e todos nós sabemos. Mas honestamente falando, sempre que vejo Will sentado na minha cama lendo um livro sobre anatomia humana ou qualquer outra baboseira, me sinto mil vezes mais tentado a atacá-lo. Quer dizer, Will Solace é mais gostoso do que aparenta, e eu posso dizer por experiência própria.

Mesmo que seja sim muito gostoso, Will tem algum problema em me tratar de forma bruta na cama. Eu, Nico, estaria mentindo se dissesse que isso não me deixa claramente desconfortável, porque tudo o que a gente precisa às vezes, é ser tratado como a puta que somos. É como aquela coisa de canalizar seu eu interior, e eu sinto que meu eu interior na cama gosta de tapa na bunda.

Fecho os olhos e coço a cabeça de novo. Não falar demais sempre trouxe esse problema para mim: pensar desnecessariamente. Will é perfeito, poxa. Eu não deveria exigir tapa na cara e puxão de cabelo desse anjo. 

Mas eu quero.

Levanto-me da cama e me encaminho em sua direção, parando em sua frente. Ele desvia o olhar do livro apenas para me fitar, sorrindo. Com um suspiro, arranco aquele livro grosso de suas mãos, jogando para algum lado. Fez aquele baque ruidoso, e Will me matará mais tarde, mas não ligo.

— Cala a boca e não diz nada. — digo, segurando seu rosto. Seus olhos azuis me analisam curiosos, ao passo que ele mordeu seu lábio inferior. 

O beijo. Simples assim, porque nunca fui bom em segurar o tesão perto dele. 

Como se eu tivesse culpa de sentir tesão só de olhar para a porra da cara desse dissimulado. Deveria ser crime coisas assim.

Sinto sua língua em minha boca, me acariciando. Will tem mania de fazer aquela coisa gostosa com o queixo, o que sempre me faz suspirar. Eu poderia citar mil coisas gostosas das quais ele faz durante o beijo, e uma delas é chupar meu lábio inferior. Seguro em seus ombros, deitando-o na cama e sentando em seu quadril. 

— Animado, di Angelo? — indaga, acariciando minhas coxas. Will sorri matreiro e parece estar tão afim quanto eu. O que me lembra que é um ótimo momento para tentar de novo aquilo.

— Só Deus sabe o quanto eu quero sentar nesse teu pau, Solace. — arranco minha blusa, jogando-a longe. Will assobia, suas mãos ainda estão me acariciando.

— Então por que não senta? 

Mordo o lábio inferior. Me abaixo apenas para deixar um último beijo quente em seus lábios vermelhos. Sob seu olhar atento, eu me viro de costas, sentando sobre sua virilha. Adoro as calças de moletom que Will usa. Sempre consigo senti-lo melhor dessa forma.

E eu senti. Fiz questão de me esfregar nele. Seu pau pouco disfarçado pela calça roçando entre minha bunda pelo meu vai-e-vem descompassado. Will solta um grunhido baixo, cravando os dedos na minha cintura com força. 

Nunca agradeci tanto por andar só de cueca pela casa. 

— Por que não me diz o que quer fazer comigo, Will? — indago, baixinho. Apóio as mãos em seus joelhos, ainda rebolando. — Sabe que pode fazer o que quiser.

— Quero te foder. Você sabe disso, di Angelo.

— Sei? — meu grunhido se desfaz num riso abafado. — Por que não usamos essa posição hoje? Consigo te sentir tão fundo nela...

Pego uma de suas mãos e levo até meus lábios. Chupo seu polegar devagarinho, contornando-o com a língua e o envolvendo. O trago mais para perto, mexendo a cabeça de um lado para o outro, às vezes tirando e colocando de volta. Um riso me escapa quando Will pragueja alguma coisa baixinho, apertando meu quadril novamente com a mão livre. 

É hoje que meu puxão de cabelo sai.

— Não testa a minha paciência, porque você vai se arrepender. — disse, empurrando minhas costas levemente para frente. Não parei de me mover, então acho que ele pode ver bastante daquele jeito. Minha bunda se movendo sobre seu pau.

— Oh, Deus. Adoraria me arrepender, meu amor. — saiu mais como um gemido do que qualquer outra coisa. 

Não tive tempo de pensar demais, porque aquele gostoso apenas agarrou meu braço direito e o dobrou nas minhas costas, empurrando-me na cama. Sua mão esquerda levantou meu quadril, me deixando de quatro. Tive de soltar a respiração de novo, sorrindo. Ele não apertava o braço, mas me trazia aquela dorzinha gostosa que eu queria sentir mais vezes. Talvez Will estivesse mais possesso do que nunca, e eu queria sentir tudo aquilo.

Se tinha perfeição para todos os homens, Deus colocou tudo em Solace e, felizmente, esta porra de homem é meu namorado. 

— Brincar com fogo é perigoso, não sabe? — moveu o quadril para frente, simulando estocadas. Tive que conter um gemido arrastado.

— Pare de brincar com a minha sanidade, desgraçado. Quero você agora. — digo, lambendo os lábios. Parecia um ótimo momento para pedir: — me bate. 

O quarto ficou em silêncio. Olhei por cima dos ombros. Will tinha os lábios comprimidos numa linha, e seus olhos azuis tinham um brilho insólito. O afrouxo em meu braço diminuiu mais do que eu gostaria, ao passo do que ele ficava sério. 

— O quê?

Mordo o lábio, virando-me de frente para ele. O encaixo entre minhas pernas, segurando sua nuca.

— Quero que você me bata. Puxa o meu cabelo e me trate como a sua puta. — senti meu rosto esquentar gradativamente. Era mais fácil ter tais pensamentos do que deixá-los sair da boca. 

Quando Will me olhou novamente, seu rosto estava contorcido numa careta desconfortável. Ele suspirou, antes de me dizer com algo que eu supus ser pesar na voz:

— Poxa, minha vida, eu te amo muito. Não me pede pra te bater não — ele acariciou meu rosto. — Como é que eu meto tapa nesse rostinho perfeito?

Simples assim. 

Eu queria ter ficado irritado, de verdade. Mas algo no olhar de Will me fez dispensar qualquer sentimento raivoso e ganancioso. Eu pensei que estaria tudo bem para ele fazer isso hoje, porque ele estava um pouco mais solto. Entretanto, sei o quanto ele se esforça para ser perfeito pra mim. 

Estalo a língua no céu da boca. Agarro seu pescoço e o abraço, corando. 

— Mas eu gosto de ser tratado com um pouco mais de violência na cama, Will. 

— Gosta, é?

— Gosto. Estou canalizando minha puta interior nesse momento, e ela quer tapas.

Ele não diz nada, apenas sorri abafado. Acho que entendo o porquê dele ser assim. Nós nunca paramos para falar o que gostávamos ou desgostávamos  na cama. Fazíamos o que julgávamos ser interessante e era bom desse jeito, mas havia coisas como essa que não podiam ser apenas previstas. 

— Pedir para te bater é a mesma coisa que me bater, Nico. — foi o que ele proferiu após muito tempo em silêncio. — Quer me matar, me dá um tiro.

— Tudo bem, Will. Mas tem vezes que só quero isso. — digo, passando a mão em seus cabelos loiros. Os países baixos muito mais calmos do que antes. — Pode tentar? 

Ele me olhou nos olhos, muito receoso. Suspirou, deixando um selinho em meus lábios. Foi o suficiente para me fazer sorrir mais do que deveria. Aquele, de certa forma, era o "sim" dele.

— Você me bota em cada uma… — resmungou.

— Vai ser peidão agora?

— Vou, vou ser peidão. — disse, beijando minha bochecha. Um sorriso grande se molda em meu rosto. — Saco.

E nos beijamos de novo e de novo. Depois daquela conversa, acho que algo sairia daquilo. 


Notas Finais


É isto.

Gostaria de ressaltar que não tenho costume nenhum narrando em primeira pessoa. Mas acontece que eu queria muito treinar um pouquinho, então decidi que Nico narraria. Sinto muito se ficou horrível demais.

Qualquer coisa, gritem. Tô sempre por aqui.

Beijão~


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...