1. Spirit Fanfics >
  2. TAROT ( Jung Jaehyun ) >
  3. Um celular perdido, um cara estranho e um sorriso sombrio!

História TAROT ( Jung Jaehyun ) - Capítulo 2


Escrita por:


Notas do Autor


Olá gente! Irei pedir para que vocês SEMPRE leiam as notas iniciais, okay?? Há certos capítulos em que irei dar algumas informações e/ou explicações assim como algumas músicas que poderão estar contidas no capítulo e que seriam legais vocês escutarem nos momentos em que eu as citasse! ERA ISSO! Façam uma boa leitura <33

Capítulo 2 - Um celular perdido, um cara estranho e um sorriso sombrio!


No horário do almoço, Donghyuck, Johnny e eu resolvemos ir a uma lancheria perto do prédio da revista. A manhã havia sido um caos, visto as últimas notícias que circulavam pelo escritório.

- Vocês já tem alguma ideia do que irão fazer para conseguir montar a matéria envolvendo Jung Jaehyun? – Johnny perguntou, abrindo a porta para que eu e Hyuck passássemos e a pudéssemos entrar no local.

- Eu estou totalmente perdido, parece algo tão longe do nosso alcance... – respondeu Donghyuck, arranjando uma mesa ao lado da janela para que nós pudéssemos sentar e observar o movimento da grande Seul.

                Sentei-me ao lado de Johnny, e logo uma garçonete veio nos atender, entregando-nos os cardápios da lancheria. Agradecemos e começamos a escolher o que iríamos almoçar. Acabamos optando por hambúrgueres e porções de batata frita, nada usual para um dia semana. O estresse do escritório estava nos deixando com o apetite diferenciado.

- Apenas sei que não irei desistir tão cedo de fazer esta matéria. – concluí, entregando o cardápio para a garçonete.

- Você realmente almeja poder chegar ao topo, não é mesmo, ________? – perguntou Hyuck, tirando os olhos de seu celular e os depositando em mim, enquanto ajeitava os seus óculos.

- Não apenas almejo, como irei. – avisei, voltando a minha atenção para a cidade ensolarada que estava além do vidro. Suspirei, tentando me concentrar nas minhas ideias e o que eu poderia fazer para conseguir ganhar o cargo.

[ ... ]

                Terminamos de almoçar e logo nos levantamos, visto que mais pessoas gostariam de ocupar os lugares. Pagamos e saímos do local, com a fome saciada e as cabeças borbulhando em ideias para botarmos em prática o mais rápido possível.

                Já estávamos quase chegando ao prédio da revista quando dei-me em conta de que eu não estava com o meu celular. Merda! Eu havia deixado na lancheria.

- Meninos, sigam sem mim. Ao que parece, deixei o meu celular na lancheria. – avisei, parando de caminhar.

- Quer que te acompanhemos? – perguntou Johnny, mantendo a pose de cavalheiro.

- Não precisa, logo estou de volta. – avisei. Os dois meninos se entreolharam e logo se despediram de mim, voltando o passo em direção do prédio. Comecei a caminhar rapidamente de volta em direção do local em que havíamos almoçado. Grande dia, ________.

[ ... ]

                Chegando ao local, fui direto em direção da mesa em que eu estava sentada mais cedo com os meninos. Chegando à mesa, havia apenas um rapaz usando capuz, máscara preta e óculos escuros. Extremamente esquisito.

- Hum, olá. – comecei. O cara deu um pulo assustado quando percebeu a minha presença perto de si. – Desculpe, eu só queria saber se você viu um celular por aqui. – perguntei, sinalizando a mesa. O rapaz acenou freneticamente a cabeça, negando.

                Por alguns segundos, fiquei analisando aquela pessoa à minha frente. Ela não me parecia estranha, por mais que eu mal conseguisse ver o seu rosto.

- Moça? – escutei alguém atrás de mim chamar. Virei-me, acabando por encontrar a garçonete que havia me atendido mais cedo.

- Sim? – perguntei. No segundo seguinte a garçonete estendia a sua mão em minha direção, mostrando o meu celular.

- Estava atrás disso? – perguntou, curiosa. Um misto de felicidade e alívio percorrei feito um choque pelo meu corpo no exato momento em que peguei o meu celular e vi que ele não estava perdido de uma vez por todas.

- Sim, era isso mesmo! – falei, completamente feliz. – Muito obrigada, de verdade! – agradeci freneticamente. A garçonete sorriu, acenando com a cabeça e voltando ao seu trabalho.

                Antes que eu voltasse o meu corpo em direção da porta de saída, fitei mas uma vez a mesa em que o garoto estranho estava sentado antes. De um momento para outro, ele havia sumido, como se nunca houvesse estado ali. Fiquei bastante confusa, porém, eu estava aliviada demais para me prender naqueles detalhes.

[ ... ]

                Eu caminhava apressadamente em direção do prédio da revista, visto que eu estava basicamente atrasada em decorrer do imprevisto do meu celular. Eu estava há uma quadra, quando de repente, sinto o meu braço ser puxado. Antes que eu gritasse, deparei-me com uma senhora, que sorria com um ar sombrio para mim.

- Quem sabe eu ler as cartas para você, jovem moça? – perguntou, com aquele sorriso nos lábios. Um calafrio passou pelo meu corpo no mesmo momento.

                O tempo parecia ter parado naquele exato momento. Eu não conseguia sair da névoa que se formava em meus pensamento e que insistia em perdurar ao que pareciam milênios.


Notas Finais


Então, eu estava pensando que o próximo cap poderia ser narrado pelo Jaehyun, visto que ele é o nosso prota masculino da estória... Ou preferem que seja narrado mais uma vez pela s/n??? kkkkkkk

***** CAPÍTULO SEM REVISÃO, PODENDO CONTER ERROS ORTOGRÁFICOS OU COISAS DO TIPO!

- Espero que tenham gostado e até a próxima! <33


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...