História Tasteless Love - Uma difícil jornada para o amor - Capítulo 1


Escrita por:

Postado
Categorias Histórias Originais
Tags Comedia, dificuldades, Drama, Misticismo, Romance, Yuri
Visualizações 22
Palavras 716
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Bishoujo, Comédia, Drama (Tragédia), Fluffy, Magia, Misticismo, Orange, Romance e Novela, Sobrenatural, Violência, Yuri (Lésbica)
Avisos: Álcool, Bissexualidade, Estupro, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo, Tortura, Violência
Aviso legal
Todos os personagens desta história são de minha propriedade intelectual.

Notas do Autor


Desculpa se não for o esperado, mas é que eu tô com um bloqueio criativo forte esses dias e não tô conseguindo pensar em nada, mas fiz o meu melhor pra recontar uma história que eu já tinha "escrevido" ( Em um RPG ) e no caso ainda tá rolando, e é bem difícil pegar ela lá do início e contar os mínimos detalhes, porque já faz muito tempo mesmo que ela começou.

Capítulo 1 - Prólogo - Sentimentos


Fanfic / Fanfiction Tasteless Love - Uma difícil jornada para o amor - Capítulo 1 - Prólogo - Sentimentos

 

Essa história tem muitos e muitos anos desde o começo dela. E eu sei cada detalhe, do qual nunca iria deixar passar, pois essa é, literalmente, a história da minha vida. Mas, vamos recontar ela de uma vez.

Éramos pequenas quando a conheci. Vi seu lindo rosto ao raiar do dia, enquanto andejava a caminho da doce creche. Pura, inocente... Não sabia o que eu sentia, mas tinha uma necessidade de ter uma amizade com ela. Seus cabelos eram ruivos, como o fogo ardente, já seus olhos, azuis como grandes piscinas de águas cristalinas... Eu não sei, mas, com o passar do tempo, eu percebi que a amizade fortíssima entre nós duas não bastava; eu tinha de tê-la para mim.

Ela era tudo o que me animava e me fazia feliz, o que me tirava da vontade de morrer que eu tinha todo dia ao pensar que meu pai poderia estar em qualquer lugar, mas não queria estar comigo. Pelo menos, eu tinha minha mãe, Alexia, que tirava um sorriso do meu rosto a cada dia, na expectativa de me ter animada e com um semblante feliz, mas que às vezes falhava pelo simples fato de não me deixar ter liberdade para ter indícios do meu pai. Fazia de tudo para encontrar ele, mas ela sempre estragava tudo, ela me queria como posse apenas dela.

Voltando a atenção para a garota radiante, a um piscar de olhos, nós já éramos as melhores amigas do mundo. Nunca iríamos nos separar, a menos que algo realmente grave aconteça. O nome dela é tão bonito quanto a própria, "Samantha".. Como seu significado já diz, ela é realmente uma flor de Deus. Nós costumávamos nos aventurar pela escola lá pelos 11 anos de idade, e sempre acabava em um "Corre Mariah!", mas a gente nunca se cansava, hah. Ela sempre dizia que quando crescer queria ser bonita igual a mim, mas eu sempre discordava dizendo que ela era bem mais bonita que eu. E no fim, sempre saíamos na gargalhada concordando com a beleza das duas.

Um dia, o tempo fez seu trabalho, e eu acordei com uma mancha vermelha em meu lençol. Ah, naquele dia eu liguei desesperada para a Samantha e a contei da tal "Mancha Vermelha". Ela deu um grito e ficou "passada" nas palavras dela, além de cair na gargalhada mas sem contar o fato de que também ainda não havia menstruado. Eu, claramente, estava desesperada e não sabia o que fazer, enquanto ouvia a risada da Sam. A sua risada era doce como o canto dos pássaros. Eu estava realmente apaixonada, e não sabia o que fazer quanto a isso.

Meus hormônios estavam cada vez mais flúidos, e eu já não aguentava mais tudo aquilo. Meu pai estava sumido, a minha mãe não me deixava saber sobre ele, mas só ela me motivava a continuar com aquela vida que para alguns parecia perfeita, mas para mim era o inferno. Alguns dizem que é frescura, outros dizem que é drama, mas, eu digo que é amor. E um amor que ninguém pode me fazer mudar de ideia sobre. Nem minha mãe, nem a Sam, nem ninguém.

Ao completar 14 anos, eu e a Sam mudamos para uma nova escola, que por sinal, fizemos novos amigos. A irmã mais nova da Sam também foi, e ela acompanhava nossas aventuras conosco, era como uma "escudeira". Um dia, ela empurrou a Sam para cima de mim e nós quase nos beijamos. O meu coração foi a mil, mas a Sam se apoiou em uma cadeira e infelizmente não aconteceu nada, mas digamos que rolou um clima.

Com essa nova escola, e alguns novos amigos no qual não mencionei ainda, vieram algumas pessoas bem legais, como a Lydia, uma menina bem popular, mas lá no fundo, ela era bem legal. A Malia, que era bem amiga da Lydia, e era do "grupinho" da escola, tipo uma popular também. Mas, no entanto, também vieram inimigos; O Scott. A Sam era bem bonita como ainda é, e por isso, alguns se sentiam atraídos por ela. Só que o caso era diferente. O Scott era um cara bem legal. Popular, bonito, gente boa.. E, por causa disso, veio a ser o "grande amor adolescente" da Sam. Se prepare Scott, que a batalha comece.


Notas Finais


Gente, eu até que gostei do resultado final, mas assumo que fiquei horas e horas preocupada em " Será que eu tô desfocando na história original? ", " Eu posso falar sobre isso ou vai ficar chato? " ou " Eles realmente vão querer ler isso? Tá uma porcaria.. " maaaaas, eu não desisti e espero que também gostem e não esqueçam da nota, isso ajuda muito, mas se não quiser dar tudo bem!


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...