1. Spirit Fanfics >
  2. Táticas dos Amassos >
  3. Capítulo 10 - Kakashi Hatake

História Táticas dos Amassos - Capítulo 10


Escrita por:


Capítulo 10 - Capítulo 10 - Kakashi Hatake


Fanfic / Fanfiction Táticas dos Amassos - Capítulo 10 - Capítulo 10 - Kakashi Hatake

Eu sentia que estava deitado com a cabeça em algo macio e volumoso. Suspirei sentindo um corpo se mexer e uma mão tocou minhas costas, abri os olhos lentamente e encontrei um par de seios em minha frente.

Eu transei com Saori. O que eu fiz?

Ela ronronava e estava em um sono tranquilo, lambi os lábios ressecados e me mexi o mínimo possível para não acordar. Eu ainda podia sentir os toques de ontem, talvez eu devesse aproveitar mais um pouco antes de começar o dia e ela surtar.

Ou eu surtar.

Beijei o vale dos seus seios e ela se remexeu, eu já sentia a excitação dar sinais de vida, primeiro por ser cedo da manhã e também por lembrar dos seus gemidos e arfadas. Ergui os olhos para seu rosto e ela estava tranquila, beijei em volta do seu seio esquerdo e ela virou ficando de barriga para cima, desprendendo seus braços de mim. Me apoiei no cotovelo e passei minha língua em volta do seio e o abocanhei. Ela suspirou e vi suas pernas roçarem uma na outra.

Se ela não quisesse já teria me afastando.

Sugava com lentidão seu seio e com a mão direita acariciei o outro seio, beijava seu seio com vontade e seus suspiros começou a ser mais alto.

Minha mão deixou seu seio e foi descendo por sua barriga reta e acariciando algumas partes, roçei as pontas dos dedos em sua virilha e ela abriu as pernas lentamente.

Olhei novamente para seu rosto e ela continuava com os olhos fechados e cenho franzido, passei a beijar seu outro seio enquanto minha mão tocou seu clitóris.

Sua mão agarrou meu ombro enquanto eu deixava meus dedos fazerem o trabalho e ela já estava molhada.

Tão pronta.

—Kakashi...

Sua voz rouca murmurou e seus olhos tão azuis fitava entreabertos e seu quadril começou a rebolar em em meus dedos.

Aquilo era muito erótico.

Tirei meus dedos de sua intimidade molhada e os suguei, seu gosto era delicioso e eu queria mais.

Mas, eu precisava estar dentro dela.

Ergui meu corpo em cima do seu, suas pernas se abriram para me receber e assim me encontrei dentro dela.

Seus gemidos baixinhos eram a melhor sinfonia para meus ouvidos, a cada estocada lenta eu sentia ela lambuzar todo meu pau.

—Não são nem 7am e você já está me lambuzando todo.

Arfei em seu ouvido e ela gemeu. Era até um pecado sentir isso essa hora. Senti ela empurrar meus ombros e eu me afastei deitando de costas para cama. Ela riu sapeca e logo se pôs em cima de mim, agarrei seu rosto e trouxe seus lábios para mim.

Saori ergueu a cintura e me afastei fechando os olhos apertado ao sentir ela deslizando para baixo.

Deixei um gemido escapar e ela agarrou em meus ombros e começou a descer e subir, seus seios balançava a medida que seus movimentos iam aumentando gradualmente.

Aquilo era tão errado, mas era delicioso.

E estava parecendo ser tão certo.

Ela estava chegando ao seu orgasmo quando senti seus movimentos aumentarem e ela contrair seu interior, ergui meu torso agarrando sua cintura. Ela era tão linda, eu tinha que admitir.

Abocanhei seu seio fazendo barulhos com a boca, ela alçou seus braços em volta do meu pescoço e as vezes puxava de leve meus cabelos. Eu estava sentindo que iria gozar a qualquer momento e quando senti todo seu interior se contrair e me apertando, não consegui resistir e deixei que meu liquido grosso a preenchesse.

Ela gemeu manhosamente e foi parando lentamente seus movimentos até tombar seu corpo junto ao meu, abracei sua cintura e suspirei forte contra sua clavícula.

E sua voz ronronou levemente sobre meus cabelos:

Ohayō*.


Sai do banheiro ouvindo pequeno resmungos, encarei do batente da porta Saori vestindo sua saia e reclamando da sua blusa.

—Pega uma minha, é só para atravessar o corredor.

Ela deu um pulo ao ouvir minha voz, seus cabelos estavam presos enrolados na cabeça e suas bochechas estavam coradas.

Talvez fosse porque eu estava com a toalha enrolada na cintura.

—Você não deveria ter rasgado minha blusa, eu gostava dela.

Ela reclamou e pegou uma camiseta sem mangas escuras e vestiu, se não fosse por sua saia poderia jurar que ela estava somente com a minha blusa e de certa forma aquilo mexeu comigo.

Engoli seco e caminhei até meu armário procurando minhas roupas para vestir.

Transei com a irmã do meu amigo.

E foram duas vezes.

Talvez eu devesse procurar umas dicas em Táticas para saber como lidar com esse clima.

Ela me encarou, abriu a boca algumas vezes e fechou novamente. Virou de costas quando me viu tirando a toalha e eu ri. A mulher na minha frente não parecia a mesma de ontem e  nem a de agora pouco em minha cama.

—Eu vou esperar na cozinha.

Ditou e rumou até o ambiente. Vesti meu usual uniforme shinobi e coloquei minha máscara. Era estranho ter a presença de uma mulher e era mais estranho estar sem a máscara na presença dela.

Mas algo em Saori me faz parecer ficar mais a vontade.

O que estava acontecendo com você Kakashi?

Ouvi a batidas fortes na porta assim que cheguei a cozinha, Saori me olhou com os olhos arregalados e largou a chaleira com água quente sob o balcão.

—Quem será?

Sussuros olhando em direção a porta, apontei em direção ao quarto e ela correu. Baguncei meus cabelos rindo em sua direção. Uma batida mais forte e bufei.

Abri a porta com mais força que o usual e surpreendi encontrando Iruka.

—Ohayō Kakashi. Vejo que ja está melhor.

—Estou.

Murmurei não entendo o porque da sua visita.

—Você está ocupado?

Seus olhos pareciam procurar algo dentro do cômodo e eu fechei mais não gostando da sua invasão.

—Eu estava descansando, Tsunade-sama não me liberou para voltar às missões.

—Entendo. - ele deu um passo para trás e colocou as mas dentro do bolso. —Eu fiquei de me encontrar com a Saori, mas acho que ela já deve estar no hospital.

—Eu não a vejo desde que sai do hospital.

Cortei a conversa e ele coçou a cabeça e murmurou alguma coisa que não entendi.

—Vou deixar você descansar, tenha um bom dia Kakashi.

O segui com olhar até virar para a escada dos apartamentos e fechei a porta. O amargor apareceu em minha garganta e eu não sabia o porquê, mas não sabia que eles estavam tão próximos a esse nível dele vir até seu apartamento.

Ela apareceu após alguns segundos e sorriu daquele jeito que só os Maito sabiam.

—Está na minha hora. - ela murmurou e segurou a camiseta que vestia. —Depois te entrego.

Concordei com a cabeça e assim a porta se abriu e ela se foi.

Eu tentei não pensar nela.

Por muito tempo eu não sentia esse calor que eu estava começando a ver dentro de mim. Muitas vezes eu me afastava de qualquer contato mais íntimo pois sabia que vez ou outra eu acabaria perdendo.

Foi assim com Rin.

Aconteceu o mesmo com Hanare.

E por quê não poderia acontecer com Saori?

Não que eu pensasse nela como algo mais íntimo, mas foi inevitável não pensar nela quando seu cheiro ainda estava impregnado nos meus lençóis.

As vezes eu queria entender o que se passava dentro de mim, eu mesmo que confundia com meus sentimentos mas no fundo eu sabia que eu tinha receio de me aproximar das pessoas.

Por muitos anos eu relutei.

Relutei em ser gentil, em ter esses sentimentos. As vezes fico me perguntando como seria se Obito e Rin ainda estivessem aqui, como seriam as coisas?

Caminhava pelas ruas tranquilas de Konoha com as mãos dentro do bolso, o crepúsculo estava presente no céu. Os tons alaranjados misturado com os azuis faziam uma paisagem bonita. O movimento estava começando a ficar fraco e vi alguns estudante voltando para casa. Parei ao encontrar Saori sentada na Casa de chá, eu havia começando a reparar o quanto ela havia crescido e se tornando tão bela e adulta.

Definitivamente adulta.

Aquela mulher em minha cama ontem, não era nem um pouco aquela garotinha com quem cresci.

A verdade é que eu me questionava porque eu não havia reparado antes nela. Vi seu sorrir aumentar olhando para o lado, senti meu corpo ficar rígido ao olhar que seu sorriso era dirigido para Iruka.

Ele colocou uma caneca a sua frente e tenho certeza que era um chá, Saori gostava de chás refrescantes.

Eles pareciam tão na vontade e alheio a qualquer pessoa que pudesse os ver ou os julgar.

Eu não deveria me afetar vendo eles dessa maneira.

Ou deveria?

Oras Kakashi, não é porque você transou com a garota que você tem que se achar dono dela.

Ou eu deveria sentir ciúmes?

Não, definitivamente não deveria sentir ciúmes.

Aconteceu só aquela vez e não irá se repetir.

Saori parecia a vontade com Iruka e talvez fosse melhor assim.

Talvez...

Talvez, realmente fosse melhor assim.


Notas Finais


* ohayō - Bom dia


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...