História Tattooed Heart - Capítulo 75


Escrita por: ~

Postado
Categorias Ariana Grande, One Direction, Zayn Malik
Personagens Ariana Grande, Harry Styles, Liam Payne, Louis Tomlinson, Niall Horan, Personagens Originais, Zayn Malik
Tags Ariana Grande, Criminal, One Direction, Zariana, Zayn Malik
Visualizações 206
Palavras 3.723
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Comédia, Crossover, Luta, Policial, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Violência
Avisos: Álcool, Drogas, Linguagem Imprópria, Sexo, Tortura, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Oi oi! ❤️

Preciso ser muuuuito rápida aqui, porque pra variar, tenho que voltar a estudar igual uma loka pra segunda fase do Enem :(

Por incrível que pareça, consegui fazer um capítulo grandinho, pelo menos eu acho! Hahahah

Espero que gostem e boa leitura!!! ❤️

Capítulo 75 - Surreal


Narrador POV:

 

Os saltos altos batiam nas lajotas fazendo um barulho talvez irritante aos ouvidos alheios. Aquele som poderia ser de qualquer mulher, mas não era. Ela não era qualquer mulher. 

 

Os cabelos loiros reluziam na luz do sol, e o vento o fazia ficar mais majestoso do que já era. Assim que os olhos azuis viram a entrada da empresa bem a sua frente, um sorriso esnobe cortou o seu rosto e seus passos se tornaram mais rápidos e talvez até mais elegantes. 

 

Ela sabia que seria barrada na entrada, mas quem disse que escândalo e caos não era bem o que ela queria causar? 

 

Os seguranças ao ver quem se aproximava, arregalaram os olhos e antes que as portas automáticas se abrissem, os dois homens tão altos e grandes como armários seguraram-na pelos braços e chamaram ajuda da central. 

 

E ela não podia estar mais satisfeita por tudo que planejou estar acontecendo. 

 

— Chefe? — Um deles disse pelo Walkie-Talkie, não tirando os olhos assustados da mulher. — Tem alguém aqui que eu acho que o senhor gostaria de ver. Ou não. 

 

O presidente da empresa, que estava aprisionado em sua sala desde que chegara, encarava o porta-retrato de sua esposa, sem tirar os olhos dela nem por um segundo. Ele pensava em como sentia a falta dela, como se mil facas estivessem sendo cravadas em seu coração sem trégua desde que ela desaparecera juntamente com o seu filho, que também tinha a sua devida atenção no porta-retrato ao lado dela. Ele também gostava de pensar que quando chegasse em casa para o almoço, cansado e estressado ao extremo, a veria de novo, sorrindo do jeito que só ela sabia, arrancando tudo de ruim que havia acontecido do corpo dele. Ela iria correr até a porta da frente como fazia cada vez que ele chegava e iria segurar o rosto dele com as duas mãos antes de beijar os seus lábios. O ajudaria a tirar o paletó e o deixaria atrás da porta para que não amassasse quando ele voltasse a trabalhar de tarde. 

 

E tudo isso com o sorriso que ele amava. 

 

Depois, seu filho iria correndo em sua direção e ele iria o pegar no colo, beijar a sua bochecha e iria dizer que o amava. 

 

Ele sentia falta disso. Muita falta. A falta que nada poderia preencher a não ser eles dois. 

 

Ele apenas acordou do seu transe nada passageiro quando a voz do seu segurança tocou pela sala. E ele sabia que era algo grave ou fora do comum, porque ele nunca tinha problemas desse tipo. 

 

Seu coração palpitou como a duas semanas não palpitava desde que a sua esposa e o seu filho não estavam mais com ele. Ele tinha esperança que fossem eles, até que o segurança disse que ele não gostaria tanto assim da presença dessa pessoa. 

 

Mas a esperança é a última que morre, certo? 

 

Pegou o elevador e quando chegou ao Hall principal, na frente da secretaria, viu o tumulto que nunca tinha visto antes naquela empresa, a não ser quando a sua esposa estava grávida pela primeira vez e todos queriam tocar a sua barriga assim que souberam da notícia. Ele sorriu levemente pelas boas memórias. 

 

Assim que viram que o chefe se aproximava, abriram espaço para o mesmo, e quando viu do que se tratava aquela "surpresa", ele arregalou os olhos e ele parou de andar. 

 

Todas as suspeitas que havia feito desde que Isabella e Luke foram raptados terminavam sempre em Lindsay. E vê-la depois de ter certeza que ela estava por trás da pior parte da vida dele fazia uma raiva o dominar da cabeça aos pés. Ele tentou se controlar, ao máximo até, mas nesses dias de inferno, ele já não tinha mais pavio para nada. 

 

Todos o olhavam com expectativa, pensando no que ele seria capaz de fazer depois de todas as suspeitas. 

 

E quando ela sorriu com escárnio para cima dele, ele esqueceu de todas as consequências que teria se matasse alguém logo ali. 

 

Mas logo lembrou que, ironicamente, precisava dela para respostas para as suas perguntas, nem que as arrancasse por meio de tortura. 

 

Mas o que ela queria sabendo que ele iria tortura-la até o último fio de cabelo para saber de tudo? Queria apenas rir da cara dele? Zombar? Ver como as coisas estavam? Ela sabia que seria pega se entrasse como se nada tivesse acontecido na empresa, depois de esfaquear a mulher do presidente dela. 

 

Zayn já havia desistido de entender a mente de certas pessoas. Digamos que ele preferia partir direto para a violência. 

 

Ele não disse nada, apenas segurou o braço da mulher e a puxou em direção ao elevador, a arrastando até o Subsolo. No começo, ela literalmente rastejou no chão e reclamou, mas depois, conseguiu se colocar encima de suas pernas e acompanhou a pressa do homem. 

 

— Você está me machucando. — A voz dela parecia despertar algo feroz nele, que apenas o deixava com mais ódio, claro, além de ser estridente aos ouvidos dele. 

 

— Foda-se. — Ele rosnou, sem paciência, observando o olhar espantado de todos antes que as portas do elevador se fechassem. 

 

Depois de alguns segundos preso naquela caixa metálica com aquela mulher, ele já se sentia claustrofóbico. Era impressionante como mesmo sem fazer nada, só existindo, ela já o irritava. 

 

Então, por isso mesmo, assim que as portas se abriram, ele a empurrou para frente com uma certa força, a fazendo cair no chão. Por um segundo, ela deixou o convencimento de lado e se assustou, mas não demorou muito para voltar ao seu estado normal. Seus olhos azuis como gelo esbanjavam deboche, como se tudo daquilo estivesse sendo engraçado para ela. 

 

E ele odiava esse tipo de comportamento. 

 

— Eu vou ser direto. — O moreno caminhou até um dos seus armários, abriu a porta e escolheu a primeira e mais especial de todas elas, que sempre esteve com ele: a famosa Colt Python. 

 

Ele recarregou a arma e aqueles estalos não poderiam ser mais deliciosos ao seus ouvidos famintos por vingança. 

 

— Ou você fala onde a minha mulher e o meu filho estão, ou eu explodo a sua cabeça aqui e agora. — Ele disse, firme, sem que sua voz falhasse uma única vez. Ele sabia que não estava blefando nem um pouco. Não tinha mais paciência para esperar, não depois de vê-la. 

 

— Ah, mas já? Assim, tão rápido? — A loira falou, com a voz carregada de ironia. — Eu queria brincar um pouquinho com você, Zayn. 

 

Ele não mexeu nenhum músculo, nem disse mais nada. Apenas continuou apontando a arma severamente para a mulher, e vendo que ele não reagiria, continuou. 

 

— Você fica sexy assim, sabia? Todo bravo. — Ela disse, sorrindo, cínica, discretamente passando um dos pés pelas pernas do homem, que não obteve reação de primeira, mas logo se afastou um pouco. — Eu sinceramente não sei o que você viu na Isabella. Ela é muito bonita, isso é verdade. Confesso que quando todos os homens da empresa falavam que ela era linda e que tratava todos bem me irritava um pouco. — A mulher deu de ombros, e a cada segundo que passava, mais vontade ele tinha de apertar o gatilho. — Mas eu nunca vi essa graça que todos viam nela. 

 

— Que pena. — Ele disse, sem paciência. — Porque eu vi e sabe o que eu fiz? Eu me casei com ela. A Isabella carrega o meu sobrenome, teve um filho meu e está gerando outro. E se tem uma pessoa aqui que merece o mundo e muito mais é ela. Você entende? Eu só estou aqui por causa dela. Todos os créditos são dela. — Ele se sentia nervoso, completamente tomado pela raiva. — Você não tem o direito de dizer qualquer coisa dela, por mais que eu esteja pouco me fodendo para o que você pensa da minha esposa ou não. 

 

— Ficou nervosinho por que? Se você realmente não ligasse para o que eu digo, não ficaria alterado. — Ela sorriu com escárnio, o que fez ele apertar a arma em suas mãos como forma de controle. — O que eu estou querendo dizer é que ela não está aqui agora. — A mulher o provocou, erguendo uma das sobrancelhas. Tinha algo tão gélido como a maldade em seu olhar, e só de olhar para aquelas orbes, dava para ver nitidamente que tipo de mulher ela era. — E nós estamos sozinhos... — Ela se deitou no chão, começando a desabotoar os botões da camisa social branca, deixando o sutiã preto à vista. 

 

Ele não poderia estar mais confuso sobre o que fazer naquela situação. Estava com tanta raiva que o seu cérebro parecia estar cozinhando dentro do seu crânio. Esses últimos dias foram difíceis para ele, como se junto com Isabella fosse a sua sanidade mental também. E ele não duvidava disso. Não sabia se chamava Harry ou Liam para o ajudar. Diante daquela situação, ele não sabia o que fazer a não ser encarar a mulher. 

 

— Eu sei que você olhava para mim enquanto eu estava aqui na empresa, Zayn. Eu não sou boba. — Ela continuou sorrindo, deixando a camisa aberta enquanto o encarava. — E eu também te olhava. Aliás, olho até hoje. 

 

— Para com isso, Lindsay. E fecha a porra dessa camisa. — Ele disse, rangendo os dentes e não deixando de olhar nos olhos dela, sem desviar. Ela apenas riu, jogando a cabeça para trás. 

 

— Foi o que eu pensei. Você se importa. — Ela sorriu, jogando os cabelos para trás dos ombros sem os braços. Mas, de repente, ela ficou séria. — Uma noite com você, Malik. É tudo que eu peço...

 

— Nunca. — Ele disse, com uma certeza absoluta, antes mesmo que ela terminasse a frase. 

 

Tudo que ele pensava era que ela só podia ter enlouquecido. 

 

— Você terá Isabella e o seu filho de volta. Mas apenas com essa condição. — Ela disse, séria, e de repente, ele ficou sem reação. — No momento em que você negar, pode saber que eu vou informar alguns capangas que estão trabalhando pra mim, e aí Isabella morrerá e você nunca mais verá o seu filho de volta. Aliás, nenhum dos dois. Eu gosto muito daquele garotinho, pode saber que eu seria muito cuidadosa em achar o melhor orfanato desse país para ele. Bem longe daqui. 

 

— Vai. Se. Foder. — O homem falou, sentindo o ódio e a confusão se misturarem em um só sentimento: medo. — Eu nunca trairia a Isabella. Nunca. Muito menos com você. 

 

— Isso é um não? — Ela voltou a sorrir, o encarando, olho com olho. — Tem certeza? — Lindsay franziu a testa, e aquele ato foi o bastante para que Zayn se aproximasse dela, ficando praticamente encima da mulher. Ela sorriu ao achar que ele a beijaria ou faria qualquer outra coisa, mas quando sentiu novamente a arma em sua cabeça, ficou séria de novo. — Você vai se arrepender. 

 

— Eu me arrependeria se não metesse uma bala na sua cabeça agora mesmo. Disso sim eu me arrependeria profundamente. — E antes que ele fizesse mesmo a besteira de a matar à sangue frio, ali mesmo, a porta se abre e aproveitando a distração do moreno quanto a isso, Lindsay puxa o braço do homem, e como como consequência, o fez se desequilibrar. Ele se apoiou com a ajuda dos dois braços ao lado da cabeça dela, ficando cara a cara com a mulher. 

 

Quando ele conseguiu se afastar, já era tarde demais. Harry, que tinha acabado de entrar ali para checar se Zayn não faria algo precipitado, o olhava horrorizado com a cena que tinha acabado de presenciar. É claro que ele iria pensar coisas erradas quando o homem estava encima de uma mulher com a blusa aberta e o sutiã à mostra. 

 

— Harry... — O moreno começou, não fazendo a mínima ideia de como explicaria para o amigo que o que ele tinha acabado de ver com os próprios olhos não era aquilo que ele achava que era. — Eu...

 

Styles não sabia o que dizer. Nunca pensou que Zayn poderia pensar em outra garota a não ser a dele. Aquilo era surreal para ele. Mas o que ele tinha acabado de ver fazia uma certa raiva crescer em seu peito. Isabella era com certeza como uma irmã para ele, e por alguns minutos ele se esqueceu que Zayn era seu amigo. Tudo que ele queria, como um ato de proteção à Isabella, era quebrar ele na porrada até ele se dar conta da merda que tinha feito. 

 

— Harry, não é isso que você está pensando. Você sabe que eu nunca faria isso com a Ella. Ela me puxou. — Ele apontou para Lindsay embaixo de seu corpo, que segurava a risada. — Por favor...

 

— Zayn, lá fora. — Harry disse, firme, com os olhos fechados e as mãos fechadas em punho. 

 

O moreno demorou um certo tempo para processar, tentando normalizar a sua respiração, mas logo tratou de se colocar de pé e dar um jeito de prender Lindsay com uma algema em um dos corrimões, para que ela não escapasse. 

 

Harry andava de um lado para o outro para fora do Subsolo, submerso em pensamentos. Ele não conseguia acreditar. Sua mente rodava e rodava e rodava, mas a cena de Zayn encima de Lindsay não queria entrar na sua cabeça. 

 

Quando Zayn apareceu, ele parou de andar e deixou que o amigo dissesse tudo que ele queria em sua defesa, mas ele estava tão nervoso com tudo que estava acontecendo, incluindo a suspeita do sequestro aparecer do nada em sua empresa, que gaguejou sem parar, enquanto tentava explicar tudo com as mãos tremendo. Nada daquilo pareceu convincente para Styles, que estava ficando cada vez mais...puto. 

 

Zayn não parava de falar bobagens e mais bobagens, e quando a paciência do cacheado se esgotou, o seu punho direito, que já estava fechado, acertou em cheio o rosto do mais velho, e mesmo achando que era justo o que Harry fazia com ele, por pensar no que pode ter acontecido, ficou assustado e tocou o rosto. Sua cabeça rodou mais um pouco por causa do impacto do soco, mas ele conseguiu se manter encima das suas pernas. 

 

— Eu não acredito que você fez isso com a Isabella! Porra, Zayn, só Deus sabe o quanto aquela mulher te ama, e por quanta coisa ela já passou, e quando você tem uma brecha, você fica com a outra?! Eu sinceramente nunca pensei que você seria capaz de fazer isso! Não com ela! Caralho, você...você tem um filho! Dois! Ela...a Ella tá grávida, Zayn! E está precisando de você mais que tudo nesse momento, porra! Não desista dela porque ela nunca desistiu de você mesmo com todas as merdas que você fazia! Eu... — Ele tentou continuar, mas Zayn apenas afrouxou a sua gravata, se encostou na parede e deslizou pela mesma até sentar no chão. Ele parecia ter atingido o limite máximo de estresse possível para um ser humano. 

 

— Eu nunca faria isso com a mulher que eu amo, cacete. — Ele disse, baixo, mas ainda havia raiva em sua voz. 

 

— ENTÃO POR QUE FEZ?! — Styles gritou, inconformado. 

 

— EU NÃO FIZ PORRA NENHUMA! A ÚNICA COISA QUE EU FIZ FOI TENTAR MATAR AQUELA VAGABUNDA, MAS ELA ME PUXOU! AGORA, SE VOCÊ NÃO ACREDITA EM MIM, O PROBLEMA É SEU! TENHO COISAS MUITO MAIS IMPORTANTES PRA RESOLVER, E A MAIS RELEVANTE DELAS É DESCOBRIR ONDE ESSA VADIA COLOCOU A MINHA MULHER E O MEU FILHO! — Zayn exclamou, sem paciência, olhando nos olhos de Harry. 

 

— E como você explica ela estar com a camisa aberta, hein?! — Ele falou, tentando diminuir o volume da voz, mas continuava estressado enquanto andava pela sala passando as mãos no cabelo. 

 

— Ela mesma fez isso! Porra, Harry, você não sabe o quão frustrante foi ela dizer que só vai entregar a mulher mulher e o meu filho de volta para mim se eu transasse com ela! — O mais velho fala, apoiando os seus cotovelos em seus joelhos e olhando para baixo, frustrado. — Eu só queria que a Ella estivesse aqui. Eu não...eu não aguento mais ficar sem ela. Nada mais faz sentido, entende? Como se tivessem tirado tudo de mim do dia pra noite. Eu não sei nem mesmo pra onde ir sem ela do meu lado. Ela é...tudo

 

— Por que você não matou a Lindsay? Tudo estaria resolvido e nada disso teria acontecido. — Styles disse, depois de um tempo em silêncio, se sentando no chão e se apoiando na parede oposta à de Zayn. 

 

— Eu não a matei porque não posso fazer isso. Só ela pode me dizer onde a Ella e o Luke estão. — Ele bufa. — Você fala como se algo realmente tivesse acontecido lá. Eu nem mesmo encostei nela. 

 

— Não é o que os meus olhos viram.  — Harry praticamente sussurra, mas Zayn já não tinha mais paciência para tentar convencê-lo do que ele tinha certeza absoluta que nunca faria. — Mas você tem razão. O mais importante agora é procurar a Ella e o seu filho. E a única maneira é falando com a Lindsay.  

 

[...]

 

— Eu já disse o que eu quero. — A loira disse, revirando os olhos para os quatro homens com os braços cruzados à sua frente. 

 

— Lamento, mas o Zayn não está mais disponível. — Louis sorriu, cínico, e Lindsay fez a mesma coisa que ele. 

 

— Que pena, então diga para ele que já pode dar adeus à sua esposa. Sem o Zayn para mim, nada feito. — Ela cruzou as pernas, como se já tivesse vencido aquele jogo. — Se alguém avisar que achou aquela vadia morta, a culpa não é minha. 

 

— Ei, ei, ei, e você é o que, sua puta de esquina? — Brooke se levantou da cadeira onde estava sentada, furiosa. Ela odiava quando pessoas que ela considerava ridículas xingavam pessoas que ela gostava. 

 

Antes que ela fosse para cima da outra loira, Louis segurou a sua namorada, falando que estava tudo bem, que os meninos iriam resolver aquilo, e que ela não precisava se estressar. Mas isso não era desculpa para Brooke. 

 

— Não tem outro jeito de negociarmos isso, Lindsay? — Liam disse, cauteloso e esbanjado calma, como sempre. 

 

— Não mesmo. — Ela disse, sorrindo, convencida. 

 

Todos da sala silenciaram-se, não conseguindo pensar em uma saída. Alguns bufavam, outros caminhavam pela sala como forma de acalmar seus nervos, como Harry e Niall faziam, e outros apenas olhavam para o chão. 

 

— Isso vai demorar muito? É que nem eu, nem a Isabella temos muito tempo. — Lindsay disse, depois de um tempo. — Zayn precisa ser rápido na sua escolha, apesar de eu já saber no que isso vai acabar. 

 

— Pois é, vai acabar com a morte de uma loira oxigenada. — Cassidy se manifestou pela primeira vez, fazendo todos olharem para ela, que permaneceu sentada na cadeira mais afastada de todos. Liam a olhou com cautela, como se pedisse para ela se acalmar porque aquilo não ajudaria em nada. — Desculpa, eu não me aguentei. — Ela sussurrou, voltando às profundezas de seus pensamentos. 

 

O silêncio se instalou naquela sala de novo, e a expressão de tédio na cara de Lindsay irritava Lily, que estava ao lado de Brooke, cada vez mais. Ela não entendia como alguém conseguia odiar uma pessoa como Isabella, que era tão amável. Ela tentava listar motivos na sua cabeça, mas não achou nenhum. A Ella nunca deu motivos para alguém a odiar, então, Lily chegou a conclusão que aquilo era mesmo inveja de tudo que a sua amiga tinha conquistado. Isabella tinha um marido que a amava mais que tudo, sem esforço algum. Tinha o melhor filho do mundo, e estava esperando outro. E ainda por cima, estava quase formada em medicina na faculdade. Isabella era quase surreal por conseguir ser tudo aquilo ao mesmo tempo. 

 

— Isso é inveja. — A voz doce e baixa de Lily soou pela sala, chamando a atenção de todos, inclusive de Lindsay, que a olhou na hora. Talvez nem tinha se dado conta da presença da garota, já que ela estava atrás do seu namorado, Niall, e não gostava de chamar muito a atenção. Mas naquele caso, onde umazinha qualquer estava xingando uma das melhores pessoas que já conheceu, ela sentia a obrigação de defende-la. Lily ficou de pé, andando até ficar frente a frente com a loira. Niall tentou a impedir, mas a morena sabia o que estava fazendo. — Você tem inveja de tudo que a Isabella tem. Sempre teve. 

 

— Da onde você tirou isso? — Lindsay disse, claramente afetada pelo que Lily disse. — Ficou louca?

 

— Está escrito na sua testa, mas nenhum de nós conseguimos ver isso até agora. — Lily riu, irônica, e se agachou até que ficasse na altura da loira, que estava sentada e presa em uma cadeira. — Tudo que você tem que saber é que nunca, nunca mesmo, será uma Ella. Você nunca chegará aos pés dela, e sabe por que? Porque ela tem, sem fazer nenhum esforço, o que você mais quer: a amor do Zayn e do Luke. — Lily sabia que tinha tocado exatamente na ferida de Lindsay, e por isso tinha um ar de riso no rosto. 

 

A morena e a loira se encaravam severamente, enquanto os outros e Lily mesmo sabia que tinha ganhado aquela batalha. Ela tinha decifrado o que Lindsay sentia, e não era ódio por Isabella, era inveja. E isso torna tudo mais fácil. 

 

Mas quando o sorriso de Lily se engrandeceu e os olhos verdes dela brilharam, Lindsay ergueu um dos joelhos e acertou o nariz da morena, e instantaneamente Niall correu até ela e a ajudou, que pelo impacto, estava um pouco zonza. 

 

Quando Niall viu o sangue escorrer pelo seu rosto, ele ficou vermelho de raiva. Segurou o rosto de Lily, mas olhou para Lindsay com uma cara nada boa antes de quase partir pra cima dela, mas Liam e Louis conseguiram o impedir. 

 

— Tá tudo bem. — Lily disse, manchando as mãos com o próprio sangue, enquanto acalmava o loiro. 

 

Brooke e Cassidy ajudaram Lily, e no mesmo momento, a porta se abriu violentamente e um Zayn muito empolgado, como há semanas não haviam visto, entrou por ela. 

 

— Rua Atkins, número 366. — Ele disse, falando o endereço cara a cara com Lindsay, que engoliu em seco, e por isso mesmo ele sorriu. — Isso te lembra alguma coisa, Lindsay? 

 

— O que é isso? — Harry perguntou, curioso. 

 

— Isso, Styles, é o endereço onde a minha mulher e o meu filho estão. — Ele disse, desviando do olhar de Lindsay. — Eu vou ter a minha família de volta. E vai ser hoje. 

 


Notas Finais


E então??? O que estão achando? QUERO SABER HEIN

OBRIGADA POR TODOS OS COMENTÁRIOS E FAVOTIROS! EU AMO VOCÊS ❤️

Beijinhosss e até o próximo capítulo! ❤️❤️❤️


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...