1. Spirit Fanfics >
  2. Te amo disgraça. >
  3. Mad city pub.

História Te amo disgraça. - Capítulo 1


Escrita por:


Notas do Autor


bom, essa é só uma one shot que fiz e postei em outro site mas por pedidos de alguns amigos, postei aqui. <3
é só isso, não ta boa mas é uma das minhas favs.

Capítulo 1 - Mad city pub.


﹏﹏﹏    . . . ☁️


— Anda logo, Johnny. Está frio 'pra caralho. – o rapaz de pele morena dizia entre dentes abraçando os próprios braços almejando algum tipo de calor corporal.


— Estou logo atrás de você, calma. – o amigo dizia guardando o celular no bolso traseiro da calça jeans surrada.


Donghyuck já podia ver o letreiro do boteco a alguns metros dali, um sorriso se iluminou nos lábios do rapaz aumentando a velocidade dos passos. O vento gélido batia contra as bochechas quentinhas do menino causando um pequeno choque térmico gostoso.


— Mad City... pub? – mais novo perguntou após ler o letreiro ao rapaz alto que estava parado ao seu lado e o mesmo balançou a cabeça positivo. 


— Sim, meu querido Dong. – sorriu ladino levando os dedos magros e longos em direção aos fios castanhos escuros os ajeitando de maneira sexy o que fez o mais baixo dali rir alto.


— 'Tá parecendo um sugar daddy atrás da próxima vítima. – negou rapidamente, adentrando o boteco deixando um Johnny para trás com uma carranca no rosto.


Diferente do lado de fora, boteco estava quente devido ao aglomerado de pessoas que estavam ali dançando e bebendo. Donghyuck suspirou correndo os olhos pelo lugar parando nas mesas de bilhar que estavam do outro lado. Mesmo não parecendo o garoto adorava jogar bilhar, era quase um hobby porém não jogava com muita frequência.


Virou-se para trás a procura do amigo e riu desacreditado ao vê-lo puxando papo com um baixinho que não parecia coreano. E Dong o conhecia bem até demais, era Chittaphon, garoto que o Seo estava gostando a meses. 


— Se eu não conhecesse Johnny bem diria que ele estaria me abandonando. – comentou baixo para si enquanto caminhava na direção das mesas de bilhar.


A cada passo que dava parecia que ficava ainda mais abafado causando um calor imenso em todo o corpo, sua camisa vermelha com babados no meio do peito ficava cada vez mais colada ao seu corpo o deixando um tanto desconfortável. 


Com muita luta conseguiu alcançar as mesas de bilhar sem tropeçar em ninguém no caminho, observou as pessoas acompanhados com amigos jogando e soltou um bufar baixo se culpando por não convidar Jaemin para ir consigo e Johnny ao pub.


Acabou por sentar-se em um mesinha por ali apenas para observar e julgar mentalmente as pessoas que o lançava olhares maldosos e cheios de malícia. Não significava que não gostava dessas coisas, mas pessoas que chegavam em si já querendo algo íntimo sem nem ao menos o pagar uma bebida, era repugnante.


Ninguém ali parecia interessante ao olhar do garoto, todos pareciam simples e sem graça.


— Me pergunto, por que um príncipe como você estaria sentado 'numa mesa de bar sozinho. 


A voz surgiu como vento, causando um pequeno arrepio no coreano fazendo com que o mesmo levantasse o olhar com a típica carranca de Lee Donghyuck.


Seus olhos barraram em um rapaz de cabelos negros e camisa floral de mangas compridas com os primeiros botões abertos, também usava colares simples que o deixava com um ar simples e sexy. Bonito. O olhar do garoto estava voltado a si transbordando curiosidade e sensualidade


Ele era bonito demais, com um corpo bonito demais o que com que Donghyuck se sentisse um tanto inferior mas ao menos demonstrou.


Dong notou que o garoto estava com um cigarro entre os dedos que ora ou outra levava até os lábios dando uma tragada profunda e soltava a fumaça cinzenta calmamente.


Dong até se imaginou sendo um dos cigarros do mesmo, imagine o quanto deve ser bom estar entre os lábios do garoto mais bonito que já tinha visto.


— Ah, meu amigo está com um rapaz e me deixou sozinho. – soltou uma risada desajeitada baixando o olhar para as mãos que estavam sobre a mesa.


— Que péssimo amigo. Mas, eu vou te fazer companhia agora. – deixou o cigarro no cinzeiro que estava no centro da mesa e sentou-se ao lado do rapaz passando seu braço sobre os ombros do mesmo.


Uh, ousado Hyuck riu do próprio pensamento, movimentou seu rosto na direção do garoto de fios negros e pode observar o rosto simétrico e perfeito do mesmo.


Ele era o auge da beleza e tesão foi a primeira impressão que Donghyuck teve enquanto suspirava totalmente anestesiado pela beleza do garoto.


— Aliás, sou Mark Lee.


— Lee Donghyuck. 


— Sério? Achei que era amor da minha vida. – disse simples enquanto dava de ombros e voltava a pegar o cigarro.


— Gostei da sua ousadia, Mark Lee.


— Você não viu nada ainda, meu amor. – sussurrou próximo aos lábios entre abertos do coreano que sentiu a famosa ardência nas bochechas.


O hálito do canadense era diferente do que o coreano imaginou. Tinha um aroma forte e fresco de menta com chocolate, o sabor devia ser maravilhoso.


— Mark Lee está na sua hora! – alguém gritou no meio da multidão, Hyuck pensou em ver de onde o grito veio mas se preocupou mais em ver o Lee mais velho se levantar e pegar um violão que estava em cima de uma das cadeiras.


Donghyuck tinha duas perguntas, de onde surgiu aquele violão e por que queria beijar o canadense?


— Nos vemos depois, docinho.


Mark deixou um selar rápido na bochecha do coreano antes de entrar no meio do mar de gente enlouquecida, deixando para trás um Donghyuck confuso e de bochechas coradas.


O mesmo suspirou ao perder o Lee mais velho de vista e voltou a observar as pessoas, mas ainda pensando nos lábios do canadense contra a pele quente de sua bochecha esquerda.


— Aqui está, garoto. – um homem obviamente mais velho que si, disse assim que colocou um copo médio com um líquido esverdeado em cima da mesa.


— Ah, eu não pedi isso. – disse um tanto confuso após observar o homem.


— Eu sei, é por conta do famoso Mark Lee. Aproveite. – e então deu aquele sorriso, deixando amostra as covinhas antes que saísse em passos calmos.


Donghyuck não sabia o que fazer, e se tivesse algum tipo de veneno naquela bebida? Mark queria o drogar e o sequestrar?


Várias alternativas se passaram na cabeça do Lee, o deixando frustrado. 


— Ah quer saber? Foda-se. – agarrou o copo com as duas mãos e bebeu todo o líquido de uma vez só, então se permitiu rir sozinho.


Menta com chocolate.


Donghyuck tinha certeza que Mark tinha algum poder de adivinhação e talvez, tivesse mesmo.


— Huh, boa noite a todos. 


A voz já conhecida por Dong emitiu alto pelo o estabelecimento, o deixando atordoado. Virou-se para trás vendo um canadense sorridente em cima de um pequeno palco. Estava sentado em uma cadeira com o violão apoiado sobre as coxas.


— Como sempre, vou cantar uma música. Espero que gostem. – comentou com aquela voz aveludada que deixa qualquer um atônito.


O som suave do violão se iniciou, Donghyuck nem ao menos lembra de ter se levantado para ver com mais clareza o canadense. Quando notou, já estava em pé a frente do palco observando os dedos do Lee mais velho deslizarem com delicadeza sobre as cordas do instrumento.


"Bebendo vinho

Quebrando as taça

Fudendo por toda casa

Se divido o maço, eu te amo desgraçae

Te amo desgraça."


A voz do canadense se fez presente, deixando um coreano atordoado. Donghyuck sabia que Mark tinha uma voz incrivelmente linda mas nunca pensou que ela ficaria ainda mais linda quando o Lee cantasse.


A letra da música era ousada e romântica, tudo misturado. O que a deixava ainda mais boa ao ouvir.


"Fudendo no banheiro do bar

Embriagados, gritando que a cidade é nossa

Te amo 

Nosso ódio pelo mundo é parecido

Você nua pela casa é tão lindo

Bastou a gente fuder, eu vi, tava fudido."


É, realmente ousada. Donghyuck adorou a música, se lembraria de pesquisa-la mais tarde quando chegasse em casa.


Quando voltou a atenção ao canadense, o mesmo tinha os olhos fechados mas mesmo assim continuava tocando e cantando. Incrivelmente talentoso diria Donghyuck se não estivesse perdidamente preso nos lábios do rapaz.


"São várias fãs, mas amor, se acostume 

Nem a morte me chama mais, pois sabe, você tem ciúmes

Carnaval carnal entre as esquinas da sua coxa, prazer

Mais molhado que Veneza, me afundo em você."


Aquele verso fez com que Donghyuck imaginasse coisas impróprias e ele não se arrepende nem um pouco com isso. 


Então, a música chegou ao fim fazendo com que um Donghyuck abrisse um largo e brilhante sorriso, sendo o primeiro a aplaudir o que chamou a atenção do canadense para si.


Uma troca de olhares, um sorriso e um frio no estômago.


Foi o suficiente para Donghyuck descobrir que sim, ele realmente caiu nos encantos de um cantor de barzinho.


Por um momento o coreano se perdeu em seus pensamentos mal notando a presença de um canadense de voz bonita a sua frente.


— Então, príncipe. – comentou o mais alto dali chamando a atenção do Dong. — Gostaria de beber algo e depois ir conhecer o banheiro comigo?


Droga, Mark Lee foi o último pensamento do coreano antes de ser puxado pela mão em direção ao bar.


﹏﹏﹏    . . . ☁️



Notas Finais


bjus. 🎀☹︎💘


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...