História Te Amodeio (Kaisoo!ABO - Sendo reescrita) - Capítulo 6


Escrita por:

Postado
Categorias EXO
Personagens Baekhyun, Chanyeol, Chen, D.O, Kai, Kris Wu, Lay, Lu Han, Personagens Originais, Sehun, Suho, Tao, Xiumin
Tags Baek!ômega, Chanbaek, Chanyeol!alfa, Chen!alfa, Hunhan, Kai!alfa, Kaisoo, Kris!alfa, Kyung!ômega, Luhan!omega, Sehun!alfa, Suho!alfa, Sulay, Taoris, Xiuchen, Xiumin!omega, Yinxing!alfa, Zitao!omega
Visualizações 253
Palavras 2.448
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Aventura, Bishounen, Comédia, Festa, Fluffy, Lemon, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Universo Alternativo, Violência, Yaoi (Gay), Yuri (Lésbica)
Avisos: Álcool, Bissexualidade, Gravidez Masculina (MPreg), Heterossexualidade, Homossexualidade, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Olá, pessoal! Como vão?
Trouxe atualização dupla hoje e estou extremamente feliz. ^-^

Eu estou tentando encaixar todos os personagens aos poucos. Por enquanto, estamos bem. Espero que gostem!

Desculpem os erros.
Boa Leitura ❤

Capítulo 6 - Capítulo 04 - Confusões Externas...


Sentado em uma das carteiras do fundo, o jovem ômega Huang Zitao observava o livro de história em sua mesa atentamente, não dando a mínima atenção para as palavras da professora, que explicava algumas coisas à frente e não parava de falar um minuto sequer.


Ele era uma rapaz responsável e tinha boas notas, mas quando se punha um livro em sua frente, sendo de qualquer categoria ou gênero, sua atenção era toda depositada nele e isso muitas das vezes já o fez estar em apuros. O fato de ser um amante da leitura nem sempre era algo bom.


Batidas na porta se foram ouvidas e acabaram por desconcentrar-lo por alguns segundos, até que a professora fosse abrí-la e por ela adentrar um ômega sorridente e de cabeça erguida.


Era Kyungsoo quem adentrava a sala e não entendera o porquê de ter tantos olhares em sua direção.


– Olá… Do Kyungsoo, não é? – a professora o perguntou de forma gentil e a partir de seu simples gesto, ganhou toda a admiração de Kyungsoo.


– Sim, senhora. Me desculpe pelo atraso, eu acabei me perdendo. – a retribuiu com a mesma gentileza, sorrindo contido e mais uma vez se sentindo incomodado ao perceber os mesmos olhares sobre si.


– Muito bem, Kyungsoo. Você pode se sentar ali, ao lado do Tao. – apontou em direção ao rapaz, que suspirou se sentindo frustrado. Não gostava de dividir espaço com ninguém, independentemente de quem fosse.


Kyungsoo pôde ver a expressão do mesmo, mas resolveu ignorar. Passou por entre as carteiras, parando em seu devido lugar e oferecendo um sorriso amigável para o ômega, que nem sequer o olhou. Aquilo o fez murchar poucamente, mas tratou logo de não demonstrar.


Tao voltou a se concentrar em seu livro e Kyungsoo riu ao ver que o que ele lia não tinha nada a ver com a aula que estavam tendo. O mesmo sentiu o olhar do menor sobre os seus atos e se sentiu irritado, tratando logo de fechar o livro antes de direcioná-lo o olhar.


–  Algum problema? – o mais alto perguntou de forma rude, recebendo apenas um suspender de sobrancelhas e uma expressão debochada.


– Não. Só achei interessante o fato de você estar focado em algo que não é relacionada a aula. – Tao sorriu minimamente, o achando um tanto afrontoso e se vendo intrigado com a sua personalidade.


– Quer saber o que é interessante? O fato de você estar cheirando a Kim Jongin, há metros de distância. – Kyungsoo arregalou os olhos, sentindo-se extremamente envergonhado, o que só fez o sorriso do outro se alargar ainda mais. – É sério? Cara, você fez a pior burrada da sua vida. Aquele alfa é um tremendo babaca.


– E-Eu não tive culpa! O meu cio chegou mais cedo e nós estávamos juntos… – deixou a frase morrer, enquanto cruzava os braços na altura do peito e deixava um bico contornar os seus lábios, demonstrando toda a sua infelicidade ao se lembrar daquele desagradável episódio.


– Oh, nesse caso, estou do seu lado. – Kyungsoo o olhou rapidamente, ficando confuso ao vê-lo o olhar sorridente e oferecê-lo uma de suas mãos. – Como a professora já disse, me chamo Huang Zitao, mas me chame apenas de Tao.


O menor se surpreendeu com a súbita mudança de comportamento do outro, mas acabou por retribuir seu sorriso e o seu cumprimento de mãos.


– Do Kyungsoo. É um prazer conhecê-lo. – desfizeram o cumprimento e voltaram a olhar para a frente, vendo a professora distraída com alguns alunos e sorrindo largo ao verem uma oportunidade de conversarem um pouco mais.


– Sem querer ser rude, Kyungsoo, mas tem algo me intrigando... O Jongin, ele... Você quis que fosse com ele? – o menor murchou no mesmo instante, sentindo-se desanimar aos poucos, lembrando-se do que Jongin fizera consigo mais cedo.


Mas, apesar das atitudes do alfa, Kyungsoo não tinha certeza se o fato de ter cedido à ele, fora realmente por causa do seu instinto e necessidade ou fora pelo seu próprio querer.


– P-Podemos mudar de assunto?


                            ∞


As horas passavam de forma lenta e tediosa. Jongin estava sentado ao fundo e apesar de dar a entender que estava prestando atenção na aula, os seus pensamentos estavam longínquos.


– Jongin? Quer parar de sonhar e prestar atenção? – Chanyeol, que estava sentado ao seu lado, levou a mão em frente ao seu rosto e a balançou freneticamente, tentando chamar sua atenção.


O mais novo piscou algumas vezes, voltando a realidade e suspirando frustrado ao se dar conta de que, mais uma vez, estava pensando no ômega.


– Foi mal, cara, mas eu não estou conseguindo me concentrar. – murmurou de forma preguiçosa enquanto bocejava. Chanyeol sorriu minimamente, tendo uma vaga ideia do que possa estar o perturbando, mas resolvendo ficar quieto.


– Oh, sim. – o mais velho mordeu o lábio inferior fortemente, tentando conter a vontade que sentia de fazê-lo uma certa pergunta, mas não tendo sucesso algum. – Jongin… Você pretende falar com o Kyungsoo?


Jongin fechou os olhos e suspirou profundamente. Ele odiava se lembrar do ômega, odiava estar pensando nele o tempo todo. Mas, ao mesmo tempo, era extremamente bom poder vê-lo em seus pensamentos. E, ao mesmo tempo também, a imagem dele conversando com o alfa hoje mais cedo, não o agradava nada.


– Eu… Eu preciso sair. – o mais novo se levantou, recebendo uma expressão confusa do amigo, que ficou o observando sair da sala, sem nem mesmo pedir permissão para o professor. 


                            ∞


Luhan bufava de minuto em minuto. Estava na empresa de seu pai, junto de sua mãe, enquanto esperavam por seu tão indesejável noivo.


– Mãe, por favor, não me obrigue a casar com ele. – sua voz saiu manhosa e arrastada, era daquela forma que ele conseguia tudo o que queria e quase sempre funcionava. Mas não dessa vez.


– Meu amor, já lhe disse, não adianta insistir. Você irá se casar e trate de encerrar esse assunto. – sua mãe passava um batom nos lábios e apesar de seu tom de voz ser sério, seus olhos não se encontravam com os dele.


Luhan bufou novamente, cruzando os braços na altura do peito, enquanto se contia para não chorar e começar a bater os pés. Se sentia traído pelos pais, mesmo depois dos mesmos tê-lo dito sobre o noivado mais cedo. Se sentia injustiçado, afinal, não pudera nem mesmo escolher o seu companheiro.  


Não teve tempo de dizer algo à respeito, pois um aroma de relva preencheu o ar, o desconcentrando por míseros segundos. Ao direcionar o olhar para a origem do cheiro, avistou um alfa e o mesmo o olhava descaradamente, sem desviar o olhar um segundo sequer.


Oh Sehun era o seu nome e o mesmo, no momento, não sabia como reagir. Não que Luhan fosse feio ou algo assim, mas pelo tanto que ouvira falar do filho dos Xiao's, pensou que se surpreenderia ao vê-lo. Não se impressionou nem um pouco com sua aparência física.


Ignorando os seus pensamentos, Sehun caminhou em direção ao seu "prometido" e tentou sorrir quando se aproximou mais, sentando na poltrona que ficava em frente à eles e acenando para a sua "sogra", assim que a mesma se levantou e os deixou a sós.


Luhan engoliu em seco e mesmo que tentasse, sua voz não saía, algo que o fez ficar terrivelmente constrangido. Sehun sorriu ao perceber aquilo. Talvez o pequeno ômega à sua frente não fosse grande coisa, mas com toda certeza era adorável.


– Olá. Não sei se os seus pais já te falaram sobre mim, então irei me apresentar. Eu me chamo Oh Sehun e sou o seu noivo. – Luhan deixou um mínimo sorriso contornar os seus lábios ao ver o quanto o outro estava sendo gentil consigo. Mas, de repente, o clima mudou completamente, assim que o alfa mudou a expressão e se aproximou, ficando centímetros de distância de seu rosto. – Eu não gosto de você. Colabore comigo e nós dois sairemos ganhando.


Luhan não queria ter se sentido tão desanimado ao escutar aquelas palavras. 


                            ∞


Kyungsoo se sentiu mal durante a aula e pediu permissão para sair. Tao ficou preocupado e se ofereceu para fazê-lo companhia, pedido esse que nem pensou em ser negado.


– Você está bem? – perguntou o mais alto, vendo que o outro parecia lamuriar algo.


– Sim, só estou um pouco tonto. – o respondeu gentilmente, enquanto sorria de forma contida.


Caminharam a passos lentos em direção ao banheiro, mas Tao acabou parando na biblioteca e decidiu o esperar ali. Kyungsoo concordou e voltou ao seu destino, parando em frente a porta do banheiro, abrindo a mesma e dando de cara com uma cena que o deixou completamente enojado: Jongin estava aos beijos com uma ômega e a mesma tinha os cabelos longos e negros. Muito bonita, por sinal.


O alfa, ao sentir aquele cheiro que tanto o perseguia, sentiu o seu lobo se agitar e isso fez a pobre ômega sorrir satisfeita,pensando que o descontrole de Jongin era por sua causa. Mas a sua expressão se tornou envergonhada e assustada ao ver que tinha mais alguém no banheiro. Se afastou de Jongin rapidamente e tentou se recompor.


– D-Desculpa, eu juro que não queria atrapalhar! – Kyungsoo tinha uma expressão culpada no rosto, mas o alfa sabia que de culpa ali não tinha nada. 


– Tudo bem! Eu quem deveria me desculpar por estar no banheiro masculino. – a garota disse de forma acanhada e pareceu simpática.


– Na verdade, o errado é ele. Esse banheiro é para o uso de alfas. O banheiro dos ômegas fica no segundo corredor. – Jongin se pronunciou e tratou de demonstrar toda a sua frustração, através de seu olhar fulminante. 


– Não há problema nenhum em se enganar, Jongin. Eu apenas não sabia que os banheiros eram separados. – Kyungsoo forçou em seu tom um pouco de mágoa e acabou por chamar a atenção da ômega que os observava.


– J-Jongin, não o trate assim. – a mesma se meteu na conversa, se sentindo temerosa pelo que o Kim poderia dizer.


Jongin arregalou os olhos, não acreditando no que estava acontecendo. Kyungsoo esboçou um sorriso vitorioso nos lábios e ofereceu à ele, mas tratou logo de escondê-lo ao ver que a moça o olhava.


– Me desculpem de novo. Preciso ir agora. – Kyungsoo disse e antes mesmo de deixá-los dizer algo, saiu apressado do banheiro.


Respirou profundamente, sentindo uma imensa raiva de Jongin e querendo fazê-lo engolir todas as suas palavras. Estava incomodado com o fato de tê-lo visto junto de outra pessoa e isso era o que mais o irritava. Parou de caminhar aos poucos e se apoiou em uma pilastra, não muito longe do banheiro.


Refletiu sobre os acontecimentos passados e procurava por uma maneira de se vingar de Jongin, que não deixasse provas de que havia sido ele quem cometeu tal feito.


– Kyungsoo? Achei você! – a voz ofegante de Tao o despertou de seus devaneios e o fez sorrir radiante, assim que também avistou a ômega sair do banheiro com Jongin e ambos se separarem. – Olhe só, eu… – foi interrompido pelo tom afobado de Kyungsoo.


– Tao, vamos, depressa! Finja que está me consolando. – o mais alto não entendera seu pedido e se assustou ao ver o menor começar a chorar, ou melhor, fingir que chorava. – O Jongin é tão insensível, ele me trata tão mau! – Kyungsoo começou com o seu teatro e o outro optou por ajudá-lo, mesmo não sabendo ao certo o que fazer.


Mas, Tao não precisou fazer nada, pois a mesma ômega que estava aos amassos com Jongin, se aproximou de ambos, um tanto preocupada com a tristeza aparente de Kyungsoo.


– Ei, por que está chorando? O que o Jongin te fez? – a moça tocou o ombro do menor de forma hesitante, se alarmando ao vê-lo aumentar a intensidade de seu choro.


– O Jongin é muito malvado. Ele me usa e depois joga fora. Sabe, eu passei o meu cio com ele e acabei acordando sozinho hoje. E o pior não é nem isso… – Kyungsoo falava em meio as lágrimas e Tao escondia um sorriso com uma das mãos.


– Não acredito! Como ele foi capaz de fazer uma coisa dessas? – a ômega realmente parecia indignada e não pensou duas vezes antes de abraçá-lo e apertá-lo em seus braços. – O que pode ser pior do que isso?


– Ele tem um pênis extremamente pequeno e tem caxumba! – Tao quase se entregou ao que não conseguiu se conter, mas por sorte abafou a risada a tempo. 


A ômega arregalou os olhos e estava perplexa com aquela notícia. Não acreditava que havia considerado a hipótese de passar um de seus cios com um alfa como aquele. 


– Mas que… ogro! – se afastou de Kyungsoo e deixou um beijo em sua testa. – Não se preocupe, bebê, eu irei acabar com a raça dele.


– T-Tá, mas, por favor, não diga que fui eu quem te falei sobre isso. – começou a fungar e a esfregar os olhos, doido para que ela fosse embora, para que assim pudesse rir um pouco.


– Não direi nada. Eu prometo. Não chore por ele, está bem? Ele vai ter o que merece, a se vai. – a ômega os deu as costas e sumiu por entre os corredores.


Kyungsoo olhou para Tao e ambos explodiram em gargalhadas, quase indo ao chão e rindo de forma exagerada. Apesar das risadas, Kyungsoo gostou do que fizera e tinha que admitir, ficou satisfeito por ter conseguido fazer com que a ômega se afastasse de Jongin.


(Quebra de tempo) 


Era hora do almoço e Baekhyun caminhava saltitante ao lado de Kyungsoo. Ambos aproveitando a companhia um do outro, até Junmyeon se aproximar e se juntar à eles.


– Olá, Kyungsoo. – o cumprimentou sorridente e fora retribuído da mesma forma.


– Olá, Junmyeon. Esse daqui é o Baekhyun, o meu bebezinho. – se aproximou do mais velho e o abraçou de lado. O mesmo teve as as bochechas coradas, mas se aconchegou em seus braços.


– Olá, é um prazer conhecê-lo. – o alfa o ofereceu um aperto de mão, que foi retribuído timidamente.


– O prazer é todo meu.


O trio começou a conversar e logo se viram no refeitório. Tao os avistou e também foi até eles, recebendo a atenção de Kyungsoo de imediato, que o ofereceu um sorriso gentil.


– Rapazes, esse daqui é o Zitao, um ômega estressadinho que virou o meu parceiro de dupla. – Kyungsoo o apresentou, mas antes que os amigos pudessem dizer algo, uma voz grave e irritada se fez presente, assustando-os poucamente.


– KYUNGSOO! – Jongin vinha em direção à eles e parecia possesso. Kyungsoo engoliu em seco, tendo noção do motivo de sua ira.


Jongin apressou os passos e nada em sua volta existia, era apenas ele e o ômega; ele e o maldito ômega que insistia em não deixá-lo em paz. Mas a figura do mesmo fora bloqueada por um outro alfa, qual ele já nutria um gigantesco ódio.


– O que pensa que está fazendo?  Junmyeon se colocou em frente à Kyungsoo, como se estivesse o protegendo, e não tinha intenção alguma de sair dali.


Notas Finais


Pessoal, para quem não sabe, caxumba não é bem uma doença. Dá em homens e mulheres, mas no caso dos homens, se ela descer, eles ficam histérios. Entenderam?

Espero que tenham gostado!
Até mais ❤


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...