1. Spirit Fanfics >
  2. Te Esperando- Jenlisa (G!P) >
  3. She doesn't believe me

História Te Esperando- Jenlisa (G!P) - Capítulo 14


Escrita por:


Capítulo 14 - She doesn't believe me


No capítulo anterior


Lalisa: reclamona!- digo e ela vai para o closet meio cabisbaixa, acho que por conta do sono.


~☆~☆~


Ela foi ao closet e já voltou vestida com o seu pijama de unicórnio fofinho, depois que ela voltou ela se deitou na cama e eu fui para o closet me trocar, depois que eu estava pronta voltei para o quarto e Jennie estava sentada na cama chorando baixinho, me aproximei dela e me sentei ao seu lado.

Lalisa: o que foi Jen?- pergunto e ela nega com a cabeça se afastando de mim.- o que eu fiz? Por que está magoada comigo?- ela só faz isso quando eu digo o que não devo dizer a ela, mas dessa vez não me lembro de ter dito nada. Eu estou tentando entender ela, mas está difícil, uma hora ela é a Jennie de antigamente, outra hora ela está meiga e fofa, querendo atenção, outra hora ela só chora e na outra ela está brava e com ciúmes. Eu me aproximo da Jennie e a abraço.- você não vai me contar o motivo de estar chorando?- pergunto e ela nega ainda chorando e sem retribuir meu abraço.- poxa, por que você não quer me contar?- esse método sempre dá certo, mas dessa vez ela não me responde.- porra Jennie, eu estou tentando te entender, mas você não está ajudando, uma hora você está feliz, na outra está triste, na outra com raiva e na outra fofa, e isso em apenas um dia, eu não sei se vou aguentar continuar assim! Você esta muito chata, eu me apaixonei pela Jennie e não por isso que você está se tornando!- digo brava, eu não estou entendendo o por que dela estar agindo desta maneira. Deve ser só para chamar atenção, talvez eu tenha pego um pouco pesado, porque estou cansada, o dia foi cansativo, eu mal dormi a noite por conta da ansiedade em ver a Jennie, e eu descontei minhas frustrações em Jennie, eu não deveria ter feito isso, eu deveria ter tido mais paciência, mas do mesmo jeito que está sendo ruim para ela está sendo ruim para mim. Ela só chora mais alto e abaixa mais a cabeça, ela se levanta da cama e sai do quarto fechando a porta atrás de si. Eu pensei em ir atrás dela, mas ela não vai querer me escutar.

[...]

Fiquei por um tempo no quarto esperando Jennie se acalmar, e também pesquisei sobre a sua mudança de personalidade. Quando eu não estava mais escutado ela chorar eu fui em direção a sala, ela estava deitada no sofá toda encolhidinha, acariciando a barriga e tendo soluços por conta do choro.

Lalisa: me desculpa, eu não quis dizer aquilo!- digo e ela me olha e logo depois desvia o olhar para a sua barriga fingindo que não me viu. Ando até o sofá e me ajoelho em sua frente.- eu não penso aquilo que eu falei, é só que eu estou nervosa e cansada, e falei qualquer coisa sem sentido!- digo tentando fazê-la olhar para mim, mas ela ainda não me olha.- Jen, eu não quis dizer que você é chata, você é muito legal e eu te amo, eu não vivo sem você e não quero ficar brigada com você, eu pesquisei na internet e lá estava dizendo que as mudanças de personalidade é normal durante a gravidez.- digo e ela me olha.- eu sei que o que eu te disse te magoou, e que agora durante a gravidez você está mais sensível, eu não deveria e nem queria ter dito o que disse, me desculpa, por favor!- digo e ela se joga no meu colo chorando baixinho no meu ombro.- desculpa pequena!- digo ao perceber que o que eu disse a magoou mais do que eu imaginava.

Jennie: e-e-eu sou chata Lali?- ela pergunta com aquela voz fofa que só ela sabe fazer, me levanto com ela no meu colo e ela deita a cabeça no meu ombro.

Lalisa: não, você não é chata Jen!- digo acariciando suas costas.- me desculpa mesmo ter dito o que disse!- digo indo para o quarto e torcendo para ela não contar a minha mãe que eu fui grosseira com ela, pois minha mãe disse que se eu fosse grosseira com a Jennie ela levaria a Jennie de volta para a Nova Zelândia.

Jennie: t-t-tá bom!- ela diz tentando se acalmar, eu a deitei na cama e me deitei ao seu lado, a puxei para mais perto deitando de conchinha com ela.

Lalisa: não precisa chorar, eu não vou mais te magoar princesa!- digo lhe fazendo um cafuné com uma mão e com a outra acariciando sua barriga.

Jennie: você promete?- ela pergunta parando de chorar.

Lalisa: eu prometo!- digo bem perto do seu ouvido.

Depois de um tempinho a Jennie dormiu ali e depois dela eu me permiti dormir também, pois estava muito cansada.

[...]

Acordei e a Jennie ainda estava dormindo agarrada em mim, decidi não me mexer para não acorda-la, e comecei a lhe fazer um cafuné, a partir de agora eu vou tratar a Jennie como uma princesa, já que eu fui grosseira com ela, esse é o mínimo que eu posso fazer.

Depois de alguns minutinhos ela acordou e sorrio quando abriu os olhos e me viu.

Lalisa: bom dia!- digo ela puxa a coberta nos cobrindo, mas está um calor infernal.- Jen tá calor para isso!- digo e percebo que ela está tremendo.

Jennie: não está calor, está muito frio!- ela diz virando de frente para mim e me abraçando na tentativa de se esquentar, seu corpo está frio, coloco a mão em sua testa e está muito quente, muito mesmo.

Lalisa: vem, eu vou te dar um banho frio!- digo me soltando do seu abraço e me levantando da cama.

Jennie: banho frio não, esta frio para tomar banho gelado!- ela diz fazendo biquinho.

Lalisa: não está frio, você que está com febre!- digo a pegando no colo, ela tentou lutar contra, mas seu corpo está fraco, a Jennie não está bem e ela não quer acreditar nisso.

Jennie: eu não quero banho gelado Lali, eu quero quente!- ela diz manhosa tremendo de frio.

Lalisa: mas você tem que tomar, se não vai piorar!- digo e ela me aperta quando eu caminho até o chuveiro, aqui tem banheira, porém vai demorar de mais, e eu não quero que demore.

Jennie: por favor Lali, se você me enfiar ali eu ligo para a sua mãe e digo que você está me maltratando!- digo a sentando na cadeira.

Lalisa: mas eu não estou te maltratando, eu estou te tratando bem!- digo e ela nega enquanto eu tiro a sua camiseta, e ela cobre os seios com os braços como se eu nunca tivesse os visto.- você está com vergonha?- pergunto olhando para os seus braços que cobrem seus seios.

Jennie: sim!- ela diz corada, eu a ergo um pouco e retiro seu short junto da sua calcinha.

Lalisa: não precisa ter vergonha, eu já vi antes!- digo e ela cora mais.

Jennie: eu sei!- ela diz meio nervosa. Eu a pego no colo de novo e a levo para o box, mas quando eu vou tentar a deixar de pé sozinha ela gruda seu pequeno corpo no meu, não me deixando solta-la no chão.- eu não quero ir sozinha! Se eu for você vai junto!- ela diz quase chorando.

Lalisa: Mas eu estou vestida, não dá para eu tomar banho agora!- digo e ela faz uma carinha de cachorrinho pidão.- não Jennie!- digo pensando no quão difícil vai ser me manter controlada, já está difícil com ela pelada, se eu tirar a roupa e sentir sua pele na minha, eu acho que eu morro de tanto tesão.

Jennie: você está brava comigo?- de novo ela faz voz de choro.

Lalisa: não, eu não estou brava, mas eu estou preocupada e você não quer tomar o banho gelado para ver se você melhora!- digo e ela começa a chorar baixinho.- ei, ei, não chora!- digo a balançando como um bebê.

Jennie: v-você está brava comigo Lali, só porque eu te pedi para não tomar banho na água gelada!

Lalisa: eu não estou brava, mas você tem que tomar banho de água gelada, você está com febre Jen!- digo encostando sua cabeça no meu ombro e fazendo carinho em seu cabelo.

Jennie: m-mas eu não quero!- ela diz ela diz grudando mais seu corpo no meu, tremendo por conta do frio que está sentindo e chorando alto.

Lalisa: então eu vou com você!- digo empurrando o short para baixo.- tá bom?- pergunto e ela assente ainda chorando e enfiando o rosto no meu pescoço. Termino de tirar minha roupa, respiro fundo, e entro no box com a Jennie que já parou de chorar.- pronto? Eu vou ligar!- digo e ela me aperta mais, eu ligo o chuveiro e quando a água bate nas costas dela ela crava as unhas nas minhas costas e eu respiro muito fundo tentando não acordar meu amiguinho.

Jennie: L-Lali, L-Lali, me tira daqui, por favor!- ela diz chorando e eu vou mais para frente molhando sua cabeça com a água gelada.

Lalisa: aguenta mais alguns minutinhos, daqui a pouco saímos da água gelada, tá bom?- pergunto sentindo seu corpo tremer com mais força, e ela chorar mais alto.

Jennie: p-por f-favor L-Lali, e-eu n-não estou aguentando!- ela diz e eu a abraço forte, tentando manter a calma e deixar ela calma também.

Lalisa: como você vai querer o quartinho da Lia?- pergunto tentando tirar a atenção dela da água gelada.

Jennie: n-não s-sei!- ela diz fungando no meu pescoço me fazendo arrepiar.

Lalisa: e-eu acho que queria um quartinho branco e amarelo!- gaguejo sentindo meu membro dar uma pulsada, tento desviar minha atenção pegando o sabonete e passando em suas costas.

Jennie: v-você tem dinheiro para fazer o que pensa?- ela pergunta ainda tremendo muito de frio.

Lalisa: tenho, agora eu trabalho!- digo sorrindo orgulhosa e ela solta uma risadinha.

Jennie: Lalisa Manoban trabalhando? O quão improvável isso é?- ela pergunta e eu dou risada também.

Lalisa: pois é, mas agora eu trabalho, não quero depender cem por cento da minha mãe!- digo e ela assente.

Jennie: é muito difícil arrumar um emprego por aqui?- ela pergunta e eu começo a passar o sabonete por outros lugares do seu corpo, para ela não achar estranho eu só estar esfregando uma parte do seu corpo.

Lalisa: você não vai trabalhar até a bebê nascer e completar seis meses!

Jennie: eu não vou viver as suas custas Lali!- ela diz e eu termino de ensaboar nós duas.

Lalisa: mas você não pode trabalhar enquanto está grávida, eu não vou deixar, muito menos a minha mãe, ela já não queria te deixar vir para cá estudar, que dirá para estudar e trabalhar!- digo tirando o sabão de nossos corpos.

Jennie: mas nenhuma de vocês duas mandam em mim!- ela diz e eu suspiro.

Lalisa: mas se a minha mãe quiser ela te leva de volta para a Nova Zelândia em um estalar de dedos, ela já não sabe que eu trabalho, se ela descobrir ela faz nós duas voltarmos e fazermos uma faculdade qualquer na Nova Zelândia.- digo e ela não diz nada.- se você quiser eu paro de trabalhar para ficar com você, mas daí nossa bebê só vai ter o que a minha mãe quiser que ela tenha, pois a dona do dinheiro é ela!- digo e ela concorda.

Jennie: mas não é justo, você se matando e eu apenas em casa olhando para o teto!- ela diz e eu desligo o chuveiro a fazendo suspirar aliviada.

Lalisa: são apenas três horinhas, e eu não me mato, pois não tem nada braçal!- digo nos enrolando em uma toalha grande.

Jennie: tá Lalisa!- ela diz brava, não vou contestar, é melhor ela brava mas me deixando trabalhar do que ela não me deixando trabalhar e brava do mesmo jeito.

[...]

Depois de estarmos trocadas, Jennie quis se mediar em baixo das cobertas, porém eu não deixei e a levei para a cozinha, preparei algo rápido e nós almoçamos, já que acordamos tarde e não dava mais para tomar café da manhã.

Logo que terminamos Jennie foi vomitar e eu até tentei convencer ela de ir ao médico, mas ela insiste em dizer que está bem e que é normal os enjoos a todo instante.


Notas Finais


O que acharam?
Espero que estejam gostando!
Me desculpem os erros

🦄


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...