História Te Odiando e Aprendendo a Te Amar - Park Chanyeol (Long Fic) - Capítulo 1


Escrita por:

Postado
Categorias EXO
Personagens Baekhyun, Chanyeol, D.O, Personagens Originais
Tags Chany, Chanyeol Policial, Long Fic Chanyeol, Park Chanyeol, Spoiler Temporada 2
Visualizações 38
Palavras 1.221
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Comédia, Drama (Tragédia), Famí­lia, Festa, Ficção Adolescente, Hentai, Lemon, Literatura Feminina, Luta, Policial, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Survival, Suspense, Violência
Avisos: Adultério, Álcool, Drogas, Estupro, Heterossexualidade, Homossexualidade, Incesto, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Mutilação, Nudez, Sadomasoquismo, Sexo, Tortura, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


UMA FIC DO CHANYYYYY
espero que vocês gostem
Amo vcs
Bjs
💋💐💋💐💋💐

Capítulo 1 - 1 - 1


Fanfic / Fanfiction Te Odiando e Aprendendo a Te Amar - Park Chanyeol (Long Fic) - Capítulo 1 - 1 - 1

Meu nome é Sn, tenho 21 anos e sou uma agente da CIA, como vocês já viram. Minha mãe se casou a força com meu pai para a junção das empresas da família, no começo eles se amaram, mas depois passaram a se odiar, minha mãe estava prestes a assinar os papéis do divórcio, e descobriu que estava grávida de mim. Vocês devem se perguntar: como eles tiveram coito (atividade sexual) se eles estavam se odiando? Minha mãe disse que era pra aliviar o estresse. eu não cai nessa não, mas se você teve suas dúvidas pergunta pra eles, eu não vou toco nesse assunto nem que me paguem 10,000 wons (reais na Korea "UI")(SQN), eu fico com anciã só de pensar (SQÉ). Minha mãe nunca me tratou como filha, já o meu pai... estava disposto a conversar, se preocupar e cuidar de mim, mas enves disso ele ficava o dia inteiro dentro de uma sala, correndo de um lado do outro só mechendo em papéis e papéis que são insignificantes ao meus olhos, mas o que eu mais odiava... por mais que eu pedisse, ele dizia que tinha que trabalhar pra poder dar tudo que eu quisesse, praticamente 14 horas no trabalho, e o resto com migo, já que ele não gostava de aturar minha mãe. Voltando pra minha mãe (nem sei se ela é minha mãe), ela me tratava como lixo, um objeto usado pra melhorar a imagem, me usava me levando pra jantares da empresa dizendo "eu que eduquei. Puxou a beleza da mãe (tá fácil)" mas quando entrava em casa a única coisa que saia da sua boca era "eu fiz com o dedo né? Essa garota não vale nada. Pra que foi nascer?". Quando não fasso a coisa certa ela me chinga de coisas que você nem imagina que sairia da boca de uma mãe, quando fasso tudo certo sem um erro se quer ela me trata como uma filha, me fazendo me sentir pelo menos por milésimos de segundos feliz. se trocasse de lugar com migo você iria se sentir satisfeita vindo dessa mãe. 

Quando eu tinha 13 anos, minha mãe me deixou na casa do meu tio pra resolver umas coisas sobre o divórcio deles. Não sei por que demorou tanto pra ela assinar uns papéis pra me deixar com um homem feito de 27 anos por 5 horas. Não vou mentir ele era muito bonito, mas eu era inocente e filha da irmã dele. Depois do acontecido meus pais notaram que eu fiquei traumatizada, sensível a qualquer toque, assustada, isolada no quarto sem ter contato com ninguém, nem comer eu comia, meu pai ficou tão bravo quando soube que eu fui estuprada, que foi na casa do meu tio pessoalmente dizendo que ele tinha 3 dias pra se entregar pra polícia por que se não... ele iria castrar meu tio. Eu admito, achei a ideia muito Boa, e queria ver isso de camarote, mas adivinha... ele se entregou em menos de 2 horas, homens são capazes de dar tudo pela sua sanidade.


《 - eu vou cuidar bem dela - disse pro meu pai do lado de fora da porta, em quanto eu lambia meu pirulito em paz no sofa. O mesmo fecha a porta e vem até mim me observando por um tempo e depois se sentando do meu lado, ele olhou um pouco pra janela e depois ligou a TV - o que você gosta de assistir Sn?

- eu gosto de Pucca. - o mesmo deu uma risada - parece ser coisa tonta mas eu só assisto pra ouvir a música no final. Minha mãe diz ser coisa de criança - ele gargalhou alto e eu ri da bizarrice que era sua risada

- e você é o que Sn?

- pré adolecente? - riu debochado direcionando sua atenção pra TV e procurando o canal que passava o dezenho

- crianças... - colocou no desenho e ficou me olhando com o pirulito em quanto eu ficava vendo as palhaçadas do desenho - eu vou dar comida para o Bailey, pode ficar a vontade tá?

- tá 

- se quiser vir com migo ver ela pode vir

- ebaaa - despedaçei o pirulito com os dentes "percebi que o mesmo fez uma cara nervosa com o meu ato" desliguei a TV e segui ele para o canil do cachorro atrás da casa - você não tinha dois cachorros?

- eu tive que doar

- podia ter dado ele pra mim, eu amo brincar com eles - " ele me olhava de um jeito bem estranho"

- eu pensei nisso mas sua mãe é mimada demais pra deixar - ele se assustou com o que disse e tampou a boca

- kkk 

- desculpa falar da sua mãe assim. quando éramos pequenos ela era um demônio em forma de pessoa, mas creio que ela não seja assim com você - disse abrindo a corrente do canil 

- o pior é que ela é exatamente assim. Eu não me importo pode chamar ela de.... - me interrompi - deixa pra lá, vai saber se ela está aqui nos vigiando 

- Não vejo ela. - olhou pra todos os lados

- também não. Mas vejo o cachorro mais lindo do mundo - Bailey pulou em mim latindo de felicidade e correndo atrás do próprio rabo "ele me analisava de cima a baixo com os olhos. Eu estava com a saia da escola, ele mostrava metade das minhas pernas" 

- vamos entrar que já está escurecendo. Vamos bailey - chamou o labrador e o mesmo correu pulando no sofá e se ajeitando no meio das almofadas

- quer alguma coisa pra comer? Quer algum doce? - "me olhou de um jeito bizarro umidecendo os lábios em quanto encarava meu seios que eram apertados pelo uniforme escolar"

- Não obrigado. Eu já tenho um doce aqui. E não precisa se incomodar com migo não, fassa como se eu não estivesse aqui.

- tudo bem. Você gosta de vídeo game?

- gosto.

- que tipo de jogo? Eu tenho de tudo aqui

- eu gosto de GTA, Fortinet, que eu tenho certeza que você não tem... bom, eu não lembro de mais nada

- vamos com GTA então 

Jogamos até eu ser morta por o dono de um restaurante por eu ter matado todos os clientes, principalmente a puta que ele estava comendo na cozinha (no jogo... é claro), o cara ficou tipo PuTo por eu ter empatado a foda dele. mas nada demais, isso só é um jogo

Meu tio ficou observando o jogo enquanto bebia soju, como eu disse pra ele ficar avontade foi o que ele fez.

Depois disso eu fiquei no tédio e coloquei um filme de ação, o filme era bem depravado, o cara era doente, e pra ele não morrer ele tinha que fazer sexo, ele ficou tão desesperado que atacou a mulher na rua, e transou com ela no asfalto

Sem nem perceber o mais velho estava alterado pelo álcool.

Eu peguei meu último pirulito e chupei até o fim. Calculava que quando terminasse o pirulito meus pais chegariam, mas só demorou mais, foi quando o inferno começou 

Eu não aguento lembrar desse dia pois ele além de ser muito bruto alterado pelo álcool, ele me batia enquanto me debatia nos braços dele, eu ainda me pergunto como ele foi capaz disso? Eu era inocente demais. mais agora sou mais que uma mulher.



Notas Finais


Filho duma puta né?
Sóbrio ele ignorava pra não acabar fazendo cagada
Bêbado ela perde o controle
As partes em que eu coloquei em aspas no flashback é o depoimento dela
Goshtaram
Se sim deixem um coraçãozinho
(Gosto deles bem cheinhos)
Amo mucho vcs
Bjs bjin bjão
💋💐💋💐💋💐


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...