História Te odiava te amando (Akakuro) - Capítulo 1


Escrita por:

Postado
Categorias Kuroko no Basuke
Tags Akakuro, Akakuro Na Veia, Akashixkuroko, Fluffly, Kuroaka, Shone-ai, Talvez One, Yaoi
Visualizações 120
Palavras 1.386
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ficção, Ficção Adolescente, Fluffy, Romance e Novela, Shonen-Ai, Universo Alternativo, Yaoi (Gay)
Avisos: Homossexualidade
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


Yo seus lindos

Como vão? Tudo bem? Beleza Creuza?

Bom... Cá estou eu com essa talvez one-shot. Por que talvez? Se essa fanfic tiver um bom desenvolvimento e eu perceber que realmente as pessoas vão querer uma continuação, terá sim mais capítulos.
Mas não se engane! Não será aquela fanfic gigantesca não. Eu pretendo escrever no máximo 5 capítulos, não passando assim de uma short-fic.

Outra coisa: por que eu to escrevendo essa fanfic do nada?
Bom assim como a maioria das pessoas que shippam akakuro, quero fanfics pra poder ler e ultimamente eu... Meio que praticamente ja li/estou lendo todas que tenha akakuro. Sim isso é meio triste, mas eu acredito que tem varias pessoas assim também não? Então por que não escrever mais uma pra incentivar as pessoas a gostarem mais do shipp??
Como eu sempre costumo dizer... Aqui é akakuro na veia.

Enfim, aproveitem esse capítulo com bastante amor e carinho e se possível comente o que achou.

É isso e até mais

(Ps: algum erro ? Me avise por favor, tentarei arrumar o mais rápido possível)

Capítulo 1 - Te amo, te odeio


Fanfic / Fanfiction Te odiava te amando (Akakuro) - Capítulo 1 - Te amo, te odeio

Eu poderia te odiar te amando? Essa pergunta vivia atormentando minha mente, sempre indo e voltando.

Você é um arrogante. Sempre pensa no seu próprio nariz ao invés de se preocupar com os outros. Em minha opinião, as pessoas desse tipo são realmente as mais lamentáveis do planeta.

A forma que você tratava os outros me irritava. Sempre se sentindo superior e mais poderoso que todos. Meu ódio crescia a cada dia que se passava ao lado do “senhor imperador”.

Sim, eu batia de frente com você. Sempre que era possível eu te dava um sermão e ficava super irritado, enquanto você me olhava com aquele sorrisinho debochado segurando o riso. Você se divertia ao me ver daquele jeito não?

Mas a questão verdadeira que eu jamais admitiria naquela época era que eu te amava. Te odiava te amando, isso era possível?

Com o tempo você começou a mudar, não foi 100℅ porém foi uma mudança. Tratava as pessoas com mais gentileza porém ainda continuava com o sarcasmo e deboche. Isso me deixou feliz, tão feliz que comecei a passar mais tempo com você e discutir sobre ideias do treino de basquete. Porém eu te enxergava, sabia que você na verdade apenas queria ficar comigo. Para ser sincero era até fácil ler suas expressões depois de um certo tempo te observando.

Eu me lembro como se fosse ontem o dia em que enfrentou sua toda poderosa pose de imperador e finalmente me convidou para fazer algo.

Mesmo sendo algo simples você estava nervoso e eu conseguia enxergar isso no fundo dos seus olhos. Veio puxar assunto com desculpinhas esfarrapadas como um treinamento a mais para a equipe por exemplo. E eu apenas concordei. Ao me virar para ir embora, você me segurou pelo pulso me impedindo e disse:

-Vamos ao Maji Buguer discutir sobre isso.- e saiu me arrastando rua a fora.

Lembro-me de quando nosso amigo loiro se jogava em cima de minha pessoa. Seus olhos praticamente pegaram fogo e depois deu uma “pequena punição”a ele.

Provavelmente você pensava que iria me conquistar dessa forma, mas apenas me afastou. Eu nunca achei ciúmes uma boa forma de demonstrar sentimentos. Porém você apenas descobriu isso meses depois do ocorrido.

Mesmo fazendo de tudo para me conquistar (de maneira indireta, claro. Afinal de contas você ainda tinha sua maldita arrogância.), eu ainda insistia em dizer que te odiava.

O nosso tempo de diversão acabou, cada um foi para seu lado. O seu estado mental piorou depois daquilo. Apesar de sua personalidade ser daquela maneira, todos sabiam que no fundo você apenas queria fazer o melhor para as pessoas ao nosso redor. Uma personalidade que jamais havíamos visto antes, a arrogância e sarcasmo vinham com um olhar sem brilho, um olhar de quem havia se perdido. Até mesmo seu melhor amigo pensou que você não voltaria a ser como antes, porém eu tinha esperança que isso iria se resolver. Esse pensamento esperançoso me fez ficar inquieto e aliviado ao te ver novamente.

No nosso jogo de basquete eu vi seu brilho voltar ao normal. Quem diria que perder para alguém te traria de volta à vida? Isso me deixou realmente feliz, o Akashi-kun que eu conhecia havia voltado e querendo ou não isso me fez bem.

Não que eu iria demonstrar isso, óbvio, porém mesmo com toda a emoção que nos envolvia, eu te vi perder o brilho novamente. Em que momento? Na hora em que Kagami-kun me deu um abraço de lado enquanto comemoramos a vitória. Não consegui te encontrar depois de me livrar da multidão que me cercou. Realmente pareceu que o destino não queria nós dois juntos.

Eu fiquei deprimido e com minha falta de expressão só ajudou que ninguém notasse. Quem diria que um amigo me ajudaria? Isso mesmo Akashi-kun, eu pedi para o Furihata-kun me ajudar. Ele havia percebido minha situação e mesmo morrendo de medo fez até o impossível para me ajudar.

Era o que eu achava.

Com o tempo eu percebi que ele havia se aproximado de você. Ele estava sentindo algo por você. Eu não o culpei, a chance disso acontecer era grande então eu meio que estava preparado, mas doeu muito.

Eu te odiava por isso. Por não ter ido atrás de mim mesmo sabendo através do Furihata-kun que eu queria te ver.

Ele se sentiu culpado, implorou perdão para mim de joelhos. Disse que realmente não queria que aquilo tivesse acontecido. E eu aceitei dizendo que estava tudo bem e que havia percebido que estava confundindo amizade com amor. Até mesmo tentei ajuda-lo depois de tudo, mesmo com o coração partido eu não poderia te impedir de ser feliz não é?

Minha surpresa apenas surgiu quando você o rejeitou. Ele chegou acabado no dia seguinte na escola dizendo que havia se iludido, que você amava outra pessoa, que você me amava. E com lágrimas nos olhos, meu amigo falou para mim ser feliz, para mim ir atrás de você é lutar por você.

Nesse dia, eu te odiei por me fazer ficar feliz com a rejeição do meu companheiro de time. Que tipo de amigo fica feliz com isso? Foi tão confuso.

Acabou que nos encontramos mais algumas vezes por motivos banais. Fico surpreendido com as desculpas estúpidas que cada um dava para encontra e o outro. Foi um dos melhores momentos do meu ensino médio.

No dia de nossa formatura, você veio a minha. A sua havia sido algumas horas antes e por isso deu tempo de “dar uma passadinha por lá”. Que péssima mentira não? Até seus amigos afirmaram que a vossa pessoa havia saído correndo da cerimônia. Iríamos nos separar novamente, mas ao contrário de anos atrás, nós mantemos contato.

Conversávamos por mensagens todas as noites e todos os finais de semana você vinha me convidar para fazer algo. Não que eu achasse ruim ou algo do tipo, muito pelo contrário ! Porém havia um pequeno fato que atormentava minha mente de calouro universitário.

Eu tentei me afastar por um tempo? Sim, eu estava confuso com minhas emoções e pensamentos. Eu amava a sua presença mas odiava a forma que dava toques discretos em meu corpo. Éramos homens! Isso deveria ser errado na sociedade, não? Foi aí que você percebeu e colocou um basta. Em uma noite de verão, uma cabeleira ruiva invadiu meu quarto e me selou um beijo.

Foi como se ambos estivéssemos esperando aquilo por uma eternidade, e assim que se finalizou eu passei a te odiar.

Como você ousou acaba e com meu sonho rapidamente e ainda se desculpar? Estava de brincadeira com a minha cara? Em menos de uma questão de segundos eu te derrubei na cama e ataquei com outro beijo necessitado.

Começamos a namorar abertamente e com o tempo eu me acostumei com o “julgamento das pessoas”. A opinião delas não importavam, eram apenas meros figurantes em nossa linda história de amor. Foi você quem me ensinou isso, e sim, você nunca abandonou sua personalidade “imperial” mesmo querendo. Era tão odiavelmente fofo quando você ficava se corroendo de raiva quando algum garoto se aproximava de mim.

Anos se passaram e cá estamos, em um dos festivais mais bonitos do Japão cercados de vagalumes. Provavelmente nossos amigos estão espiando atrás das moitas e árvores esperando ansiosamente por algo, mas eu não me importo. Apenas seus olhos odiáveis lindos importavam agora.

Você retira uma caixinha de trás das costas e me mostra já aberta. Dois anéis de Ouro, aqueles que representam a união e aliança de um casal. Sem medo de sujar o seu yukata caríssimo em meio a terra, meu imperador se agacha e fica de joelhos. Os olhos se levantaram ao encontro dos meus e então finalmente diz:

-Tetsuya, desde que te vi, eu soube que nossa relação era especial. Você é completamente diferente dos outros afinal em poucos segundos consegue me ler por completo. Uma pessoa completamente quebrada e perdida se transformou em feliz e amada com o seu amor. Você conseguiu me consertar! Então eu te pergunto… Kuroko Tetsuya, aceita passar o resto de sua vida ao lado de um imperador que te ama mais que tudo?

Eu odeio a forma que você me faz revelar meus sentimentos.

Eu te amo por conseguir me compreender e querer viver comigo.

Mas ao mesmo tempo eu te odeio por estar me fazendo chorar.

Entretanto eu te amo por me fazer te amar.

Com pequenas porções de lágrimas caindo e os vagalumes nos cercando, coloco um sorriso em meu rosto e respondo.

-Sim, Sei-kun.


Notas Finais


Essa fanfic foi inspirada em uma música e em uma imagem de akakuro muito fofinha.

Música : Suki Kirai

Eu pretendo escrever mais fanfics de akakuro? Sim! Tenho até uma: O Imperador Absoluto E O Fantasma de Baunilha

https://www.spiritfanfiction.com/historia/o-imperador-absoluto-e-o-fantasma-de-baunilha-akakuro-11345671

É isso meus lindos
Um kissu de docinhos e quem sabe não nos vemos por aí novamente? #AkakuroNaVeia


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...