1. Spirit Fanfics >
  2. Teach Me. (Kakasaku) >
  3. Drunk.

História Teach Me. (Kakasaku) - Capítulo 8


Escrita por: hatwkegf

Notas do Autor


oiiii meus amores!
espero muito que gostem desse capítulo, eu ri muito escrevendo!
aliás, eu não tinha visto que o spirit não tinha carregado meus gifs nos capítulos anteriores, mas já arrumei, então vão lá dar uma olhadinha pq estão super fofos (principalmente o do cap. 4 que tá uma delícia).
ah, e eu fiz um twitter, no qual pretendo postar coisinhas sobre a fic, se quiserem seguir o arroba é o mesmo daqui, @hatwkegf.
boa leitura <3

Capítulo 8 - Drunk.


Fanfic / Fanfiction Teach Me. (Kakasaku) - Capítulo 8 - Drunk.

Sakura

Já passavam das onze da noite. Sakura, por incrível que parecesse – por estar ali desde ás seis, dançando sem parar – estava no pico de sua energia. Ela estava se sentindo muito bem hoje. Poderosa, confiante. Havia colocado um vestido preto cheio de brilho, super curto e mais ainda, colado. Não costumava usar altos, mas hoje calçou uma plataforma lindíssima. O cabelo solto, um batom vermelho. Deslumbrante. Desde que Ino havia, finalmente, passado na prova Chunin, depois de todos os seus colegas já terem conseguido, as festas se tornaram eventos frequentes. A loira tinha pais liberais, dinheiro, e um motivo para comemorar; quem se importa se era sempre o mesmo? Eram festas incriveis, e claro, Sakura sempre estava lá.

Nunca foi muito fã de álcool. O gosto, em sua concepção, parecido com produto de limpeza, não lhe agradava muito, e o fato de ser proibido para menores de 18 em Konoha também lhe desanimava um pouco. Muito trabalho para só um líquido, pensava. Mas hoje havia sido diferente. As amigas insistiram muito para que provasse, já que todos os jovens da vila de suas idades estariam ali, e todos, sem exceção, experimentariam. Ilegal sim, mas não tão difícil de conseguir. Ela começou com um drink de cerveja com um pouco de groselha, em seguida aumentou a intensidade para uma mistura de energético e vodka que Shikamaru fez, e no final da noite estava se acabando em copos gigantes de gin e qualquer suco que encontrasse por ali.

— Você precisa de mais! – Hinata chegou perto, trazendo consigo dois pequenos shots de tequila, fatias de limão e um pouco de sal.

A morena espalhou um pouco de sal abaixo da clavícula, um pouco antes de onde seus seios se juntavam, e entregou uma das fatias para a amiga, logo colocando o dedo indicador no pote de sal e levando á língua, rapidamente completando com a bebida e o limão. Sakura ria com o estado das duas. Não pensou muito ao colocar o cabelo atrás da orelha e levar a língua até a pele quente da outra, lambendo tudo que estava ali. A amiga despejou o líquido em sua boca e ela imediatamente chupou a fatia da fruta que estava consigo. Se aproximaram, achando graça da situação, chegando perto demais uma da outra. Caíram na gargalhada. Estavam completamente bêbadas.

— Por Deus, você realmente está precisando dar uma! – Sakura empurrou a amiga de leve para o lado — Vamos procurar o Naruto!

— Ele está dormindo na poltrona externa! – o rosto de Hinata já ficara vermelho de tanto rir — Adormeceu juntinho com o Kiba.

— Eles vão se matar quando acordarem. – se encostou nos ombros da amiga.

— Ah, não tenho dúvidas. – passou os braços pelos ombros da médica, a abraçando — E por falar em dar uma... – ela diminuiu o tom de voz — Como anda o Kakashi?

— Ótimas. – sorriu — De verdade, não poderia ser melhor. Ele é romântico, atencioso, sensível, maduro... Não é como os caras da nossa idade, sabe? – Hina assentiu — E o sexo... Oh, meu Deus, o sexo! Não tenho em palavras para descrever. Ele tem uma pegada tão forte, selvagem, me sinto um brinquedo nas mãos dele.

— Ora, ora. Quem diria que aquela garotinha que corria atrás do colega de equipe agora seria um brinquedo nas mãos de seu próprio professor. Isso daria um ótimo filme adulto. – as duas riram, a médica depositou um tapinha na coxa da outra.

— Amo o que temos, Hina, eu realmente amo. Amo muito. – suspirou.

— Ama só o que têm?

O silêncio pairou por alguns segundos. Sakura olhou para a amiga, pensando sobre todas as respostas que poderia dar, mas escolheu a sincera. Balançou a cabeça negativamente. Ela sabia, assim como suas amigas sabiam, que era mais que um rolo passageiro. Ela sentia algo. Sentia amor. Amor por ele. Não podia negar que toda a história com o ex namorado lhe vinha á cabeça vez ou outra, principalmente por ele ter deixado a vila após saber que ela estava com oura pessoa. Se perguntou por algum tempo se realmente havia recuperado-se o suficiente para se permitir a entrada de alguém em seu coração de novo, e tão rápido. E a resposta foi sim. Por diversos e infinitos motivos, Kakashi a completava em tudo que ela queria e precisava. Ele á fez feliz, á fez mulher. Fez em meses o que Sasuke não fez em anos. Ela queria ele por inteiro.

— Eu o amo. – fez uma pausa – É, eu amo mesmo. O quê é super louco porquê não muito tempo atrás estava dizendo isso de outra pessoa, mas... Apenas parece certo, entede? – ela assentiu — Eu queria tanto poder andar com ele pelas ruas, acariciar os cabelos dele enquanto treinamos juntos... Dizer á todos que ele é meu.

— E você pode. – Sakura á olhou e ela se ajeitou na cadeira, olhando-a — Olha, Sak, não é porquê vocês não podem fazer todas essas coisas em meio ás pessoas, que não podem fazer só para vocês mesmos. Vocês se gostam e isso basta. O que há demais em segurar a mão dele em público? Você pode fazer isso quando estão sozinhos. Isso não tira a magia, os arrepios, as borboletas no estômago. Se quer ficar com ele, apenas faça.

— Você não acha cedo demais? – os olhos brilhavam.

— Não sou tão próxima á ele, mas todos sabemos o que Kakashi já passou. Eu duvido muito que, no auge da idade, ele não queira um compromisso com alguém que o fez deixar seus medos de lado e se entregar á algo real. – ela levou uma das mãos até o rosto da kunoichi, encorajando-a — Você consegue.

Sakura á encarou por um minuto e sorriu. Sabia que estava certa. Sabia que poderia confiar nele, se entregar á ele, se permitir ser feliz.

— Você me leva até lá?

— Com certeza. – sorriu – Vamos achar a Ino.

As duas se levantaram e correram até as escadas, subindo os degraus cambaleando uma em cima da outra. Abriram porta por porta, chamando pela amiga, até que acharam a certa. Lá estava ela, por cima de Sai, chupando o pescoço do garoto ferozmente. Os dois se viraram, assustados com o barulho, e ao ver a amiga cheia de atitude parada ali, Ino já sabia do que se tratava.

— Vamos oficializar um casal! – gritou Hinata, levantando os braços. Sakura pulou e bateu palminhas.

— Ah, com certeza vamos! – Ino levantou depressa, fechando o sutiã e saindo do colo do namorado — Me espera aqui, tá? – ajeitou a saia e o cabelo e depositou um selinho na bochecha do mesmo, correndo até a porta com a blusa e os sapatos na mão, praticamente semi-nua — Opa, esqueci isso aqui. – correu até o criado mudo e sacou em mãos uma garrafa de champagne pela metade, acenando para Sai, que ficara ali sentado, ao mesmo tempo chocado e achando tudo engraçado.

Entraram no carro. Hinata acabara de tirar a habilitação, sendo assim seu estilo de dirigir era um tanto quanto peculiar, digamos assim. Sakura sentou na frente e Ino no banco de trás, logo subindo e enfiando metade do corpo no teto solar. A morena passava todos os sinais vermelhos, correndo como nunca. A casa do ninja não ficava tão longe dali, mas queriam chegar o mais rápido possível, antes que a amiga desistisse da idéia. Estavam em pura adrenalina, fazendo tudo que sabiam que era extremamente irresponsável. Mas hoje valeria á pena. Sakura ligou o rádio, colocando o som o mais alto que pode, e todas gritaram. Hinata colocou o braço que não estava no volante para fora da janela e o balançou freneticamente enquanto acompanhava a letra da música, e Ino por sua vez pulava no banco se lançando para o teto do carro. Sakura colocou boa parte do corpo para fora da janela, e em puro êxtase, gritou:

— Eu estou apaixonada pra caralho!

*

Kakashi

Kakashi estava sentado no sofá lendo o um dos livros da franquia do Icha Icha, pela milésima vez, já que ainda não havia conseguido comprar o mais novo lançado. Estava com uma caneca de café na mão, mas não usava nada no corpo. Os pensamentos um pouco altos. Á medida que lia as palavras eróticas e surpreendentemente explícitas, sentia sua pele esquentar. Era inevitável. Havia aprendido á controlar estes instintos com o passar dos anos, ainda mais para poder lê-los em qualquer lugar sem ser desconfortável, mas ultimamente, toda vez que algo sexual lhe passava por perto, ele a imaginava. Era difícil de resistir. Lembrava da pele macia e branca, e das marcas que ele sempre deixava ali. Pensava em como a boca da garota era quente, úmida e suave. Sakura era uma tentação na qual ele queria cair. Ergueu o olhar, estranhando, quando ouviu a campainha tocar. Se perguntou quem seria á uma hora daquelas, mas decidiu atender.

— Só um segundo. – disse alto á porta, se levantando e colocando a primeira bermuda de dormir que encontrou. Tinha certeza de que quem quer que fosse não se importaria de vê-lo assim. Ajeitou o tecido no quadril afim de tentar disfarçar a ereção que ele continha, e enfiou a máscara no rosto. Costume.

Caminhou até a porta, ouvindo um leve burburinho do lado de fora, e abriu de uma vez. Se deparou com uma cena, no mínimo, inusitada. Sakura estava ali, apoiada nos braços das duas amigas, com o rosto vermelho. As três mal aguentavam parar em pé, e riam sem parar. Hinata totalmente descabelada, Ino de sutiã e descalça, e a médica com as alças do vestido caídas e segurando um dos saltos nas mãos. Ele ficou confuso por um momento, até que avistou com a loira uma garrafa. Uma garrafa enorme. E vazia. Estavam completamente embriagadas.

— Minha nossa, o que aconteceu com vocês? – ele deu um passo para fora, pegando o recipiente e jogando na lata de lixo ao lado da porta. Percebeu que as três davam risadinhas maliciosas ao encará-lo.

— Você é gostoso mesmo. Entendo o fascínio. – Ino disparou. Hinata jogou a cabeça para trás e riu alto, enquanto Sakura franziu as sobrancelhas e a repreendeu. Ele acabou rindo junto. Não estava esperando por aquilo.

— Eu agradeço, Ino. – estendeu os braços até Sakura, segurando-a e levando para dentro com cuidado — O que aconteceu aqui?

— Sakura queria falar com você, então á trouxemos, mas já estamos indo. – Hinata sorriu, quase caindo em cima da outra amiga — Nós estamos numa festa! – disse animada.

— Não posso deixar vocês irem embora nesse estado. – disse sério — Eu sou o adulto aqui, portanto, são minha responsabilidade agora.

— Nós estamos bem! Não seja um chato, Hatake. – Ino encostou o indicador no peito do ninja, debochando — Nossa, que forte.

— Não seja uma vagabunda! – Sakura rosnou em meio á esbravejos e risos nos braços de seu professor.

— Eu insisto. – ele pegou Sakura pela cintura, caminhando com ela até o sofá, a pousando ali delicadamente — Eu vou descer com vocês e pedir um motorista. De quem é o carro? – Hinata apontou para ela mesma — Certo. Amanhã o levo na academia para você, tudo bem? – ela assentiu – Ótimo. Eu volto num instante, fique sentadinha aqui. – se dirigiu para a médica. Ela concordou. Ele calçou os chinelos, alcançou uma camisa pendurada na cadeira e a vestiu de qualquer jeito, saindo para o lado de fora e segurando as meninas, uma de cada lado do corpo — Certo garotas, vamos lá. Muito cuidado. – desciam os degraus devagar, vez ou outro cambaleando e rindo de algo que só elas sabiam. A cena era hilária — Meu deus, como foi que conseguiram chegar aqui em cima sozinhas?

*

— Pronto. Liguei para os pais das duas e as coloquei no carro. O motorista irá levá-las para a casa da Ino, mas acho que acabei com a festa. Peça desculpas á ela por mim por isso. – Kakashi riu, adentrando sua sala e fechando a porta atrás de si — Ai, nossa. – levou a mão ao peito.

Sakura estava de pernas cruzadas no sofá. Seu vestido estava no chão, junto dos saltos. Usava agora apenas uma calcinha de renda preta e seu batom vibrante.

— Olá, sensei. – ela chegou mais perto, passando as mãos pelo peitoral definido. Subiu os dedos por ali e logo alcançou a máscara que cobria o rosto do ninja, a arrancando de uma vez. Ela tinha ficado boa nisso.

— Oi, gostosa. – passou as mãos pela cintura da garota, a puxando para perto. O contato com os seios nus o fez respirar mais fundo. Levou o nariz até o pescoço quente e se demorou ali, sentindo o perfume floral misturado com o suor. A língua explorou a área, sentindo o gosto salgado da pele. A tomou entre os dentes, sugando. Um gemido baixinho saiu dos lábios da garota, que tomou atitude subindo a camisa do ninja, a jogando no chão.

— Pensei em você a noite toda. – disse em seu ouvido. A expressão safada o fez puxá-la para um beijo, segurando a cintura com força. Seus dedos se entrelaçavam nos cabelos cor-de-rosa, puxando-os pela nuca.

— Só por um acaso, você acha que vai se safar de me dar uma explicação me seduzindo? – ele mordeu seu lábio, sorrindo.

— Na verdade, sim. – ela riu.

— Está absolutamente certa. – Kakashi agarrou as nádegas de sua aluna, a puxando para seu colo, e ela abraçou sua cintura com as pernas. Tomaram seus lábios um para o outro, se desmanchando em desejo.

O ninja a levou com pressa até a bancada da cozinha, onde a sentou e deitou parte de seu corpo, deixando beijos molhados e quentes por todo o pescoço e colo. Desceu os lábios até o bico de um dos seios e logo o colocou na boca, chupando com vontade. Não queria enrolação. Queria estar dentro dela. Sakura o olhava e segurava sua cabeça com uma das mãos, seu rosto tinha a expressão de prazer tão gostosa que ele tanto gostava. A boca um pouco aberta, vez ou outra mordendo o lábio, as sobrancelhas franzidas, implorando por mais. Ele á desejava como louco, a vontade era de devorá-la ali mesmo. Ele só se esqueceu de um singelo detalhe: Sakura estava bêbada. Neste pequeno esquecimento de ambas as partes, a kunoichi, em desespero de sentir mais daquilo, fez menção de se apoiar sobre os cotovelos, mas errou o alvo. O corpo caiu para trás, as pernas foram para cima, e suas costas chocaram o chão quando ela gritou.

— Sakura! Você está bem? – ele correu até ela no chão, se abaixando e a tomando nos braços. A preocupação foi embora quando ela abriu um enorme sorriso e começou á gargalhar de si mesma. Kakashi conseguiu respirar, acabando em risada também — Ok, nada de sexo até você estar sóbria.

— Não... – disse manhosa — Eu quero você... – ela sorriu de canto, passeando as pontas dos dedos pelo tecido da bermuda que o ninja usava, acariciando-o.

— Eu sempre te quero, linda... – ele pegou sua mão, dando beijinhos ali — Mas você literalmente acabou de cair da minha bancada da cozinha. – riu.

— Acho que tem razão. Conchinha? – sorriu.

— Claro. Tudo para minha pequena alcóolatra. – sorriu. Sakura riu alto. Ele á segurou pelas pernas e costas, a pegando no colo e seguindo em direção ao quarto. Ela passou os braços por seu pescoço, adorando aquilo.

— Me sinto uma princesa.

— Você é. – o ninja a colocou na cama gentilmente, ajeitando seu corpo, já que ela estava mole o suficiente para não conseguir fazer isto sozinha. Pegou uma mante grande e não muito pesada e a cobriu. Deitou-se ao seu lado. Levou os dedos até o rosto vermelho por resultado da bebida e acariciou ali. A achava tão linda, não importava como.

— Sabe... – ela se aproximou, se aconchegando no peito forte e descoberto — Eu vim aqui porquê queria te dizer uma coisa. – encostou a cabeça ali, fechando os olhos, discursando as palavras com a voz um pouco mole.

— Pode dizer. – acariciou os cabelos curtos.

— Eu... – ela disse baixinho — Eu amo... – e cessou. O silêncio reinou ali no momento. Kakashi sentiu seu coração disparar e quase sair pela boca, suando frio. E então percebeu que a frase não se completaria, pelo menos, não hoje. A kunoichi dormia como uma pedra, exausta. Ele sorriu, encostando sua cabeça na dela.

— Eu também, Sakura. Eu também.

 


Notas Finais


sakura bêbada é minha religião kkkkkkk obrigada á todos que chegaram até aqui! deixem seu comentário, é muuuito importante pra mim!
ah, e aliás, queria esclarecer só uma coisinha aqui: a história é no universo original, mas não estou sendo totalmente fiel ao anime, acho que perceberam, e não pretendo ser. por exemplo, incluir todos os acontecimentos e a ordem das coisas exatamente como nele, estou mudando algumas coisinhas, e outras (como as tatuagens do kakashi, por exemplo) são headcanons meus, tá bom? espero que entendam e continuem gostando mesmo assim <3
obrigada a cada um que acompanha, não poderia estar mais feliz!


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...