História Teacher - Capítulo 45


Escrita por:

Postado
Categorias Originais
Personagens Personagens Originais
Tags Colegial, Michelle Hatcoxx, Original, Teacher
Visualizações 85
Palavras 1.882
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ficção Adolescente, Romance e Novela
Avisos: Álcool, Bissexualidade, Drogas, Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo, Tortura
Aviso legal
Todos os personagens desta história são de minha propriedade intelectual.

Notas do Autor


JUJUBINHAS AMADAS DO CORAÇÃO!
Hoje definitivamente não tem enrolação! Sei que vocês nem queriam estar lendo as notas porque o capítulo de hoje tá PEGANDO FOGO EU SEI, então antes de começarem: Muito obrigada pelos reviews recebidos! Se eu não respondi seu review, não se preocupe em breve eu vou responder! Espero que vocês curtam o capítulo de hoje, apesar da tensão!
Esse é um capítulo especial, foi um dos mais brainstormizados! Digamos assim!
Não esquece de comentar, compartilhar, e favoritar a história é claro!
Sem mais delongas meus amados! Vejo vocês nas notas finais <3

Capítulo 45 - All About Us


Meu Deus, por favor... Apareça alguém, pelo amor de Deus, por favor... Eu oro coberta de vergonha e medo. O maldito professor passa suas mãos sujas e grandes pelas minhas nádegas enquanto segura meus braços para trás. Ele puxa as laterais da minha peça íntima e dá uma gargalhada de vitória. 

-Agora eu sei o que o Arthur vê em você, Julie... - Rafael inclina seu corpo em cima do meu e coloca sua boca ao lado do meu ouvido – Que corpinho lindo você tem...  

Me desvio de seu hálito quente e sinto o sal das lágrimas caindo nos meus lábios. A corda deixa minha boca dormente, é inútil pedir socorro. Ninguém vai me escutar.  

-Não se preocupe, vai ser rápido. Mas você vai gostar! Eu prometo! - Rafael diz ansioso e ouço-o abrindo o zíper da calça. 

O medo me impede de controlar as lágrimas e elas trasbordam quentes, caindo em meu rosto. Meu Deus, por favor... Apareça alguém. Eu suplico, em meio as minhas lágrimas. 

No corredor superior, Arthur corre o mais rápido que pode para chegar a sala 12. Melissa tenta acompanhar o ritmo dele. Exausto, ele para em frente a porta fechada da sala 12 no final do corredor.  

-Julie!! - O professor grita tentando abrir a porta – Abre essa porta!! 

Graças a Deus, é Arthur! Ele bate na porta aos murros e grita por mim. Uso meus dentes para tentar abaixar a corda e quando consigo não hesito em responder a seu chamado. 

-Socorro!! - Grito com todas as minhas forças. 

-Quieta! - O carrasco me acerta um tapa no rosto – Não adianta, chamar o seu professorzinho! A porta tá trancada! Ele não vai conseguir te salvar! Ninguém... - Rafael ameaça esfregando sua ereção em mim - Ninguém... Vai te salvar Julie. Nem o seu professorzinho, nem ninguém... 

Ele roça sua ereção por minhas nádegas e o temor toma conta de mim. Por favor, meu Deus... O meu lamento se descontrola e o choro se estende em meio ao soluço. É o fim. 

-Hora... De te mostra quem é o seu professor de verdade. - Rafael diz firme. 

Ouço Arthur do lado de fora chutando a porta com força enquanto o maldito geme ao esfregar sua ereção por mim.  Arthur chuta a porta ainda mais forte, uma, duas, três vezes, e o barulho da madeira bate na porta com força.  

-Seu filho da puta! Desgraçado! Solta ela, agora! - Arthur grita ordenando. 

-Ah olha só... Agora a festa está completa! Eu estava prestes a possuir sua ninfetinha Arthur! Mas não se preocupe! Você pode vir pela frente e eu por trás. O que acha? - Rafael petulante diz e gargalha de deboche. 

Um tiro acerta o vitrô e grito em pavor.  Os estilhaços do vidro vêm em direção aos meus olhos e abaixo a cabeça, tentando os evitar. Olho para trás e vejo meu salvador: Empunhando com firmeza e segurança, a Desert Eagle brilha na luz nas mãos de Arthur. 

-Eu não tô brincando! Eu vou dar um tiro no meio da sua fuça, seu animal nojento! - Arthur ameaça e engatilha a arma novamente. 

-Ah é? Então vai! - Rafael vira a cabeça enquanto segura meus braços com força - Atira em mim! Você vai preso, e eu vou continuar comendo a sua aluna favorita! Pode ter certeza que comigo, ela nem vai lembrar quem você é! 

Arthur não diz nem mais uma palavra e vejo sua sombra vindo para cima de Rafael. Ele o acerta com a arma brilhante na cabeça e aproveito a distração dele para correr até a porta, onde está Melissa. Ela me abraça e eu desabo nos braços dela, me sentindo suja e apavorada.  

Rafael e Arthur trocam socos e tapas, no canto da sala. O nariz de Rafael sangra e escorre pela boca e pelo queixo, quando Arthur o segura pelo pescoço e o olha arfando de raiva.  O deboche ainda estampado na cara de Rafael ri de Arthur, e o provoca: 

-Realmente... Sua aluna é uma delícia! Tem a pele tão macia, e geme tão gostoso... - Rafael diz sem temores e olha para Arthur, rindo. 

Arthur não responde e o atinge com a Desert Eagle na cabeça. Rafael vai para trás e se segura na mesa do professor para não cair.  Arthur o pega peço pescoço novamente e o golpeia, uma, duas, três, quatro, cinco, seis vezes até que leva outro soco de Rafael. Arthur vai para trás e Rafael tira a arma brilhante de suas mãos. 

-Você é bom com uma arma, mas vamos ver sem ela - O carrasco diz e joga a arma de Arthur no corredor, e o acerta nas costas. 

 Arthur se segura na lousa, e quando se vira Rafael dá sua revanche, com os punhos cerrados. Arthur agarra Rafael pela cintura e o empurra contra a carteiras dos alunos. Rafael grita de dor e cai no chão, junto com as carteiras. Rafael tenta se levantar e Arthur o impede, o chutando-o no baixo abdômen. Arthur tira do quadril a Colt 1911 e a engatilha na frente de Rafael, deitado. 

-Surpreso, filho da puta? - Arthur o provoca ofegante, com o pé em seu abdômen, apontando sua arma favorita para o boçal. 

-Parados! Polícia! Todo mundo parado! - Os policiais civis ordenam empunhando suas armas. 

-Ele já está rendido! - Arthur responde aos policiais. 

Tassiane aparece ao lado dos policiais. Ela me olha nos braços de Melissa aos prantos e vem ao meu encontro, me abraçando também. Rafael é levado algemado por dois policiais e Arthur trava suas armas. 

-O senhor então é o professor de Inglês? E foi avisado que a aluna estava sozinha aqui? - O policial pergunta a Arthur ao mesmo tempo que anota o que ele diz. 

-Aquelas garotas que estão com ela, são suas amigas. Perguntei onde estava a Julie, porque sempre andam juntas. Disseram que ela estava aqui, que ainda não tinha terminado sua prova. 

-O senhor pode me mostrar seu registro? 

-Ah claro... - Arthur pega sua carteira e entrega um cartão ao policial. 

O policial confere o cartão de Arthur e anota algumas coisas. 

-Quantas armas o senhor tem? 

-Três. Uma está em casa. 

-Vamos precisar levar aquela sua arma, a Desert Eagle para perícia. Quanto a garota, terá que fazer exame de corpo de delito no IML. E o senhor vai ser testemunha, será obrigado a depor agora na delegacia! Nós entraremos em contato com você com a escola também, para  cobrar uma posição quanto a permanência desse professor Rafael, aqui! Ah e professor Arthur, obrigado! Você evitou uma tragédia maior hoje. Foi um verdadeiro herói! 

-Eu só fiz o que achei certo!  

O policial bate nos ombros de Arthur e vai embora. Arthur vêm em minha direção, e me abraça. Seus braços me envolvem com força e me ponho a chorar em seu peito, e ele também não evita as lágrimas. Meu professor... Meu salvador... Seu abraço quente me conforta e meu pavor diminui. 

-Me desculpa Julie! Eu deveria ter chegado antes, mas... - Arthur soluça quando faz carinho nos meus cabelos - Ele não vai mais fazer mal a ninguém, eu prometo. Eu vou fazer o que precisar pra te proteger. Ah minha menina! - Ele me aperta ainda mais, temoroso.  

Não respondo e retribuo a força de seus braços. Descemos os quatro juntos: Melissa, Tassiane, meu salvador Arthur e eu. Arthur cobre meu rosto com seu blazer e descemos até o corredor da secretária. Vemos Rafael ao fundo conversando com Márcia e um policial. Márcia está corada de nervoso e eles discutem calorosamente. Ela deixa Rafael falando sozinho me vê e me olha com pena.  

Meu pai surge do portão que separa o corredor da secretaria e o vejo enfurecido, partir para cima de Rafael. 

-Monstro! Nojento! Seu asqueroso! Eu não vou sossegar enquanto não te ver atrás das grades, seu maldito! - Meu pai golpeia Rafael na boca e ele cospe o sangue que ainda guarda na boca.  

O policial separa os dois e pede distância. Meu pai me vê de longe e chora aliviado: 

-Julie! Filha! - Roberto corre e me abraça - Meu amor! Minha filinha... Você tá bem? Como você tá? - Não respondo e retorno aos braços do meu pai – Não se preocupa meu amor. Ele vai ter o que merece! Ele vai! Acredite! 

Meu pai me acarinha nos cabelos e me dá um beijo na raiz dos cabelos. 

-Eu soube de você, professor. 

-Por favor, meu nome é Arthur... 

-Eu soube o que você fez! Foi muito corajoso! Se você não tivesse chegado, aquele animal imundo poderia... Bem, eu não ouso nem falar!  

-Eu só fiz o que eu achei certo. A Julie é querida por todos aqui. Eu nunca confiei completamente naquele monstro! 

Meu pai me afasta dele e dá um abraço longo em Arthur. Ele deixa cair algumas lágrimas na camiseta branca de Arthur e aperta sua mão. O momento é memorável e lindo. 

-Obrigado! - Roberto aperta a mão de meu salvador e olha em seus olhos – Em nome da minha mulher e da minha filha, eu agradeço você professor. Você vai ter a minha eterna gratidão! 

Arthur balança a cabeça e um policial se aproxima, quebrando o momento. 

-Com licença, senhor Roberto! Sargento Ferreira, policia civil.  - O policial mostra seu crachá - Eu preciso que o senhor e a sua filha me acompanhe para o exame de corpo de delito. 

-Ah claro! Claro! Eu só... Preciso fazer uma ligação, avisar pra minha mulher que... 

-Senhor! Nesse momento, estamos com sua mulher no telefone! O delegado pediu que os pais fossem os primeiros a serem informados! E eu também vou precisar de você, professor Arthur. Seu depoimento é muito importante para nós!

-E o que vai acontecer com ele? - Arthur pergunta e aponta para Rafael. 

-Vai depender do resultado do corpo de delito. Me acompanham? 

-Claro! Sim senhor. 

-Quer que eu cubra seu rosto de novo? - Arthur pergunta e ajeita seu blazer ao meu redor. 

Balanço a cabeça e Arthur me envolve em seu blazer preto de novo. Quando passamos pelo estacionamento, alguns jornalistas fazem perguntas, porém Arthur abaixa todos os microfones erguidos para mim e me coloca no carro com segurança. 

Já dentro da viatura, me sento entre Arthur e meu pai. O sargento entra no carro e dá partida. Vejo a senhora Natsumi conversando com alguns dos jornalistas próximo à secretaria: 

-A diretora, a senhora Márcia, está muito abalada para se pronunciar sobre o que o ocorreu... - A senhora Natsumi limpa o canto dos olhos - É muito triste porque, ela, essa aluna, foi uma das vítimas. Não sabemos quantas mais foram, violentadas... Por ele! - A senhora Natsumi segura o soluço -Passamos um tempo juntas recentemente, na viagem que a turma dela fez pra Castelhanos, e... É chocante, porque...É um dos nossos professores. Ele chegou a pouco tempo e já virou tudo de cabeça pra baixo. Eu me coloquei no lugar, no lugar do pai dessa aluna que chegou aqui transtornado! E em nome da nossa escola, eu humilde e sinceramente peço desculpas por falharmos na segurança dos nossos alunos. Vamos colaborar com as autoridades pra esse caso acabar o quanto antes! Obrigada! 

A senhora Natsumi deixa os jornalistas falando sozinho e volta a entrar.  


Notas Finais


Música que tocou no capítulo de hoje : t.A.T.U - All About Us : https://www.youtube.com/watch?v=6yP4Nm86yk0

RAPAZ... QUE TENSÃO FOI ESSA HEIN
O que vai acontecer em seguida? Rapaz, nem eu mesma sei! Eu to escrevendo o capítulo agora!

Se você gostou desse capítulo ou se esse é o primeiro capítulo que você tá lendo de TEACHER, não esquece de comentar aqui em baixo! Não custa nada, e eu respondo =D
Se você já é leitor antigo então aproveita, desce nesse espaço aqui e diz o que você achou desse capítulo! (Podem xingar a autora também, hehe)
Em breve voltaremos com mais bombas.
Se preparem, a merda maior ainda tá pra acontecer. E não se surpreendam, serão poucos momentos de paz.

Beijo no coração de todos que leram! Até amanhã fielmente <3
Titia Michelle ama vocês <3


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...