1. Spirit Fanfics >
  2. Tédio? Nunca mais! >
  3. Quero sair do tédio

História Tédio? Nunca mais! - Capítulo 2


Escrita por:


Notas do Autor


Olá!
Trouxe mais um capítulo para vcs.
Perdoem os erros e boa leitura. S2

Capítulo 2 - Quero sair do tédio


Fanfic / Fanfiction Tédio? Nunca mais! - Capítulo 2 - Quero sair do tédio

 

- Se perguntarem, diz que não me viu aqui! -- Um garoto fala desesperado se escondendo no arbusto atrás do meu banco.

- O que? -- olho para trás não conseguindo ver seu rosto por estar escondido.

- Com licença! você viu um garoto passar correndo por aqui? -- Uma senhora me pergunta, deve ser a professora dele.

- Não vi ninguém. Desculpa. -- Faço o que ele pediu.

-Ah -- Ela parece decepcionada com minha resposta. A senhora seguiu em frente e quando já estava longe a ponto de sumir de minha vista.

- Já pode sair. -- Aviso. O garoto sai de trás do arbusto e se senta ao meu lado.

- Obrigado por não me entregar. -- Ele estava cansado, acho que é de tanto correr.

- Você estava fugindo da professora, por que? -- Pergunto curiosa.

- É que eu não gosto da aula dela. O que é isso na sua testa? -- Arregala os olhos colocando o dedo indicador no meu ferimento.

- Ai! Não encosta tá doendo -- Reclamo batendo em sua mão. Garoto sem noção.

- Desculpa. -- Fez uma cara de dor -- E você, por que não tá na aula?

- Eu cheguei atrasada e agora estou esperando a próxima aula, que aliás vai ser daqui a pouco.

- Hum... Qual seu nome?

- Ana, e o seu?

- Jimin.-- Ele olha por cima de meus ombros -- Droga! Ela tá voltando -- se levanta e limpa a calça jeans preta com as mãos -- A gente se vê.

Fala e sai correndo em direção ao corredor das salas de aula. Fico olhando confusa "A gente se vê" tá bom.

 

[...] O sinal toca anunciando a segunda aula e Ana, começa seguir caminho até sua classe.

Jimin é a segunda pessoa desconhecida que fala com ela naquela manhã, e a garota estranha.

Chegando em sua classe vai direto para o final das carteiras ignorando os olhares sobre mesma, e se senta na última carteira na fila da parede.

Ana não tem amigos, pois não vai com a cara de nenhum de seus colegas de classe, então preferia não conversar com ninguém.

A hora do intervalo chegou e Ana foi até a cantina como de costume, pegou seu lanche, procurou uma mesa vazia para se sentar e assim que avistou uma, não perdeu tempo e se sentou. [...]

 

- Oi. -- Ouve novamente aquela voz.

- Você de novo! -- olha para o garoto que senta ao seu lado.

- Parece até que não gostou de me ver novamente -- Ele fala apoiando seu braço na mesa.

- Não é isso. É que a gente nem se conhece. -- Dou de ombros e mordo meu sanduíche.

- Não seja por isso. Vamos nos conhecer agora. Que tal?

- Tá bom -- Dou de ombros e coloco o sanduíche sobre a mesa.

- Eu começo -- ele fala e coloca as pernas para dentro da mesa sentando corretamente. -- Como já sabe me chamo Park Jimin, estudo inglês e tenho aulas de canto. Gosto de dançar, cantar, ler, atuar e jogar conversa fora. E você? -- Me olha animado.

- Bom, me chamo Ana e estudo medicina. -- Falo tímida.

- Gosta de fazer o que? -- Ele parece curioso.

- Não sei -- Eu realmente não sabia o que gostava de fazer, minha vida era uma rotina sempre fazia as mesmas coisas, nada de novo! Mas pensei em me esforçar um pouco pois o garoto estava curioso encarando meu rosto. -- Ouvir música talvez. -- Falei meio em dúvida. Ele parece decepcionado com minha resposta. Solto um riso com sua expressão.

- Quer fazer uma coisa divertida? --  Ele Sorri. Seus olhos se fecham quando ele sorri, que fofo.

- Tipo o que? -- setrá que devo confiar nele?

- Você vai gostar, tenho certeza. -- Jimin parece animado.

- Quero! -- Me levanto pronta para sair.

- Ei. Agora não! não vai dar tempo -- Ele ri -- No final da aula eu te espero no portão de saída.

- Tá bom. -- O que eu acabei de fazer? Aceitei sair com um desconhecido. Parece ser legal, quero sair do tédio.

 

[...] O sinal toca anunciando que estava na hora de voltar a aula, e Ana faz isso. O restante da aula passou rápido e a única coisa que passava na cabeça dr Ana era pra onde Jimin a levaria? Até que ela se animou em pensar que finalmente iria fazer algo diferente.

11:30 AM o horário das aulas já acabou. Ana guarda seu material na mochila e sai da sala rumo a saída, chegando no portão, ela lembra o que o Jimin disse, então já começa a olhar em volta em busca do garoto. [...] 

 

- Olá de novo -- Me assusto com sua voz batendo na minha nuca e me viro rapidamente.

- Que susto garoto! -- Indago. -- Acho que não quero mais sair com você.

- A que isso! Claro que quer. -- Pega no meu pulso e me puxa me guiando pela calçada.

- Jimin, onde vamos?

- É surpresa. -- Me lança um olhar maroto.

- Tá bom! Pode me soltar eu não vou fugir, fica tranquilo. -- Ele solta meu pulso, e continuo seguindo pela calçada

- Onde você mora Ana?

- A algumas quadras daqui.

- Entendi -- Ele caminhava um pouco a minha frente e eu continuo seguindo. Jimin parece alegre, agitado, faladeiro...

- Ana, corre que o ônibus tá vindo. -- O que? Ônibus? Presto atenção onde a mão dele indica, era um ponto de ônibus a alguns metros a nossa frente e o ônibus se aproximava. Agora entendi. - Vamos Ana! -- Ele me chama já correndo.

- Jimin espera! -- Seguro com força a alça da minha mochila e corro o mais rápido que consigo. Sou sedentária, como ele quer que eu faça isso, Jimin é muito rápido.

- Rápido Ana. -- Ele para de correr, já quase perto do ponto de ônibus e eu me recuso a continuar correndo, já que vejo o ônibus parando no ponto. Não vai dar tempo!

- Não consigo mais. -- Falei cansada já desistindo

Jimin vem correndo até mim, achei até que ele não fosse conseguir parar com tamanha velocidade, mas ele parou, pegou meu pulso e começamos a correr juntos, não tão rápido pois ele percebeu que eu estava cansada. Chegamos a tempo, agradeço pela fila de pessoas estar grande para pegar o ônibus.

 

[...] Ana estava com o coração acelerado tanto pela corrida, quanto pela nova experiência que teve...

Nunca imaginou que correria atrás de um ônibus, até porque nunca precisou pagar um. Ela olhava discretamente para o garoto em pé ao seu lado segurando a barra de ferro do ônibus. Jimin também estava cansado e ele percebeu os olhares de canto da mais nova sobre ele.

Depois de algumas quadras, Jimin a chama indicando que tinham chegado ao seu destino. Eles descem e o ônibus segue seu percurso. [...]

 

- Chegamos. -- Jimin fala animado. Olho pra frete e vejo um prédio de 5 andares, ele era azul claro com detalhes cinza. Na fachada da porta dizia "Academia de dança, canto e teatro"

- É aqui que você faz aula de canto?

- É sim! Vamos, quero que conheça a sala do estúdio. -- Ele atravessa a rua e eu o sigo.

Adentramos o local e tinham alguns alunos espalhados pelo salão grande, uns conversavam outros mexiam em seu celular.

- Vêm.

- Tô indo. -- Começamos a subir uma escadaria, fomos até o segundo andar e era grande, espaçoso, com várias salas. Continuamos andando e em cada sala havia o nome da disciplina na porta, paramos em uma que dizia "Sala de Estúdio"

- A gente pode entrar aí?

- Claro que pode. -- Jimin, tira um chaveiro de sua mochila -- Eu sou um aluno com permissão pra isso, eles confiam em mim. -- Pisca pra mim e logo destranca a porta preta a nossa frente. Entramos e Jimin, ascende a luz e tranca a porta em seguida.

Observo o local, a sala não era muito grande más era aconchegante e cheirosa. É uma sala preta com detalhes em amarelo queimado, tinha um sofá preto de couro de três lugares , uma mesinha de vidro no centro e logo a frente tinha uma cadeira giratória, uma mesa com um computador e os equipamentos que parecia ser de DJ e duas caixas médias de alto falante, uma em cada lado da mesa, logo a frente tinha um vidro grande dando a visão do estúdio e sua parede almofadada preta, tinha um microfone no meio. A luz que iluminava o local era baixa, eu dormiria nesse estúdio de tão aconchegante.

 

- E aí, gostou? -- Perguntou me olhando analisar o local.

- Esse estúdio é maravilhoso. Eu nunca entrei em um.

- Existe uma primeira vez pra tudo.

- Verdade. -- Coloco minha mochila no sofá.

- Eu vou te mostrar uma coisa legal -- Jimin vai até a mesa do que parecia do "DJ" e liga o equipamento, me encanto quando vejo todos aqueles botãozinhos brilhando. -- Senta aqui. -- Aponta para cadeira.

- O que vai fazer? -- Ele me puxa para sentar na cadeira giratória, então me sento.

- Você vai ver. -- O mais velho me deixa alí e vai até uma porta estreita que eu nem tinha notado ali no canto da sala, de repente aparece dentro do estúdio e acena pra mim.

- Jimin, você vai cantar? -- Ele aponta para o ouvido e faz sinal de "não" com o dedo. -- A ele não tá me ouvindo -- Corro os olhos pelos botões e acho um com microfone então aperto.

- Ana! -- Me assunto com sua voz saído da caixa de som -- Tá me ouvindo agora?

- Sim. - faço um positivo com o dedo -- Jimin isso é muito legal... Eu estou me sentindo uma produtora. Agora eu vou fazer um teste com você, se não cantar bem vai ser desclassificado. -- Brinco com ele.

- Tá bom -- Jimin pega o fone e coloca em seu ouvido -- Se sair ruim é porque eu não aqueci minha voz hoje.

- Vai se sair bem. -- Jimin fecha os olhos respira fundo e começa a cantar sem uma melodia de acompanhamento. A música é "We Don't Talk Anymore" tão suave e doce, sua voz me causou arrepios.

 

Eu estava em transe apreciando sua voz enquanto olhava o cantar de olhos fechados com uma das mãos no fone e a outra no microfone. Jimin é tão bonito, ele parece um anjo cantando. Como pode?

- O que achou? -- levo um pequeno susto ao perceber que música tinha acabado.

- Maravilhoso. Jimin você canta tão bem -- Bato palminhas.

- Exagerada -- ele ri. Tira o fone e vem até mim. -- Agora quero ver você cantar.

- Não! Eu não. -- Falo rindo.

- A qual é Ana, eu já cantei agora é sua vez. -- Ele faz biquinho.

- Jimin eu não sei cantar.

- Más não precisa saber cantar, é só para se divertir.

-Não é uma boa ideia. Eu tenho vergonha.

- Então vamos cantar juntos? -- da a ideia e sabe que eu gostei.

- Tá bom. -- Me levanto da cadeira.

- Vamos cantar o que? -- Ele pergunta. E falo a primeira coisa que vem a minha cabeça.

- Kpop?

- Pode ser. -- Jimin gosta da ideia.

 

[...] Jimin organiza uma playlist com várias músicas que os dois escolheram juntos.

Eles cantaram músicas de diversos grupos coreanos, vários estilos diferentes, desde músicas triste, clássica, trap até rap pesadão. Fizeram um verdadeiro karaokê dentro daquele pequeno estúdio. Eles dançavam enquanto cantavam, zoaram um do outro, brincavam e nem viram a hora passar.

Ana não sabia o que era diversão há muito tempo, mas agora com o Jimin, ela viu que sair da zona de conforto e aceitar o desconhecido era bom. [...]

 

- Cansei! -- Falo me jogando no tapete que havia no chão do estúdio.

- Eu também -- Jimin faz o mesmo. Nós dois ficamos fitando o teto em silêncio por alguns segundos até recuperar o fôlego. Eu me sinto suada.

- Que horas são? tenho que ir pra casa. -- Viro para o lado que está o Jimin e ele vira o rosto em minha direção, percebo que sua franja está colada na testa por conta do suor.

- Não sei... Só sei que estou com sede e fome -- Ele se senta e eu faço o mesmo.

- Vamos comer alguma coisa então, aí depois eu vou pra casa. Preciso de um banho. -- me levanto e vou até minha mochila que estava no sofá, pego meu celular e vejo que -- já são 5: 52 da tarde -- Arregalou os olhos, nem tinha noção do tempo ter passado tão rápido.

- Relaxa Ana -- Jimin fala enquanto desliga todos os aparelhos e computador.

 

[...]  Depois de organizar o estúdio os dois amigos saem da sala e vão até um café que havia ali mesmo no prédio. 

Eles conversavam enquanto comiam animados, lembrando o quando Ana desafinava quando tentava alcançar notas altas. Ela ria do Jimin ao lembra dele tentando fazer rap com a voz grossa. Eles riam das coreografias falhas. Quem visse de longe pensaria que estavam contado piadas muito engraçadas um para outro de tantas risadas que saim de suas bocas. E nessas conversas divertidas que eles estavam tendo foi o suficiente para Jimin se apaixonar pela garota a sua frente.

Depois que terminaram de comer, Jimin levou Ana até em casa, aproveitou e pegou o número da mesma. Ele não queria deixar de manter contato com a mais nova.[...]

"Hoje foi um dia e tanto", entro em casa e minha mãe ainda não tinha chegado e já era 7:00 PM. Entro em meu quarto e vejo a bagunça que deixei mais cedo, largo minha mochila no chão e vou até o banheiro tomar um banho.

- Aí que cansada que eu estou -- Entro embaixo do chuveiro e deixo que a água morna relaxe meu corpo.


Notas Finais


Se estiver gostando deixe seu favorito, me ajuda muito S2.
Até a próxima 😘


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...